Brasil Região do ABC ultrapassa marca de 2 milhões de doses de vacinas aplicadas contra a Covid-19

07:26  23 julho  2021
07:26  23 julho  2021 Fonte:   folha.uol.com.br

Cidades do interior de SP interrompem vacinação contra covid por falta de doses

  Cidades do interior de SP interrompem vacinação contra covid por falta de doses A Secretaria da Saúde do Estado informou que as prefeituras precisam planejar as vacinações de forma sincronizada com o cronograma estadual para evitar a falta de doses . © DR A Secretaria da Saúde do Estado informou que as prefeituras precisam planejar as vacinações de forma sincronizada com o cronograma estadua Em Santos, a vacinação prevista para esta terça foi suspensa depois que as doses da Astrazeneca se esgotaram, na segunda-feira, 12, duas horas após o início da aplicação.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Consórcio Intermunicipal Grande ABC em São Paulo, que reúne as cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, anunciou a marca de 2.091.305 milhões de doses aplicadas da vacina contra a Covid-19 na região até esta quinta-feira (22). Além disso, 70,4% da população recebeu pelo menos uma dose do imunizante.

Ainda na região, 24% dos moradores acima de 18 anos já completaram o esquema vacinal. A pessoa só é considerada imunizada após tomar as duas doses das vacinas da AstraZeneca, Pfizer ou Coronavac; ou ainda a dose única da vacina da Janssen.

No ritmo atual, Brasil consegue ter 70% de vacinados com duas doses em dezembro

  No ritmo atual, Brasil consegue ter 70% de vacinados com duas doses em dezembro Patamar é fundamental para que a imunização coletiva controle a transmissão do vírus; inconstância do cronograma federal e faltosos na 2ª aplicação são desafios para atingir metaO Brasil tem capacidade para imunizar 70% da população com as duas doses da vacina contra a covid-19 até dezembro, caso mantenha a média atual de um milhão de doses aplicadas por dia. A taxa é considerada ideal para que a vacina seja capaz de controlar a transmissão do vírus. No entanto, especialistas afirmam que o País precisa superar problemas como a imprevisibilidade na entrega de vacinas e a baixa adesão à 2ª dose para atingir a marca.

"É uma conquista e uma sensação real de que esse grande pesadelo que a gente passou efetivamente está chegando ao final. A vacina é a grande saída dessa crise, não só do ponto de vista sanitário, mas no aspecto econômico", diz Paulo Serra (PSDB), prefeito de Santo André e presidente do consórcio.

Segundo Serra, os prefeitos da região sempre seguiram as recomendações das autoridades de saúde e a ciência. "E tinham em mente de que a vacinação deveria ser montada de maneira rápida e efetiva, e isso tem acontecido", afirma.

A cidade de Santo André é a que mais aplicou a primeira dose no ABC, com 77,9% da população elegível já vacinada. Em seguida vem Ribeirão Pires, com 74%, e São Caetano do Sul, com 72%.

Já se for levado em consideração o esquema vacina completo, quem lidera o ranking local é São Caetano, com 34,3% de pessoas já imunizadas. Ribeirão Pires aparece com 26,7%, seguida por Santo André, com 26,4%.

Segundo o presidente do consórcio, se o ritmo de vacinação se mantiver, a previsão é de que até a última semana de agosto,todas os moradores acima de 18 anos receberão pelo menos a primeira dose da vacina nas sete cidades.

"Nós, os municípios, somos aplicadores de vacinas e dependemos do envio de doses pelo governo federal e pelas secretarias estaduais, mas nesse ritmo e pelo que a gente tem acompanhado das entregas de vacinas, a gente deve conseguir na última semana de agosto o [índice de] 100% de vacinados com a primeira dose nas sete cidades", diz Paulo Serra.

Com 1,6% vacinado contra a Covid, África luta para obter doses .
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Enquanto o avanço da vacinação é motivo de celebração em diversos países da Europa e da América do Norte, os da África continuam a lutar por doses para imunizar pelo menos sua população mais vulnerável. Com cerca de 17% da população mundial, o continente responde por apenas 1,6% dos 4,01 bilhões de doses aplicadas no globo. E ao passo que os europeus já são cerca de 38% completamente imunizados, os africanos são apenas 1,6% —e com um registro de 166,5 mil mortes e 6,6 milhões de infecções, números considerados longe da realidade devido à subnotificação.

usr: 6
Isto é interessante!