Brasil Trainee para negros da Bayer tem 19 vagas e 10.000 inscritos

06:41  19 outubro  2020
06:41  19 outubro  2020 Fonte:   poder360.com.br

Trainee do Magazine Luiza é constitucional e deve ser replicado, diz MPF

  Trainee do Magazine Luiza é constitucional e deve ser replicado, diz MPF Programa é exclusivo para negros. Defensoria Pública entrou com açãoA nota (íntegra — 205 KB) é assinada pelo procurador federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena, e pelo procurador da República Marco Antonio Delfino, coordenador do grupo de trabalho Combate ao Racismo e Promoção da Igualdade Racial.

O programa de trainee para negros da multinacional química e farmacêutica alemã Bayer já atingiu 10.000 candidatos. Há 19 vagas. As inscrições foram abertas em 18 de setembro e vão até 21 de outubro. Ou seja, o número de concorrentes deve aumentar. A informação é do vice-presidente de Finanças da Bayer Crop Science para a América Latina, Maurício Rodrigues, 45 anos.

Maurício Rodrigues, vice-presidente de Finanças da Divisão de Ciências Agrícolas da Bayer para a América Latina, participou do programa Poder em Foco © Sérgio Lima/Poder360 Maurício Rodrigues, vice-presidente de Finanças da Divisão de Ciências Agrícolas da Bayer para a América Latina, participou do programa Poder em Foco

“É uma procura bastante alta. Se olhar todos os programas de trainee, de uma certa forma, eles sempre ocorrem da mesma maneira, existe uma procura muito grande. Mas acho que nesse caso específico veio reforçar uma espécie de demanda reprimida”, afirma o executivo, que participou da elaboração do processo seletivo.

CBF e clubes aprovam aumento do limite de inscritos e adiam discussão sobre retorno de público

  CBF e clubes aprovam aumento do limite de inscritos e adiam discussão sobre retorno de público CBF e clubes aprovam aumento do limite de inscritos e adiam discussão sobre retorno de públicoOs dois temas haviam sido previstos na pauta da reunião, que contou com Rogério Caboclo - presidente da CBF - e os presidentes de clubes e federações. Ficou decidido que as equipes da primeira divisão podem inscrever até 50 jogadores ao invés de 40, como estava previsto anteriormente - as Séries B e C seguem inalteradas.

Maurício tem mais de 20 anos de experiência no setor químico. Atualmente, trabalha na Bayer. A empresa conta com aproximadamente 100 mil funcionários em todo o mundo, sendo 7.000 no Brasil. Ele concedeu entrevista ao jornalista Fernando Rodrigues, apresentador do Poder em Foco, uma parceria editorial do SBT com o jornal digital Poder360.

Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração também pode ser vista simultaneamente, ao vivo e “on demand”, nas plataformas digitais do SBT Online e no canal do YouTube do Poder360. A edição deste domingo foi gravada em 16 de outubro de 2020, por videoconferência. Assista abaixo (47min52s):

Maurício relata que a Bayer verificou 1 desequilíbrio entre os funcionários negros de baixo escalão e os que exercem liderança dentro da companhia. O objetivo do programa de trainee é enfrentar essa assimetria.

8 em cada 10 mortos pela polícia no Brasil são negros

  8 em cada 10 mortos pela polícia no Brasil são negros Três a cada quatro negros mortos pela polícia eram jovens, com idades entre 15 a 29 anos : 23,5% tinham entre 15 e 19 anos; 31,2% tinham entre 20 e 24 anos; 19,1% tinham entre 25 e 29 anos. Os negros também são as principais vítimas de homicídio no Brasil. Em 2019, 74,4% das 39.561 vítimas de homicídio eram negros.Os negros também engrossam as esteticistas de policiais assassinados em 2019 –65% eram pretos ou pardos.Entre a população carcerária, os negros também são maioria. A proporção cresceu 14%, enquanto a de brancos diminuiu 19% nos últimos 15 anos no Brasil.

Para atrair mais candidatos, o processo eliminou algumas barreiras que impedem as minorias de ascender na companhia, como a exigência de proficiência em inglês. A meta do projeto é auxiliar os selecionados a desenvolver as próprias carreiras para posições de liderança. “Uma vez identificadas essas pessoas com potencial altíssimo, elas entram na companhia. O inglês a gente treina. Não significa que o inglês não vá ser necessário. Eu, no meu dia a dia hoje, utilizo quase que 70% do tempo falando inglês ou espanhol. Mas acreditamos que isso é algo possível de treinar”, afirma Maurício.

