Brasil Fórum dos Leitores

09:51  10 abril  2021
09:51  10 abril  2021 Fonte:   estadao.com.br

NBA – Rodada do dia 31 de março

  NBA – Rodada do dia 31 de março Acompanhe com o Jumper Brasil as dez partidas desta quarta-feira na NBA O post NBA – Rodada do dia 31 de março apareceu primeiro em Jumper Brasil.

Obscurantismo

Livros só para ricos?’

Nada mais acertado que o editorial com o título acima (9/4, A3), sobre o consumo de livros no Brasil e a falta de políticas governamentais para incentivo à leitura, agravada pela absurda e insensata intenção de taxá-los. Durante minha carreira profissional residi na França e testemunhei seu notório hábito da leitura. Franceses leem o tempo todo e em qualquer lugar: metrô, ônibus, praças, cafés. É um clichê. Lá, além de livros não serem taxados, para certas categorias ainda há a obrigatoriedade de uma versão econômica, o livre de poche (livro de bolso), após certo tempo do lançamento inicial. Aqui, ao contrário, ninguém lê nada e, por consequência, escrevemos mal, vide algumas pérolas de redações que viralizam a cada Enem. Cobrar impostos sobre livros só acentuará mais uma das tantas desigualdades de nosso país. O Brasil, aliás, tem sido campeão de políticas na contramão.

Diferença entre doses de vacinas distribuídas e aplicadas é estoque para segunda dose, diz governador do Piauí

  Diferença entre doses de vacinas distribuídas e aplicadas é estoque para segunda dose, diz governador do Piauí Diferença entre doses de vacinas distribuídas e aplicadas é estoque para segunda dose, diz governador do PiauíBRASÍLIA (Reuters) - O Fórum de Governadores continua com a recomendação para que os sistemas de saúde estaduais mantenham a reserva de vacinas para aplicação da segunda dose, mesmo com a mudança feita pelo Ministério da Saúde, e essa é a principal razão para que o número de vacinas distribuídas aos Estados e as efetivamente aplicadas seja diferente.

MARCO ANTONIO CAFFÉ MARCO_CAFFE@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Despropósito

De fato, é fora de propósito tributar o livro num país onde o hábito da leitura é muito baixo. Parabéns ao Estado pelo editorial a esse respeito.

ARGEMIRO JOÃO RAZERA AJ.RAZERA@UOL.COM.BR

ASSIS

*

Universo paralelo

Do alto da minha ignorância, creio de forma indelével que os ocupantes da pasta da Economia e os da Receita, tanto na esfera federal quanto dos Estados, são seres de outro mundo ou vivem em universo paralelo. Essa conclusão deriva da ideia de que, se um dia estudaram, e se formaram, debruçados em livros, deveriam saber dos custos do ensino. E vêm com essa ideia absurda de tributar ainda mais (de vez que há tributação indireta dos insumos para fabricar/editar as publicações) os livros, revistas, semanários, etc.?! Monteiro Lobato, um dos maiores escritores do Brasil, dizia que “um país se constrói com homens e livros”, mas, pelo jeito, os tributaristas de plantão o desconhecem. Tributar, tributar e tributar, essa é a ordem. Nesta hora me vem à mente aquela máxima: o duro não é conviver com imbecis, o difícil é conviver com imbecis que têm iniciativa.

Jornal alemão faz confusão e chama Alberto Fernández de presidente do Brasil

  Jornal alemão faz confusão e chama Alberto Fernández de presidente do Brasil Erro ocorreu no Berliner Zeitung. Publicação corrigiu na sequênciaA confusão foi feita em publicação na conta do jornal no Twitter com link para notícia de que Fernández foi diagnosticado com covid-19. A legenda do tuíte dizia, de forma equivocada, que o mandatário era brasileiro. A reportagem, no entanto, estava correta.

