Familia Como desenvolver a resiliência desde cedo

17:26  11 abril  2022
17:26  11 abril  2022 Fonte:   catracalivre.com.br

Crianças desenvolvem preconceito desde cedo

  Crianças desenvolvem preconceito desde cedo Estudo holandês detectou nitidamente o fenômeno no país, que hoje apresenta grande diversidade racialO estudo de De Bruijn faz parte de um projeto de pesquisa maior conduzido pela Universidade de Leiden sob a supervisão da professora Judi Mesman: “KidS: Kinderen in de Samenleving” (Crianças na Sociedade). Como as crianças percebem a diversidade na sociedade? Eles têm contra pessoas de várias origens étnicas? “Tenho formação em ciências comportamentais e acho muito interessante e importante observar a maneira como as crianças desenvolvem preconceito e como isso é abordado”, disse De Bruijn.

Resiliência é o processo de lidar com diferentes tipos de estresse e se recuperar de traumas ou adversidades. Desenvolver essa característica desde cedo nas crianças é muito importante, já que elas precisam aprender a vencer os desafios que o mundo impõe.

  Como desenvolver a resiliência desde cedo © Allan Mas/Pexels

Para ajudar pais e responsáveis nessa tarefa, o blog Novos Alunos, do Grupo SEB (Sistema Educacional Brasileiro), explica como a resiliência é desenvolvida e fortalecida por meio de experiências de vida específicas. Continue a leitura e saiba mais!

Quais fatores influenciam a resiliência em crianças?

Os estudiosos identificaram vários fatores que se agrupam em três categorias gerais: família, indivíduo e comunidade. Eles tocam em vários problemas, mas há um tema recorrente, que perpassa muitos deles: conexão com as pessoas que apoiam essas crianças.

É biologicamente impossível um filho não fazer birra, diz autora

  É biologicamente impossível um filho não fazer birra, diz autora Especialista ensina estratégias para contornar comportamentos desafiadores da infância, como birra.“Muitos pais pensam que é porque o filho é terrível, ou porque o filho não é uma boa criança e na verdade a maioria não compreende que crianças possuem um cérebro ainda imaturo e não são capazes de ter atitudes racionais como as de um adulto”, explica.

Na verdade, muitos anos de pesquisa indicam que a resiliência infantil depende, principalmente, de suas conexões com outras pessoas.

Vamos dar uma olhada nessas três categorias de fatores de proteção, elencando alguns fatores como exemplo, e, em seguida, discutiremos como promovê-los nas crianças.

Fatores familiares:

  • baixo estresse familiar;
  • boa saúde mental dos pais ou responsáveis;
  • ausência de alcoolismo, uso de drogas etc.

Fatores individuais:

  • regulação emocional;
  • percepção de controle e capacidade de impactar a própria vida;
  • autoestima;
  • capacidade de sonhar;
  • habilidades sociais e de comunicação;
  • empatia;
  • senso de humor;
  • bem-estar físico;
  • maior capacidade intelectual e competências cognitivas;
  • composição genética;
  • temperamento fácil etc.

Fatores da comunidade:

  • envolvimento da família;
  • experiências escolares positivas;
  • vizinhança segura;
  • suporte social;
  • atividades extracurriculares etc.

Quais as estratégias para desenvolver a resiliência na infância com base na ciência?

Dada essa compreensão dos fatores de proteção, é possível adotar estratégias específicas para ajudar a desenvolver resiliência em crianças. Embora alguns não possam ser alterados, como a composição genética de cada criança, há muitos deles que podemos fornecer ou apoiar ativamente.

Brinquedos reciclados: um jeito sustentável de brincar

  Brinquedos reciclados: um jeito sustentável de brincar Brinquedos reciclados fazem bem a todo mundo: pais, crianças e planeta. Se você tem filhos, sabe que brinquedos, especialmente os educativos, nem sempre são muito acessíveis. Além disso, presentear os pequenos regularmente com novos itens infantis pode levá-los a desenvolver um hábito não muito saudável: o consumismo exagerado. Os brinquedos reciclados surgem como uma solução que beneficia toda a cadeia de envolvidos. Enquanto os pais economizam, as crianças se divertem com criatividade e respeito ao meio ambiente. Aliás, é muito comum que os brinquedos favoritos das crianças sejam justamente aqueles que foram reciclados.

Criação calorosa, receptiva e solidária

O fator mais comum na construção da resiliência é ter um relacionamento próximo e positivo com pais ou responsáveis afetuosos, receptivos e solidários.

É possível construir esse relacionamento positivo por meio do que os especialistas em desenvolvimento infantil chamam de controle parental autoritativo. Pais ou responsáveis autoritativos são afetuosos e receptivos às emoções de seus filhos, facilitando o desenvolvimento da regulação emocional, um fator de proteção fundamental.

Eles também permitem autonomia e incentivam a independência, ajudando as crianças a desenvolverem o senso de controle de suas próprias vidas. O controle parental autoritativo também incentiva outros fatores valiosos, como autoestima, competência social e habilidades de comunicação.