A gigante química oferece salário de R$ 6.900 aos trainees mais benefícios, como assistência médica e odontológica, vale transporte, restaurante, previdência privada e seguro de vida. As 19 vagas são para 5 cidades: São Paulo (SP), Belford Roxo (RJ), Camaçari (BA), Petrolina (PE) e Uberlândia (MG).

“Espero genuinamente que a gente tenha mais e mais empresas que consigam dar esse espaço para que a gente consiga dar mais vazão para todas essas pessoas que têm o interesse de entrar nessas empresas”.

Saiba tudo sobre o relacionamento de Kim Kardashian e Kanye West!

  Saiba tudo sobre o relacionamento de Kim Kardashian e Kanye West! Saiba tudo sobre o relacionamento de Kim Kardashian e Kanye West!

BLACK LIVES MATTER

Mauricio, que é negro, avalia que debate racial impulsionado pelo movimento Black Lives Matter é 1 “processo transformacional” que veio para ficar. Os protestos antirracistas ganharam tração nos Estados Unidos em maio de 2020. O estopim foi a morte de uma homem negro, George Floyd, asfixiado por 1 policial branco na cidade norte-americana de Minneapolis. O movimento se espalhou por diversos países, inclusive no Brasil.

“Estou seguro de que não é uma onda. É parte de 1 processo transformacional. Evidentemente, quando as primeiras notícias ocorrem, [o debate] fica mais efervescente. É natural que tenha muito mais discussão nos primeiros momentos. Mas eu não diria que ele diminuiu. Tanto não diminuiu que essas primeiras iniciativas [de trainee] geram o mesmo tipo de discussão e o mesmo tipo de debate na sociedade”, afirma.

Assim como gigante química, o Magazine Luiza abriu processo de recrutamento apenas para negros. A notícia impulsionou o debate sobre tema. A rede varejista enfrenta uma ação na Justiça. Críticos acusam o processo de discriminatório.

Uma conversa sobre inclusão e diversidade nos esports

  Uma conversa sobre inclusão e diversidade nos esports Uma conversa sobre inclusão e diversidade nos esportsDesde então, personalidades de esportes eletrônicos recorreram às redes sociais para falar sobre incidentes de racismo e expressar seu apoio ao movimento Black Lives Matter.

Segundo o executivo, a Bayer não foi alvo de contestação judicial pelo programa, como o Magazine Luiza.

“É 1 momento importante. Toda nova onda gera algum tipo de controvérsia. Novamente, algo que a gente vem dizendo de maneira muito aberta, evidentemente a gente respeita todas as opiniões contrárias. Mas estamos muito seguros de que essas ações afirmativas são necessárias e parte dessa jornada”, diz.

REFERÊNCIAS NEGRAS

Maurício afirma que a falta de referências negras em cargos de liderança limita os sonhos dessa população. Diz que é mais fácil 1 jovem negro acreditar que pode ser jogador de futebol do que almejar outros cargos de sucesso.

O executivo conta que morou quase 3 anos nos Estados Unidos. Relata que lá, apesar de ter percentual menor de negros na população na comparação com o Brasil, viu mais referências negras no alto escalão das empresas do que aqui.

“Um jovem negro no Brasil não tem dúvida de que ele possa ser 1 bom jogador de futebol. Há várias pessoas negras que são jogadoras de futebol. A única complexidade é que para você ser 1 bom jogador de futebol precisa ter talento. Mas não falta referência nesse caso”, diz.

Poder360 encerra parceria com SBT para programa de entrevistas

  Poder360 encerra parceria com SBT para programa de entrevistas Poder em Foco é gerado em Brasília. Fernando Rodrigues comandou 1 ano. Decisão foi mútua entre SBT e PoderO programa foi relançado pelo SBT em Brasília em outubro de 2019 e o diretor de Redação do Poder360, Fernando Rodrigues, foi convidado para numa fase inicial consolidar a atração jornalística a partir de capital federal.

Para ele, é importante que essas referências negras sejam observadas também no Brasil.

“Seria ótimo que a gente tivesse referências dentro das empresas e tudo mais para que esses jovens pudessem almejar serem gerentes, presidentes de empresas, vice-presidentes de empresas, [e que] possam sonhar e terem cargos de relevância. E, antes de mais nada, exerceram aquilo que almejam e não limitar os sonhos que eventualmente tenham.”

