Brasil Policial é suspeito de matar artista negro em distribuidora de São Paulo

03:26  29 novembro  2020
03:26  29 novembro  2020 Fonte:   poder360.com.br

Negado pedido de liberdade condicional a suspeito alemão do caso Maddie

  Negado pedido de liberdade condicional a suspeito alemão do caso Maddie Christian B é o principal suspeito no caso do desaparecimento de Madeleine McCann. Suspeito está cumprindo pena por tráfico de drogas na Alemanha. De acordo com a Sky News, o tribunal alemão de Braunschweig considerou que "não foram verificadas condições" que garantam que o detido "não cometa crimes novamente".Entre os motivos, o órgão de comunicação britânico lembra também que, além de ter um registro criminal com muitas ocorrências, Christian B já violou a liberdade condicional no passado e por várias vezes.

Matéria exibida no dia 16/03/2020 Dois suspeitos de participação na morte de um homem numa distribuidora de bebidas em aparecida foram mortos em confronto

Segundo a polícia, Flausino Cândido, de 49 anos, confessou ter ateado fogo no morador de rua Carlos Roberto Vieira da Silva, de 39 anos, na zona leste de São Paulo , na Segundo a polícia, o suspeito também é morador de rua e conhecia a vítima há pelo menos cinco anos. Aos policiais , ele contou

O artista NegoVila Madalena, de 40 anos, morreu na madrugada neste sábado (28.nov.2020) baleado em uma distribuidora de bebidas de Vila Madalena, na zona oeste de São Paulo. Testemunhas do caso disseram que o disparo foi de 1 policial.

O artista NegoVila Madalena foi morto neste sábado em São Paulo (28.nov.2020). © Arquivo pessoal O artista NegoVila Madalena foi morto neste sábado em São Paulo (28.nov.2020).

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, um policial militar foi detido depois de 1 homicídio num bar na Vila Madalena. O caso está sendo registrado pela 14º Delegacia de Polícia, localizada em Pinheiros.

A Polícia Militar também instaurou um IPM (inquérito policial militar) para investigar todas as circunstâncias relacionadas à ocorrência.

Loja do Carrefour em Brasília é palco de protesto por morte de homem negro

  Loja do Carrefour em Brasília é palco de protesto por morte de homem negro Espancamento ocorreu em POA. Seguranças presos em flagranteJoão Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi agredido em uma unidade da rede em Porto Alegre. O homicídio ocorreu na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado nesta 6ª feira (20.nov.2020).

Uma adolescente, de 16 anos, é suspeita de matar o padrasto a tiros, na noite desta sexta-feira (27), no município de Cristalândia, região central do Tocantins. Segundo a Polícia Militar, a menina disse que cometeu o crime porque sofria abusos sexuais e ameaças de morte, por parte do homem.

A polícia paulista prendeu em Ferraz de Vasconcelos Marcos Roberto, de 36 anos. O homem é acusado de matar o dono de padaria Adaílson, conhecido como

NegoVila Madalena fazia pinturas pelas ruas da cidade. Era o nome artístico de Wellington Copido Benfati. Ou “Nego Rua”. Ele nasceu em Vila Madalena.

NegoVila também cantava rapper, artista plástico, assistente de produções cinematográficas e skatista. Ele tinha uma filha, de 9 anos.

Publicação do Facebook relacionada

Compartilhado do Facebook

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, NegoVila estava acompanhado de pelo menos menos 9 amigos no Royal Bebidas, uma distribuidora de bebidas. Por volta de 4h30 ele foi baleado depois de uma confusão.

Testemunhas disseram que ele foi baleado ao tentar separar uma briga de seus amigos com o policial militar. NegoVila teria revidado 1 soco no rosco feito pelo agente. O policial sacou a arma e disparou para o alto. As pessoas que estavam na distribuidora correram e NegoVila caiu no chão ao tentar fugir. O policial se aproximou e atirou no tórax do artista.

Márcia Lima: “Debate racial mudou de patamar. Não vejo mais os jovens aceitando silenciamento”

  Márcia Lima: “Debate racial mudou de patamar. Não vejo mais os jovens aceitando silenciamento” Socióloga e professora da USP que coordena núcleo de pesquisas sobre raça no Cebrap afirma que o caso de João Alberto mostra que a visibilidade sobre desigualdade e violência contra negros se ampliou. “O Brasil tem um George Floyd por dia”Apoie nosso jornalismo.

O suspeito passará pelo reconhecimento de 14 testemunhas e depois deverá ser levado para o 77º DP, na região central de São Paulo . Entre as testemunhas presentes está a travesti Raíssa, que segundo a investigação policial foi defendida por Ruas pouco antes de ele ser espancado.

Em São Paulo , o policial militar Jeferson Silva de Oliveira, acusado de matar um suspeito pelas costas, está sendo julgado. Imagens de uma câmera de

Nas redes sociais, amigos prestam homenagens ao NegoVila.

  Policial é suspeito de matar artista negro em distribuidora de São Paulo © Fornecido por Poder360   Policial é suspeito de matar artista negro em distribuidora de São Paulo © Fornecido por Poder360

Caso João Alberto

Na 5ª feira da semana passada (19.nov.2020), o assassinato de João Alberto Freitas, homem negro de 40 conhecido como Beto por amigos e familiares, teve repercussão no país e no exterior.

Ele foi espancado até a morte por pessoas que faziam a segurança de uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre.

Pessoas que se solidarizaram com NegoVila compartilham mensagens nas redes sociais contra o racismo.

Suspeito de matar a mulher, homem foge e morre carbonizado no Paraná .
No Paraná, um homem, de 54 anos, suspeito de matar a mulher, de 25 anos, morreu carbonizado após seu carro pegar fogo enquanto ele fugiaSegundo a Polícia Militar (PM), o homem é o principal suspeito de ter matado a companheira momentos antes do acidente  ele é suspeito de ter matado a companheira, de 25 anos, pouco tempo antes do acidente que o levou a morte carbonizado.

usr: 54
Isto é interessante!