Brasil Juiz de Fora e BH lideram em número de casos da variante Delta em Minas

08:06  02 setembro  2021
08:06  02 setembro  2021 Fonte:   msn.com

Mais duas cidades do interior de Minas registram casos da variante Delta

  Mais duas cidades do interior de Minas registram casos da variante Delta Além de se alastrar em Minas, 'a cepa tem todas as condições de transmissibilidade para ser dominante no Brasil', afirma pesquisadora da Fiocruz

Com a quarta maior população do estado, Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, concentra o maior número de notificações da variante Delta em Minas Gerais. Entre casos suspeitos e confirmados, o município registra 41 ocorrências, o que equivale a 23,5% do total. Na vice-liderança está Belo Horizonte, com 13 registros.   Conforme dados atualizados no painel de monitoramento da Secretaria de Estado de Saúde (SES) nessa terça-feira (31/8), na sequência aparecem Itabirito (Central) e Unaí (Alto Paranaíba) com 12 diagnósticos cada.   Entre as macrorregiões de saúde de Minas Gerais, apenas três não computam casos da Delta: Leste, Oeste e Jequitinhonha. A liderança é da Sudeste com 61 diagnósticos. Depois, aparecem Centro (50), Noroeste (17) e Norte (11).   Em apenas quatro dias, a incidência da variante Delta do novo coronavírus aumentou 70,5% no estado: de 102 para 174.   Atualmente classificada em “risco moderado” pela administração municipal, a cidade regrediu à faixa laranja, na última segunda-feira (30/8), do seu próprio programa de enfrentamento da pandemia.   “Juiz de Fora já apresenta a circulação comunitária da variante Delta do coronavírus, ou seja, não é mais possível identificar a origem da transmissão, fazendo com que tenhamos mais cuidados”, declarou a prefeitura, por meio de sua assessoria, em justificativa à mudança de rota ao estabelecer medidas restritivas.   No entanto, o fato do município do interior mineiro assumir o topo do ranking, em relação às notificações da cepa, não é algo que surpreenda a médica pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Margareth Dalcomo.   “A situação é muito séria, é muito grave! Mas não é algo que nos surpreenda. Com o Rio de Janeiro sendo o epicentro da transmissão comunitária, a gente já sabia que era só uma questão de tempo [para atingir o município], pois Juiz de Fora é do lado”, declarou a pesquisadora em uma live com a secretária de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora, Ana Pimentel, na quinta-feira (26/8).   “Essa cepa [de origem indiana] é de cinco a seis vezes mais transmissível. Só para se ter uma ideia, cada cem pessoas infectadas podem contaminar outras 600”, acrescentou a especialista durante a conversa. A transmissão e a eficácia das vacinas Conforme mostrou a reportagem do Estado de Minas nesta quarta-feira (1º de setembro), o líder médico da Infectologia do HCor, em São Paulo, reforçou que a variante é motivo de preocupação pelo fato dela ter sete mutações.   “(...) uma delas, a mutação P681R, na proteína spike, leva a uma maior quantidade de vírus nas vias respiratórias, uma maior transmissibilidade e, com isso, uma chance de disseminação mais importante na população, principalmente na parcela não vacinada”, afirmou.   Durante um bate-papo com profissionais de saúde transmitido pelo "Portal UOL" no dia 23 de agosto, a pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcomo, destacou que as vacinas têm uma ligeira redução de eficácia em relação à Delta.   Mesmo assim, o médico Guilherme Furtado ressaltou que os imunizantes que estão sendo utilizados no Brasil, aparentemente, possuem uma boa ação contra essa variante.   Por fim, o profissional da saúde diz ser fundamental que toda a população se vacine, independentemente da vacina disponível, e complete o ciclo vacinal com as duas doses.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomas, prevenção, pesquisa e vacinação.

Variante delta da covid foi encontrada em 86% das amostras no Rio de Janeiro

  Variante delta da covid foi encontrada em 86% das amostras no Rio de Janeiro Cepa mais transmissível teve "aumento expressivo" no Estado, segundo pesquisadoresSegundo os pesquisadores responsáveis pelo sequenciamento genômico, o aumento foi “expressivo”. Foram analisados 377 amostras de pessoas com covid. Os testes foram feitos pelo Lacen-RJ (Laboratório Central Noel Nutels) e pela Unadig (a Unidade de apoio ao diagnóstico da COVID).

Belo Horizonte assume vice-liderança na quantidade de casos da variante Delta © Leandro Couri/EM/D.A Press Belo Horizonte assume vice-liderança na quantidade de casos da variante Delta

  • Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil e suas diferenças
  • Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades
  • Entenda as regras de proteção contra as novas cepas
  • Como funciona o 'passaporte de vacinação'?
  • Os protocolos para a volta às aulas em BH
  • Pandemia, epidemia e endemia. Entenda a diferença
  • Quais os sintomas do coronavírus?

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal

Com 40 novos casos em 5 dias, Brasil chega a 287 diagnósticos positivos da variante Delta .
Rio de Janeiro é o Estado com o maior número de infectados pela Delta, com 101 ocorrências notificadas; já o Paraná é o que tem mais óbitos pela variante: 12Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e repostagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

usr: 4
Isto é interessante!