Brasil ‘A liderança também precisa lidar com questões emocionais’, diz Cortella

22:51  16 abril  2021
22:51  16 abril  2021 Fonte:   estadao.com.br

Exclusivo: Brasil deve considerar seriamente fazer lockdown, diz Anthony Fauci

  Exclusivo: Brasil deve considerar seriamente fazer lockdown, diz Anthony Fauci Líder no combate à covid-19 nos EUA, médico americano diz que situação do Brasil é 'muito grave', está se espalhando pela América do Sul, e que país precisa de medidas sanitárias severas e aceleração do ritmo de vacinação"Todos reconhecem que há uma situação muito grave no Brasil", afirmou o médico americano Anthony Fauci em entrevista exclusiva à BBC News Brasil.

“E aí, o que te angustia? A nossa mortalidade?” Logo no início da entrevista que dá origem a essa reportagem, Mario Sergio Cortella - professor, escritor e filósofo - lançou a pergunta à reportagem. Na esteira dos acontecimentos do último ano, fica difícil separar as angústias pessoais das profissionais, tudo virou uma coisa só. Uma pandemia mundial, mais de 350 mil mortes só no Brasil, o aumento da insegurança alimentar, os medos tanto de quem precisa se expor nas ruas quanto de quem está em casa, o home office, a síndrome de burnout, a solidão do isolamento, a piora na saúde mental e por aí vai.

A partir de todas as mudanças deste ano pandêmico, Cortella direciona o olhar reflexivo para o mercado de trabalho, suas relações e comportamentos em seu novo livro, Quem Sabe Faz a Hora, lançado neste mês pela Editora Planeta. Ao se debruçar em torno do que cerca o mundo do trabalho e a carreira - muitas vezes, misturado com o mundo pessoal -, como a forma de agir, a necessidade de aprender a escutar as dores do outro e a lidar com os conflitos e os confrontos, o filósofo traça, como o próprio intertítulo diz, “as competências certas em tempos incertos”.

Psicologia ajuda a explicar maior êxito das líderes mulheres na pandemia

  Psicologia ajuda a explicar maior êxito das líderes mulheres na pandemia Empatia, aversão ao risco e preocupação com a saúde possivelmente nortearam políticas públicas que resultaram em menores taxas de mortes e contaminação por covid-19Na iminência de surtos da doença, gestoras de países como Alemanha, Nova Zelândia, Taiwan e Noruega reagiram rapidamente, implementando medidas restritivas, campanhas de orientação à população e foram mais empáticas em seus pronunciamentos, resultando em menores taxas de casos e mortes por covid-19, relata ao Jornal da USP o psicólogo evolucionista Marco Antonio Corrêa Varella, pós-doutorando do Departamento de Psicologia Experimental do IP.

Em seu novo livro, Mario Sergio Cortella direciona o olhar para o mercado de trabalho e reflete sobre as competências necessárias aos profissionais neste momento. © Ricardo Chicarelli/Estadão Em seu novo livro, Mario Sergio Cortella direciona o olhar para o mercado de trabalho e reflete sobre as competências necessárias aos profissionais neste momento.

“A liderança precisa também lidar com questões emocionais. Afinal de contas, nós estamos trabalhando, nadando, atravessando, remando num mundo com uma dificuldade imensa. Temos perdas à nossa volta, não são apenas de vidas - que são as que importam mais - mas perdas também de processos, sonhos, convivências. Um líder precisa ter isso muito claro”, destaca ele durante a conversa que teve com o Estadão por vídeo.

Confira a seguir trechos da entrevista com o filósofo Mario Sergio Cortella.

Como os papéis de gestão e liderança mudaram nesse último ano pandêmico?

Nós não temos um mundo como tínhamos e dificilmente o teremos. Quando terminar o tempo dessa tempestade, que nos afoga em larga escala e que nos deixa em estado de tensão, não seremos idênticos, não seremos inéditos. Ou seja, mesmo que eu utilize todo um aparato digital, tal como usamos hoje, nós seremos diferentes, mas não inéditos. Não seremos como nunca fomos e não continuaremos da mesma forma.

