Brasil STF autoriza Eduardo Paes a acessar delações da OAS que o incriminam

03:10  23 setembro  2020
03:10  23 setembro  2020 Fonte:   poder360.com.br

STF obriga Bolsonaro a depor presencialmente sobre suposta interferência na PF

  STF obriga Bolsonaro a depor presencialmente sobre suposta interferência na PF Por estar em condição de investigado. Decisão do ministro Celso de MelloA decisão (íntegra – 692KB) ficou pronta em 18 de agosto, quando o ministro, inesperadamente, sofreu internação hospitalar e posterior cirurgia. Em licença médica, com base na Lei Orgânica da Magistratura, assinou o ato nesta 6ª feira (11.set.2020).

STF derruba prisão após condenação em segunda instância. O Supremo Tribunal Federal ( STF ) decidiu nesta quinta-feira (7) derrubar a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, alterando um entendimento adotado desde 2016.

Portanto, os dirigentes devem sempre buscar meios viáveis para preparar os funcionários com a finalidade de prestar um atendimento adequado ao público. Sabe-se que é essencial um atendimento de qualidade em qualquer organização, uma vez que o cliente é a peça fundamental da mesma.

O ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes © Tomaz Silva/Agência Brasil O ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes

A 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) liberou nesta 3ª feira (22.set.2020) o acesso a termos de depoimentos prestados em delações premiadas que acusam o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (DEM) de receber dinheiro de caixa 2 na eleição municipal de 2012.

De acordo com a colaboração celebrada por executivos da OAS com o MPF (Ministério Público Federal), o ex-mandatário recebeu R$ 25 milhões. Segundo a PGR (Procuradoria Geral da República), o dinheiro serviria como propina para as obras na capital fluminense.

Drew Barrymore lamenta ter mostrado seios para apresentador de TV: - Extrapolei os limites muitas vezes

  Drew Barrymore lamenta ter mostrado seios para apresentador de TV: - Extrapolei os limites muitas vezes A acusação de racismo feita por Neymar durante a partida do Paris Saint-Germain contra o Olympique de Marselha foi assunto entre os brasileiros, nesta segunda-feira. O clube do atacante emitiu uma nota de apoio ao craque.

STF PERMITIU QUARENTENA DECRETADA POR ESTADO E MUNICÍPIO? (ANALISANDO A DECISÃO DO MARCO AURÉLIO) ESTADO DE SÍTIO e ESTADO DE CALAMIDADE: O QUE VOCÊ PRECISA SABER- Продолжительность: 12:19 Ubirajara Casado 10 912 просмотров.

Eduardo Bolsonaro retruca ministro Celso de Mello, do STF , após encaminhamento de comunicação de crime à PGR O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do

O placar que beneficiou Paes ficou em 2 a 1. “O delatado, como assinala a doutrina, tem, constitucionalmente, o direito de confrontar, em sede processual, o colaborador ou delator em razão da prerrogativa do contraditório”, argumentou o ministro Gilmar Mendes. O entendimento foi endossado pelo ministro Ricardo Lewandowski. O ministro Edson Fachin foi contrário.

Fachin voltou atrás na decisão inicial que negou o pedido de Paes para ter acesso à colaboração, mas acolheu parte da solicitação da defesa. O ministro queria que o pedido fosse analisado pela Justiça Federal no Rio de Janeiro.

Eis a íntegra (177 KB) da retificação da decisão de Fachin.

Em 2018, o Supremo homologou a delação premiada de 8 ex-funcionários e ex-executivos da OAS. De 2010 a 2014, a empreiteira teria repassado R$ 125 milhões em propina e caixa 2 a 21 políticos de 8 partidos.

Não participaram do julgamento desta 3ª feira (22.set.) os ministros Celso de Mello, que está em licença médica, e a ministra Cármen Lúcia. A reportagem do Poder360 questionou o STF sobre o motivo da ausência da magistrada, mas não obteve retorno.

Aras defende depoimento por escrito de Bolsonaro .
Celso de Mello determinou que Bolsonaro fosse ouvido presencialmente nas investigações que apuram supostas interferências na PF O procurador-geral da República Augusto Aras defendeu a possibilidade de um depoimento por escrito do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que apura suposta interferência política na Polícia Federal. O parecer foi enviado em recurso apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU) após o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinar a oitiva presencial de Bolsonaro.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 1
Isto é interessante!