MANOEL LÚCIO PADRECA MLPADRECA@GMAI.COM

SALTO

*

Literatura

Ernest Hemingway escreveu uma grande obra, Adeus às Armas. O presidente Bolsonaro também está escrevendo sua grande obra, Adeus aos Livros.

JOSÉ ROBERTO DE JESUS ZEROBERTODEJESUS@GMAIL.COM

CAPÃO BONITO

*

Pandemia e desgoverno

CPI da covid

Finalmente o Supremo Tribunal Federal (STF) obrigou à instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar os crimes cometidos pelo governo Bolsonaro na gestão da saúde durante esta pandemia. Quem sabe, quando houver centenas, milhares de pedidos de impeachment contra o catastrófico presidente Jair Bolsonaro, alguém, enfim, possa obrigar o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, a cumprir o seu dever.

MÁRIO BARILÁ FILHO MARIOBARILA@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO

*

Inimigo letal

Pelo visto, o presidente Bolsonaro ainda não percebeu que, dentre todos os seus adversários, o pior deles é o vírus da covid-19. É um inimigo invisível, mortal, imbatível. Enquanto o presidente não reconhecer isso e deixar de afrontá-lo, passando a temê-lo, as consequências serão catastróficas.

Fórum dos Leitores

  Fórum dos Leitores Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. PauloBrasil hoje

JORGE DE JESUS LONGATO FINANCEIRO@CESTADECOMPRAS.COM.BR

MOGI-MIRIM

*

Comitê

Se os membros do recém-criado comitê nacional de combate à pandemia de covid-19 não tivessem “rabo preso”, a primeira providência a tomar seria “enjaular” o incentivador-mor da pandemia no Brasil. Lá, da jaulinha, ele ficaria quietinho e pararia de prejudicar a luta de toda a nossa Nação contra o novo coronavírus.

WILSON SCARPELLI WISCAR@TERRA.COM.BR

COTIA

*

Sem desculpas

É uma vergonha que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que é advogado, desconheça as leis e não tenha instalado a CPI da saúde. Só falta agora enrolar e escolher quem postergue essa CPI. Se o fizer, será cúmplice desta tragédia de mortes de brasileiros. E seus eleitores não esquecerão.

TANIA TAVARES TANIATMA@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Correções fundamentais

O presidente do Senado chegou a dizer que a abertura da CPI seria “contraproducente”... Ora, contraproducente para baixar o número de mortes, interromper esse verdadeiro genocídio? As causas básicas desta tragédia precisam ser identificadas e os responsáveis, punidos. O povo brasileiro, representado pelo Congresso Nacional, espera que o resultado dessa CPI traga as correções fundamentais. E daí seremos um país mais justo.

Fórum dos Leitores

  Fórum dos Leitores Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. PauloImperícia presidencial

RICARDO FIORAVANTE LORENZI RICARDO.LORENZI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

De suspeição

Leio que o presidente do STF conversou com outros membros da Corte e com políticos para tratar da CPI. Se não me falha a memória, seria algo parecido com a acusação contra Sergio Moro, que foi atirado às feras. Como diria célebre locutor esportivo, pode isso...?

WALDYR SANCHEZ WALDYRSANCHEZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Infanticídio

Mazelas da política

O homicídio cometido contra o menino Henry, além do fato gravíssimo da omissão da mãe, escancara mais uma mazela da política. A moça, que é professora, foi nomeada para cargo no Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro por ser apadrinhada pelo vereador acusado do homicídio. Essas nomeações precisam ter fim.

EDMAR AUGUSTO MONTEIRO AUGUSTOMONTEIROADV@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

COMPRA OU NÃO COMPRA

Refiro-me a este período em que a vacinação está em evidência para tentar exterminar a pandemia. Temos visto a discussão entre aqueles que acham que as empresas devem comprar e vacinar seus empregados contra a covid-19, e os que acham que isso seria favorecer uns em detrimento de outros.

