Brasil Novo programa social terá pelo menos R$ 30 bilhões a mais que Bolsa Família, diz relator

19:02  28 setembro  2020
19:02  28 setembro  2020 Fonte:   estadao.com.br

“Truques e astúcia”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo

  “Truques e astúcia”: penas não impedem bancos de movimentar dinheiro sujo Quarta parte da reportagem FinCen Files. Megainvestigação internacional do ICIJ. Poder360 esteve entre 400 jornalistasOs registros mostram que essas instituições continuaram lucrando com clientes poderosos e perigosos mesmo depois que as autoridades norte-americanas multaram essas instituições financeiras por falhas anteriores em conter os fluxos de dinheiro sujo.

BRASÍLIA - O programa de renda mínima do governo Jair Bolsonaro terá pelo menos R$ 30 bilhões a mais do que o Bolsa Família, afirmou nesta segunda-feira, 28, o senador Marcio Bittar (MDB-AC) ao Estadão/Broadcast. O modelo, batizado de Renda Cidadã, será incluído na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do pacto federativo no Senado, que será incorporada à PEC Emergencial. O valor havia sido antecipado pelo Estadão.

O presidente Jair Bolsonaro recebe nesta segunda, lideranças da base governista no Palácio da Alvorada para debater a renda mínima e a reforma tributária. Após o encontro, o formato do programa deve ser anunciado.

Adesanya desconstruído: como o dançarino resolveu dar show no octógono e se tornou o último grande herói do UFC

  Adesanya desconstruído: como o dançarino resolveu dar show no octógono e se tornou o último grande herói do UFC Adesanya desconstruído: como o dançarino resolveu dar show no octógono e se tornou o último grande herói do UFCO atual campeão dos médios é um dos maiores lutadores que o UFC já viu e tem um simples objetivo: desenhar a história. Mais além do que defender o cinturão e acumular conquistas, Adesanya quer moldar a lenda do The Last Stylebender a sua maneira.

O Bolsa Família atende atualmente a 14,28 milhões de famílias no Brasil. O Orçamento para 2021 está previsto em R$ 34,9 bilhões. Ou seja, com a reformulação, o valor gasto pela União pode passar dos R$ 60 bilhões no próximo ano. Bittar é relator da PEC do Senado e também do Orçamento de 2021 no Congresso. "A proposta que foi desenhada traria pelo menos R$ 30 bilhões a mais", disse o senador à reportagem.

O senador Marcio Bittar (MDB-AC) é relator do Orçamento de 2021 no Congresso. © Marcos Oliveira/Agência Senado O senador Marcio Bittar (MDB-AC) é relator do Orçamento de 2021 no Congresso.

Segundo ele, o valor do benefício deve ser definido depois pelo Executivo. Bittar disse que a melhor solução para bancar o novo programa é "remanejar", mas não detalhou quais programas ou ações serão cortados. Disse apenas que não estão incluídas mudanças no abono salarial (benefício de até um salário mínimo pago a quem ganha até dois pisos) e não haverá desindexação dos gastos (ou seja, a obrigatoriedade de dar reajustes a aposentadorias e pensões, por exemplo).

Pilares da reforma ainda sustentam time de Guedes, diz ex-integrante da equipe

  Pilares da reforma ainda sustentam time de Guedes, diz ex-integrante da equipe Ex-diretor da Secretaria de Fazenda, Caio Megale afirma que não vê mudança na agenda do ministro da Economia, Paulo Guedes, que ainda conta com a confiança de Bolsonaro"O ministro Paulo Guedes continua com uma relação bastante próxima e de confiança com o presidente (Jair Bolsonaro), que continua acreditando e apostando na linha de reformas do ministro", afirma, em entrevista exclusiva ao Estadão/Broadcast, a primeira desde que assumiu o cargo de economista-chefe da XP Investimentos. "Eu não vejo mudança desse cenário, em que pesem algumas peças, que, por razões diferentes, tenham sido substituídas.

