Brasil “Truques e astúcia”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo

00:25  21 setembro  2020
00:25  21 setembro  2020 Fonte:   poder360.com.br

FinCEN Files: Tudo o que você precisa saber sobre o vazamento que expõe bancos no mundo inteiro

  FinCEN Files: Tudo o que você precisa saber sobre o vazamento que expõe bancos no mundo inteiro Arquivos secretos dos Estados Unidos envolvendo cerca de US$ 2 trilhões em transações revelam como alguns dos maiores bancos permitiram que criminosos movimentassem dinheiro sujo em todo o mundo. Um vazamento de mais de 2.100 documentos secretos dos Estados Unidos envolvendo cerca de US$ 2 trilhões em transações revelam como alguns dos maiores bancos permitiram que criminosos movimentassem É a mais nova série de vazamentos que nos últimos cinco anos vêm expondo negócios secretos, lavagem de dinheiro e crimes financeiros. O que são os arquivos FinCEN?Os arquivos FinCEN são mais de 2.

Série de reportagens sobre empresas registradas no paraíso fiscal das Bahamas no período de 1990 a 2016. Os dados foram obtidos pelo jornal alemão “ Truques e astúcia ”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo . por ICIJ. Tesouro dos EUA vê ao menos R$ 18,7 milhões

“ Truques e astúcia ”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo . Quarta parte da reportagem FinCen Files. Bancos servem a oligarcas, traficantes e terroristas em explosão de lavagem de dinheiro . US$ 2 trilhões em operações suspeitas.

Sede do HSBC em Hong Kong © thor David Drascic/ Wikimedia commons Sede do HSBC em Hong Kong

Um vazamento de documentos secretos do governo dos Estados Unidos revela que 5 bancos globais – JPMorgan, HSBC, Standard Chartered Bank, Deutsche Bank e Bank of New York Mellon – desafiaram as medidas legais contra a lavagem de dinheiro e movimentaram quantias ilícitas espantosas para redes criminosas e personagens sombrios que espalharam o caos e minaram a democracia em todo o mundo.

Relatório denuncia grandes bancos por lavagem de enormes quantias de dinheiro sujo

  Relatório denuncia grandes bancos por lavagem de enormes quantias de dinheiro sujo Quantias astronômicas de dinheiro sujo fluíram pelos maiores bancos do mundo durante anos, de acordo com um relatório do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) divulgado neste domingo. "Lucros das guerras mortais contra as drogas, fortunas desviadas dos países em desenvolvimento e poupanças suadas roubadas em esquemas Ponzi conseguem entrar e sair dessas instituições, apesar dos avisos dos próprios funcionários dos bancos, aponta a investigação realizada por 108 meios de comunicação de 88 países.

Durante o período probatório de 5 anos, conforme mostram os Arquivos FinCen, o HSBC continuou a movimentar dinheiro para personagens questionáveis, incluindo suspeitos de lavagem de Parte 4 – “ Truques e astúcia ”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo .

Durante o período probatório de 5 anos, conforme mostram os Arquivos FinCen, o HSBC continuou a movimentar dinheiro para personagens questionáveis, incluindo suspeitos de lavagem de Parte 4 – “ Truques e astúcia ”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo .

Os registros mostram que essas instituições continuaram lucrando com clientes poderosos e perigosos mesmo depois que as autoridades norte-americanas multaram essas instituições financeiras por falhas anteriores em conter os fluxos de dinheiro sujo.

A documentação à qual Poder360 teve acesso foi obtida pelo BuzzFeed nos Estados Unidos e compartilhada pelo ICIJ (International Consortium of Investigative Journalists, ou Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), por meio do projeto chamado FinCen Files (Arquivos FinCen), a sigla em inglês de Financial Crimes Enforcement Network, 1 braço do Departamento do Tesouro dos EUA (o Tesouro norte-americano é equivalente ao Ministério da Economia no Brasil).

Banco dos EUA levanta suspeita sobre lavagem de R$ 1,4 bi na Eucatex de Maluf

  Banco dos EUA levanta suspeita sobre lavagem de R$ 1,4 bi na Eucatex de Maluf Relato é da FinCen, o Coaf dos EUA. Alerta cita acusações de lavagem. Informação do Tesouro é de 2016. Eucatex e Maluf não comentaram . Caso faz parte investigação do ICIJQuando queria mostrar que era multimilionário, ia para a escola com o carro da mãe: 1 Rolls-Royce que havia sido comprado junto com o carro presidencial que Getúlio Vargas importou em 1953. Maria Maluf tinha 1 dos 4 Rolls-Royce que existiam no Brasil.