Analisando-se os argumentos de cada lado, vê-se que há razões em ambos, porque o que se analisa é se haverá favorecimento aos funcionários das empresas que possam adquirir as vacinas em detrimento dos demais, porém, gostaria de trazer a essa discussão um argumento extra.

China multa Alibaba em R$ 15,7 bilhões por suposto abuso no mercado

  China multa Alibaba em R$ 15,7 bilhões por suposto abuso no mercado Equivale a 4% das vendas de 2019. Investigação teve início em 2020A empresa de comércio eletrônico é acusada de práticas que caracterizam abuso de posição dominante no mercado.

É indiscutível que a pandemia prejudica não só a Vida, mas também a atividade econômica. São situações antagônicas, mas ambas de uma importância vital para nos mantermos vivos.

Faço o seguinte raciocínio usando números propositalmente pequenos como exemplo para facilidade de entendimento: digamos que haja 100 pessoas que necessitam ser vacinadas. Digamos que dessas 50 estejam empregadas nas empresas que querem vacinar seus funcionários. Se forem vacinadas rapidamente, mais rapidamente a atividade econômica pode voltar ao seu normal beneficiando a todos, e as outras 50 serão beneficiadas também, porque aquelas que estavam na frente das outras e que acabaram por sair da fila por terem sido vacinadas nas empresas,  cederam o lugar às que estavam atrás delas, abreviando-lhes a espera e o risco de morte.

Também não me parece que o fato de as empresas comprarem vacinas vá atrapalhar a quantidade de vacinas a serem compradas pelo governo, porque a quantidade de pessoas vacinadas nas empresas não vai mais precisar usar as vacinas do governo, assim, se o governo precisava encontrar 100 vacinas para comprar, só vai precisar achar e comprar 50, logo, nenhuma vacina lhe foi tirada.

Em suma, do lado da atividade econômica as coisas só melhoram, e do lado das filas das vacinas no governo também, porque as vacinas chegarão mais rapidamente aos últimos da fila; antes eram 100 e agora são 50, evitando que venham a morrer na fila de espera, pois as coisas andaram paralelas abreviando o tempo da vacinação.

Há mais dois pontos que quero ressaltar na vacinação pelas empresas:

Governadores vão se reunir com a ONU por “ajuda humanitária” ao Brasil

  Governadores vão se reunir com a ONU por “ajuda humanitária” ao Brasil Por causa da pandemia no país. Querem acelerar vacinação. E pedir envio de medicamentosA reunião foi confirmada pela assessoria do governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que coordena os trabalhos do Fórum Nacional de Governadores e preside o Consórcio Nordeste.

1º) –  Como na vacinação pelo governo há grupos prioritários, se só o governo vacinar, as empresas acabam por receber seus funcionários gota a gota, na medida em que forem sendo vacinados, por haver funcionários nas várias faixas etárias, o que afetaria a força de trabalho.

2º) – Amenizará a possibilidade de as empresas terem afetado o seu quadro de funcionários por possível morte de alguns na fila de espera se só o governo vacinar.

Não acredito que se possa ser contrário a um rápido retorno à atividade econômica nem à abreviação do tempo de vacinação.

Assim, vacinações paralelas, por reduzirem o tempo de vacinação, melhoram tudo, logo, não haveria competição, só decisões inteligentes.

José Carlos jcpicarra2019@gmail.com

São Paulo

*

VACINA PARA OS FURA-FILA

Quando os políticos brasileiros aliados a empresários sem escrúpulos conseguem aprovar legislação para que empresas e associações sejam autorizadas a adquirir diretamente vacinas contra a covid-19 e desta maneira dar um by-pass nos grupos de risco, espera-se que o Ministério da Saúde, a Anvisa e os próprios laboratórios fabricantes façam valer o previamente acertado: que haja respeito aos pobres, desempregados, não sócios de clubes milionários, doentes, idosos, profissionais de saúde, etc., e que a vergonha na cara prevaleça pelo menos nesse assunto. Que não se vendam vacinas para furar a fila humana previamente acertada. Ou alguém acredita que a classe A não iria ser atendida em primeiro lugar?

