Brasil Fiocruz divulga contrato de encomenda tecnológica para vacina contra coronavírus

20:55  29 outubro  2020
20:55  29 outubro  2020 Fonte:   msn.com

Autoridades criticam Bolsonaro por veto à compra da vacina chinesa

  Autoridades criticam Bolsonaro por veto à compra da vacina chinesa Acordo previa 46 milhões de doses. Vacina é desenvolvida pela SinovacA reportagem do Poder360 apurou que Bolsonaro enviou mensagens a ministros com o seguinte teor: “Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19“. O presidente e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), são desafetos políticos.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apresentou o contrato de Encomenda Tecnológica assinado com a AstraZeneca para a produção da vacina contra o novo coronarívus. O acordo prevê que não haverá margem de lucro na aquisição dos produtos necessários para a produção da vacina até 1º de julho de 2021, quando expira o contrato.

O acordo prevê ainda que a fundação terá total acesso à tecnologia ao fim do contrato, o que permitirá à Fiocruz autonomia para produzir a vacina de acordo com as necessidades que o País apresentar.

O contrato foi encaminhado na segunda-feira, 26, à Comissão Externa da Câmara dos Deputados de Enfrentamento à Covid-19. Segundo o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, os termos negociados colocam o Brasil em posição de destaque no cenário global.

Como disputa entre Bolsonaro e Doria pode atrasar imunização dos brasileiros contra covid-19

  Como disputa entre Bolsonaro e Doria pode atrasar imunização dos brasileiros contra covid-19 Disputa com governador põe em risco verba de R$ 80 milhões para fábrica de vacinas do Instituto Butantan. Ideal seria investir no maior número possível de vacinas, dizem especialistas.Com apenas 67 caracteres, o presidente dinamitou um acordo de cerca de R$ 2 bilhões de reais. O Ministério da Saúde planejava a aquisição de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em conjunto com o Instituto Butantan, uma instituição pública do governo de São Paulo. O acordo tinha sido anunciado na tarde desta terça (20), pelo ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

“O acordo com a AstraZeneca garante não apenas o acesso a um volume expressivo de uma das vacinas mais promissoras que segue em estudo clínico de fase 3, como também assegura a transferência total da tecnologia para Bio-Manguinhos/Fiocruz. O compromisso também garante a inexistência de obtenção de margem de lucro para a AstraZeneca ou para a Fiocruz até 1º de julho de 2021”, disse, em nota divulgada pela fundação.

O custo da vacina também foi exaltado. “Ao preço de US$ 3,16 a dose, ela é considerada uma das mais baratas quando comparada às demais negociações que seguem em curso no mundo. O valor praticado, incluindo a transferência da tecnologia que trará a autonomia nacional já a partir de 2021, é resultado direto de uma atuação diferenciada possibilitada pela capacidade produtiva e tecnológica existentes”, destacou o vice-presidente.

O contrato está limitado inicialmente a 100,4 milhões de doses, totalmente destinadas a entregas ao Ministério da Saúde e ao SUS. Ao fim do acordo, a Fiocruz terá a capacidade de produzir mais 110 milhões ao longo do segundo semestre de 2021.

29% querem vacina dos EUA; só 9% dizem preferir imunizante da China .
20% preferem vacina da Europa. Só 3% tomariam uma da Rússia. Bolsonaristas optam pela dos EUA. Leia o levantamento PoderDataO percentual dos que optam por vacinas desenvolvidas por farmacêuticas da China ou Rússia é menor, 9% e 3%, respectivamente.

usr: 0
Isto é interessante!