ECONOMIZE UM MONTE DE TEMPO E DINHEIRO NA LIMPEZA Aqui está um grande número de truques que você pode precisar usar em qualquer dia desses. Esses truques

IDEIAS COM PISTOLA DE COLA QUENTE QUE VOCÊ DEVERIA EXPERIMENTAR Confira uma coleção de coisas incríveis que você pode fazer Você ficará surpreso com a utilidade de uma pistola de cola quente! Além disso, nossas idéias vão ajudá-lo a economizar muito dinheiro e até mesmo

Criada em 1990, a FinCen é uma espécie de Pentágono que atua contra lavagem de dinheiro, terrorismo e outros tipos de crimes financeiros. No Brasil, o organismo equivalente seria o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), só que a FinCen tem muito mais poder.

Esta é a parte 4 de uma série de reportagens: leia a parte 1 (aqui), 2 (aqui) e 3 (aqui). E outras reportagens do Fincen Files aqui.

O dinheiro fluía da Califórnia, Peru, Bolívia, China

E a outros lugares onde famílias de baixa renda estavam dispostas a investir suas modestas economias – US$ 2.000, US$ 5.000, US$ 10.000 – em 1 fundo de investimento que mudasse suas vidas, como elas esperavam.

Com 1 clique num teclado, o dinheiro dos investidores foi canalizado pelas operações em Nova York do gigante bancário global HSBC. Em seguida, ele atravessou o mundo para contas nos amplos escritórios do HSBC em Hong Kong.

Como outros envolvidos no que ficou conhecido como esquema pirâmide do Mercado de Capitais Mundial (WCM na sigla em inglês), Reynaldo Pacheco, 1 pai de 44 anos de Santa Rosa, na Califórnia, divulgou o negócio para parentes e amigos. Quando a pirâmide começou a desmoronar, 1 dos investidores azarados que ele encorajou a aplicar dinheiro no negócio decidiu matá-lo.

Trump é criticado por sugerir que pode não respeitar resultado das eleições

  Trump é criticado por sugerir que pode não respeitar resultado das eleições Influentes congressistas republicanos e democratas rejeitaram energicamente nesta quinta-feira a sugestão do presidente americano, Donald Trump, de que poderá não aceitar uma derrota nas eleições de novembro, advertindo o líder republicano de que ele "não está na Coreia do Norte". Um dia depois de Trump se negar a garantir claramente uma transferência pacífica do poder, o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, assegurou aos eleitores que o vencedor das eleições de 3 de novembro assumirá o cargo em janeiro, como previsto.

Às vezes você só precisa de um pouco de astúcia e muita criatividade. Deixe nos comentários quais dos exemplos acima você gostaria de implementar e se conhece algum outro truque para manter seu dinheiro seguro.

Assunto de hoje: Uma super dica maravilhosa de beleza pra você Como ter os Dentes brancos em pouco tempo com dicas caseiras. Através de alguns alimentos

Três homens o sequestraram e bateram em sua cabeça com pedras, deixando-o morto no leito de 1 riacho, com as mãos amarradas nas costas com fita adesiva e 1 cadarço de sapato.

Milhares de vítimas perderam cerca de US$ 80 milhões no esquema.

Mesmo depois que a Comissão de Valores e Câmbio dos EUA (SEC) ganhou uma ordem de restrição congelando os ativos da empresa, a conta do WCM no HSBC permaneceu ativa. De acordo com documentos judiciais apresentados posteriormente por advogados que buscavam indenização para as vítimas do esquema, o WCM drenou mais de US$ 7 milhões da conta durante a semana seguinte, reduzindo seu saldo a zero.

A WCM não foi a única empresa ligada a atividades criminosas que movimentou dinheiro por meio do HSBC durante o período probatório de 5 anos incluído em seu acordo de acusação diferida, de US$ 1,9 bilhão. O escritório do banco em Hong Kong, por exemplo, processou mais de US$ 900 milhões em transações envolvendo empresas de fachada vinculadas em registros judiciais e reportagens da mídia a supostas redes criminosas, concluiu uma análise do ICJJ.

