Brasil CTNBio pede informações adicionais para prosseguir com avaliação sobre trigo transgênico

05:27  11 junho  2021
05:27  11 junho  2021 Fonte:   estadao.com.br

Compromisso para equidade na vacina e para derrotar a covid

  Compromisso para equidade na vacina e para derrotar a covid Investir U$ 50 bilhões para pôr fim à pandemia é o melhor uso que se pode dar ao dinheiro público nos tempos que correm . Isso proporcionará enormes dividendos para o desenvolvimento, incentivando o crescimento e o bem-estar em todo o mundo. Mas a janela de oportunidade está se fechando rapidamente; quanto mais esperarmos, mais caro se torna em termos de sofrimento humano e perdas econômicas.

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) decidiu solicitar informações adicionais para prosseguir com as análises sobre eventual liberação comercial de trigo transgênico para consumo humano e animal no Brasil, conforme informação repassada pela comissão ao Estadão/Broadcast. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 10, durante a 242ª reunião ordinária do colegiado, que ocorreu de forma sigilosa.

A solicitação de informações adicionais foi encaminhada ao requerente do pedido, a empresa de sementes Tropical Melhoramento & Genética (TMG). O pedido para importação e comercialização de trigo transgênico no País foi protocolado pela TMG junto à CTNBio em processo em 28 de março de 2019.

Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia

  Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia Maioria cortou rotas internacionais. Saiba os voos programadosAs rotas internacionais ainda em atividade estão sendo usadas por brasileiros que estão no exterior para voltar ao Brasil. O Itamaraty informou em nota que está buscando todas as opções para repatriar os nacionais residentes no Brasil que encontraram problemas com seus voos de retorno ao país.

Por enquanto, trigo transgênico ainda não é aceito no Brasil. © Estadão Por enquanto, trigo transgênico ainda não é aceito no Brasil.

A variedade do cereal geneticamente modificado avaliada pela comissão é a HB4, da argentina Bioceres, aprovada para cultivo na Argentina em outubro do ano passado - país de onde os moinhos brasileiros adquirem cerca de 85% do cereal que importam. Esse tipo de trigo é capaz de suportar a seca e cargas maiores do agrotóxico glufosinato de amônio, agrotóxico 15 vezes mais tóxico do que o glifosato, proibido na União Europeia por ser bastante nocivo à saúde. As substâncias podem causar danos genéticos e levar até a mutações das células.

Em audiência pública sobre o tema realizada em 22 de outubro do ano passado pelo CTNBio, especialistas questionaram o pedido da Tropical Melhoramento & Genética (TMG) e alertaram que o estudo feito pela empresa para detectar se o trigo transgênico é capaz de causar alergias ou danos ao meio ambiente tinha falhas metodológicas.

Como sete acadêmicos que não queriam ganhar um centavo hoje são bilionários

  Como sete acadêmicos que não queriam ganhar um centavo hoje são bilionários CEO da Databricks, Ali Ghodsi, e seus cofundadores não estavam interessados em abrir um negócio, menos ainda em lucrar com a tecnologia []Os conselheiros abordavam desajeitadamente assuntos que haviam sido reprisados várias vezes. A startup vinha tentando angariar fundos havia cinco meses, mas os investidores de capital de risco estavam mantendo distância, cautelosos com suas vendas insignificantes. Não vendo outra opção, um dos investidores, Pete Sonsini, sócio da NEA, ofereceu-se para salvar a empresa com uma injeção de emergência de US$ 30 milhões.

No entanto, já em novembro de 2020, a liberação comercial do cereal no país recebeu parecer favorável à aprovação (deferimento) das Subcomissões Setoriais Permanentes de Saúde Humana e Animal da CTNBio, e parecer pela diligência das Subcomissões Setoriais Permanentes Vegetal e Ambiental, segundo informações públicas da comissão.

A CTNBio, ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), é o órgão responsável no governo federal por questões relacionadas à biossegurança de organismos geneticamente modificados.

Oposição

A possível aprovação do trigo transgênico não é bem recebida pela indústria de derivados de trigo. Procurada pelo Estadão/Broadcast, a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), que representa a indústria moageira, disse que a entidade é contrária ao uso do trigo geneticamente modificado. A associação afirmou que estava solicitando às entidades governamentais brasileiras que não autorizassem a comercialização desses produtos no Brasil.

A Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi) também já disse não apoiar a comercialização do cereal transgênico no País. /COLABOROU JULIANA CARREIRO

Gado de fazendas ligadas a “narcopecuarista” foi vendido à JBS e Frigol .
Conflitos por terra, trabalho escravo, desmatamento ilegal e homicídio envolvem o nome de João Soares Rocha, que usou a pecuária para lavar dinheiro do tráfico, segundo a PF“Rochinha” ou “Joãozinho Pé de Cobra”, como também é conhecido o chefe da organização, teria se tornado uma mistura de narcotraficante e pecuarista – um “narcopecuarista” – com atuação sobretudo no sudeste do Pará, onde sua família possui mais de uma dezena de imóveis rurais, alguns sobrepostos a Projetos de Assentamento (PAs) da Reforma Agrária e a uma área de proteção ambiental (APA).

usr: 4
Isto é interessante!