Brasil Picos de rejeição a Bolsonaro acompanham piores momentos da pandemia

02:36  20 junho  2021
02:36  20 junho  2021 Fonte:   poder360.com.br

"Bolsonaro é um criminoso político que desafia o impeachment"

  Presidente cometeu diversos crimes de responsabilidade, mas é protegido por "escudo político" que inclui até Lula, que prefere tentar vencê-lo nas urnas em 2022, avalia Rafael Mafei, autor de livro sobre impeachment. © Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Bolsonaro é alvo de mais de 110 pedidos de impeachment protocolados na Câmara O impeachment é um remédio amargo que deve ser reservado como último recurso para proteger o país de um presidente tirano ou criminoso que tenha conseguido vencer as eleições.

A popularidade do presidente Jair Bolsonaro acompanha as curvas que indicam se a pandemia de covid-19 está acelerando ou enfraquecendo no país. Isso é: quando os números diários de mortes pela doença começam a subir, a rejeição ao mandatário também escala. Quando as mortes começam a arrefecer, a aprovação sobe, e a desaprovação, desce.

Bolsonaro em evento no Planalto, em junho. Popularidade do presidente registrou fortes oscilações ao longo da pandemia do novo coronavírus © Sérgio Lima/Poder360 - 1º.jun.2021 Bolsonaro em evento no Planalto, em junho. Popularidade do presidente registrou fortes oscilações ao longo da pandemia do novo coronavírus

O Poder360 cruzou os números de casos e mortes pelo coronavírus com os dados sobre a avaliação do trabalho presidencial medida pelo PoderData desde abril de 2020, sempre a cada 15 dias.

‘Dois impeachments em 30 anos indicam que algo não está bem’, afirma José Álvaro Moisés

  ‘Dois impeachments em 30 anos indicam que algo não está bem’, afirma José Álvaro Moisés Para cientista político, a crise do sistema de representação provoca queda da qualidade da democracia brasileiraO problema com a democracia brasileira não é se ela existe ou não. O problema é a qualidade de democracia. E isso tem relação com a crise do sistema de representação. Temos um conjunto de regras que, em invés de introduzir o eleitor no sistema político, trabalha para desconectar representados e representantes. Isso transparece em pesquisas de opinião quando as pessoas não se sentem representadas ou acreditam não influir no sistema.

  Picos de rejeição a Bolsonaro acompanham piores momentos da pandemia © Fornecido por Poder360

O infográfico acima mostra que o 1º pico de rejeição a Bolsonaro (representada pelos quadrados laranjas) foi registrado em junho de 2020, em um dos piores momentos da “1ª onda” da covid-19 no Brasil. Depois desse período, a pandemia começou a arrefecer, e o chefe do Executivo teve um “refresco” na popularidade.

Na pesquisa PoderData realizada de 22 a 24 de junho de 2020, o presidente tinha 48% de rejeição e 29% de aprovação. Os número, até aquele momento, eram os piores para o Planalto desde o início da pandemia. À época, a média móvel de mortes por covid estava entre 1.001 e 1.046, em um dos picos da doença.

Do início de julho até o fim de outubro, a desaprovação começou a cair e a aprovação presidencial iniciou uma escalada, chegando ao pico de 40% na pesquisa de 12 a 14 de outubro de 2020. Esse momento também foi quando as mortes por covid estavam em um patamar muito menor que o registrado em junho. A média móvel ficou entre 503 e 573 vítimas por dia.

CPI da Covid não vai prender nem fazer impeachment, prevê senador Alessandro Vieira, membro da comissão

  CPI da Covid não vai prender nem fazer impeachment, prevê senador Alessandro Vieira, membro da comissão Em entrevista à BBC News Brasil, Vieira afirmou que relatório da CPI vai 'informar' a população sobre os atos do governo na pandemia. 'O eleitor, devidamente informado, vai fazer sua escolha', disse."Particularmente, acho que os fatos que estamos comprovando são gravíssimos, mas que a gente talvez tenha que caminhar para uma eleição. O eleitor, devidamente informado, vai fazer sua escolha. Democracia é isso", afirmou Vieira, em entrevista à BBC News Brasil.

Depois desse momento, a pandemia teve nova piora e a taxa de rejeição a Bolsonaro voltou a subir. Na pesquisa finalizada em 14 de abril deste ano, 55% diziam reprovar o trabalho do presidente. Esse período também foi o mais mortal pela pandemia até hoje. A média móvel de mortes pelo coronavírus estava entre 3.015 e 3.124.

Receba a newsletter do Poder360

Para o coordenador das pesquisas do PoderData, Rodolfo Costa Pinto, a relação entre a situação epidemiológica da covid no Brasil com a popularidade de Bolsonaro é “direta“.

“A pandemia tomou uma proporção que afeta todos os aspectos das vidas das pessoas, então a percepção sobre melhora ou piora da situação serve como uma régua para que as mesmas avaliem o desempenho do governo de maneira geral”, afirma o estatístico.

Segundo ele, a tendência para um futuro próximo é que –com o país voltando à normalidade– a aprovação do trabalho presidencial recupere parte do fôlego perdido nos últimos meses, favorecendo o Palácio do Planalto.

“Essa possibilidade de recuperação da popularidade pode ser limitada devido a polarização política, que define o número de pessoas que flutuam entre a avaliação positiva ou negativa do governo, e também ao efeito de acontecimentos ainda pouco previsíveis, como, por exemplo, apagões, algum choque econômico externo ou mesmo um aumento de protestos nas ruas”, destaca Costa Pinto.

A teia bolsonarista nos porões da internet .
Ministério Público do Tribunal de Contas da União pede ao Supremo compartilhamento do inquérito que levanta a engrenagem nas redes para financiar os atos antidemocráticos. Tentáculos passam pelos endereços da primeira-dama e assessores dos filhos do presidente BolsonaroNa manhã do dia 3 daquele mês, um domingo ensolarado, o presidente Jair Bolsonaro devotou-se a apoiar manifestantes em frente ao Palácio do Planalto. Não usava máscara, tampouco seguia a orientação de autoridades médicas e científicas para evitar ―ou ajudar a formar― aglomeração. Diante de fiéis seguidores, disse que havia chegado ao seu limite, e que pedia a Deus para não ter problemas.

usr: 10
Isto é interessante!