Brasil Covid-19: Argentina decreta toque de recolher, medida que o país associa à ditadura militar

12:06  08 abril  2021
12:06  08 abril  2021 Fonte:   brasil.rfi.fr

Bolsonaro ataca própria base e arrisca reeleição ao demitir militares, diz especialista em Forças Armadas

  Bolsonaro ataca própria base e arrisca reeleição ao demitir militares, diz especialista em Forças Armadas "A democracia morre por dentro e nós estamos em risco", diz autor de livros sobre militares, para quem o gesto raro de demitir um general pode minar apoio de quartéis a BolsonaroEssa é a avaliação do cientista político João Roberto Martins Filho, professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pesquisador especializado em Forças Armadas e na ditadura militar, ele classifica à BBC News Brasil como ousadia a decisão do presidente.

"A Argentina entrou na segunda onda", definiu o presidente Alberto Fernández, contagiado, mesmo vacinado, ao anunciar que, pelas próximas três semanas, ficam proibidos os bares e os restaurantes abertos depois da 23 horas, a circulação de pessoas entre a meia-noite e as 6 horas da manhã e as reuniões familiares.

  Covid-19: Argentina decreta toque de recolher, medida que o país associa à ditadura militar © Foto Presidência Argentina

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O governo argentino anunciou novas medidas para conter o avanço da segunda onda que, há uma semana, bate novos recordes diários de contágio. Nas últimas 24 horas, foram mais 22.039 novos casos, o triplo de uma semana atrás.

Manifestantes pedem intervenção militar em atos esvaziados no aniversário do golpe de 1964

  Manifestantes pedem intervenção militar em atos esvaziados no aniversário do golpe de 1964 Nas mídias sociais, manifestações em defesa da democracia se destacamEm São Paulo, o ato ocorreu na frente do Comando Militar do Sudeste, ao lado da Assembleia Legislativa do Estado. Um grupo de manifestantes tentou forçar a entrada dentro no quartel e foi contido pelos militares. O ato começou por volta das 9h e reuniu cerca de 100 manifestantes, muitos sem máscara e sem respeitar o distanciamento social recomendado para evitar a propagação do coronavírus. Eles defendiam intervenção militar com Bolsonaro no poder e gritavam palavras de ordem contra o comunismo.

As duas medidas mais polêmicas são a proibição de reuniões familiares entre parentes que não convivam e um toque de recolher encoberto, entre a meia-noite e as seis da manhã, num país que associa a proibição de circular aos sombrios tempos da ditadura.

Entre 1976 e 1983, o regime militar argentino provocou a maior quantidade de vítimas na região, estimadas em 30 mil mortos pelas organizações de direitos humanos. O assunto é ainda um trauma na sociedade.

Trauma e realidade epidemiológica

Em apenas um ano, a pandemia já deixou na Argentina quase o dobro de vítimas: 56.832.

"Fica proibida a circulação entre a 00:00 e as 06:00 da manhã de cada dia. Em cada jurisdição, as autoridades locais poderão ampliar esses horários em função da realidade epidemiológica de cada lugar", anunciou Alberto Fernández, dos jardins da residência presidencial.

Documentos revelam papel ativo do Brasil na queda de Allende

  Documentos revelam papel ativo do Brasil na queda de Allende Arquivos secretos dos Estados Unidos mostram que regime militar brasileiro se empenhou ativamente para instauração da ditadura no Chile. Participação do país vai além do mito da "marionete de Washington".O Brasil se empenhou ativamente para derrubar o presidente chileno Salvador Allende (1970-1973) e elevar o ditador Augusto Pinochet, segundo documentos de inteligência divulgados pelo National Security Archive dos Estados Unidos nesta quarta-feira (31/03).

O presidente evitou o termo "toque de recolher", ciente do trauma que a medida traz na sociedade. O último presidente que anunciou um estado de sítio com toque de recolher, Fernando De La Rúa (1999-2001), sofreu violentas manifestações populares que o levaram à renúncia dos dias depois daquele 19 de dezembro de 2001.

Medidas atingem 60% da população

Além do toque de recolher, Alberto Fernández limitou o funcionamento de bares e restaurantes até as 23 horas, num país com tradição noturna. Também proibiu as atividades sociais em domicílios particulares e limitou as reuniões em espaços públicos ao ar livre a, no máximo, 20 pessoas. O transporte público volta a ser de uso exclusivo de pessoas com atividades consideradas essenciais.

