Brasil Pico de mortes era esperado, mas governo não atuou, diz especialista

20:31  04 maio  2021
20:31  04 maio  2021 Fonte:   poder360.com.br

Dia das Mães pode gerar pico de covid em junho ou julho, diz epidemiologista

  Dia das Mães pode gerar pico de covid em junho ou julho, diz epidemiologista Infecções disparam após feriados. Poder360 já mostrou a tendência“O lema é: cumprimente sua mãe à distância em 2021, para ter uma boa festa e um almoço em 2022”, afirma o médico. “Se for o repeteco do que aconteceu no Natal, nós vamos ter um pico por volta de junho e julho“, diz.

O novo pico da pandemia observado a partir de março de 2021 já era previsto pelos especialistas, mas o governo não se preparou como poderia com base em conhecimentos científicos. A opinião é do professor do Departamento de Estatística da UFF (Universidade Federal Fluminense), Márcio Watanabe.

Ambulância e paciente no HRAN (Hospital Regional da Asa Norte), referência no tratamento da covid-19, em Brasília © Sérgio Lima/Poder360 Ambulância e paciente no HRAN (Hospital Regional da Asa Norte), referência no tratamento da covid-19, em Brasília

O aumento de casos em março no Brasil e em outros países da América Latina era esperado. O poder público poderia ter planejado um aumento nos estoques de oxigênio e na disponibilidade de leitos para internação, por exemplo. Também poderia ter se adiantado no sentido de um distanciamento mais efetivo que não atrapalhasse tanto a economia”, afirma.

Covid: mesmo em colapso, Índia ainda tem 1/6 da taxa diária de mortes do Brasil após queda

  Covid: mesmo em colapso, Índia ainda tem 1/6 da taxa diária de mortes do Brasil após queda Milhares de manifestantes protestaram na quarta-feira nas ruas das principais cidades da Colômbia contra um polêmico projeto de reforma fiscal que o governo tramita no Congresso, em meio à terceira onda da pandemia de Covid-19 que está prestes a colapsar o sistema de saúde do país.

Ele conduziu uma pesquisa que mostra que a covid-19 segue padrões de sazonalidade já observados anteriormente em outras doenças infectocontagiosas. O conceito ajudou os especialistas a preverem o recrudescimento da pandemia em certos períodos do ano. Eis a íntegra, em inglês (854 KB).

Receba a newsletter do Poder360

A sazonalidade é um efeito conhecido das doenças infecciosas. Existe um padrão na transmissão ao longo do ano, uma época do ano em que a doença se espalha com mais facilidade e outro período em que a transmissão é mais baixa. Esses padrões sazonais se repetem para a covid-19”, explica.

Para o pesquisador, entretanto, um dos fatores que pode ter atrapalhado a adoção de medidas mais eficazes é a quantidade de pesquisas científicas e projeções a respeito da pandemia. “A gente tem centenas de estudos publicados todos os dias, então acredito que às vezes é difícil para o poder público do mundo inteiro, inclusive para a OMS (Organização Mundial da Saúde), separar quais artigos eles devam usar para se orientar”, pontua.

Brasil passa de 400.000 mortes por Covid e pode ficar preso em platô elevado por meses

  Brasil passa de 400.000 mortes por Covid e pode ficar preso em platô elevado por meses SAUDE-COVID-400MIL:Brasil passa de 400.000 mortes por Covid e pode ficar preso em platô elevado por mesesRIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil se tornará nesta quinta-feira o segundo país do mundo a romper a barreira de 400 mil vidas perdidas para a Covid-19, após registrar mais de 100 mil óbitos pela doença em pouco mais de um mês, e especialistas alertam para o risco de ficar preso em um platô com mais de 2 mil mortes por dia durante meses, devido à ausência de medidas para conter a circulação do vírus enquanto a vacinação não acelerar.

Assista à entrevista (29min46s):

O Poder360 já mostrou que, na análise de mortes por data real, março chegou ao pico de mortes por covid-19 até agora.