Trump ameaça bloquear acordo sobre TikTok se grupo chinês mantiver controle do aplicativo

  Trump ameaça bloquear acordo sobre TikTok se grupo chinês mantiver controle do aplicativo O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta segunda-feira (21) que não aprovará um acordo sobre o TikTok se o grupo chinês dono do popular aplicativo mantiver o controle do mesmo. O comentário gerou preocupação com o futuro do acordo fechado no fim de semana para driblar o bloqueio do aplicativo ordenado pelos Estados Unidos por considerar o mesmo um risco à segurança nacional. Trump foi questionado em uma entrevista ao canal Fox News sobre a possibilidade de a empresa chinesa ByteDance conservar 80% das ações e respondeu que se as empresas americanas Oracle e Walmart não tiverem um "controle total", não vai aprovar um acordo.

Alguns bancos demoram até dois dias úteis para efetivarem a abertura de contas. E caso seja feita uma transferência antes da efetivação, ocorrerá a devolução do dinheiro . Em alguns casos, pode ocorrer a devolução de DOC e TED se não for informado o motivo da transferência.

Diante da globalização de mercado, muitos indivíduos têm decidido criar seus próprios negócios, dando origem ao termo empreendedorismo. Fomentar o empreendedorismo significa fomentar o desenvolvimento sustentável de um país, nos mais diversos setores da sociedade

Sede do HSBC em Hong Kong © David Drascic/ Wikimedia commons Sede do HSBC em Hong Kong

Os promotores americanos e outras autoridades elogiaram os acordos de processo adiado e outros tipos de acordos sobre lavagem de dinheiro como ferramentas eficazes para garantir que os grandes bancos sigam a lei e parem de servir aos criminosos. Quando as autoridades anunciaram o acordo de diferimento de acusação do Standard Chartered em 2012, uma autoridade do FBI declarou: “Nova York é uma capital financeira mundial e 1 centro bancário internacional, e você deve seguir as regras para realizar negócios aqui“.

A investigação do ICIJ mostra que 5 dos bancos que aparecem com mais frequência nos Arquivos FinCen –HSBC, JPMorgan, Deutsche Bank, Standard Chartered e Bank of New York Mellon– continuaram movimentando dinheiro para pessoas e empresas suspeitas depois de acordos de acusação diferida e outras grandes medidas de repressão à lavagem de dinheiro.

Quatro desses bancos assinaram acordos de não persecução penal ou de processamento diferido nos últimos 15 anos, relacionados à lavagem de dinheiro.

O único dos cinco bancos que não foi objeto de 1 acordo de acusação diferida ou não persecução foi o Deutsche Bank. Em vez disso, chegou a 1 acordo civil de US$ 258 milhões em 2015, em resposta a uma investigação pelos órgãos reguladores dos Estados Unidos e de Nova York. Eles descobriram que o banco tinha movimentado bilhões de dólares em nome de instituições financeiras iranianas, líbias, sírias, birmanesas e sudanesas e outras entidades sancionadas pelos EUA.

Suspeito de ataque com faca em Paris confessa que agiu contra Charlie Hebdo

  Suspeito de ataque com faca em Paris confessa que agiu contra Charlie Hebdo Um dia após o ataque com faca em Paris em frente à antiga sede do Charlie Hebdo, o principal suspeito "assumiu seu ato", que vinculou à republicação das caricaturas do profeta Maomé por parte do semanário satírico, indicaram neste sábado (26) fontes próximas à investigação. Detido pela polícia na Praça da Bastilha pouco depois do ataque com uma faca de açougueiro que deixou dois feridos graves, este homem de 18 anos nascido no Paquistão "assumiuDetido pela polícia na Praça da Bastilha pouco depois do ataque com uma faca de açougueiro que deixou dois feridos graves, este homem de 18 anos nascido no Paquistão "assumiu seu ato, que está no contexto da republicação das caricaturas, as quais não suportou", segundo uma dessas

O Bank of New York Mellon  esteve entre os 5 primeiros bancos a pagar uma grande penalidade às autoridades norte-americanas por conta de falhas na contenção de lavagem de dinheiro.

Em 2005, dois anos antes de sua fusão com o Mellon Financial, o Bank of New York pagou US$ 38 milhões e assinou 1 acordo de não persecução depois que uma investigação federal concluiu que havia lavado US$ 7 bilhões em dinheiro russo ilícito. Reportagens disseram que os investigadores acreditavam que Semion Mogilevich, suposto “Chefe dos Chefes” da máfia russa, estava por trás de algumas das transações.

