Brasil SP bate novo recorde e registra 1.389 mortes por covid em 24 horas

18:41  06 abril  2021
18:41  06 abril  2021 Fonte:   estadao.com.br

Com 1.389 mortes por covid em 24 horas, São Paulo tem novo recorde

  Com 1.389 mortes por covid em 24 horas, São Paulo tem novo recorde Estado chega a 78. 544 vítimas. Média dos últimos 7 dias: 723Trata-se do maior número de óbitos notificados em 1 só dia desde o início da pandemia do coronavírus. Eis a íntegra (114 KB) do comunicado publicado pela Secretaria de Saúde do governo paulista.

SÃO PAULO - O Estado de São Paulo bateu novo recorde negativo e confirmou 1.389 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados pelo governo João Doria (PSDB) nesta terça-feira, 6. Com isso, o total de óbitos chegou a 78.554 desde o início da pandemia.

O índice desta terça-feira sofre o impacto de casos represados durante a Páscoa, uma vez que o número de testes realizados durante o feriado é menor, de acordo com o Estado. “O número é o maior desde o início da pandemia e tem dados acumulados desde o feriado da última sexta-feira, quando habitualmente são registrados menos óbitos”, diz a nota.

Cidades já somam mais mortes que nascimentos em desvio de curva que pode avançar em todo Brasil

  Cidades já somam mais mortes que nascimentos em desvio de curva que pode avançar em todo Brasil Morreu mais gente do que nasceu em 12 das 50 cidades com mais de 500.000 habitantes em março. Rio de Janeiro, Natal e São Bernardo do Campo estão nessa lista. Excesso de mortes pela pandemia ameaça fazer todo o país ter mais óbitos que nascimentos a partir de abrilVárias cidades brasileiras já registram mais mortes do que nascimentos em meio à pandemia. No último mês de março, o mais mortal da crise sanitária até agora, morreu mais gente do que nasceu em pelo menos 12 das 50 cidades com mais de 500.000 habitantes do país― entre elas, Rio de Janeiro (RJ), Natal (RN) e São Bernardo do Campo (SP). Para se ter uma ideia, em março do ano passado, apenas um município havia alcançado esta proporção.

Também foram notificados mais 22.794 novos casos de covid no Estado no último dia. Ao todo, São Paulo já confirmou 2.554.841 diagnósticos da doença.

De acordo com os dados oficiais, o último recorde de mortes havia sido registrado exatamente há uma semana, no dia 30 de março. Na ocasião, foram confirmados 1.209 óbitos por covid.

Esta foi a sétima vez que São Paulo notificou mais de mil mortes diárias pelo novo coronavírus desde o começo da crise sanitária. Todos esses registros aconteceram neste ano: 1.021 (23 de março), 1.051 (27 de março), 1.082 (1º de abril), 1.160 (31 de março), 1.193 (26 de março).

Com aumento de casos e sobrecarga no sistema de saúde, Doria aumentou restrições no Estado desde o dia 15 de março, proibindo celebrações religiosas, atividades esportivas e o funcionamento presencial de alguns tipos de loja. A “fase emergencial” foi prorrogada até 11 de abril.

Brasil tem em 1 dia mais mortes por covid-19 do que 133 países em 1 ano de pandemia

  Brasil tem em 1 dia mais mortes por covid-19 do que 133 países em 1 ano de pandemia Morre-se mais no Brasil de covid-19 do que em continentes inteiros: Europa, Ásia, África, Oceania ou restante da América. Hoje, o Brasil tem 2,7% da população mundial, mas concentra 37% das mortes no mundo.O Brasil tem 212 milhões de habitantes. Estes 133 países somam 1,9 bilhão de pessoas.

Na capital paulista, o prefeito Bruno Covas (PSDB) também decidiu antecipar três feriados e articular recesso de dez dias. A medida, no entanto, teve baixo impacto no índice de isolamento social, que ficou em uma média de 44,7% durante a Páscoa.

Na segunda, 5, as taxas de ocupação dos leitos de UTI eram de 90,7% no Estado e de 90,6% na Grande São Paulo. Entre os internados, 12.963 pacientes estavam em terapia intensiva e 16.547 em enfermaria.

“O Governo de SP reitera a importância das medidas de distanciamento pessoal, uso de máscaras e higiene das mãos”, afirma o comunicado. “É fundamental que a população fique em casa, neste momento.”

Pior está por vir, mas colapso no inverno pode ser evitado, diz médico de universidade que prevê 100 mil mortes por covid no Brasil em abril .
País ainda paga preço do relaxamento do fim de ano, e 'correr contra o tempo' na vacinação e melhorar as máscaras da população serão ainda mais cruciais agora, aponta médico da Universidade de Washington - que projeta, no pior cenário, quase 600 mil brasileiros mortos até julho.A análise é do médico libanês Ali Mokdad, professor do Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação (IHME, na sigla em inglês) da Universidade de Washington, instituição americana que na última semana divulgou projeções preocupantes para o Brasil.

usr: 0
Isto é interessante!