Ainda é necessário confirmar a data real de mortes registradas nas últimas semanas de abril, mas com os dados pendentes, março segue com folga sendo o mês mais letal da pandemia. Foram 69.964 vítimas. Abril vem em 2º lugar, mas já tem cerca de 10.000 mortes a mais do que maio de 2020, o pior mês do ano passado, em meio à 1ª onda.

  Pico de mortes era esperado, mas governo não atuou, diz especialista © Fornecido por Poder360

Considerando as mortes confirmadas, entretanto, abril é o mês mais letal da pandemia. Foram 82.266 registros feitos pelo Ministério da Saúde, com mais de 400 mil vítimas confirmadas.

Leia a entrevista completa:

Chegamos a 400 mil mortos pela covid-19 no Brasil. Quando o senhor avalia que a pandemia estará controlada no país?

Depende um pouco do que a gente considera controlada. Uma coisa que já esta começando a ficar clara é que o pico da pandemia foi alcançado, pelo menos dessa segunda onda. Então agora a gente vai ter uma tendência de queda nessa grande quantidade de casos e óbitos nos próximos dois meses.

Quatro meses após a posse de Duilio, Corinthians anuncia novos nomes da diretoria; confira a lista

  Quatro meses após a posse de Duilio, Corinthians anuncia novos nomes da diretoria; confira a lista Nova configuração da diretoria executiva acontece somente após a reunião de aprovação das contas de 2019 e 2020 e do orçamento de 2021. Nove membros foram oficializadosTABELA

No entanto, isso não quer dizer que a pandemia vai estar controlada. Um grupo muito grande de pessoas ainda precisa ser vacinado, incluindo as pessoas de risco. Então, a gente ainda vai continuar enfrentando a pandemia até o final do ano. Mas claro que a tendência agora é que os próximos meses sejam melhores que o mês de abril, que foi o pior mês da pandemia até agora.

E quando o senhor avalia que a gente vai estar em uma situação em que não seja mais necessário o distanciamento social nem o uso de máscaras?

Os critérios que são usados para definir se a gente precisa tomar medidas para reduzir a transmissão do vírus, como o uso de máscaras e distanciamento social, dependem muito da política pública que vai ser adotada. A porcentagem de leitos ocupados em enfermarias e UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) é o principal parâmetro que a gente utiliza para verificar se há necessidade de uma doença epidêmica ser ou não controlada.

No caso da covid, até pela recente onda, a gente ainda vai levar um bom tempo para se sentir seguro para flexibilizar completamente as medidas restritivas. O principal fator hoje para determinar isso é como a vacinação vai caminhar. Eu acredito que a vacinação vá continuar avançando num ritmo mais acelerado a partir dos próximos meses. Com isso, a tendência é que mais para o final do ano a gente tenha uma boa parcela da população vacinada e seja mais seguro a gente falar em relaxamento das medidas.

CPI da Covid: erros de governadores foram muito mais graves que os de Bolsonaro, diz Ciro Nogueira

  CPI da Covid: erros de governadores foram muito mais graves que os de Bolsonaro, diz Ciro Nogueira Presidente do PP, senador que integra comissão acredita que população vacinada e recuperação econômica em 2022 vão selar reeleição do presidente.Líder de um dos maiores partidos do país, o Progressistas, Nogueira explicou à BBC News Brasil seus cálculos políticos. Para o senador, a CPI não ganhará credibilidade junto à população porque será vista como instrumento de guerra política, focada em explorar o que seriam erros menores de Bolsonaro, em vez de priorizar a investigação de supostos desvios de recursos federais repassados a Estados e municípios.

A queda de mortes nos últimos dias já pode ser atribuída à vacinação? O que explica essa queda de mortes?

Não. A vacinação no Brasil iniciou em janeiro, mas foi simbólica. No mês de fevereiro, profissionais de saúde da linha de frente foram vacinados e só da segunda quinzena de fevereiro e começo de março a gente começou a iniciar uma vacinação maior do grupo dos idosos. A maior parte dos municípios brasileiros ainda está vacinando os idosos. Foram poucos os municípios brasileiros que iniciaram a vacinação do grupo com comorbidades.