Ademir Valezi adevale@uol.com.br

São Paulo – SP

*

AO FUTURO

Dr. Julinho Mesquita tinha um propósito ao fomentar a criação da USP, concordado por seu cunhado Armando de Salles Oliveira: a difusão do conhecimento. Admirador de Ruy Barbosa, estava cansado, tal qual Ruy, de ver vencer nulidades. Foi bem-sucedido. Hoje a USP e demais universidades criadas posteriormente se tornaram fontes irradiadoras de conhecimento e de líderes. Por isso é inacreditável que tenhamos que ficar a reboque de pessoas que neguem o conhecimento, a ciência e os meios modernos de comunicação. Porque sofrermos resistência e consequências do negacionismo quando nosso Estado apresenta material humano e capital capazes de subverter esta ordem que prejudica todos. Criemos uma cruzada do bem, capaz de trazer resultados médicos imediatos aos nossos moradores. A força motriz de São Paulo será capaz de levar o País a uma nova forma de pensar. Não precisamos ficar a reboque, lamentando-nos por aquilo que não será executado pelo governo federal. Mãos à obra!

Aras cobra governadores por diferença entre doses de vacinas recebidas e aplicadas

  Aras cobra governadores por diferença entre doses de vacinas recebidas e aplicadas Aras cobra governadores por diferença entre doses de vacinas recebidas e aplicadasSÃO PAULO (Reuters) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou ofício aos governadores cobrando explicações pela diferença entre as doses de vacinas contra Covid-19 recebidas por cada unidade da federação do Ministério da Saúde e o volume aplicado nos grupos prioritários de imunização contra a doença, disse a Procuradoria-Geral da República em nota nesta sexta-feira.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

ESSE É O PRESIDENTE

O presidente Jair Bolsonaro encheu o peito e disse: “Duvido que quem ficou em casa não ganhou peso”, e é verdade. Afinal, é muito melhor ganhar peso do que perder a vida, não é mesmo presidente? Aliás, pensando no ganho de peso, até o “atleta” que desrespeita às regras sanitárias, acabou achando uma proeminente pança. E daí?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

SÓ LOCKDOWN NÃO RESOLVE

Só lockdown não resolve crise sanitária. O brasileiro não tem educação, é indisciplinado, e  por isso  não entende que apenas 14 dias de lockdown resolvem o problema. O único remédio é o lockdown cumulado com três dias de cadeia e R$ 300,00 de multa. No segundo dia ou no terceiro a adesão vai ser de mais de 90% o que atende à exigência sanitária.

João Dalmácio Castello Miguel joaodalmacio@uol.com.br

Vitória

*

MAIS LEILÕES

Se o objetivo é melhorar a administração pública, reduzir gastos e dar melhores serviços aos brasileiros, por que não leiloar também 22 Ministérios que não decolam?

Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

LULA, PENDURE AS CHUTEIRAS

O péssimo governo de esquerda de Dilma Rousseff, poste do Lula, levou o País a eleger o catastrófico representante do que há de pior na extrema direita: Jair Bolsonaro. Dilma Rousseff parece que entendeu o recado do impeachment e não se apresenta mais como candidata a nada, já seu mentor, Lula, depois que saiu da cadeia, sonha com a volta triunfal ao poder. Quase octagenário, Lula deveria seguir o exemplo de Pelé e pendurar as chuteiras, chega, seu lugar na história já está garantido, tenha a grandeza de abrir mão de uma nova candidatura, pelo bem de todos, o Brasil agradece. A ameaça de uma eventual volta de Lula ao poder só fortalece o catastrófico governo de Jair Bolsonaro.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VACINA DE SORO

Com todo o respeito ao povo das alterosas, mas antigamente dizia-se que malandros vendiam bondes aos mineiros; mudou o objeto das vendas? Agora são vacinas falsas?