Lagoa Santa: serviço psicossocial atende famílias vítimas da COVID-19

  Lagoa Santa: serviço psicossocial atende famílias vítimas da COVID-19 Centro de Atendimento Remoto reúne profissionais de psicologia, assistência social e técnicos em saúde“Fui bem orientada pelo Cear sobre os cuidados relacionados à minha irmã. Hoje, ela está curada. Mas o meu psicológico na época foi abalado, o paciente fica mal, mas a família também tem abalos”.

Uma das coisas que marca esse campo é o de quem lida com gestão de pessoas, projetos, negócios, atividades. Como essas pessoas têm que se conectar dentro de um mundo em que a conexão digital acabou sendo decisiva, mas não exclusiva. Como que, nas múltiplas atividades que temos, a gente consegue gerir projetos e processos com pessoas, de modo que se tenha hoje uma possibilidade de ação remota, em que não se tenha a convivência do cotidiano, daquilo que é mais próximo, portanto o nosso sensorial se ausenta.

Como eu faço a gestão da minha equipe? Eu tenho que mudar as métricas. Uma das métricas alteradas é que, entendendo que a circunstância doméstica tem uma série de interveniências, o ordenamento do trabalho precisa ser em um horário ajustado, ainda mais com famílias que têm crianças e que precisam ordenar o uso do mundo digital, as tarefas de casas. Lembrando que quem atua mais no mundo corporativo, e não no chão de fábrica, está em casa.

Bird vira líder da Fórmula E; veja a classificação do campeonato

  Bird vira líder da Fórmula E; veja a classificação do campeonato A Fórmula E tem um novo líder após a disputa da primeira corrida do ePrix de Roma, segunda rodada dupla da temporada 2021, disputada neste sábado (10). Sam Bird, que terminou a corrida desta manhã na segunda posição, tomou ponta da tabela de classificação do campeonato, somando agora 43 pontos após três corridas. O piloto … Continued O post Bird vira líder da Fórmula E; veja a classificação do campeonato apareceu primeiro em Racing Online.

Então, vou trabalhar não pela presencialidade, mas pela eficácia do que realizou. A gestão vai ter que lidar, inclusive, com um componente que antes a gente não tinha tanto a nossa volta a tal ponto que se dizia muito no mundo corporativo: "não traga os seus problemas de casa".

Agora, os líderes e gestores não só estão em casa, como as pessoas com as quais a gente mantém algum tipo de relação de autoridade também estão em casa. Isso faz com que eu precise ter um outro olhar sobre isso, não que seja menos exigente, mas menos inclemente.

A liderança precisa também lidar com questões emocionais. Afinal de contas, nós estamos trabalhando, nadando, atravessando, remando num mundo com uma dificuldade imensa. Temos perdas à nossa volta, não são apenas de vidas, mas perdas também de processos, sonhos, convivências. Um líder precisa ter isso muito claro.

Há algo que o libanês Khalil Gibran disse um dia: "As grandes dores são mudas”. Muitas vezes, o fato de eu ter um colaborador que não reclama não necessariamente assim é. É preciso que eu, como liderança, disponha de outras ferramentas a que antes eu não estava habituado. Não significa que eu vá ser um psicólogo, mas eu não posso desconhecer o ferramental dessa área para notar as grandes dores que são mudas, porque mudas sendo elas podem indicar uma questão muito séria.

Marechais da oposição

  Marechais da oposição Barroso mandou o Senado abrir uma CPI que o seu presidente não queria abrir, e Gilmar criou, mais do que ninguém, a candidatura Lula-2022 . Em compensação, quem está rodando a toga no momento é o ministro Barroso: mandou o Senado abrir uma CPI que o seu presidente não queria abrir e, por conta de mais esse achado, já se ajeita melhor na liderança da ditadura judiciária a que o Brasil está reduzido. A CPI não tem o menor cabimento, mas e daí? No entendimento de Barroso e do Partido Que Só Pensa Numa Coisa – Bolsonaro – essa baderna é algo que vai prejudicar o governo. Pode não ter saído como queriam.

