Brasil 'Queremos privatizar, mas não é tudo também', diz Bolsonaro

02:15  21 fevereiro  2021
02:15  21 fevereiro  2021 Fonte:   estadao.com.br

Não é só petróleo

  Não é só petróleo Depois de demitir Roberto Castello Branco, que deu à Petrobras o maior lucro trimestral da história de uma companhia aberta no Brasil, Bolsonaro leva ao Congresso uma Medida Provisória para capitalizar a Eletrobras e um projeto de lei para vender os Correios. O resultado dessa movimentação ainda é incerto.Para contrabalançar o impacto, ele anunciou uma isenção temporária dos impostos federais que incidem sobre os combustíveis. “A partir de 1º de março também não haverá qualquer imposto federal no diesel por dois meses”, disse ele.

Para André Diz , professor de economia do Ibmec-SP, a equipe de Bolsonaro ainda precisa esclarecer quais serão os objetivos das privatizações. Vai privatizar por quê? Para reduzir a corrupção? Para melhorar a eficiência? André Diz . A falta de um planejamento a longo prazo e de objetivos claros para a economia também preocupa Luiz Pinguelli Rosa, professor de planejamento energético da Coppe/UFRJ, e que foi presidente da Eletrobras em 2003, no primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Bolsonaro disse que não tem como garantir a privatização dos Correios até o final do seu mandato. O presidente da República, Jair Bolsonaro , reconheceu, nesta terça-feira (7), que vem enfrentando dificuldades para avançar a privatização dos Correios e outras empresas estatais. Ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, Bolsonaro declarou: “ Não são fáceis as privatizações. Até o próprio Correio que a gente quer privatizar , mas tem dificuldade.” E , segundo o site UOL, acrescentou: “Se eu pudesse privatizar hoje, privatizaria . Mas não posso prejudicar o servidor dos Correios.”

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado, 20, que o governo mantém planos para avançar na agenda de privatizações, mas que "não é tudo" que será privatizado. Ele descartou, por exemplo, a privatização da Casa da Moeda do Brasil. Em mudança de discurso, Bolsonaro também afirmou que a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) não será privatizada "da forma que queriam", mas não negou a possibilidade de venda do entreposto.

Em dezembro, Bolsonaro chegou a dizer que a Ceagesp não seria privatizada por "ratos" com o interesse de "beneficiar amigos". Hoje, o mandatário mudou o tom. "Nós queremos privatizar, mas não é tudo também, não. Privatizar a Casa da Moeda? Negativo. Privatizar Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária)? Para quê? Privatizar da forma como queriam a Ceagesp, não vai ser privatizada, pode ter certeza disso", declarou ao falar com populares durante sua passagem por Campinas (SP).

Pátria armada. Brasil

  Pátria armada. Brasil Bolsonaro publica um arsenal de decretos que cria um ambiente para a militarização e a formação de milícias urbanasNaquele momento, Bolsonaro já usava a pandemia para defender que a população se insurgisse à força. A desculpa eram as medidas restritivas e o uso de máscaras. Em outro momento, pregou o armamentismo para o povo defender “algo mais valoroso do que nossa vida, nossa liberdade”. Tais apelos não têm nada a ver com a defesa de garantias individuais. Na crise da saúde, normas sanitárias bem mais restritivas que as brasileiras são obedecidas em todas as grandes democracias.

Bolsonaro disse que os Correios "estão na fila" para serem privatizados , mas que tirou deste organograma a Casa da Moeda por entender que ela é uma "questão estratégica". O presidente também citou a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o "núcleo da Petrobras" como exemplos de empresas O presidente afirmou que o governo está preocupado em "abrir o mercado" de petróleo e gás para diminuir o preço ao consumidor e também que o ministro da Economia, Paulo Guedes, " quer voltar à questão da carteira de trabalho verde e amarela" para diminuir os custos de contratação.

О сервисе Прессе Правообладателям Связаться с нами Авторам Рекламодателям

A companhia é alvo de estudos do governo para a sua desestatização. No ano passado, o governador João Doria (PSDB-SP) anunciou um acordo com o governo federal para transferir a Ceagesp para outro endereço, às margens do Rodoanel Mário Covas e passar sua administração para a iniciativa privada. O plano era facilitar o acesso de caminhões que diariamente abastecem o local com produtos agrícolas do Brasil todo.

A negociação de Doria foi articulada com Salim Mattar, então secretário especial de Desestatização e Privatização, que deixou o cargo em agosto do ano passado insatisfeito pela paralisia do governo na agenda de privatizações.

Desde 2019, a Ceagesp está incluída no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), em decreto assinado pelo próprio Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. A partir disso, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) contratou duas consultorias em março do ano passado por R$ 2,6 milhões para estudar o modelo de privatização. O Estadão mostrou que em dezembro, quando o presidente descartou vender a empresa, R$ 560 mil já haviam sido pagos.

Após queda de mais de 20%, ações da Petrobrás fecham em alta nesta terça-feira

  Após queda de mais de 20%, ações da Petrobrás fecham em alta nesta terça-feira Papéis da estatal subiram mais de 8% e apoiaram o Ibovespa, que terminou com ganho de 2,3%, aos 115,2 mil pontos; dólar caiu e fechou cotado a R$ 5,44Após caírem mais de 20% na segunda-feira, 22, depois da interferência política no comando da empresa, os papéis de Petrobrás tiveram as maiores altas da Bolsa brasileira nesta terça-feira, 23, em um movimento de recuperação. As ações ON da estatal fecharam em alta de 8,86% e as PN, de 12,17%, na véspera da divulgação de seus resultados trimestrais. Com isso, a empresa já recuperou R$ 30,8 bilhões em valor de mercado, após perder R$ 102 bilhões nos últimos dois dias.