Mas mesmo tendo evitado grandes ações legais na última década ou mais, o Bank of New York Mellon continuou fazendo negócios com figuras suspeitas, como mostram os Arquivos FinCen.

Os registros vazados revelam, por exemplo, que o Bank of New York Mellon movimentou mais de US$ 1,3 bilhão entre 1997 e 2016 em transações vinculadas a Oleg Deripaska, bilionário russo e antigo aliado do presidente Vladimir Putin.

Desde 2008, Deripaska tem sido alvo de denúncias em reportagens que o conectam ao crime organizado. Quando as autoridades norte-americanas anunciaram sanções contra ele em 2018, disseram que ele já havia sido acusado de ameaçar a vida de rivais corporativos, subornar 1 funcionário do governo russo e ordenar o assassinato de 1 empresário.

Deripaska nega ter lavado fundos ou cometido crimes financeiros e está processando o governo dos Estados Unidos na tentativa de suspender as sanções. Em 2019, a administração Trump cancelou sanções de 3 companhias ligadas a ele. Mas sanções do governo dos EUA contra o próprio Deripaska continuam.

Suspeito de ataque com faca em Paris queria vingança por charges de Maomé

  Suspeito de ataque com faca em Paris queria vingança por charges de Maomé Suspeito de ataque com faca em Paris queria vingança por charges de MaoméPARIS/ISLAMABAD (Reuters) - A polícia da França está estudando um vídeo em que um homem suspeito de atacar pessoas com um cutelo na sexta-feira diz que cometerá um ato de "resistência" depois da republicação de charges que zombam do profeta Maomé em uma revista satírica.

O BNY Mellon leva a sério sua função de proteger a integridade do sistema financeiro global, incluindo a apresentação de Relatórios de Atividades Suspeitas”, disse o Bank of New York Mellon em 1 comunicado. “Como membro de confiança da comunidade bancária internacional, cumprimos integralmente todas as leis e regulamentos aplicáveis e ajudamos as autoridades no importante trabalho que realizam.”

Sinais de alerta

Um padrão notável revelado pela análise do ICIJ dos registros vazados é a disponibilidade de vários bancos a processar transações para os mesmos clientes de risco.

Deripaska, o oligarca russo, não tinha apenas o Bank of New York Mellon para ajudá-lo. Os registros secretos revelam que o Deutsche Bank efetuou transações de mais de US$ 11 bilhões entre 2003 e 2017 para empresas controladas por ele.

Os registros também indicam que Deutsche Bank, Bank of New York Mellon, JPMorgan, HSBC e Standard Chartered estavam entre os 20 bancos que ajudaram a Odebrecht SA por trás do que os promotores americanos chamaram de o maior caso estrangeiro de suborno da história –a transacionar US$ 677 milhões de 2010 a 2016. O Deutsche Bank desempenhou 1 papel em transações envolvendo mais de US$ 560 milhões desse montante, de acordo com os registros.

Sede da Odebrecht em São Paulo. Bancos internacionais também ajudaram a empreitera brasileira a movimentar centenas de milhões de dólares © Reprodução/ Agência Brasil Sede da Odebrecht em São Paulo. Bancos internacionais também ajudaram a empreitera brasileira a movimentar centenas de milhões de dólares

Depois, há Dmytro Firtash, 1 oligarca ucraniano que é procurado por acusações criminais nos EUA.

Em 2014, promotores americanos revelaram 1 processo que o acusava de subornar autoridades da Índia, na tentativa de garantir 1 acordo de mineração. Desde o final de 2019, os meios de comunicação dos EUA relataram denúncias de que Firtash atuou no esforço do presidente Trump para encontrar na Ucrânia fatos que sujassem a imagem de seu oponente à reeleição em 2020, Joe Biden.