Um dos pontos-chave em qualquer relação, principalmente a profissional, é uma comunicação eficaz, o que já era um ponto de atenção no mundo corporativo, mesmo antes da pandemia. Agora, parece inevitável que haja ainda mais ruídos, então como manter uma comunicação eficaz nesse momento?

Uma das coisas necessárias é a de primeiro ser didático naquilo que fala. A comunicação pressupõe uma empatia, que eu queira que a outra pessoa fique com o que estou dizendo e tenha disponibilidade para acolher o que eu estou comunicando.

Nem sempre há empatia, então um dos modos, nesse momento, é ter uma comunicação que não seja enfadonha, que utilize recursos que podem ser utilizados nesse momento. Por exemplo, em uma reunião, tinha-se o costume muito excessivo de imagens e slides, que produzem uma facilitação da distração. Com uma imagem na tela, a possibilidade de eu ficar desatento é mais forte.

Na docência - estou há 47 anos dando aulas - uma das coisas mais fortes até hoje é escrever na lousa. Não dispensar o computador ou digital, mas ser capaz de fazer com que as pessoas tenham a possibilidade de construir um universo conceitual, que elas não tenham nada que seja distrativo. Eu estou levantando este polo porque a comunicação terá de partir de um pressuposto de que, se sou eu que comunico, preciso estar preparado para fazê-lo e, se sei que não estou, me preparar.

EXCLUSIVO-Brasil quer US$10 bi do exterior ao ano para antecipar economia neutra em emissões de carbono

  EXCLUSIVO-Brasil quer US$10 bi do exterior ao ano para antecipar economia neutra em emissões de carbono AMBIENTE-10BI-BRASIL-ECONOMIANEUTRA:EXCLUSIVO-Brasil quer US$10 bi do exterior ao ano para antecipar economia neutra em emissões de carbono para 2050, em vez de 2060, como está previsto hoje. A uma semana da Cúpula do Dia da Terra, organizada pelo presidente norte-americano, Joe Biden, Salles tem encabeçado as negociações com os Estados Unidos para conseguir investimentos que ajudem o Brasil a reduzir as emissões de gases do efeito-estufa, especialmente no desmatamento da Amazônia. As conversas, no entanto, têm sido duras.

Mário Quintana dizia que, quando um leitor tem de perguntar ao autor o que ele quis dizer com isso, um dos dois é burro. Eu, como comunicador, gosto de pressupor que sou eu que sou burro e, portanto, tenho que me preparar melhor. Toda vez que eu, como professor, tive que corrigir uma prova, eu jamais poderia esquecer que, ao avaliar uma turma, eu estava me avaliando.

Por que eu digo isso? Porque hoje a comunicação é mais marcada ainda pela importância de deixar nítido qual é o processo e o propósito para fazer com que a pessoa se considere acolhida naquilo que está sendo colocado. A gente precisa entender que estamos inundados de estruturas de comunicação, vivemos um tsunami informacional, em que é preciso ser cada vez mais seletivo naquilo que precisa ser comunicado, para não soterrar as pessoas.

Em uma passagem do livro, você diz que a atitude do profissional, principalmente neste momento, têm mais a ver com a letra da música “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré, do que de “Deixa a vida me levar”, de Zeca Pagodinho. Como isso se aplica ao mercado de trabalho?

Uma das coisas mais importantes é não esquecer o conceito clássico, que vem dos gregos, de oportunidade. De quando os romanos no passado falavam para não se perder o momento, para não deixá-lo se esvair. Claro que quando Geraldo Vandré, o estupendo paraibano, aproveita isso e faz uma canção magnífica, ele está sugerindo algo que qualquer pessoa tem sempre que ter no horizonte, que é a capacidade protagonista, isto é, a noção de ser proativo em vez de ser meramente reativo.