A queda de casos, óbitos e internações não está ocorrendo apenas no grupo dos idosos. A gente já verifica essa queda também em grupos de pessoas que ainda não iniciaram a vacinação. Existe algum efeito da vacina nos grupos mais avançados, mas demora pelo menos duas semanas para começar a imunidade após receber a vacina. Depois disso, são mais pelo menos mais duas ou três semanas para que esse efeito apareça na transmissão e nos óbitos. A gente está falando de em torno de 40 dias entre o início da vacinação de um grupo etário e a gente poder verificar algum efeito na curva de casos e de óbitos desse grupo vacinado.

A queda que começou há umas duas semanas é referente a pessoas que foram contaminadas na 2ª quinzena de março. Nesse momento, a gente tinha um grupo muito pequeno de pessoas vacinadas para a gente atribuir essa queda à vacinação. Mas isso não quer dizer que a vacinação não esteja tendo efeito. À medida em que o tempo passar, a gente vai conseguir verificar cada vez mais os efeitos da vacina principalmente nos idosos com idade mais avançada.

Domingos restritos freiam tráfego intenso na reabertura de BH

  Domingos restritos freiam tráfego intenso na reabertura de BH Plataforma Waze mostra que o tráfego de BH chegou a ser 30% menor que o normal durante a suspensão de atividades não essenciais, subindo para -25% na reabertura

Levando-se em conta esse cenário, o que a gente pode esperar para o mês de maio?

Acredito que a gente tenha atingido o pico da pandemia. De uma maneira geral, já existe uma tendência de queda de casos, óbitos e internações no Brasil. A tendência é de que isso permaneça em maio. Se essa tendência vai se intensificar ou se vamos ter um novo aumento, isso vai depender das medidas de distanciamento que a população adotar e do avanço da vacinação.

A vacina começou a acelerar um pouco nas últimas semanas, então a gente espera que, se as coisas continuarem do jeito que estão, maio seja um mês em que a gente tenha uma nova diminuição dos casos e óbitos. Aí sim, a partir de junho, o efeito da vacinação vai começar a ficar mais claro e a gente pode começar a ter uma queda mais significativa.

No estudo que o senhor realizou na Universidade Federal Fluminense, em fevereiro, você menciona que o país poderia chegar a 5 mil mortes diárias. Você acha que esse cenário ainda é possível?

No estudo, a gente dividiu as projeções pro Brasil em três cenários: um mais pessimista, um mais realista e um mais otimista. Essas previsões foram feitas em fevereiro e naquele momento o cenário mais otimista dava alguma coisa em torno de 3 mil óbitos por dia no pico. No cenário mais pessimista, a gente alcançaria cerca 5 mil óbitos por dia. No cenário mais realista, seriam 4 mil óbitos por dia. O que acontece é que esses cenários dependem das medidas de isolamento adotadas, se elas são efetivas ou não, se a vacinação avança na velocidade prevista, então naquele momento a gente não tinha como atestar um valor mais preciso.

Araraquara tem alta de casos, mas segue 70% abaixo do pico pré-lockdown

  Araraquara tem alta de casos, mas segue 70% abaixo do pico pré-lockdown Cidade chegou a 1. 327 casos. Semana teve 396 diagnósticosDe 25 de abril a 1º de maio de 2021, período equivalente à 17ª semana epidemiológica, foram 396 casos. São 57 a mais do que na semana anterior. O número, entretanto, ainda é 70% menor do que a alta de casos do ápice registrado no município nos 7 dias que antecederam ao lockdown. À época, de 14 a 20 de fevereiro, foram 1.327 diagnósticos, o maior patamar desde o início da pandemia.