Eleição nos EUA: Debate foi aula a opositores de Bolsonaro

  Eleição nos EUA: Debate foi aula a opositores de Bolsonaro Eleição nos EUA: Debate foi aula a opositores de BolsonaroO democrata foi massacrado pelo republicano. Donald Trump fez picadinho do opositor, e querem saber?, do mediador. Mentiu à beça, interrompeu praticamente todas as falas de Biden e as perguntas de Wallace, insultou, ironizou, desrespeitou as regras, enfim, foi um debatedor que usou e abusou do jogo sujo. O resultado: venceu de goleada! Quando um time de futebol ganha um jogo com a ajuda de um juíz ladrão, apesar da irritação da torcida adversária, leva os três pontos. Os perdedores que chorem na cama, que é lugar quente.

Firtash, que diz ter começado seus negócios na troca de leite em pó ucraniano por algodão uzbeque após a queda da União Soviética, vive exilado em uma mansão em Viena, sem poder deixar a Áustria, mas protegido até agora dos esforços para extraditá-lo. Sua mansão art-nouveau tem cinema e piscina de borda infinita –1 perfil de 2017 da Bloomberg Businessweek o apelidou de “o Oligarca na Gaiola Dourada”.

No que se refere a serviços bancários, Firtash e empresas ligadas a ele encontraram portas abertas entre muitas das grandes instituições do setor.

Todos os 5 grandes bancos analisados pelo ICIJ – JPMorgan, Deutsche Bank, HSBC, Standard Chartered e Bank of New York Mellon – cuidaram de transações para empresas controladas por Firtash, mostram os Arquivos FinCen. E os registros indicam que os quatro aprovaram transações vinculadas a Firtash depois que as autoridades dos EUA forçaram os bancos a pagar multas e se comprometerem a trabalhar mais para vetar clientes suspeitos.

Os arquivos mostram que, entre esses bancos, o JPMorgan movimentou a maior parte do dinheiro para empresas controladas por Firtash – fazendo centenas de transações num total de quase US$ 2 bilhões entre 2003 e 2014.

O JPMorgan e os outros bancos deveriam estar cientes do histórico duvidoso de Firtash já em 2010, quando vazou 1 telegrama diplomático dos EUA ligando-o a Mogilevich.

Então, em 2011, uma ação movida pela ex-primeira-ministra ucraniana Yulia Tymoshenko em Manhattan deu 1 alerta ainda maior aos 5 bancos, mencionando até contas específicas em quatro dos bancos que, segundo o processo, eram usadas por Firtash para lavagem de dinheiro.

O processo acusou Firtash, Mogilevich e o então futuro diretor da campanha de Trump, Manafort, de lavagem de fundos ilícitos da Ucrânia por meio de bancos e negócios de investimento nos EUA.

O processo afirmou que contas nos escritórios de Nova York do JPMorgan, Deutsche Bank, Standard Chartered e Bank of New York Mellon estavam sendo usadas em operações de lavagem de dinheiro, transferindo dinheiro roubado da Ucrânia para os Estados Unidos e, depois de limpo, fazendo a viagem de volta à Ucrânia.

Apesar das denúncias, esses 5 bancos continuaram a lidar com transações envolvendo empresas controladas por Firtash, incluindo algumas processadas pelo Deutsche Bank até 2017.

O processo foi indeferido em 2013, em parte porque Tymoshenko e seus advogados não conseguiram fornecer detalhes suficientes sobre as transações envolvidas no suposto esquema.

Firtash negou qualquer irregularidade, dizendo à Bloomberg Businessweek que foi vítima de “uma máquina especial de propaganda organizada contra mim“. Ele disse à revista que Tymoshenko estava “errada em tudo. Ela mente o tempo todo. Para fazer a lavagem de dinheiro, você precisa ter dinheiro sujo, para começar. Sempre tive dinheiro limpo“.

Em 1 comunicado, 1 advogado de Firtash disse ao ICIJ que ele “nunca teve qualquer parceria ou outra associação comercial com Semion Mogilevich“. O advogado disse que Firtash não responderia às perguntas do ICIJ porque elas “se referem a divulgação ilegal e criminosa” de relatórios de atividades suspeitas.

Responsabilizar os banqueiros

Por que as penalidades financeiras aparentemente sérias não mudaram o comportamento dos bancos?

John Cassera, especialista em crimes financeiros que trabalhou como agente especial designado para o FinCen de 1996 a 2002, disse que o volume das penalidades pagas pelo HSBC e outros bancos pode parecer grande, mas que são uma pequena fração de seus lucros. E o dinheiro não é pago pelos banqueiros que deveriam ser responsabilizados, disse ele –é pago pelos acionistas.