O Brasil na imprensa alemã (21/04)

  O Brasil na imprensa alemã (21/04) Desmatamento na Amazônia, má gestão da pandemia no Brasil e agravamento da crise de covid-19 devido à escassez nos hospitais foram destaques no noticiário alemão. © Eraldo Peres/AP Photo/picture alliance Jornal satiriza pedido de Ricardo Salles por US$ 1 bi do exterior: Die Süddeutsche Zeitung - "Uma combinação perigosa de inação e irregularidades" (15/04) O Brasil tem cerca de 3% da população mundial, mas registra 12% de todas as mortes por covid-19. As razões para isso são complexas, conforme analisou a equipe da pesquisadora Márcia Castro, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard.

Nesse sentido, entender que quando se busca em vez de apenas se aguardar, a possibilidade de se encontrar aquilo que se procura é muito maior do que apenas submeter-se a circunstâncias sob as quais você não tem nenhum tipo de intencionalidade. Por isso, "deixa a vida me levar, vida leva eu" é uma delícia para um momento de lazer, para o sossego.

Mas, em um tempo como esse em que estamos vivendo, em que é preciso um esforço maior, é claro que há essa necessidade de construir a ocasião, em vez de apenas aguardar.

Nos anos mais recentes, nós tínhamos alguma noção de que poderia, em algum momento, haver uma circunstância pandêmica. Mas imaginávamos que, se houvesse, nós estaríamos preparados para enfrentar. Como notamos, não é o caso. Houve aqui algo que é a ausência nossa de antecipação. Por isso, não fizemos a hora.

Esse ser pego de surpresa é algo extremamente danoso e, em um momento de turbulência, mais ainda.

Você defende que empreender, apesar de ser usado bastante no ramo dos negócios, não tem apenas essa conotação. O que é ter uma atitude empreendedora no mercado de trabalho?

Eu gosto muito de relacionar a noção de empreender com a noção de autoria, isto é, ser autor da própria trajetória. Autonomia é quando eu, no âmbito da minha liberdade de ação, sigo o que entendo como o que desejo, como o mais correto.

Por isso, sendo eu uma pessoa autônoma, e não soberana, seria tolo supor que no afeto, na carreira, na amizade, eu seja soberano. Eu dependo muito daquilo que não está ligado à minha decisão exclusiva. Não sou eu que decido tudo, mas naquilo que sou eu que decido, eu preciso fazê-lo.

Embora eu não tenha uma autonomia absoluta - eu sou dono de mim, mas não de tudo que está à minha volta - há limite. Isso significa que, se eu não mando em tudo o que faço, naquilo que mando tenho que ter consciência, capacidade de flexibilidade em relação à alteração de rota e humildade para construir as ferramentas que eu ainda não disponho.

Governo de Moçambique recusa comentar estratégia militar em Cabo Delgado

  Governo de Moçambique recusa comentar estratégia militar em Cabo Delgado Primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário pede prudência quando se aborda publicamente as questões militares em Cabo Delgado. Oposição insiste em saber pormenores sobre alegada contratação de mercenários na região. © Leonel Matias Provided by Deutsche Welle Os ataques de grupos jihadistas em Cabo Delgado, norte de Moçambique, continua a ser um tema quente e foi uma das questões que dominou a sessão de perguntas ao Governo no Parlamento esta quarta (21.04) e quinta-feira (22.04).

Isso vale para tudo aquilo que te leva a pensar que você não pode qualquer coisa, mas alguma coisa pode. Nessa alguma coisa que posso, eu, sem dúvida, serei o autor dessa trajetória. E quando levado for, eu quero, naquele modo de ser levado, alguma coisa que seja consciência deliberada. Eu quero ser anuente a aquilo que me leva, eu recuso o que, vez ou outra se fala em filosofia, sobre a servidão voluntária.

Ser empreendedor é recusar a servidão voluntária. É ser capaz de ser uma pessoa que constrói, elabora e que sabe o caminho que deseja e vai buscá-lo em vez de aguardá-lo.

