Brasil Justiça condena a 530 anos ladrões que roubaram R$ 51 mi em Ribeirão Preto

10:41  07 abril  2021
10:41  07 abril  2021 Fonte:   istoe.com.br

Valadares: manifestantes pedem abertura imediata do Hospital Regional

  Valadares: manifestantes pedem abertura imediata do Hospital Regional Grupo ocupou a área onde está sendo construído o Hospital Regional de Governador Valadares; a obra está paralisada e é alvo de furtos À época, o Executivo estadual informou que o custo das obras da unidade de saúde, antiga demanda da região, estava estimado em R$ 50 milhões. E que o investimento seria de R$ 75,3 milhões, sendo R$ 25,3 milhões destinados à aquisição de equipamentos.

A Justiça de São Paulo decidiu nesta terça-feira (6) aumentar de 481 para 530 anos a pena de prisão de quatro ladrões de banco e de carro-forte que atuavam no interior do estado numa tática que ficou conhecida como “Novo Cangaço”. As informações são do UOL.

Os homens participaram de um assalto à empresa de transporte de valores Prosegur, em 5 de julho de 2016, em Ribeirão Preto. Após roubarem R$ 51 milhões, os criminosos trocaram tiros com a polícia por cerca de uma hora e acabaram matando um policial rodoviário.

Eles foram condenados em primeira instância em dezembro de 2018, pela Justiça de Ribeirão Preto. As penas foram aumentadas pela 4ª Câmara Criminal do TJ (Tribunal de Justiça).

Infraestrutura é gargalo na corrida pela vacina nacional

  Infraestrutura é gargalo na corrida pela vacina nacional Falta de laboratório apropriado para produzir lote-piloto pode atrasar ensaio clínico da UFMG. Situação se repete país afora, aponta pesquisadoraTROPEÇOS Apesar dos anúncios do Instituto Butantan e da USP de Ribeirão Preto, o país está bem atrás, no cenário mundial, na produção de vacinas contra a COVID-19. A Anvisa admite que se houvesse melhor estrutura laboratorial o Brasil estaria mais bem posicionado no ranking.

Diego Moura Capistrano, que estava condenado a 123 anos de prisão, teve sua sentença aumentada para 136 anos. Juliano Moisés Israel Lopes e Ângelo Aparecido Domingos dos Santos, que haviam sido condenados a 121 anos cada, tiveram suas penas aumentadas para 133 anos. Já a pena do ex-funcionário da empresa de valores Sérgio Zemantauskas Daniel subiu de 116 anos para 128.

Ainda segundo o UOL, de acordo com a decisão judicial, o crime teve planejamento antecedente e divisão de tarefas entre os criminosos, que agiram de forma complexa e especializada, como costumam agir organizações criminosas armadas.

Tradição em modo virtual .
Tradição em modo virtual

usr: 12
Isto é interessante!