O BNP Paribas, maior banco da França, recebeu a maior multa de todos em 2014, quando foi forçado a pagar US$ 8,9 bilhões diante de provas contundentes de que ajudou a transferir bilhões de dólares através do sistema financeiro dos EUA em nome de sudaneses, iranianos e entidades cubanas sujeitas a sanções americanas.

Ao contrário dos acordos com o HSBC e outros, este não foi 1 processo adiado com acordo. O banco concordou em aceitar uma condenação criminal e demitir 13 funcionários.

Mas, para o banco francês, a prioridade nas negociações de liquidação era garantir que sua licença para processar transações em dólares nos Estados Unidos não fosse cancelada permanentemente. Em vez disso, os reguladores dos EUA proibiram o BNP Paribas de tais atividades por 1 ano.

Após o anúncio do acordo, o preço das ações do banco subiu 4%.

James S. Henry, economista, advogado e escritor de Nova York que investiga o mundo do dinheiro sujo desde os anos 1970, diz que as ações de fiscalização dos Estados Unidos nas últimas duas décadas tiveram algum impacto no comportamento dos grandes bancos – pelo menos em comparação com qualquer época anterior, quando operavam quase sem restrições.

Mas ele disse que será necessária mais “vontade do Ministério Público” para realmente mudar a relação entre os bancos e os fluxos de caixa ilícitos. Isso significa responsabilizar os banqueiros – não apenas os bancos e seus acionistas.

Temos que colocar em risco alguns executivos graduados que estão no comando dessas coisas”, disse Henry. “E isso significa multas e/ou prisão.”

Tanque de tubarões

Parecia algo saído de 1 romance de espionagem.

Os funcionários do Deutsche Bank instruíram clientes do Irã e de outros locais críticos a incluir em suas mensagens de pagamento palavras-código que acionariam 1 tratamento especial. Um executivo pediu aos trabalhadores que empregassem “truques e astúcia” para evitar serem detectados pelas autoridades americanas.

Esses truques do ofício foram expostos em 1 anúncio dos reguladores bancários de Nova York em 4 de novembro de 2015. O Deutsche Bank, disseram autoridades estaduais, foi pego transferindo quase US$ 11 bilhões entre 1999 e 2006 em nome do Irã, da Síria e de outros países sancionados pelos EUA.

Sob 1 acordo de US$ 258 milhões com o Estado e o Federal Reserve, o Deutsche Bank concordou em reformar suas práticas e demitir funcionários envolvidos na operação de evasão a sanções.

Em 1 comunicado, o Deutsche Bank pintou o acordo como uma notícia velha: “Essa conduta cessou há vários anos, e desde então encerramos todos os negócios com partes dos países envolvidos“.

Enquanto o acordo era mantido em público, o Deutsche Bank trabalhava nos bastidores para movimentar dinheiro para Ihor Kolomoisky –bilionário ucraniano que, como alegaram mais tarde promotores dos EUA, estava envolvido em 1 enorme esquema de lavagem de dinheiro que canalizava fundos para o meio-oeste americano.

O bilionário ucraniano Ihor Kolomoysky © Справедливість 25.01.2013 Повна версія (via Wikimedia Commons) O bilionário ucraniano Ihor Kolomoysky

Kolomoisky tem sua própria mística de suspense de espionagem. Promotores americanos dizem que ele é conhecido pela “crueldade e até violência” nas negociações comerciais. Em 1 artigo do Wall Street Journal, um parceiro  lembra de ter-se encontrado com ele e visto o oligarca apertar 1 botão de controle remoto que jogava carne de lagostim para tubarões famintos num aquário em seu escritório.

De acordo com os Arquivos FinCen, o Deutsche Bank informou ter movimentado pelo menos US$ 240 milhões do final de 2015 ao final de 2016 para uma empresa registrada nas Ilhas Virgens Britâncias que, de acordo com uma ação na Justiça dos EUA, era controlada por Kolomoisky.

Outra ação iniciada no ano passado no Estado de Delaware afirma que Kolomoisky usou a companhia de fachada Claresholm Marketing Ltd para ajudá-lo numa “série de esquemas fraudulentos” por meio do PrivatBank, uma instituição ucraniana que Kolomoisky e 1 parceiro controlavam até o fim de 2016

Os novos donos do banco alegam no processo que Kolomoisky e seus parceiros comerciais desviaram bilhões de dólares do banco por meio de empréstimos falsos e lavaram o dinheiro por meio de investimentos nos Estados Unidos.