Em contraste, o amor severo dos pais ou responsáveis não apoia esses fatores de proteção. Com isso, é menos provável que produza crianças e jovens fortemente resilientes.

Elas radicalizaram! Confira 9 famosas que já decidiram raspar a cabeça

  Elas radicalizaram! Confira 9 famosas que já decidiram raspar a cabeça Nessa segunda-feira (07), Bruna Linzmeyer surpreendeu a todos ao surgir de cabeça raspada nas redes redes sociais. Na ocasião, a atriz explicou que ela teve que adotar o novo visual para um novo trabalho nas telinhas, mas amou o resultado: “É pra personagem nova, mas quem disse que eu não amei?“, disse a artista. ++ Beleza […]

Ensino de habilidades na resolução de problemas e enfrentamento

O ensino direto de habilidades de enfrentamento pode ajudar a criar filhos resilientes. Os mecanismos de enfrentamento não são úteis apenas para reagir a dificuldades severas, mas também para lidar com os desafios e transições do dia a dia.

Assim, os pais ou responsáveis podem tratar as mudanças ou dificuldades comuns como oportunidades para incutir essas habilidades.

Além disso, ao aprender a lidar positivamente com as mudanças em sua vida cotidiana, as crianças podem construir um senso de autoeficácia e controle percebido que as conduzirá aos desafios futuros.

Habilidades de enfrentamento positivas também incluem:

  • permitir que a criança resolva sozinha algumas de suas necessidades, desenvolvendo autonomia;
  • instigar que a criança pesquise ou imagine soluções possíveis, desenvolvendo assim seu senso crítico;
  • ajudar o pequeno a encarar uma situação com tranquilidade quando tal situação sair diferente do planejado, para que ele aprenda a ter autocontrole emocional;
  • estimular a perseverança, para que a criança não desista facilmente de seus objetivos;
  • estimular as crianças a estabelecerem metas;
  • cooperar e ser solidário, para manter bons relacionamentos interpessoais na comunidade e na sociedade;
  • aprender a descansar, para garantir uma boa rotina de sono e aprendizagem eficaz.

Trabalho em direção a um ambiente saudável e estável

Os pais ou responsáveis também podem ajudar seus filhos a se tornarem resilientes, garantindo que eles frequentem ambientes positivos, a começar pela própria escola e pelo seu lar. Buscar ajuda para qualquer problema de saúde mental ou conjugal, e modelar estratégias de enfrentamento, são maneiras pelas quais os pais ou responsáveis podem melhorar o ambiente doméstico.

O que fazer em Park City – Dicas para esquiar ou curtir a neve

  O que fazer em Park City – Dicas para esquiar ou curtir a neve O que fazer em Park City – Dicas para esquiar ou curtir a neve - A cidade, localizada em Utah, no coração dos EUA, é uma das melhores estações de esqui do mundo. Os americanos adoram passar as férias por lá, assim como australianos, mexicanos e, também, brasileiros, que estão entre os estrangeiros que mais frequentam a região. Assine nossa newsletter com dicas semanas de turismo e ganhe um e-book exclusivo com dicas de viagem. O motivo é simples: existem outros destinos de neve famosos nos EUA, como Aspen e Vail, mas poucos reúnem tantos encantos para quem chega do Brasil.

Ao mesmo tempo, é importante que eles se envolvam na educação de seus filhos e garantam, junto com os professores e com a equipe pedagógica da escola, uma experiência escolar positiva, sobretudo, ajudando a criança a gostar de estudar. Por fim, eles podem apoiar seus filhos no desenvolvimento de redes sociais positivas.

Quer mais dicas para ajudar a desenvolver a resiliência nas crianças? Visite o blog Novos Alunos e descubra!

Grupo SEB

Além do blog, que trata sobre assuntos como educação bilíngue, período integral, ensino médio, vestibulares e Enem, você pode acompanhar o conteúdo do SEB por meio da página no Facebook , no perfil no Instagram e no canal do Youtube. Você também pode assinar a newsletter para receber conteúdo por e-mail.

Veja também: 5 dicas para ajudar no dever de casa das crianças

Veja também: Opiniões divergentes sobre a educação dos filhos: como dialogar?

Veja também: Saiba como estimular o seu filho a fazer amizades

Veja também: Saiba como cuidar da saúde mental das crianças

Redes sociais deixam os adolescentes infelizes? Talvez dependa da idade .
Pesquisadores identificaram que há certos períodos no desenvolvimento que os jovens podem estar mais sensíveis à tecnologia . “Na verdade, nos perguntamos se as ligações entre mídia social e bem-estar poderiam ser diferentes em idades diferentes – e descobrimos que é isto mesmo”, disse Amy Orben, psicóloga experimental da Universidade de Cambridge, que liderou o estudo. Para a maioria dos adolescentes nos Estados Unidos, as telas são uma grande parte da vida.

usr: 1
Isto é interessante!