Henrique Massarelli hermassa1935@hotmail.com

São Paulo

*

A FRASE DA SEMANA

A frase da semana é autoexplicativa: “Atrapalha mais do que navio encalhado no canal de Suez”. Entendeu presidente?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A CPI DOS PÂNDEGOS DA PANDEMIA

O ministro Luis Roberto Barroso mandou abrir a caixa-preta da pandemia, deixando em pânico os irresponsáveis do governo negacionista e genocida. O dedo da acusação apontará para o Palácio do Planalto, onde o coronavírus encontrou o maior aliado para sua propagação nacional, no país mais omisso no combate à pior pandemia mundial dos últimos 100 anos. Trezentos e quarenta e cinco mil mortos clamam por justiça e responsabilização na criminosa falta de atitude do desgoverno Bolsonaro.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

345 MIL MORTOS NO COVIDÃO

1,7% da população mundial foi contaminada pela covid; 2,1% das pessoas contaminadas em todo o planeta morreram em decorrência da doença. 6,2% da população brasileira foi infectada pelo coronavírus. O número de óbitos registrados corresponde a 2,6% dos brasileiros contaminados. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, recebeu uma determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso para a instalação da CPI da Covid-19. Pacheco, que sempre teve apoio do Planalto, estava guardando esta CPI desde fevereiro, na tentativa de evitar ruídos na gestão de Bolsonaro. As ações ou omissões do governo federal precisam ser fiscalizadas pelos parlamentares, com toda a certeza, num país que contabiliza 345 mil mortes nessa pandemia.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

PASSAGEIRO DA FÉ

Fé demais ou fé de menos, pouco pesou no Omnibus Supremo. O ministro Kassio Nunes, novato, ainda não pode sentar na janelinha...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DR. JAIRINHO

Será que o Dr. Jairinho não pertence à “famiglia Bolsonaro”? Tem todas as características.

Oswaldo Baptista Pereira Filho oswaldocps@terra.com.br

Campinas

*

MONSTRUOSIDADES

A se confirmarem as brutais agressões e o covarde assassinato do menino Henry Borel Medeiros, de quatro anos, seu padrasto e sua mãe estarão sujeitos a inquérito policial, indiciamento, denúncia, processo criminal e, finalmente, se for o caso, condenação. Mas é extremamente remota a possibilidade de algum dia cumprirem pena na cadeia, em razão de outra monstruosidade, esta jurídica – diferente da dos acusados –, praticada pelo STF que, para proteger e soltar Lula, decidiu que prisão só ocorrerá após o trânsito em julgado de decisão condenatória. Sabe quando?

Luiz Antonio D'Arace Vergueiro luz-vergueiro@hotmail.com

São Paulo

*

ÉTICA?

O deputado Igor Timo (Podemos-MG) recomendou à Comissão de Ética da Câmara dos Deputados  o arquivamento do processo de quebra de decoro parlamentar contra Eduardo Bolsonaro por este ter defendido um novo AI-5.  Timo, relator do caso, argumentou que Bolsonaro meramente “utilizou da palavra para manifestar-se politicamente, consoante lhe permite o seu ofício”. Ao nos depararmos com tal argumentação ofensivamente simplória fica claro que de ética o relator não entende nada.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CONTROLE DE ARMAS

A ministra Rosa Weber tem nas suas mãos o recurso que procura impedir que os decretos de liberação de armas feitos por Bolsonaro sejam validados. É essencial que ela impeça essa liberação que nitidamente visa a ampliar o poder das milícias que, na opinião desse nosso presidente lunático, poderão ajudá-lo a implantar uma ditadura no Brasil.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*

