Brasil Chefe da PF troca superintendente que pediu investigação contra Salles

01:35  16 abril  2021
01:35  16 abril  2021 Fonte:   dw.com

PF troca superintendente do Amazonas que pediu investigação contra Salles

  PF troca superintendente do Amazonas que pediu investigação contra Salles Têm trocado críticas. PF não se pronunciouSegundo notícia-crime assinada por Saraiva, Salles teria atuado para obstruir uma investigação que culminou em apreensão histórica de madeira ilegal. Seriam três delitos cometidos pelo ministro: dificultar a ação fiscalizadora do poder público no meio ambiente, exercer advocacia administrativa e integrar organização criminosa. O documento diz ainda que ele “patrocina diretamente interesses privados e ilegítimos perante a administração pública”.

Alexandre Saraiva, que comanda a Polícia Federal no Amazonas, enviou uma notícia-crime ao STF acusando o ministro do Meio Ambiente de tentar obstruir investigação contra extração ilegal de madeira na Amazônia.

O pedido de investigação enviado ao Supremo acusa Salles de atuar em favor dos investigados em operação © Marcos Corrêa/Presidência da República do Brasil O pedido de investigação enviado ao Supremo acusa Salles de atuar em favor dos investigados em operação

O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Paulo Maiurino, decidiu trocar o chefe da corporação no Amazonas, em meio a um atrito entre este e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, informou a imprensa brasileira nesta quinta-feira (15/04).

EXCLUSIVO-Brasil quer US$10 bi do exterior ao ano para antecipar economia neutra em emissões de carbono

  EXCLUSIVO-Brasil quer US$10 bi do exterior ao ano para antecipar economia neutra em emissões de carbono AMBIENTE-10BI-BRASIL-ECONOMIANEUTRA:EXCLUSIVO-Brasil quer US$10 bi do exterior ao ano para antecipar economia neutra em emissões de carbono para 2050, em vez de 2060, como está previsto hoje. A uma semana da Cúpula do Dia da Terra, organizada pelo presidente norte-americano, Joe Biden, Salles tem encabeçado as negociações com os Estados Unidos para conseguir investimentos que ajudem o Brasil a reduzir as emissões de gases do efeito-estufa, especialmente no desmatamento da Amazônia. As conversas, no entanto, têm sido duras.

A decisão de substituir Alexandre Saraiva teria sido tomada na quarta-feira, mesmo dia em que o superintendente amazonense enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de investigação contra Salles, num caso envolvendo a maior apreensão de madeira do país.

A notícia-crime afirma que o ministro e o senador Telmário Mota teriam atuado para obstruir a chamada Operação Handroanthus GLO, deflagrada pela PF e o Ministério Público Federal (MPF). A investigação mirou a extração ilegal de madeira na Amazônia e resultou numa apreensão histórica no final do ano passado.

O pedido de investigação enviado ao STF acusa Salles de atuar em favor dos investigados na operação, e solicita que sejam apurados os crimes de obstrução de investigação ambiental e advocacia administrativa.

Brasil busca ajuda de US$ 1 bi para redução do desmatamento, diz Salles

  Brasil busca ajuda de US$ 1 bi para redução do desmatamento, diz Salles O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse à AFP nesta sexta-feira (16) que se o Brasil receber 1 bilhão de dólares em ajuda da comunidade internacional poderá reduzir o desmatamento ilegal da floresta amazônica em até 40%. "Se nós tivermos o recurso de 1 bilhão (), a partir de primeiro de maio pelo prazo de 12 meses é possível ter um compromisso de redução do desmatamento entre 30% e 40%", declarou em entrevista em Brasília. Salles fez essas observações depois que os Estados Unidos pediram ao Brasil uma "ação imediata" para alcançar "resultados concretos", em resposta à carta que o presidente Jair Bolsonaro enviou ao seu homólogo americano, Joe Biden, na quinta

Saraiva foi informado que deixaria o comando do Amazonas na tarde de quarta-feira, antes de enviar a notícia-crime ao Supremo, informaram os jornais O Globo e Folha de S. Paulo, citando fontes internas na Polícia Federal.

Segundo a imprensa brasileira, ele será substituído pelo delegado Leandro Almada, que já foi número 2 de Saraiva na superintendência do Amazonas e comandou o grupo de investigações ambientais sensíveis no órgão.

Saraiva, por sua vez, está há mais de dez anos ocupando postos de superintendente na PF, tendo passado por Roraima e Maranhão antes de comandar o Amazonas. Ele estava há quatro anos à frente da corporação neste estado.

Novo diretor, outras trocas

Essa não é a primeira troca no comando das unidades regionais a ser feita por Paulo Maiurino, anunciado como novo diretor-geral da PF há menos de dez dias. Desde que assumiu a corporação, ele já alterou a chefia das superintendências de São Paulo, Santa Catarina e Bahia.

Em São Paulo, Maiurino causou estranhamento ao fugir do padrão que vinha sendo seguido nos últimos anos para a escolha do novo chefe regional. Diferente de seus antecessores, o novo superintendente paulista, Rodrigo Bartolamei, nunca havia ocupado cargos relevantes de chefia na Polícia Federal antes de assumir o comando da maior superintendência do país.

ek (ots)

Bolsonaro diz que vai eliminar desmatamento ilegal até 2030, mas condiciona ações a recursos do exterior .
Presidente brasileiro muda discurso na Cúpula do Clima, exalta avanço de outros Governos e reafirma compromisso do país de preservar meio ambiente, reduzindo pela metade as emissões até esse mesmo anoPorém, os 28 meses de mandato do mandatário brasileiro são marcados por retrocessos na área ambiental e pelo desmonte de organismos de controle. Ao longo desse período, seu Governo boicotou ações de fiscalização do Ibama na Amazônia, reduziu seu Orçamento, estimulou o garimpo ilegal e desmoralizou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que faz o monitoramento de queimadas.

usr: 2
Isto é interessante!