No cenário epidemiológico do Brasil hoje, existe uma tendência de os casos e óbitos continuarem caindo em maio. Isso mostra que o pico dos óbitos ficou em abril, na casa dos 4.200 óbitos, que foi o dia com a maior quantidade de óbitos. Se a gente for comparar com os dados atuais, a tendência é de que a gente não veja mais esse cenário pessimista de 5 mil óbitos.

No entanto, o Brasil ainda tem uma quantidade de casos e óbitos muito grande, inclusive comparando com a 1ª onda. Hoje a gente tem um certo nível de distanciamento adotado na maioria dos municípios, a própria população acabou adotando medidas pessoais. Isso está reduzindo um pouco a transmissão.

Maio, junho e julho são meses de alta transmissão de doenças respiratórias. A transmissão da covid é alta e vai continuar alta nos próximos meses. Se a gente tiver um relaxamento muito grande, com volta de aglomerações que nem a gente teve no final do ano passado e no início desse ano, a gente pode ter um novo repique, em vez da gente continuar nessa tendência de queda e a gente poderia até atingir um novo pico. Mas, por ora, a tendência é de que a gente continue reduzindo os casos e os óbitos nas próximas semanas.

No estudo, o senhor fala sobre como a sazonalidade pode afetar a transmissão da covid. O senhor poderia explicar um pouco mais sobre esse conceito?

A sazonalidade é um efeito conhecido das doenças infecciosas. Essencialmente, quer dizer que existe um padrão na transmissão ao longo do ano. Você verifica uma época do ano em que a doença se espalha com mais facilidade e outra época do ano onde a transmissão é mais baixa. No caso das doenças respiratórias a gente verifica um padrão típico no Brasil, entre março e julho. São meses em que a gente tem uma tendência clara de aumento de crises gripais, principalmente nesses meses do início do outono até o final inverno a gente tem uma tendência maior de transmissão dessas doenças respiratórias. Nos meses de primavera e verão a gente tem uma redução da transmissão, não existe uma tendência de alta generalizada.

Aumento entre os jovens: vacinação muda perfil da pandemia em Minas Gerais

  Aumento entre os jovens: vacinação muda perfil da pandemia em Minas Gerais SES aponta redução de internações e mortes de pessoas com 70 anos ou mais no estado, atribuída à vacinação. Por outro lado, incidência cresce entre mais novos[BLOCKQUOTE1] A faixa etária acima de 90 anos, na semana 3, representava 5,1% do total de internações em UTI pelo novo coronavírus. O número caiu para 1,7% na semana 16, citada acima. Dos óbitos, eram 8,6% do total e passou para 2%. O mesmo cenário de queda dos números é visto no grupo de pessoas entre 80 e 89 anos. Na semana 3, essa faixa representava 14,8% do total de internações em UTI. Na 16, a porcentagem caiu para 6,9%.

As duas primeiras semanas de janeiro e duas últimas semanas de dezembro também são consideradas um período sazonal de alta transmissão das doenças infectocontagiosas, principalmente as respiratórias, devido às festas de final de ano, no mundo inteiro. Esse padrão anual vai se repetindo e a gente consegue de certa forma ter uma previsibilidade da época em que a gente vai ter uma maior transmissão e portanto um maior risco em relação à doença.

O estudo observou dados de mais de 50 países e a gente conseguiu verificar que de fato os padrões sazonais das doenças respiratórias estão se repetindo para a covid. A sazonalidade da covid já está bem clara e a tendência é de que fique cada vez mais clara nos próximos anos.

No Brasil, existe uma certa imprevisibilidade em relação as medidas de restrição e uma variação das medidas entre os Estados. Isso pode acabar afetando a precisão das estimativas para o futuro?

No caso da sazonalidade, ela pode ajudar o poder público a prever os momentos em que você vai ter um aumento mais certo e mais dramático. Eu e outros pesquisadores fizemos alertas pro aumento de casos nos países europeus e pros Estados Unidos. Esse tipo de informação ajuda o poder público a se planejar.