Em julho passado, agências reguladoras de Nova York chegaram a outro acordo sobre lavagem de dinheiro com o Deutsche Bank. Desta vez, o banco concordou em pagar US$ 150 milhões em penalidades relacionadas a suas negociações com o predador sexual condenado Jeffrey Epstein e com dois bancos não americanos envolvidos em escândalos de lavagem de dinheiro.

Um mês depois, promotores americanos entraram com pedido de confisco em 1 tribunal federal, alegando que Kolomoisky desviou bilhões de dólares entre 2008 e 2016 de 1 banco ucraniano e, em seguida, lavou o saque em 1 labirinto de contas bancárias e empresas de fachada em todo o mundo.

Parte do montante, dizem os promotores, acabou em investimentos nos Estados Unidos, incluindo imóveis comerciais no Texas e em Ohio, siderúrgicas em Kentucky, Virgínia Ocidental e Michigan e uma fábrica de telefones celulares em Illinois.

Kolomoisky não respondeu aos questionamentos do ICIJ. Um advogado que trabalha para ele disse em agosto que “o senhor Kolomoisky nega enfaticamente as alegações nas ações contra ele iniciadas pelo Departamento de Justiça“.

No caso da corte estadual de Delaware, os advogados das empresas de Kolomoisky dizem que a ação não conseguiu demonstrar violações legais visando obter lucro ou quaisquer outras violações legais. Kolomoisky também entrou com um processo por difamação contra o PrivatBak da Ucrânia, alegando que o banco o acusou falsamente de fraude.

O Deutsche Bank se recusou a responder a perguntas sobre suas negociações com Kolomoisky, dizendo que está legalmente proibido de comentar sobre clientes ou transações. O banco disse ao ICIJ que reconheceu “fraquezas do passado” e “aprendeu com nossos erros”. Ele disse que “abordou sistematicamente” essas questões. “Somos 1 banco diferente hoje.”

Colaboraram, pelo ICIJ:

Michael Hudson, Dean Starkman, Simon Bowers, Emilia Diaz-Struck, Tanya Kozyreva, Will Fitzgibbon, Sasha Chavkin, Spencer Woodman, Ben Hallman, Fergus Shiel, Richard H.P. Sia, Tom Stites, Joe Hillhouse, Delphine Reuter, Kyra Gurney, Agustin Armendariz, Margot Williams, Karrie Kehoe, Amy Wilson-Chapman, Hamish Boland Leme, Antonio Cucho, Gerard Ryle, Mago Torres, Miriam Pensack, Jelena Cosic, Miguel Fiandor, Michael Sallah.

OUTRAS APURAÇÕES DO ICIJ

O Poder360 também participou de outras apurações do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos nos últimos anos. Saiba quais:

HSBC-SWISSLEAKS

Em 2015, o jornal digital (que na época se chamava Blog do Fernando Rodrigues, no UOL) publicou uma série de reportagens sobre o caso HSBC-SwissLeaks, uma investigação sobre contas secretas mantidas no HSBC da Suíça. Clique aqui para ler tudo que foi publicado sobre o assunto.

PANAMA PAPERS

Apuração jornalística do acervo de cerca de 11,5 milhões de arquivos do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, especializado em abrir empresas offshore em paraísos fiscais.

A base de dados englobava o período de 1977 a dez.2015. Foram descobertas 107 offshores relacionadas à Lava Jato na investigação. Saiba tudo que foi publicado pela reportagem aqui.

Não é ilegal brasileiros serem proprietários de offshores, desde que devidamente declaradas à Receita Federal, no caso de cidadãos que têm domicílio fiscal no Brasil. Empresas que mantêm subsidiárias em outros países precisam declará-las em seus balanços financeiros.

O Banco Central também deve ser informado anualmente caso pessoas residentes no Brasil mantenham ativos (participação no capital de empresas, títulos de renda fixa, ações, depósitos, imóveis, dentre outros) com valor igual ou superior a US$ 100 mil no exterior. Se o montante for igual ou ultrapassar os US$ 100 milhões, a declaração deve ser trimestral.

