Brasil MPF: Witzel 'tinha o comando' de organização que fraudou até caixa d'água

20:36  29 maio  2020
20:36  29 maio  2020 Fonte:   correiobraziliense.com.br

Governador do RJ diz que mortes por covid-19 no Estado teriam ultrapassado 19 mil sem isolamento

  Governador do RJ diz que mortes por covid-19 no Estado teriam ultrapassado 19 mil sem isolamento Wilson Witzel usou suas redes sociais para defender neste sábado a eficácia das medidas de isolamento social adotadas no no Estado para o combate ao coronavírusRIO - O governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, usou suas redes sociais para defender neste sábado a eficácia das medidas de isolamento social adotadas no combate ao coronavírus. Caso não tivesse adotado qualquer controle sobre a circulação de pessoas, o número de mortos no estado já teria passado de 19 mil, apontou Witzel com base em projeções de órgão do governo.

  MPF: Witzel 'tinha o comando' de organização que fraudou até caixa d'água © AFP / MAURO PIMENTEL Informações enviadas pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) apontam que o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), “tinha o comando” de medidas para, supostamente, lesar a gestão dos hospitais de campanha, conforme apuração da Folha de S. Paulo.

Witzel foi um dos alvos da Operação Placebo da Polícia Federal nesta terça-feira (26). Na investigação, a PF afirma ter reunido provas que apontam para o governador do Rio no topo da lista do grupo que fraudou o orçamento até de caixa d’água nas unidades temporárias de saúde no estado.

O governador teria o auxílio da sua mulher, Helena Witzel, e pelo ex-secretário de Estados da Saúde Edmar Santos, o qual encarregou subordinados sob investigação de atribuições.

Parabéns para a Polícia Federal, diz Bolsonaro sobre operação com buscas na casa de Witzel

  Parabéns para a Polícia Federal, diz Bolsonaro sobre operação com buscas na casa de Witzel Parabéns para a Polícia Federal, diz Bolsonaro sobre operação com buscas na casa de Witzel"A coisa está preta lá no Rio", disse um apoiador na frente do Palácio do Alvorada. O presidente, então, aponta para a máscara preta que estava usando e disse que tinha sido informado havia pouco sobre a operação. A operação, autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), mira um suposto esquema de desvios de recursos públicos destinados ao combate ao coronavírus.

Conforme alegado pelo inquérito, no processo de contratação da organização social Iabas constam ilegalidades. A entidade foi contratada para administrar os hospitais de campanha da Covid-19.

“Afirmam [os investigadores] a existência de prova robusta de fraude nos processos que levaram à contratação da Iabas para gerir os hospitais de campanha no Rio de Janeiro, tudo com a anuência e comando da cúpula do Executivo”, diz trecho da decisão do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Benedito Gonçalves, que autorizou a operação.

“Para tanto, informam que foram apresentados orçamentos fraudados para montagem e desmontagem de tendas, instalação de caixas d’água, geradores de energia e pisos para a formação da estrutura dos hospitais de campanha, tudo com o conhecimento do [então] secretário de Saúde. Provas policiais dão conta que os demais orçamentos foram apresentados ao estado para escamotear a fraude na contratação, aparentando uma legalidade inexistente”, completa.

Escritório da primeira-dama também é alvo de operação da PF no Rio

  Escritório da primeira-dama também é alvo de operação da PF no Rio Escritório da primeira-dama também é alvo de operação da PF no RioA Polícia Federal cumpre, na manhã desta terça (26/5), no Palácio Laranjeiras, mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao governo estadual do Rio de Janeiro. Agentes estão no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador Wilson Witzel, na zona sul da capital fluminense, na casa em que o mandatário morava antes de assumir o governo Rio, no Grajaú, zona norte, e ainda no Palácio da Guanabara, sede oficial do governo fluminense.

O ministro diz ainda que com base nas provas , Witzel tinha o comando das ações e era auxiliado pela esposa.

“Afirmam [os investigadores] que as provas coletadas até este momento indicam que, no núcleo do Poder Executivo do estado do Rio, foi criada uma estrutura hierárquica, devidamente escalonada a partir do governador, que propiciou as contratações sobre as quais pesam fortes indícios de fraudes”, prosseguiu o ministro.

“Para tanto, Wilson Witzel mantinha o comando das ações [auxiliado por Helena Witzel]”, completa.

Sobre a operação, o governador do Rio negou que tenha cometido qualquer irregularidade e citou interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Continuarei trabalhando de cabeça erguida. Manterei minha rotina de trabalho para continuar salvando vidas e corrigindo erros que todos nós estamos passíveis de sofrer, diante desse momento tão difícil que atravessa o Brasil —governado por um líder que, além de ignorar o perigo que estamos passando, inicia perseguições políticas àqueles que ele considera inimigos”, afirmou Witzel.

Além disso, Witzel fez um alerta e disse que outros governadores também serão alvos dessas investigações precipitadas.

“O que aconteceu comigo vai acontecer com outros governadores considerados inimigos”, disse.

“Não há absolutamente nenhuma participação ou autoria minha em nenhum tipo de irregularidade nas questões que envolvem as denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal. Estou à disposição da Justiça, meus sigilos abertos e estou tranquilo sobre o desdobramento dos fatos. Sigo em alinhamento com a Justiça para que se apure rapidamente os fatos. Não abandonarei meus princípios e muito menos o estado do Rio de Janeiro”, afirmou, em nota.

Bolsonaro: 'Não vou conversar com Witzel. Até porque brevemente já sabe onde ele deve estar, né?' .
Bolsonaro: 'Não vou conversar com Witzel. Até porque brevemente já sabe onde ele deve estar, né?'"Eu não vou conversar com o Witzel. Até porque brevemente já sabe onde ele deve estar, né?", disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada, pela manhã.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 0
Isto é interessante!