Tem uma música do mineiro Joubert de Carvalho, médico e que também era compositor, e que foi gravada pela Carmen Miranda, que ficou conhecida como "Tá aí", mas o nome mesmo é "Pra você gostar de mim". E ela canta "Tá aí, eu fiz tudo pra você gostar de mim". Eu fiz tudo, não é que fiz um pouquinho, de leve, mais ou menos, eu fiz tudo. Isto é uma atitude em que se coloca uma energia que empreende, em vez de apenas imaginar. Vai buscar em vez de aguardar, quem sabe faz a hora.

A gente tem falado bastante sobre propósito. O reconhecimento profissional vem em parte do reconhecimento financeiro e dos benefícios, claro, mas você diz que ele é ainda mais satisfatório quando vai além deles. De onde mais pode vir essa satisfação com o trabalho?

Esse livro retoma um outro livro que escrevi, que se chama "Por que fazemos o que fazemos?", isso tem a ver com uma intenção maior das pessoas de não serem apenas tarefeiras, mas especialmente terem a possibilidade de enxergar a razão do motivo pelo qual fazem o que fazem.

A ideia de propósito tem que estar na pessoa. Tem que ter clareza do que são as suas razões. No entanto, uma das coisas que mais faz com que o propósito do indivíduo possa ser partilhado com outros propósitos é o reconhecimento. É a capacidade não só de elogiar, mas ao mesmo tempo dignificar aquilo que uma pessoa faz. Se dá de modo financeiro, mas não exclusivamente por ele. Se dá pela percepção da autoria, exaltação da relevância, notificação da importância do que está sendo feito e o modo como a empresa é capaz de ter uma interface com o que a pessoa faz.

Se há uma coincidência do que eu gosto e daquilo que a empresa se propõe, essa coincidência me deixa com uma harmonia maior com o que eu tenho de viver. Há um ponto de contato forte entre o propósito da organização e o meu. Quando não há, você sofre e, se possível, deixa o lugar e ainda usa uma frase que é 'um dia ainda vou fazer o que eu gosto'.

Essa noção é mais forte quando percebemos que o reconhecimento não vem só com uma questão financeira, quando sentimos que o que fazemos não é inútil, não é descartável. A cena mais assustadora para mim do cinema, neste ponto, é do filme Tempos Modernos, quando o Charles Chaplin cai da máquina, passa pelas engrenagens e sai. O assustador é que ele sai ileso. Só é possível que um ser humano, ao cair em uma máquina e passar por todas as roldanas, sair ileso se ele fizer parte da máquina e, portanto, se for também máquina.

Eu não quero, com qualquer idade, me sentir apenas um recurso humano. Não é casual que algumas organizações passaram a falar em talentos, colaboradores. Por que fazemos o que fazemos? Fazemos porque aquilo nos torna importante para nós e para outras pessoas. Por isso, o reconhecimento tem muito a ver com o que tenho por concepção de propósito.

'Quem sabe faz a hora', livro de Mario Sergio Cortella, lançado pela Editora Planeta, em abril.  © Divulgação 'Quem sabe faz a hora', livro de Mario Sergio Cortella, lançado pela Editora Planeta, em abril.

QUEM SABE FAZ A HORA

Autor: Mario Sergio Cortella

Editora: Planeta; 176 págs.

Impresso: R$ 44,90; e-book: R$ 17,90

Governo de Moçambique recusa comentar estratégia militar em Cabo Delgado .
Primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário pede prudência quando se aborda publicamente as questões militares em Cabo Delgado. Oposição insiste em saber pormenores sobre alegada contratação de mercenários na região. © Leonel Matias Provided by Deutsche Welle Os ataques de grupos jihadistas em Cabo Delgado, norte de Moçambique, continua a ser um tema quente e foi uma das questões que dominou a sessão de perguntas ao Governo no Parlamento esta quarta (21.04) e quinta-feira (22.04).

usr: 0
Isto é interessante!