LIVROS, ARTIGO DE LUXO SÓ PARA OS RICOS

Pois é, para a Receita Federal, livro  é artigo de luxo e deve ser taxado, pois foi constatado que apenas ricos (quem ganha mais de dez salários mínimo por mês) compram livros. Ao invés de pesquisar e verificar por que os pobres não estão tendo acesso aos livros, mesmo isentos de tributação, o governo prefere ignorar tal informação e taxar os livros, jornais e todo tipo de publicação para aumentar sua arrecadação e garantir as emendas parlamentares, com direito a todo o tipo de pixulecos. Uma boa reforma tributária não  é aumentar a arrecadação, mas dar um melhor destino para os nossos impostos, cortando as regalias dos políticos e tampando os ralos da corrupção. Mas não é este o objetivo dos atuais presidentes dos dois Poderes (Executivo e Legislativo), eles querem mais dinheiro do suor do nosso trabalho, para continuarem mamando nas tetas do governo e mantendo suas barrigas bem avantajadas, criticando quem tem barriga sequinha e usa calças justas. E por falar em calças justas, entre o governador de São Paulo, Doria (PSDB), e o governador de Minas Gerais, Zema (Novo), sou mais o Zema. Sou filiada do Partido Novo, pois acredito que cada eleitor deve bancar o seu partido.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

EU NÃO ACEITO

Eu não aceito o silêncio das pessoas de bem sobre o linchamento a que está sendo submetido o juiz Sérgio Moro.  Ele foi visto, com alguns procuradores, durante bom tempo como uma luz de esperança de que o ambiente político poderia se depurar. Todos vibramos, atônitos, com a prisão de tantos corruptos, com a desmoralização de verdadeiros bandidos encastelados no poder. Tanto dinheiro desviado, tantas manobras prejudiciais ao País… Tantas confissões, provas, dinheiro devolvido, esquemas expostos…

Moro e os procuradores e juízes que confirmaram suas sentenças perfeitas, claras, objetivas, foram nossa esperança de que, finalmente, os crimes e maus políticos seriam punidos.

Eu não aceito que um só juiz tenha jogado por terra todo o trabalho que foi feito, liberando o maior agente de corrupção da história deste país.

Eu não aceito ver esse desqualificado nos jornais, dando lições de moral e conselhos. Confesso que nem consigo mais ler jornais.

Eu não aceito que outro juiz tenha intimidado seus pares para defender seus amigos, chegando a enaltecer o trabalho de um advogado, regiamente pago com dinheiro surrupiado do País, que usou e usa  todas as manobras permitidas nesse nosso sistema esdrúxulo, criado para favorecer a impunidade.

Eu não aceito ver os outros juízes, os que trabalharam nos processos, os que confirmaram as sentenças do dr. Moro, calados, apáticos, sem defender seu próprio trabalho e seu colega.

Eu não aceito ouvir o silêncio dos outros ministros do STF, ou serão todos iguais?

Eu não aceito a omissão das pessoas em geral, formadores de opinião, jornalistas, economistas, advogados, trabalhadores e da imprensa, ocupada que está em ser somente um partido de oposição.

Eu não aceito a injustiça que está sendo feita ao juiz Moro, cujo único erro, a meu ver, foi acreditar que o atual governo estaria comprometido com sua luta contra a corrupção e a favor do País.

Ao dr. Moro, eu venho suplicar:  lance-se candidato e comece a campanha já.  Eu não aceito ter que optar outra vez entre PT e qualquer outro candidato que se cogita atualmente. Já sabemos que a polarização continuará.  Eu não aceito.

Elizabeth Pinto eap.rj@globo.com

Rio de Janeiro

*

MONARQUIA ABSOLUTISTA

Desde 21.4.1993, o Brasil optou por continuar a ser uma república presidencialista e vem mantendo essa condição ininterruptamente.

