Brasil Fiscalização fecha oito estabelecimentos durante a madrugada em BH

20:55  28 novembro  2020
20:55  28 novembro  2020 Fonte:   em.com.br

Ibama facilitou circulação de madeira ilegal, dizem técnicos; órgão nega

  Ibama facilitou circulação de madeira ilegal, dizem técnicos; órgão nega Presidente do instituto mudou regras. Flexibilizou punição sobre a compra. Vistorias nos portos foram reduzidas. Bim nega prejuízo à fiscalizaçãoAlém disso, houve uma queda de vistorias do produto in loco, nos portos, antes do envio para outros países. As informações foram publicadas em reportagem do jornal Folha de S.Paulo, que ouviu técnicos do Ibama sob a condição de anonimato.

Uma operação conjunta de fiscalização terminou com dois estabelecimentos fechados , na tarde do dia 27, em Estância Velha. Os dois locais -- uma oficina e um

O secretário adjunto de Segurança Comunitária e Convívio Social, Dorgival Ferreira, informou hoje que cerca de 300 estabelecimentos foram lacrados e mais de

Oito bares, restaurantes e até mesmo um armazém, que estavam descumprindo os decretos municipais com relação aos cuidados que se deve ter com relação à prevenção da Covid-19, foram autuados na noite de sexta-feira e madrugada deste sábado (28/11), foram autuados no Centro, na Savassi e na Pampulha, por fiscais de Controle Urbanístico e Ambiental da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PBH).

  Fiscalização fecha oito estabelecimentos durante a madrugada em BH © Divulgação/PBH

Na Savassi, foi autuada a Boate LAB, na Avenida do Contorno, 6.342. O espaço reservado para bar era usado como boate e casa de show. No Centro, uma lanchonete sem nome na Rua dos Tupis, 740, estava funcionando como bar, com mesas e cadeiras, sem que tivesse alvará para isso.

Em jogo de reencontros e jejum de oito anos, Fluminense tenta voltar a vencer contra o Internacional

  Em jogo de reencontros e jejum de oito anos, Fluminense tenta voltar a vencer contra o Internacional Tricolor vem de duas partidas sem vitórias, mas não consegue ser bem sucedido no Beira-Rio desde 2012, ano em que foi campeão brasileiroVEJA A TABELA DO CAMPEONATO BRASILEIRO

Trata-se de um estado intrusivo, burocrático, confuso e incoerente ao lidar com novos empreendimentos e suas demandas e tempos. Será que é difícil abrir uma empresa ? mais difícil ainda é tentar fechá -la. Isto porque a criação de novas empresas possibilita que novos impostos e novas

Месяц бесплатно. Fiscalização nos estabelecimentos | SBT Meio-Dia (22/04/20). A morte do Seu Madruga - Продолжительность: 22:40 Chaves Recommended for you.

Também no Centro, o bar e restaurante Dourado, na Rua dos Tupis, 767, estava com o funcionamento normal, com cerca de 50 pessoas, sem seguir nenhum protocolo de saúde. Já o restaurante Western (Vagalume), na  Avenida Olegário Maciel, 579, estava sendo usado como casa de show sem o alvará para a atividade.   Fiscalização fecha oito estabelecimentos durante a madrugada em BH © Divulgação/PBH Se destacou também a autuação da Líder Mineiro Comércio de Alimentos (Almeida Atacarejo), na Avenida Olegário Maciel, 742, lojas 39, 40, 41. O estabelecimento, que trabalha como supermercado e mercearia estava ficando aberto 24 horas, vendendo principalmente bebidas durante a madrugada para pessoas que aglomeravam na porta do local. Um bar na Avenida Portugal, 2.725, na Pampulha foi multado em R$17.614,17 por descumprimento da interdição. Outros dois locais não tiveram os endereços divulgados pela PBH.

Como o desmatamento fez com que uma cidade fosse 'engolida' por dunas no Espírito Santo

  Como o desmatamento fez com que uma cidade fosse 'engolida' por dunas no Espírito Santo As dunas soterraram a antiga vila de Itaúnas, que existiu por quase 200 anos, entre os anos 1950 e 1970 no Espírito Santo.Para ver o mar, é preciso primeiro subir os montes de areia da região, alguns com mais de 30 metros de altura. Porém, o que o visitante não percebe, à primeira vista, é que sob seus pés há não só areia, mas também as ruínas de uma vila inteira.

Fiscalização fecha estabelecimentos e aprrende veículos por Lei do Silêncio. Cidade Verde.

Nos estabelecimentos comerciais a fiscalização também fica mais rigorosa. O objetivo é garantir que as regras de prevenção ao coronavírus sejam respeitadas.