O aumento de casos em março no Brasil e em outros países da América Latina era esperado. O poder público poderia ter planejado um aumento nos estoques de oxigênio e na disponibilidade de leitos para internação, por exemplo. Também poderia ter se adiantado no sentido de um distanciamento mais efetivo que não atrapalhasse tanto a economia

Em particular, a sazonalidade já é muito utilizada nas campanhas de vacinação para gripe, que se inicia em abril porque é o mês em que a gente espera aumento dos casos. Sabendo que a covid também segue esse tipo de padrão, a gente pode utilizar esse tipo de conhecimento para prever as possíveis novas ondas.

Para os anos seguintes, esse tipo de conhecimento vai ser útil para determinar a campanha de vacinação para a covid, que deve passar a ser anual para os idosos.

A marca de 400 mil mortes foi atingida depois de 14 meses de pandemia. O senhor avalia que esse número está dentro do esperado?

Essas previsões variaram muito, principalmente as do início da pandemia. À medida em que o conhecimento sobre a covid-19 foi aumentando, elas foram sendo aperfeiçoadas. O número de 400 mil óbitos é elevado, apesar de ser compatível com outros países quando a gente compara proporcionalmente à população. Se a gente usar o conhecimento que a gente tem que pode ser útil para prever possíveis ondas.

Em agosto do ano passado, a gente falou que teria uma nova onda na Europa e nos Estados Unidos e que a nova onda que o Brasil enfrentaria iniciaria em março. Isso já estava previsto para a gente desde agosto do ano passado. Se esse tipo de conhecimento tivesse sido utilizado, uma boa parcela desses óbitos poderia ter sido mitigada.

Mas ainda existe muita incerteza, a gente tem centenas de estudos publicados todos os dias, então acredito que às vezes é difícil para o poder público do mundo inteiro, inclusive para a OMS (Organização Mundial da Saúde), separar quais  artigos eles devam utilizar para se orientar.

Com tanto conhecimento que foi produzido em relação a como poderia evoluir a pandemia, o que faltou na ação do poder público em relação às medidas de combate. Como você avalia, em geral, a atuação dos poderes públicos, em relação à pandemia?

Falando especificamente do Brasil, eu acho que, de uma maneira geral, o que a gente viu que os governos não estavam preparados para atuar num ambiente tão complexo e grave como uma pandemia dessa intensidade.

Alguns países que já tinham um planejamento para alguma epidemia mais grave se destacaram na sua capacidade de reduzir ao máximo os problemas que aconteceram devido à pandemia. A Coreia do Sul, Japão, Singapura, Austrália são alguns dos principais países que tiveram um excelente desempenho ao longo dessa pandemia. Eles passaram pela primeira epidemia do Sars-Cov-1, há mais de 10 anos, que ajudou muito os ministérios da Saúde locais a se planejar para uma pandemia seguinte.

Eles já tinham equipes de rastreamento de contato, equipes treinadas e preparadas para fazer testagem em massa, impedir a proliferação do vírus. Mesmo países com grande poder econômico como os Estados Unidos, Reino Unido, Franca, Italia, se mostraram perdidos no inicio da pandemia.

A lição que fica é preparar um planejamento de qualidade, técnico-científico, para que a gente possa responder de uma melhor maneira como país nas próximas epidemias que certamente virão.

Aumento entre os jovens: vacinação muda perfil da pandemia em Minas Gerais .
SES aponta redução de internações e mortes de pessoas com 70 anos ou mais no estado, atribuída à vacinação. Por outro lado, incidência cresce entre mais novos[BLOCKQUOTE1] A faixa etária acima de 90 anos, na semana 3, representava 5,1% do total de internações em UTI pelo novo coronavírus. O número caiu para 1,7% na semana 16, citada acima. Dos óbitos, eram 8,6% do total e passou para 2%. O mesmo cenário de queda dos números é visto no grupo de pessoas entre 80 e 89 anos. Na semana 3, essa faixa representava 14,8% do total de internações em UTI. Na 16, a porcentagem caiu para 6,9%.

usr: 1
Isto é interessante!