Bolsonaro afirmou que medidas como o congelamento dos benefícios previdenciários eram "devaneios" e que ele não permitiria retirar dos "pobres para dar aos paupérrimos". Disse ainda que mostraria um "cartão vermelho" a quem lhe apresentasse essa proposta. De acordo com Bittar, a fonte para financiar o novo programa deve ser anunciada ainda nesta segunda.

Segundo o senador, o programa vai sair do papel sem furar o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas à inflação.

Nas últimas semanas, Bolsonaro enterrou propostas da equipe econômica para bancar a renda mínima, afirmando que não tiraria dos "pobres para dar aos paupérrimos". "Após o vai e vem, a solução de fato melhor é encontrar e remanejar dentro do Orçamento. Claro que nunca vai agradar todo mundo. Tirar dinheiro nunca agrada todo mundo", afirmou o parlamentar.

Com um orçamento maior, o governo quer emplacar a revisão do Bolsa Família incluindo na nova roupagem os chamados "invisíveis", que não recebiam anteriormente e ficarão sem o auxílio emergencial pago a durante a pandemia de covid-19. "Não podemos fazer a virada do ano com esses milhões de brasileiros na incerteza. É preciso que essas pessoas durmam no fim do ano sabendo que alguma coisa terá para elas se alimentarem", disse Bittar.

Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família, será pago com precatórios e dinheiro do Fundeb

  Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família, será pago com precatórios e dinheiro do Fundeb Promessa da equipe econômica para impulsionar a geração de empregos no pós-pandemia, a desoneração da folha de pagamento financiada com uma nova CPMF ficou para um segundo momento por falta de acordoA proposta do novo programa social, anunciada pouco mais de dez dias depois de o presidente Jair Bolsonaro ter dito que continuaria com o Bolsa Família até 2022, não foi bem recebida no Congresso, que vê uma espécie de calote por parte do governo.

Encontro com a base

O objetivo do encontro de Bolsonaro com aliados é articular e testar a aceitação dos partidos da base em relação à proposta do Executivo, que deve incluir na reforma um novo imposto sobre transações digitais, semelhante à extinta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras).

O líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou haver negociação para fixar em 0,2% a alíquota prevista pelo governo para o imposto sobre todas as transações, a ser apresentado pelo relator da reforma tributária, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Na semana passada, Bolsonaro deu aval para líderes do governo negociarem os termos da reforma com o Congresso. Como o Estadão/ Broadcast mostrou, o governo espera com o novo tributo desonerar a folha de pagamento e incentivar a geração de emprego. De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, não haveria aumento da carga tributária ou possibilidade de furar o teto de gastos.

A PEC do pacto federativo também está na pauta da reunião. O relatório de Bittar deve trazer gatilhos para redução de despesas e abrir espaço no Orçamento e bancar o programa de renda mínima a partir de 2021.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast na sexta-feira, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), informou que a reunião servirá ainda para definir qual posicionamento o governo vai adotar na votação do veto à desoneração da folha de pagamento, previsto para ser analisado em sessão do Congresso na quarta-feira, 30.

Estão previstos para participar da reunião os líderes do governo no Congresso, o relator da reforma e líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), bem como, lideranças, entre deputados e senadores, do PL, PP, Prós, PSC, PSD, PTB, Avante, Solidariedade, Republicanos, DEM, MDB, e PV. O ministro Guedes, os ministros palacianos e o chefe da pasta das Comunicações, Fabio Faria, também devem comparecer.

Kobe, Zion, pandemia, bolha... Por dentro da temporada mais longa e imprevisível da história da NBA .
Kobe, Zion, pandemia, bolha Por dentro da temporada mais longa e imprevisível da história da NBASilver é um otimista que acredita na NBA como um instrumento de ‘soft power’ em todo o mundo. Ele é um embaixador disposto que falou naquela noite sobre a incursão da liga na África e no subcontinente indiano, e sua presença cada vez maior na China, onde o basquete pode ser usado "talvez da mesma forma que o tênis de mesa era usado nos dias de Richard Nixon". Esta é uma parte central da mensagem de Silver: sejam elas fronteiras internacionais ou o reino das mídias sociais, a NBA adora enfrentá-las.

usr: 1
Isto é interessante!