Brasil Justiça militar determina ‘ajuste de prova’ para defesa de ex-policial federal, acusado de matar filha de 2 anos

06:25  12 maio  2021
06:25  12 maio  2021 Fonte:   istoe.com.br

Maria, preciso te contar sobre Bolsonaro, o fazedor de órfãos

  Maria, preciso te contar sobre Bolsonaro, o fazedor de órfãos O homem que governa o Brasil condenou uma geração a crescer e a viver sem pai ou sem mãeMaria, seu pai foi vítima de extermínio. Seu pai é um dos mais de 410.000 brasileiros que tombaram por um crime contra a humanidade entre os anos de 2020 e 2021. Enquanto eu escrevo essa carta para você, os assassinatos seguem acontecendo a uma média de quase 2.400 cadáveres por dia. Eu olho para você, Maria, e você ainda diz, os olhos escancarados de expectativa, quando alguém faz barulho na porta da frente: “pa!”. E, então, decepcionada: “pa?”.

Após primeira audiência adiada no último dia 27 de abril, a 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar deu prazo de 10 dias para que a defesa do ex-policial federal Dheymersonn Cavalcante, e da mãe dele, Maria Gorete, resolva o problema de acesso ao arquivo de prova no processo. Dheymersonn e Maria Gorete são acusados pela morte de Maria Cecília, de 2 meses, filha do ex-policial. As informações são do G1.

A defesa de Dheymersonn alegou que não teve acesso à mídia inserida pela denúncia nos autos por estar em blu-ray e o Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) não ter o equipamento apropriado para leitura desse tipo de arquivo. Após alegação, o juiz Alesson Braz determinou que a defesa dos acusados converta o arquivo de blu-ray para MP4, documento compatível com o SAJ, em até 10 dias.

MP do Rio vai apurar indícios de abuso policial no Jacarezinho

  MP do Rio vai apurar indícios de abuso policial no Jacarezinho Operação que tem sido classificada como 'chacina' resultou em 25 mortes, um recorde no Estado"O MP-RJ, desde o conhecimento das primeiras notícias referentes à realização da operação que vitimou 24 civis e 1 policial civil, vem adotando todas as medidas para a verificação dos fundamentos e circunstâncias que envolvem a operação e mortes decorrentes da intervenção policial, de modo a permitir a abertura de investigação independente para apuração dos fatos, com a adoção das medidas de responsabilização aplicáveis", disse o órgão.

O ex-policial federal e a mãe dele se tornaram réus no processo em junho do ano passado e respondem por homicídio qualificado por motivo torpe, emprego de asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima. Maria Cecília morreu de broncoaspiração após ter ingerido leite. O processo aponta que foi dado uma dose maior de leite do que a criança suportava. A enfermeira Micilene Souza, mãe da criança, alega que o ex-policial premeditou a morte da menina junto com a mãe dele porque não queria pagar pensão alimentícia.

O processo corre em segredo de Justiça na 2ª Vara do Tribunal do Júri, em Rio Branco.

Ao G1, após virar réu no processo, Dheymersonn Cavalcante negou todas as acusações e alegou que a menina já tinha se engasgado outras vezes. Durante mais de um ano, o policial diz que se dedicou em juntar provas para montar sua defesa no tribunal e que quer logo que o julgamento seja feito.

Dheymersonn foi preso em outubro em um hospital em Maceió, Alagoas. Ele foi solto logo depois após a defesa comprovar que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) tinha julgado um pedido de habeas corpus.

Abordagem policial na Ceasaminas acaba em pancadaria; veja vídeos .
Imagens mostram embate entre feirantes e policiais no entreposto de Contagem; PM foi internado com ferimentos na cabeça e escoriações por todo o corpo. "Em razão dos desmaios, os médicos orientaram que ele permanecesse em observação hospital para verificar se as agressões causaram alguma sequela".A suspeita da agressão, o marido, o filho dela e mais três pessoas foram presas. A PM diz que espera identificar outros suspeitos a partir da análise de imagens do circuito de segurança da CeasaMinas e dos vídeos da confusão que circulam na internet.

usr: 2
Isto é interessante!