Medidas duras

A ação mostra o endurecimento da PBH com o descumprimento das regras de segurança para o Combate à COVID-19. Durante toda a semana, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) fez alertas contra esse descumprimento e a falta de cuidado que poderá fazer com que o vírus se espalhe ainda mais. Apoiado por representantes da Polícia Militar, que endossaram o discurso, o prefeito sustentou a possibilidade de prender eventuais descumpridores das normas adotadas para conter o vírus. Os que adotam comportamento equivocado foram chamados por ele de “irresponsáveis” e “baderneiros”. “O relaxamento, a falta de empatia e ignorância podem nos levar ao fechamento total da cidade novamente.”. Kalil, que foi reeleito com 63,36% dos votos válidos, afirmou que tem respaldo popular para adotar atitudes enérgicas. “A população respondeu na urna o que ela pensa de fechar a cidade. Estou recebendo uma pressão muito forte agora para fechar a cidade. A situação é muito grave. Uma pena que eu tenha que voltar aqui. Se não tomarem conta, nós vamos fechar a cidade”, disse.   Fiscalização fecha oito estabelecimentos durante a madrugada em BH © Divulgação/PBH

Na ocasião, o prefeito ainda emitiu um alerta. "Temos autoridade, segundo a Polícia Militar, para prender irresponsáveis, além de fechar os estabelecimentos. As notificações, as ‘notinhas’ e as ‘multinhas’ acabaram. Vamos lacrar estabelecimentos. Estamos avisando aos baderneiros que eles serão presos.”  As medidas têm apoio da Polícia Militar. O tenente-coronel da PM, Gianfranco Caiafa cita o artigo 268 do Código Penal, que trata de sanções aos que infringirem medidas tomadas pelo poder público para desacelerar a propagação de infecções,  assegurou o respaldo ao poder público. “Às pessoas que insistirem em não fechar (seus estabelecimentos, há vários ordenamentos jurídicos que garantem o poder de polícia da prefeitura”, sustentou. "Chegou o momento das pessoas entenderem que, se elas não colaborarem, o Estado vai adotar medidas mais fortes: o fechamento (do estabelecimento) e, se houver resistência, a prisão”, afirma.

Números

Desde o início da pandemia da COVID-19, 66.690 abordagens educativas foram feitas pelos fiscais Controle Urbanístico e Ambiental da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PBH), em estabelecimentos comerciais.

Um total de 5.193 vistorias fiscais em estabelecimentos para verificação do cumprimento dos decretos da COVID-19 foram feitas. Foram realizadas 144 ações de interdições em estabelecimentos que insistiram em manter o funcionamento em desacordo com os decretos municipais. E 20 multas foram aplicadas por descumprimento de interdição.

Ideia é coibir aglomerações

As redes sociais serão utilizadas pela PBH para monitorar festas que violam as diretrizes estabelecidas para barrar o coronavírus. O chefe da saúde municipal, Jackson Machado, aponta a incidência de eventos do tipo, sobretudo, nas classes de alto poder aquisitivo. “Chutaram o pau da barraca e as classes A e B são mais acometidas. Estão acontecendo festas clandestinas. Não há dúvidas de que essas aglomerações aumentam os casos. É pouco justo que essas pessoas estejam se divertindo”, disse o secretário. Ele descarta, como Kalil, relacionar a subida das estatísticas a uma eventual segunda onda da Covid. “Não estamos na segunda onda. Estamos na baderna e na irresponsabilidade”, sentenciou. Pouco depois, ao reiterar a inexistência da nova “leva”, subiu o tom: “O que tem é gente ignorante, egoísta e irresponsável”.

Regras de funcionamento

Estabelecimentos com a porta voltada à rua podem funcionar de segunda a domingo, das 11h às 22h, e só podem comercializar bebidas das 17h às 22h de segunda a sexta-feira. Aos sábados, domingos e feriados, o horário se estende: vai das 11h às 22h. A PBH estabelece uma série de critérios: os empresários precisam organizar turnos de trabalho e orientar os empregados sobre a necessidade de distanciamento. Sabão, toalhas de papel e dispensadores de álcool gel e álcool 70% são obrigatórios. Há também a importância da utilização das máscaras faciais — e da troca do aparato, no mínimo, a cada quatro horas.

Mais rigor na luta contra a COVID-19 em BH: desrespeitou, lacrou .
Após interditar 26 bares e outros estabelecimentos no fim de semana, fiscais da PBH voltam às ruas e descumprimento de bloqueio vira caso de políciaO balanço mais recente disponibilizado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) contabiliza que, entre 19 de março e 29 de novembro, os fiscais de Controle Urbanístico e Ambiental realizaram cerca de 70 mil abordagens educativas em estabelecimentos comerciais. Houve 170 ações de interdições em estabelecimentos que insistiram em manter o funcionamento em desacordo com os decretos municipais e 23 multas foram aplicadas por descumprimento da medida.

usr: 18
Isto é interessante!