"A Argentina entrou na segunda onda. Só nos últimos sete dias, os casos aumentaram 36% em todo o país e 53% na área metropolitana de Buenos Aires", justificou Alberto Fernández.

Meu pai, torturador: argentinas revelam segredos de pais envolvidos em assassinatos na ditadura

  Meu pai, torturador: argentinas revelam segredos de pais envolvidos em assassinatos na ditadura Algumas das filhas de homens que ajudaram a torturar e sumir com milhares de argentinos nas décadas de 70 e 80 decidiram romper o silêncio e defender punição aos pais.Esta não é uma pergunta que a maioria de nós faria aos pais. Mas, para um grupo de mulheres jovens da Argentina, trata-se de uma dúvida que elas não podiam mais ignorar.

As medidas serão aplicadas nas áreas de maior risco epidemiológico entre esta sexta-feira (9) e o dia 30 de abril, pelo menos. A medida inclui as principais cidades do país, inclusive a região metropolitana de Buenos Aires, abrangendo 26 milhões de pessoas, 60% da população argentina.

Medidas poderão ser mais rígidas

Alberto Fernández, contagiado por coronavírus, mesmo vacinado com a russa Sputnik-V, gravou o anúncio sem contato com cinegrafistas nem operadores de áudio, vídeo e iluminação.

O presidente andou os 200 metros da casa de hóspedes da residência oficial, onde está isolado, até a câmera de TV ao ar livre, previamente posicionada e controlada de forma remota.

Fernández fez uma advertência à população: as medidas poderão ficar mais restritivas se não houver colaboração.

"As próximas três semanas são muito importantes. O que acontecer nesta segunda onda vai depender das medidas que implementarmos, de um controle rigoroso e, fundamentalmente, do compromisso de cada um para reduzir o contágio. Quanto maior for a transmissão e a ocupação do sistema de saúde, mais medidas restritivas deveremos tomar", avisou.

Secretário de Saúde diz que abril terá números altos de mortes em Minas

  Secretário de Saúde diz que abril terá números altos de mortes em Minas Fábio Baccheretti demonstrou preocupação com a pandemia nos próximos dias do mês e não recomendou realização de cultos e missas , pediu para a população que 'não frequente esses ou outros locais com aglomerações'. As declarações foram dadas em entrevista à Rádio Itatiaia, na manhã desta terça-feira (06/04). © Leandro Couri/EM/D.A.

Presidente vacinado num país sem vacinas

A Argentina iniciou a sua campanha de vacinação em 29 de dezembro, mas até agora só vacinou 8,5% da população, sendo a imensa maioria com apenas uma dose.

A campanha de vacinação é considerada lenta. O próprio presidente reconheceu que nem todo o pessoal da Saúde foi vacinado: "Já vacinamos, com pelo menos uma dose, mais de 90% do pessoal da saúde".

No entanto, Alberto Fernández agradeceu por já ter sido vacinado com as duas doses; o que o permitiu salvar-se do pior.

"Quando soube que tinha o vírus, passaram pela minha cabeça os mesmos medos que tiveram aqueles que padeceram o contágio. No entanto, a vacina me permitiu atravessar o tratamento sem sintomas dolorosos e com a tranquilidade de saber que o meu organismo tinha gerado anticorpos suficientes", descreveu o presidente, agradecendo ao instituto russo Gamaleya, criador da Sputnik-V, por "ter-se ocupado de atender a evolução da sua doença".

Dos 45 milhões de habitantes do país, apenas foram vacinadas com a primeira dose 3,870 milhões (8,5%) e com a segunda, 701 mil (1,6%).

Devido à escassez de imunizantes, o país decidiu dar prioridade a vacinar a maior quantidade possível de pessoas apenas com a primeira dose das vacinas e de diferir a três meses a segunda dose, embora os fabricantes recomendem três semanas.

"Sem revisão da Lei da Anistia, o passado vai bater à porta" .
Campanha pede que STF reinterprete lei de 1979 que garante impunidade de torturadores. Em entrevista, ex-secretário de Direitos Humanos defende importância da medida para evitar instabilidade política e democrática. © Arquivo Nacional Protesto contra a ditadura militar em 1968 Um movimento pela reinterpretação da Lei da Anistia no Supremo Tribunal Federal (STF) foi lançado na semana passada. O #ReinterpretaJáSTF é uma iniciativa articulada por diferentes organizações de direitos humanos e do meio jurídico.

usr: 0
Isto é interessante!