No entanto, nas eleições presidenciais de 2018, ao eleger Jair Bolsonaro, não se deu conta de ter eleito não um presidente da República,  mas um monarca de tendência absolutista, cujos filhos se atrevem a evocar não precisar dar nenhum golpe porque já detêm o poder, sem que tenha havido um novo plebiscito alterando a forma e o sistema de governo.

O autor da declaração infeliz foi o filho Eduardo, príncipe de Brasília, que no mesmo pleito foi eleito deputado federal, mas na dinastia bolsonarista perde a primazia para o irmão Flávio quanto à sucessão no trono.

No entanto, não  se vexa e vai dando plantão no Palácio do Planalto,  comandando sua turma de olavistas, dos quais recebe suporte a suas manifestações desconexas, integralmente aprovadas pelo pai, com o beneplácito de seus colegas de Parlamento, que se comportam como se fossem verdadeiros súditos.

Se a moda pega, os eleitores brasileiros deverão não apenas considerar o currículo dos candidatos, mas investigar sua origem, o que pensam e como agem seus filhos durante o exercício dos mandatos conferidos pelo povo, para, ao depois, não se arrependerem.

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

ENERGIAS LIMPAS

Algumas informações interessantes fornecidas pelo prof. Mark Mills da Prager University esclarecem de forma didática o porquê de as energias eólica e solar ainda representarem menos de 3% da matriz energética mundial após 20 anos de uso destas tecnologias e de muitos bilhões de dólares em subsídios. Primeiramente, as energias fornecidas pelo vento e pelo sol só estão disponíveis quando o vento sopra e quando o sol brilha. E, como precisamos de energia o tempo todo, é imprescindível usar baterias. Apesar de nossa ex-presidente Dilma discordar veementemente disso. Bem, custa menos de 50 centavos de dólar para armazenar um barril de petróleo ou seu equivalente em gás natural. Mas são necessários 200 dólares em baterias para manter a energia contida em um barril de petróleo. Além do que, custa quase o mesmo para perfurar um poço de petróleo e para construir uma turbina eólica gigante. Só que, enquanto essa turbina gera o equivalente à energia de cerca de um barril de petróleo por hora, a plataforma de petróleo produz 10 barris por hora. Se o motivo for o meio ambiente, as usinas eólicas e solares utilizam materiais não renováveis em volume muito maior e duram muito menos tempo. A construção de um único parque eólico de 100 Megawatts, que pode abastecer 75mil casas, requer cerca de 30 mil toneladas de minério de ferro e 50 mil toneladas de concreto, além de 900 toneladas de plásticos não recicláveis para as enormes lâminas que se fazem necessárias. Para obter a mesma energia solar, a quantidade de cimento, aço e vidro necessários é 150% maior. Turbinas eólicas, painéis solares e baterias têm uma vida útil relativamente curta; cerca de 20 anos. Turbinas a gás convencionais duram o dobro do tempo. A Agência Internacional de Energia Renovável calcula que, até 2050, o descarte de painéis solares desgastados constituirá mais do que o dobro da tonelagem de todos os resíduos plásticos globais de hoje. Turbinas eólicas e baterias gastas irão adicionar milhões de toneladas a mais de resíduos. Será um imenso desafio ambiental.  Sem considerar a mineração dos metais de terras raras que são indispensáveis para geração eólica e solar. Que são fornecidos quase que exclusivamente pela China. Há bem mais na exposição dele, mas por ora basta.

Jorge Alberto Nurkin Jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

Aras cobra governadores por diferença entre doses de vacinas recebidas e aplicadas .
Aras cobra governadores por diferença entre doses de vacinas recebidas e aplicadasSÃO PAULO (Reuters) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou ofício aos governadores cobrando explicações pela diferença entre as doses de vacinas contra Covid-19 recebidas por cada unidade da federação do Ministério da Saúde e o volume aplicado nos grupos prioritários de imunização contra a doença, disse a Procuradoria-Geral da República em nota nesta sexta-feira.

usr: 1
Isto é interessante!