Privatizar é bom ou ruim? Смотреть позже. Поделиться. Em 5 perguntas, entenda o que aconteceu com empresas que o país já privatizou , conheça casos pelo mundo de 'remunicipalização' de serviços antes concedidos à iniciativa privada e saiba o que o governo Bolsonaro sinaliza quando o assunto são as estatais.

Bolsonaro disse que os Correios “estão na fila” para serem privatizados , mas que tirou deste organograma a Casa da Moeda por entender que ela é uma “questão estratégica”. O presidente também citou a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o “núcleo da Petrobras” como exemplos de empresas O presidente afirmou que o governo está preocupado em “abrir o mercado” de petróleo e gás para diminuir o preço ao consumidor e também que o ministro da Economia, Paulo Guedes, “ quer voltar à questão da carteira de trabalho verde e amarela” para diminuir os custos de contratação.

O BNDES negou que haja orientação para paralisar as análises. O Ministério da Economia confirmou que os estudos não foram interrompidos e disse que os resultados serão levados para discussão do Conselho do PPI, órgão formado pelo presidente da República, ministros e presidentes dos bancos públicos. Segundo a pasta, uma decisão sobre a venda ou não da empresa pública só será tomada após os estudos serem concluídos, o que está previsto para ocorrer até o fim de março.

Neste sábado, Bolsonaro voltou a elogiar a atuação e o trabalho "excepcional" do coronel da Polícia Militar e ex-comandante da Rota Ricardo Mello Araújo, nomeado diretor-presidente da Ceagesp em outubro. O presidente tem atribuído ao militar as mudanças na gestão da companhia. "(Antes) Tudo era roubo, tudo era propina. Então, a gente vai atacando as coisas, não dá para mudar de uma hora para a outra. O navio, você não consegue dar um cavalo nele. Agora, quando eu descubro vou para cima", disse.

Cartão de vacinação de mãe de Bolsonaro indica que ela recebeu a CoronaVac

  Cartão de vacinação de mãe de Bolsonaro indica que ela recebeu a CoronaVac Presidente nega uso da vacina chinesa. Afirma que ela tomou a de OxfordDe acordo com reportagem do portal UOL, a data prevista para a 2ª dose que está no cartão de vacinação de Olinda, 5 de março, é a recomendada para a CoronaVac. Ou seja, 21 dias depois da 1ª dose.

Bolsonaro deu a declaração ao ser questionado sobre o assunto durante uma entrevista no Rio de Janeiro. "Nós estamos conversando sobre isso aí. Eu não sou uma pessoa inflexível. Mas nós temos que, com muita responsabilidade, levar avante um plano como esse aí. Eu vi lá atrás com muito bons olhos a questão da Embraer. Ainda na campanha eleitoral, Bolsonaro afirmou à GloboNews que privatizará a Petrobras "se não tiver solução". "Acaba com esse monopólio estatal e ponto final", disse ele na ocasião.

О сервисе Прессе Авторские права Связаться с нами Авторам Рекламодателям Разработчикам

"Quando botei o coronel lá levei pancada: 'ah, um coronel não gestor'. A Ceagesp era caso de polícia e ele tinha acabado de comandar a Rota em São Paulo, era o cara ideal. Ele demonstrou ao longo desses últimos meses, além de moralizar aquilo, ele também mostrou como bem gerenciar a Ceagesp, que é motivo de orgulho de muita gente", declarou.

A fala sobre a Ceagesp e os planos de privatização do Executivo, divulgada em vídeo por um canal no YouTube, foi motivada após uma pergunta ao presidente sobre a "celeridade de pautas" do governo na Câmara. "Eu tenho certeza (que as pautas ganharão celeridade)", disse.

Bolsonaro responsabilizou o ex-presidente da Câmara do Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) pelo fracasso do governo de promover uma agenda de privatizações. A venda de estatais, com receita estimada em R$ 1 trilhão, é prometida pelo ministro Paulo Guedes desde o início do governo.

"O próprio ex-presidente (da Câmara, Rodrigo Maia) disse há poucas semanas que agora ele vai fazer uma oposição contra o presidente Jair Bolsonaro, coisa que ele não podia falar enquanto era presidente", comentou. "O ex-presidente tinha uma ligação enorme com PT, PCdoB e PSOL, então as agendas liberais não andavam. Esse pessoal é estatizante", justificou.

'Oposição sistemática a Bolsonaro não adianta', diz Eduardo Leite .
Governador do Rio Grande do Sul afirma que críticos do presidente não podem agir para ‘dificultar soluções para o País’Após ser lançado pré-candidato à Presidência em 2022 por um grupo de deputados do PSDB, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, adotou tom moderado em relação ao Planalto, em contraponto ao discurso crítico do governador de São Paulo, João Doria, ao presidente Jair Bolsonaro. Para Leite, o PSDB não deve fazer “oposição sistemática” ao governo federal.

usr: 14
Isto é interessante!