LÍDERES NEGROS

Indagado sobre qual o percentual de executivos negros nas empresas, Maurício respondeu que não tinha o dado exato, mas que basta chegar a 1 evento de líderes e observar como eles continuam sendo minoria.

“Você é o único ou uns dos 3 de um grupo de 400, 500, 600 pessoas. Não é muito difícil de imaginar que esse percentual é extremamente baixo.”

TRAJETÓRIA

O executivo diz que em sua trajetória enfrentou preconceitos e vivenciou a “síndrome do filho único”, por na maioria das vezes ser o único negro em algumas escolas e cargos.

“Isso faz com que você sempre tenha que se provar mais do que os outros. E, evidentemente, você passa por uma série de situações em que as pessoas não entendem como que você chegou aqui e porque está ali. Ao mesmo tempo em que eu tive bastante acesso e isso abriu muitas portas, você passa pelo preconceito e passa por ele de maneira bem contundente”, diz

Hoje, Maurício é o patrocinador do BayAfro, grupo de diversidade da Bayer que trabalha a temática racial. Ele foi uns dos apoiadores do recém-criado programa de trainee exclusivo para negros na companhia, o Trainee Liderança Negra.

Agências podem funcionar com metade da equipe, diz Washington Olivetto

  Agências podem funcionar com metade da equipe, diz Washington Olivetto Mudança virá depois da pandemia. Publicitário foi ao Poder em Foco. Google e FB precisam se reinventarPara ele, as empresas “incharam” nas últimas décadas. Terão que se reinventar no mundo pós-pandemia. “Elas vão ter de diminuir de tamanho, no sentido de ter que ter exatamente as pessoas com poder de decisão e com capacidade de criação”, afirma.

Meu pai e minha mãe conseguiram se graduar no Rio Grande do Sul e vieram para São Paulo. Meu pai [se formou] em engenharia mecânica e ela, em direito. [Isso] fez com que houvesse uma mudança no padrão que existia na época dentro da família. Era mais difícil ter pessoas graduadas até [aquele] momento. Eles realmente quebraram esse ciclo. Para mim, já foi propiciado acesso à educação de qualidade.

LETRAMENTO RACIAL

O executivo afirma que o governo tem muito mais poder do que as empresas no desenvolvimento de ações afirmativas. Segundo ele, o setor público tem a força de ditar tendências: “Ter 1 governo que de alguma maneira se envolva com isso e tenha isso dentro da agenda é fundamental”.

Maurício diz, no entanto, que isso não impede maior participação do setor privado e da sociedade civil em pautas afirmativas. Segundo ele, o grupo BayAfro promove o “letramento racial” na empresa.

“Até para as pessoas conseguirem se inserir e entender por que aquilo é um problema, como que a gente precisa tratar e como que é a responsabilidade de cada um. A gente trabalha em outros aspectos no desenvolvimento dessas pessoas”, afirma.

O letramento racial, porém, é 1 grande desafio no Brasil. Pesquisa PoderData360, de junho, mostrou que 76% dos brasileiros dizem haver preconceito contra negros no Brasil por causa da cor da pele. Mas apenas 28% admitem ter preconceito contra negros. Ou seja, parte da população tem vergonha de admitir o racismo.

Na avaliação de Maurício, não existe “fórmula mágica” para combater esse problema. É necessário cada vez mais ações afirmativas.

“Quando mais inclusivo o ambiente for, mais vai propiciar diversidade. Não queremos de uma hora para outra trabalhar só a questão racial e deixar de lado a questão de gênero. Se no nosso programa de trainee amanhã ou depois entrarem só homens negros, eu acho que a gente não atingiu o objetivo. Nós precisamos de alguma maneira tratar a diversidade de uma forma mais ampla.”

Uruguai fechará fronteiras durante verão

  Uruguai fechará fronteiras durante verão A medida afeta turistas brasileiros e argentinos, entre outros.Em entrevista coletiva, o presidente Lacalle Pou disse: "Será um verão basicamente restrito, com fronteiras fechadas em nosso país".

Maurício relata que a Bayer tem outras iniciativas que tratam da inclusão e a diversidade. “A questão étnico-racial é 1 dos 5 pilares que nós tratamos. Também passamos pela diversidade de gênero, LGBTQ, pessoas com deficiência e a questão de gerações.”

COMPETITIVIDADE

O vice-presidente de Finanças da Bayer Crop Science afirma que contratações que consideram a diversidade aumentam a competitividade criativa das companhias.

