Curiosidades: Clássicos: Concorde, o calhambeque artesanal de R$ 350.000 dos anos 70 - PressFrom - Brasil

CuriosidadesClássicos: Concorde, o calhambeque artesanal de R$ 350.000 dos anos 70

13:32  13 agosto  2019
13:32  13 agosto  2019 Fonte:   quatrorodas.abril.com.br

Clássicos: Ford Crown Victoria, o grã-fino que virou policial

Clássicos: Ford Crown Victoria, o grã-fino que virou policial Conhecido como táxi e carro de polícia nos últimos anos, nasceu refinado na Detroit dos anos 50

Clássicos: Concorde, o calhambeque artesanal de R$ 350.000 dos anos 70 © Christian Castanho/Foto/Quatro Rodas O fora de série tem 38 anos, mas com corpinho de 88

João Storani foi um dos primeiros a preservar carros antigos no Brasil, um precursor em meio a colecionadores como Roberto Lee, Og Pozzoli e Flávio Augusto Marx.

Sua predileção por americanos como Duesenberg, Peerless e Pierce-Arrow o levou a criar o Concorde, fora de série com nome de avião supersônico e visual da década de 1930.

Empresário bem-sucedido, Storani iniciou o projeto em 1974 com os filhos João Antônio e Cesar Augusto. O Concorde usou a mecânica do Ford Galaxie – motor, câmbio, suspensão dianteira e eixo traseiro.

Auto Show Collection vai homenagear clássicos da Ford

Auto Show Collection vai homenagear clássicos da Ford Próxima edição do encontro de antigos do Sambódromo do Anhembi será na terça-feira (23)

O capricho na carroceria de plástico reforçado em fibra de vidro demonstrava a excepcional qualidade de construção.

A proibição das importações em 1976 aumentou o interesse do mercado interno e Storani foi convencido a exibi-lo no 10º Salão do Automóvel, em 1976.

Mesmo sem preço definido, o Concorde cativou integrantes da alta sociedade e interessados em representar a marca no exterior.

Clássicos: Concorde, o calhambeque artesanal de R$ 350.000 dos anos 70 © Christian Castanho/Foto/Quatro Rodas Suspensão independente do Galaxie

A proposta mais tentadora foi a de exportação para os EUA, onde o único similar era o Excalibur, de Brooks Stevens.

Foi então que Storani fundou a Concorde Indústria de Automóveis Especiais Ltda., viabilizando a produção do chassi de longarinas perimetrais e numeração de chassi no padrão americano.

A artesanal montagem do Iveco Guarani, o superblindado brasileiro

A artesanal montagem do Iveco Guarani, o superblindado brasileiro Não é todo dia que se tem permissão para visitar linhas de montagem. Ainda mais em uma fábrica de veículos militares, cercada de barreiras, controles e sigilos acima do normal. A Iveco Defense abriu uma exceção, no entanto, e nos deixou visitar sua linha de montagem que fica na cidade de Sete Lagoas, Minas Gerais. Essa unidade da Iveco Defense é a fábrica de onde sai o blindado Guarani, veículo para o transporte de tropas do Exército Brasileiro. A montagem do Guarani ocorre em estações, como a maioria dos veículos de produção limitada, como os superesportivos por exemplo. © Iveco/Divulgação O processo de montagem é um trabalho minucioso.

Teria duas carrocerias: conversível de dois lugares e phaeton de cinco lugares. Este último esteve no 11º Salão do Automóvel, em 1978, e após o evento foi submetido ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para homologação.

Ao perceber a seriedade da iniciativa, a Ford do Brasil manifestou interesse em fornecer os componentes do Galaxie.

O comprometimento com outros empreendimentos fez Storani vender a fábrica para o chinês William Ting, com vasta experiência em comércio exterior.

O veículo das fotos é o mesmo do Salão do Automóvel de 1981 e destacou-se na edição 256 da QUATRO RODAS como o automóvel mais caro do evento.

Foi nesse salão que um empresário americano assumiu a representação da Concorde, levando as duas primeiras unidades para os EUA. Os automóveis foram exportados sem motor e câmbio, pois seriam reprovados pelas exigentes normas de emissões estrangeiras.