BAHAMAS LEAKS

Série de reportagens sobre empresas registradas no paraíso fiscal das Bahamas no período de 1990 a 2016. Os dados foram obtidos pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung e compartilhados com veículos de todo o mundo. O acervo, de 38 gigabytes, contém 1,3 milhão de documentos sobre mais de 175 mil offshores.

Os documentos revelaram uma rede de empresas offshore de líderes do cenário político mundial. Entre os nomes encontrados estão:

  • Mauricio Macri – holding da família do ex-presidente da Argentina;
  • Neelie Kroes – ex-comissária da União Europeia de 2000 a 2009;
  • Amber Rudd – ex-secretário do interior do Reino Unido;
  • Ian Cameron – pai do ex-primeiro ministro britânico David Cameron;
  • Marco Antonio Pinochet – filho do ex-ditador Augusto Pinochet;
  • Carlos Caballero Argáez – ministro de Minas e Energia da Colômbia de 1999 a 2001;
  • Sani Abacha – filho do presidente da Nigéria;
  • Sheikh Hamad – ex-ministro do Exterior do Qatar.

Grandes empresários, 1 dos fundadores do Partido Novo e 1 ex-presidente do BNDES estavam entre os brasileiros donos de empresas offshore nas Bahamas. Leia aqui.

PARADISE PAPERS

Em 2017, o Poder360 e os parceiros do ICIJ debruçaram-se sobre 13,4 milhões de arquivos de 2 escritórios especializados em abrir offshores, Appleby e Asiaciti Trust, e em bancos de dados de 19 paraísos fiscais.

A apuração expôs laços entre o bilionário secretário de Comércio do governo Donald Trump e a Rússia; negociações secretas entre o chefe de arrecadação da campanha do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau; e as vantagens obtidas em paraísos fiscais pela rainha da Inglaterra e outros pelo menos 120 políticos ao redor do mundo.

No Brasil, a série de reportagens mostrou que o então ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP-MT), era beneficiário final de uma companhia aberta nas Ilhas Cayman em 2010 pela sociedade firmada entre uma de suas empresas e a gigante holandesa Louis Dreyfus. O então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, criou uma fundação nas Bermudas para gerir sua herança. Chama-se Sabedoria Foundation. No mundo dos paraísos fiscais, trata-se do que tecnicamente se conhece como trust. A operação foi declarada à Receita Federal.

A investigação identificou também registros de offshores e trusts relacionados a empresas de comunicação brasileiras. Entre elas, a Editora Abril e o Grupo Globo. Leia aqui as reportagens da série jornalística.

BRIBERY DIVISON

The “Bribery Division” (Divisão de Propina) foi uma investigação liderada pelo ICIJ em 2019 que revelou que a operação de fraudar licitações para obter 1 contrato era ainda maior do que a Odebrecht assumiu perante a Justiça. A apuração mostrou que o processo envolveu personalidades proeminentes e grandes projetos de obras públicas não mencionados nos processos criminais ou outros inquéritos oficiais.

Leia aqui os textos da série.

LUANDA LEAKS

A série de reportagens expôs em jan.2020 duas décadas de acordos corruptos que tornaram Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos, a mulher mais rica da África. O país, rico em petróleo e diamantes, é 1 dos mais pobres da Terra.

As reportagens tiveram como base documentos vazados fornecidos ao ICIJ pela Plataforma de Proteção de Denunciantes na África (PPLAFF, em inglês), grupo com sede em Paris. O conjunto contém e-mails, memorandos internos das empresas da família Santos, contratos, relatórios de assessores, declarações fiscais, auditorias privadas e vídeos de reuniões de negócios. Os documentos, em português e inglês, remontam a 1980, mas abrangem principalmente a última década.

Leia aqui os textos da série.

Eleição nos EUA: Debate foi aula a opositores de Bolsonaro .
Eleição nos EUA: Debate foi aula a opositores de BolsonaroO democrata foi massacrado pelo republicano. Donald Trump fez picadinho do opositor, e querem saber?, do mediador. Mentiu à beça, interrompeu praticamente todas as falas de Biden e as perguntas de Wallace, insultou, ironizou, desrespeitou as regras, enfim, foi um debatedor que usou e abusou do jogo sujo. O resultado: venceu de goleada! Quando um time de futebol ganha um jogo com a ajuda de um juíz ladrão, apesar da irritação da torcida adversária, leva os três pontos. Os perdedores que chorem na cama, que é lugar quente.

usr: 1
Isto é interessante!