“Nós somos uma empresa de inovação e uma empresa de criatividade. Então, nós acreditamos que você tendo 1 ‘pool’ mais diverso de funcionários, você tem condições de ser uma empresa melhor”, afirma

QUEM É MAURÍCIO RODRIGUES

Maurício Rodrigues tem 45 anos e é vice-presidente de Finanças da Divisão de Ciências Agrícolas da Bayer para América Latina. Ele é engenheiro civil pela Universidade de São Paulo (1992-1997). Tem MBA em finanças pelo Insper (2000-2001) e especializações no IMD Business School e The Wharton School.

Tem mais de 20 anos de experiência no setor e passagens pela Monsanto e pelo banco BBA. Na Bayer, também atua como patrocinador do BayAfro, grupo que trata de temas de afinidade étnico-raciais e é responsável por desenvolver e discutir políticas de inclusão e diversidade dentro da companhia em todos os níveis hierárquicos.

Tem experiência de trabalho nos EUA e México.

PODER EM FOCO

O programa semanal, exibido aos domingos, sempre no fim da noite, é uma parceria editorial entre SBT e Poder360. O quadro é produzido em Brasília desde 6 de outubro de 2019, a partir dos estúdios do SBT em Brasília –exceto em algumas edições, em 2020, quando por causa da pandemia de coronavírus foi usado o estúdio do Poder360, também na capital federal.

Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração pode ser vista nas plataformas digitais do SBT Online e no canal do Poder360 no YouTube.

Eis os outros entrevistados pelo programa até agora, por ordem cronológica:

  • Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal);
  • Rodrigo Maia(DEM-RJ), presidente da Câmara;
  • Sergio Moro, ministro da Justiça;
  • Augusto Aras, procurador-geral da República;
  • Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado Federal;
  • Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado;
  • Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente;
  • Alberto Balazeiro, procurador-geral do Trabalho;
  • Tabata Amaral, deputada federal pelo PDT de SP;
  • Randolfe Rodrigues, líder da Oposição no Senado;
  • André Luiz de Almeida Mendonça, ministro da Advocacia Geral da União;
  • Jair Bolsonaro, presidente da República;
  • João Otávio de Noronha, presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça).
  • Gabriel Kanner, presidente do Instituto Brasil 200;
  • Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal;
  • Paulo Guedes, ministro da Economia;
  • Nelsinho Trad (PSD-MS), presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado;
  • Kakay, advogado criminalista;
  • Fabio Wajngarten, secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República.
  • João Doria, governador de São Paulo;
  • Marcelo Ramos (PL-AM), deputado federal e presidente da comissão que analisa a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 199 de 2019, que determina prisão depois de condenação em 2ª Instância;
  • Flávio Dino (PC do B), governador do Maranhão;
  • Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos;
  • Luís Roberto Barroso, futuro presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral);
  • John Peter Rodgerson, presidente da Azul Linhas Aéreas;
  • Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal;
  • Ludhmila Hajjar, diretora de Ciência e Inovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia;
  • Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central;
  • Tereza Cristina, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
  • Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo;
  • André Mendonça, ministro da Justiça e Segurança Pública;
  • Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo PT em 2018;
  • Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer;
  • Sidney Klajner, presidente do Hospital Israelita Albert Einstein;
  • Djamila Ribeiro, filósofa e escritora;
  • Paulo Skaf, presidente da Fiesp;
  • Contardo Calligaris, psicanalista, escritor e dramaturgo;
  • João Carlos Brega, presidente da Whrilpool na América Latina;
  • Delfim Netto, ex-ministro e ex-deputado federal;
  • Fábio Faria, ministro das Comunicações;
  • Ricardo Barros, líder do governo na Câmara;
  • Rui Costa, governador da Bahia;
  • Antonio Filosa, presidente da Fiat Chryslerpara a América Latina;
  • Hamilton Mourão, vice-presidente da República;
  • Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT;
  • Jair Ribeiro, presidente da ONG Parceiros da Educação;
  • Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional;
  • Lorival Luz, presidente da BRF;
  • Guilherme Canela, chefe global de Liberdade de Expressão da Unesco.

Uruguai fechará fronteiras durante verão .
A medida afeta turistas brasileiros e argentinos, entre outros.Em entrevista coletiva, o presidente Lacalle Pou disse: "Será um verão basicamente restrito, com fronteiras fechadas em nosso país".

usr: 3
Isto é interessante!