Clássicos da Volkswagen do Brasil são exibidos em evento na Alemanha

Clássicos da Volkswagen do Brasil são exibidos em evento na Alemanha Clássicos da Volkswagen do Braisl, os modelos SP2, Brasília e Kombi Last Edition foram exibidos na 14ª edição do Schloss Dyck Classic Days. Com o lema “Feito no Brasil – Born local”, a exposição foi realizada no último final de semana, na Alemanha. Dessa forma, o público europeu pôde ter contato com os veículos que ajudaram a construir a marca no Brasil. Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link. “Essa é uma excelente oportunidade para mostrarmos aos visitantes do Classic Days modelos exclusivos feitos somente no Brasil.

Cada Concorde levava seis meses para ser produzido, seguindo sempre a especificação de cada cliente.

Devido a problemas enfrentados pelo representante americano e à recessão que afetou a demanda do mercado brasileiro, a produção do Concorde foi encerrada por William Ting em dezembro de 1985.

Clássicos: Concorde, o calhambeque artesanal de R$ 350.000 dos anos 70 © Christian Castanho/Foto/Quatro Rodas A carroceria phaeton é a mais rara: uma das duas produzidas

Treze Concordes foram produzidos no padrão original de João Storani, incluindo duas unidades exportadas.

Sete carrocerias remanescentes foram adquiridas pelo colecionador paulistano Ari Vicentini e três foram finalizadas como os Concordes originais. As quatro restantes foram descaracterizadas e deram origem a modelos distintos.

O carro das fotos é um dos dois exportados para os EUA e foi encontrado por Eduardo Storani, neto de João, em um site de leilões.

Até agora trata-se do único automóvel brasileiro repatriado anos após a exportação, processo lento e burocrático realizado pelo consultor José Paulo Parra junto ao Denatran.

Além dele, mais três Concordes integram o acervo da família Storani, que hoje se dedica a preservar a memória da obra mais ilustre do patriarca, falecido em 1996, aos 72 anos.

Auto Show Collection recebe Stock Car e clássicos da Chevrolet

Auto Show Collection recebe Stock Car e clássicos da Chevrolet Próxima edição do tradicional encontro de antigos do Sambódromo do Anhembi acontece no dia 20 de agosto

A história do mais exclusivo dos automóveis nacionais será publicada em livro, após um vasto trabalho de pesquisa e registro do colecionador e historiador Murilo Brolio.

Clássicos: Concorde, o calhambeque artesanal de R$ 350.000 dos anos 70 © Christian Castanho/Foto/Quatro Rodas CD-player no painel é lembrança da vida nos Estados Unidos

Ficha técnica – Concorde 1981

  • Motor: longitudinal, V8, 4.950 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, carburador de corpo duplo; 199 cv a 4.000 rpm; 30,6 mkgf a 2.800 rpm
  • Câmbio: automático de 3 marchas, tração traseira
  • Dimensões: comprimento, 520 cm; largura, 180 cm; altura, 140 cm; entre-eixos, 350 cm; peso, 1.500 kg
  • Pneus: 6.50 x 16
  • Desempenho: Não disponibilizado pela empresa.
  • Preço: Cr$ 4,8 milhões (novembro/81)
  • Preço Atualizado: R$ 354.000 (IPC-A/IBGE)

As relíquias que encontramos na mostra de clássicos mais legal do Brasil.
Quem estiver de passagem pelo Rio de Janeiro nos próximos dias e gosta de carros precisa visitar a prestigiada Village Classic Cars 2019, quarta edição da exposição organizada pelo Veteran Car Club do Brasil. A história do automóvel é testemunhada por mais de 100 veículos nacionais e estrangeiros, de singelos utilitários a exclusivos modelos esportivos e de luxo. Se o volume não é tão grande quanto algumas mostras de São Paulo, a qualidade do acervo impressiona. QUATRO RODAS visitou a mostra e apresenta alguns destaques. © Felipe Bitu/Quatro Rodas Willys Itamaraty Executivo 1967 Um dos carros mais legais do evento é o Chrysler Town & Country 1948.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 36
Isto é interessante!