Brasil Ministério da Defesa desiste de compra de satélites para monitorar Amazônia

20:35  23 setembro  2020
20:35  23 setembro  2020 Fonte:   poder360.com.br

"Governo Bolsonaro pratica nacionalismo seletivo na Amazônia"

  Para antropóloga, clima de conspiração e ataques a ambientalistas propagados por militares no governo são parte de "projeto de privatização das florestas". Presidente, afirma ela, confunde política com guerra. © Reuters/U. Marcelino Atenta ao desmonte de órgãos de fiscalização ambiental e aos ataques por parte do governo federal direcionados à pesquisa e entidades que defendem uma exploração sustentável da Amazônia, a antropóloga e socióloga Andréa Zhouri vê semelhanças entre o momento atual e o período da ditadura militar.

Satélites monitoram os focos de incêndio na Amazônia a partir do mapeamento de calor © Reprodução/Inpe Satélites monitoram os focos de incêndio na Amazônia a partir do mapeamento de calor

O Ministério da Defesa desistiu da compra de microssatélites para monitoramento da Amazônia. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta 4ª feira (23.set.2020). A aquisição do equipamento teria valor inicial de R$ 145 milhões.

A desistência é motivada pelo corte de R$ 430 milhões no orçamento da pasta proposto pela JEO (Junta de Execução Orçamentária), formada pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Walter Braga Netto (Casa Civil).

Mulheres indígenas são exemplo de atuação socioambiental .
Grupo desenvolveu táticas que unem igualdade de gênero e conservação de áreas intactas da Floresta Amazônica no Maranhão Imagem de Studio Ócular no Unsplash Numa manhã de dezembro do ano passado, no Maranhão, meia dúzia de indígenas Guajajara encheu suas sacolas com comida, mapas e um drone para se preparar para uma patrulha. Eles se despediram de seus filhos, sem saber quando, ou se, os veriam de novo. Então, penduraram as sacolas nos ombros e partiram para monitorar uma área dentro dos 173 mil hectares de floresta primária que chamam de casa.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 3
Isto é interessante!