Brasil Pulmões em risco: fumaça de incêndios na floresta ameaça recuperação de Covid-19 de comunidades da Amazônia

22:42  16 junho  2021
22:42  16 junho  2021 Fonte:   reuters.com

Covid na Amazônia: Fumaça de incêndios na floresta piora o quadro de infectados

  Covid na Amazônia: Fumaça de incêndios na floresta piora o quadro de infectados A fumaça dos incêndios na Amazônia pode levar a uma vulnerabilidade maior aos efeitos mais sérios da Covid-19 e dificultar a recuperação de infectados na região, segundo pesquisadores. O líder local Asterio Martins Tomas, de 60 anos, disse à Reuters que à medida que a “temporada de incêndios” de 2021 se aproxima, ele teme que […] O post Covid na Amazônia: Fumaça de incêndios na floresta piora o quadro de infectados aparece primeiro no Go Outside.

Por Fabio Teixeira

Floresta Amazônica incendiada perto de Porto Velho © Reuters/Bruno Kelly Floresta Amazônica incendiada perto de Porto Velho

RIO DE JANEIRO (Thomson Reuters Foundation) - Nos últimos anos, quando a fumaça de incêndios da floresta amazônica chegava às comunidades indígenas de Nossa Senhora do Livramento, no Amazonas, as pessoas bebiam chá com ervas medicinais locais que acalmavam os seus pulmões.

Mas à medida que a “temporada de incêndios” de 2021 se aproxima, o líder local Asterio Martins Tomas teme que desta vez o chá não será suficiente, pois muitos da sua comunidade --incluindo ele próprio-- ainda sofrem com os efeitos da Covid-19.

Peixes-boi atuais surgiram da separação entre Amazônia e Caribe

  Peixes-boi atuais surgiram da separação entre Amazônia e Caribe Pesquisadores da Unicamp combinaram dados geológicos e genéticos para reconstruir a história evolutiva de mamíferos aquáticos do gênero Trichechus, que hoje abriga três diferentes espéciesAs conclusões são de um estudo apoiado pela Fapesp e publicado na revista Scientific Reports, que traz detalhes até então desconhecidos sobre a história evolutiva dos peixes-boi. Liderado por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o grupo internacional de cientistas realizou o primeiro sequenciamento do DNA mitocondrial das três espécies hoje existentes do mamífero aquático.

"Eu ainda me sinto cansado, e meu peito dói. Quando eu respiro, ele dói", diz Tomas, 60, infectado com o coronavírus em março e brevemente hospitalizado.

A fumaça, quando chegar, tornará a vida mais difícil, teme.

"Afeta nossos pulmões, nossa saúde, E não há escapatória porque há fumaça em todo lugar".

A piora das queimadas em florestas estão tendo um impacto maior e ainda não muito bem estudado em pessoas expostas a elas, segundo um relatório da Aliança Global Climática, um consórcio de organizações sanitárias ao redor do mundo.

Em longo prazo, também pode levar a uma vulnerabilidade maior aos efeitos mais sérios da Covid-19, segundo pesquisadores.

A taxa de mortes por coronavírus entre a população indígena na Amazônia é quase 250% maior do que na população geral, segundo o estudo de junho do Ipam, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia.

Brasil pode se tornar uma potência se aliar desenvolvimento econômico com proteção ambiental

  Brasil pode se tornar uma potência se aliar desenvolvimento econômico com proteção ambiental Especialistas, em debate online promovido pelo 'Estadão', afirmam que o Brasil pode ser um grande protagonista global em 2030, caso comece a levar sustentabilidade mais a sérioPara Mariano Cenamo, fundador do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam) e CEO da Amaz Aceleradora de Impacto, o país não conseguirá fazer mais frente à China, por exemplo, como um grande polo industrial, assim como não será um grande celeiro de recursos humanos, como a Índia é no momento.

HOSPITAIS LOTADOS

O relatório recomenda que autoridades sanitárias locais "planejem com antecedência para a volta de doenças induzidas por fumaça, enquanto serviços de saúde continuam a enfrentar a pandemia de Covid-19".

Mas não há muito planejamento em andamento, disse Mario Vianna, presidente da união de médicos do Estado do Amazonas.

"Uma queda de qualidade do ar na região norte durante uma pandemia de uma doença respiratória é uma combinação explosiva", disse Vianna. "Eu ainda não vi protocolos ou orientações para nos prepararmos para esta possibilidade."

Incêndios e desflorestamento na floresta amazônica cresceram desde que o presidente Jair Bolsonaro chegou ao poder em 2019, clamando por mais desenvolvimento na região.

Com a temporada de incêndios no Brasil começando para valer, os próximos meses serão críticos, disse Jerrimar Soares Montenegro, enfermeiro da Sinderon, uma associação de enfermeiros no Estado de Rondônia.

Os hospitais da capital do Estado, Porto Velho, ficam lotados todos os anos --entre agosto e novembro-- por pacientes com problemas respiratórios causados pelos incêndios, afirmou Montenegro.

"E agora com a Covid, será praticamente incontrolável", previu Montenegro.

As crises simultâneas que engolem o Amazonas: enchente, onda de violência e covid-19 .
Maior inundação da história do Estado em 119 anos afeta comunidades controladas pelo tráfico de drogas, onde a chegada de doações é dificultada. Onda de violência levou vacinação a ser suspensa“Choveu esta semana e fiquei com medo que chegasse aqui. Alagou o banheiro da minha vizinha e aí eles ‘pegaram o beco’. Estão na casa de parentes. A Defesa Civil veio vai fazer um mês. Viram a situação do meu banheiro, marcaram a casa, fizeram nossa inscrição para receber auxílio, mas até agora nada”, conta Leyna que trabalhava por diária para uma empresa de reciclagem, mas está desempregada desde o início da pandemia em 2020.

usr: 1
Isto é interessante!