Brasil Cientistas e militares podem monitorar desmatamento, defende novo presidente do Inpe

19:45  03 outubro  2020
19:45  03 outubro  2020 Fonte:   poder360.com.br

UE quer "compromisso claro" do Mercosul em relação ao meio ambiente

  UE quer Após reunião entre ministros do bloco, comissário europeu diz que países estão divididos sobre aprovação do acordo UE-Mercosul, citando preocupações com o desmatamento no Brasil. "São questões que devemos levar a sério."A União Europeia (UE) espera "um compromisso claro" dos países do Mercosul, especialmente o Brasil, de que respeitarão os pontos sobre desenvolvimento sustentável traçados no acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o bloco sul-americano, antes que o pacto seja ratificado.

O ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, nomeou na 6ª feira (2.out.2020) o engenheiro eletricista Clezio Marcos De Nardin, 48 anos, para ser o novo presidente do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). A decisão foi publicada no DOU (Diário Oficial da União). Eis a íntegra (970 KB).

Clezio Marcos De Nardin é o novo diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) © Reprodução/Facebook Clezio Marcos De Nardin é o novo diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais)

A direção do instituto era ocupada interinamente pelo militar Darcton Policarpo Damião desde agosto de 2019. Ele assumiu o posto depois que o então diretor, o físico Ricardo Galvão, foi demitido após embates com o presidente Jair Bolsonaro.

Governo omite há um ano pagamentos a militares da reserva e pensionistas

  Governo omite há um ano pagamentos a militares da reserva e pensionistas Executivo descumpre determinação do Tribunal de Contas da União sobre divulgação de dinheiro pagoHoje, não é possível saber, por exemplo, quanto ganham, de fato, filhas solteiras de militares e aposentados das Forças Armadas, entre eles o próprio Bolsonaro e o vice-presidente, Hamilton Mourão, além de pelo menos nove ministros.

Servidor de carreira no Inpe, Clezio Marcos De Nardin era coordenador-geral de Ciências Espaciais e Atmosféricas do próprio instituto. Mestre e doutor em geofísica espacial, ele foi 1 dos criadores do programa de monitoramento do clima espacial do órgão.

Em entrevista ao jornal O Globo, disse que o monitoramento do desmatamento na Amazônia pode ser realizado por militares. Mas, defendeu que órgãos civis continuem a fazer esse trabalho. Segundo ele, pesquisadores não podem ser “cerceados”.

“Se os militares querem fazer [o monitoramento de desmatamento], ótimo. Não vejo problema. Agora, não se pode é cercear pesquisadores de fazer pesquisa. É 1 princípio da ciência. Enquanto eu estiver no comando, o Inpe pretende continuar fazendo pesquisas”, afirmou.

Mulheres indígenas são exemplo de atuação socioambiental

  Mulheres indígenas são exemplo de atuação socioambiental Grupo desenvolveu táticas que unem igualdade de gênero e conservação de áreas intactas da Floresta Amazônica no Maranhão Imagem de Studio Ócular no Unsplash Numa manhã de dezembro do ano passado, no Maranhão, meia dúzia de indígenas Guajajara encheu suas sacolas com comida, mapas e um drone para se preparar para uma patrulha. Eles se despediram de seus filhos, sem saber quando, ou se, os veriam de novo. Então, penduraram as sacolas nos ombros e partiram para monitorar uma área dentro dos 173 mil hectares de floresta primária que chamam de casa.

Clezio disse que não vê os militares como inimigos. “Eu não posso dizer ao governo o que ele deve ou não fazer. Como cientista, vou continuar fazendo pesquisa, incentivar a pesquisa no Inpe. Não vejo os militares como inimigos, como uma instituição tomando ou roubando algo do Inpe. Vejo como um grupo que quer monitorar também”, completou.




Divulgação de dados

Em entrevista na 6ª feira (2.out), Clezio disse que não há nenhuma indicação de que o órgão possa mudar a forma de divulgar informações sobre desmatamento e queimadas, alvo de críticas do governo. Atualmente, os dados são abertos.

Questionado sobre a declaração do vice-presidente Hamilton Mourão, de que haveria 1 funcionario “oposicionista” no Inpe, o novo diretor da instituição disse que o Inpe não faz política. “O Inpe faz ciência. Eu faço ciência, não faço política. A César o que é de César. A Deus o que é de Deus. Políticos fazem política. Eu faço pesquisa”, disse.

Queimadas no Pantanal batem recorde histórico em setembro

  Queimadas no Pantanal batem recorde histórico em setembro Dados do Inpe mostram que bioma teve o maior número de focos de calor já registrado para o mês em mais de 20 anos. Amazônia também apresenta alta de 61% nos incêndios em comparação com 2019. © Reuters/A. Perobelli Segundo UFRJ, 23% do Pantanal já foi queimado As queimadas no Pantanal bateram o recorde histórico em setembro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (01/10) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). No mês, foram registrados 8.106 focos de calor no bioma, o maior número contabilizado desde o início do monitoramento em 1998.

Sobre críticas de Bolsonaro e Mourão ao órgão, Nardim afirmou que isso se deve, em parte, a falhas na comunicação do Inpe e convidou Bolsonaro a visitar as instalações do instituto.

“A imagem do Inpe precisa melhorar. Fica o meu convite público ao presidente Bolsonaro, ao meu ministro [Marcos Pontes]. Venham visitar o Inpe. Estou de braços abertos. Conclamo os dois a fazer uma visita. Abro tudo, todos os processos e tenho certeza de que, sensibilizados, verão a joia rara que temos no nosso trabalho”, disse.

“[Crítica] É sinal de que não estamos nos comunicando de forma adequada. Por não nos comunicarmos adequadamente, peço desculpas”, completou.


Veja mais no MSN Brasil

Tedros deseja recuperação 'completa e rápida' de Trump (Agence France-Presse (AFP))


Grilagem faz floresta virar fumaça no sul do Amazonas .
Grilagem faz floresta virar fumaça no sul do AmazonasDarlene não está sozinha na sua percepção. O secretário geral do Conselho Nacional das Populações Extrativistas no Amazonas, Dione Torquato, tem 33 anos. É 1 homem jovem, mas já vivenciou diversos tipos de conflitos contra populações tradicionais da Amazônia. “Essas situações são históricas no sul da região”, avalia. Na opinião dele, a maior motivação para essas situações é a grilagem de terras.

usr: 1
Isto é interessante!