Brasil Em três dias, Minas registra 62 casos da Delta; quinta morte é confirmada

01:20  05 setembro  2021
01:20  05 setembro  2021 Fonte:   em.com.br

Variante delta tem duas vezes mais chance de levar à hospitalização do que alfa

  Variante delta tem duas vezes mais chance de levar à hospitalização do que alfa Maioria dos participantes da pesquisa não estavam vacinadosO resultado da análise foi publicado na revista científica The Lancet nessa 6ª feira (27.ago.2021). Eis a íntegra da pesquisa (288 KB).

Mais transmissível e com sete mutações, a variante Delta da COVID-19 já está presente em quase todas as regiões de Minas Gerais. Apenas as macrorregiões Leste e Oeste ainda não computam infecções pela cepa. Os dados atualizados nessa sexta-feira (3/9) pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) mostram que 236 amostras genotipadas identificaram a variante.   Na terça-feira (31/8), conforme mostrou a reportagem do Estado de Minas, havia 174 contaminações. Logo, em apenas três dias, mais 62 infecções pela variante do novo coronavírus foram confirmadas pelo governo mineiro.   Do total de casos, cinco evoluiriam a óbito. A nova vítima residia em Caratinga, no Vale do Rio Doce. Outras quatro mortes em decorrência da variante já haviam sido confirmadas pela pasta estadual. Elas moravam em Santa Luzia (Grande BH), Claro dos Poções (Norte de Minas), Rio Novo (Zona da Mata) e Uberaba (Triângulo).   Com a quarta maior população do estado, Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, concentra o maior número de notificações. Logo, o município registra 38 ocorrências, sendo que três casos suspeitos foram descartados, já que, no boletim anterior, a cidade contabilizava 41 amostras. Na vice-liderança está Belo Horizonte, que subiu de 13 para 24 registros.   Na sequência aparecem Itabirito (Central) e Unaí (Alto Paranaíba), que não tiveram aumento de casos e, portanto, seguem com 12 diagnósticos cada.   Entre as macrorregiões de saúde de Minas Gerais, a liderança é da Sudeste com 103 diagnósticos. Depois aparecem Centro (64), Noroeste (17) e Norte (11).   O monitoramento das variantes em circulação no estado é feito pela SES-MG por meio da Subsecretaria de Vigilância em Saúde e da Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A transmissão da Delta e a eficácia das vacinas Conforme mostrou a reportagem do Estado de Minas na quarta-feira (1º de setembro), Guilherme Furtado, líder médico da Infectologia do HCor, em São Paulo, reforçou que a variante é motivo de preocupação pelo fato dela ter sete mutações.   “(...) uma delas, a mutação P681R, na proteína spike, leva a uma maior quantidade de vírus nas vias respiratórias, uma maior transmissibilidade e, com isso, uma chance de disseminação mais importante na população, principalmente na parcela não vacinada”, afirmou.   Durante um bate-papo com profissionais de saúde transmitido pelo Portal UOL no dia 23 de agosto, a pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcomo, destacou que as vacinas têm uma ligeira redução de eficácia em relação à Delta.   Mesmo assim, o médico Guilherme Furtado ressaltou que os imunizantes que estão sendo utilizados no Brasil, aparentemente, possuem uma boa ação contra essa variante.   Por fim, o especialista diz ser fundamental que toda a população se vacine, independentemente da vacina disponível, e complete o ciclo vacinal com as duas doses. Variante Mu chega em Minas A governo de Minas, por meio da SES-MG, também confirmou nessa sexta-feira cinco casos da variante Mu, originária da Colômbia, no estado. Três pessoas foram infectadas pela nova cepa em Virginópolis e outras duas em Guanhães. As cidades ficam na região Leste do estado.   A Organização Mundial de Saúde afirma que a variante Mu pode ter mutações que apresentariam resistência às vacinas. No entanto, estudos estão sendo realizados para entender melhor os efeitos da cepa.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomas, prevenção, pesquisa e vacinação.

Cresce incidência da variante Delta da COVID-19 em Minas Gerais

  Cresce incidência da variante Delta da COVID-19 em Minas Gerais Variante Delta, mais perigosa, já predomina em estudos genômicos realizados pelo governo de Minas

Belo Horizonte subiu de 13 para 24 registros da variante Delta © Juarez Rodrigues/EM/D.A Press Belo Horizonte subiu de 13 para 24 registros da variante Delta

  • Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil e suas diferenças
  • Minas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidades
  • Entenda as regras de proteção contra as novas cepas
  • Como funciona o 'passaporte de vacinação'?
  • Os protocolos para a volta às aulas em BH
  • Pandemia, epidemia e endemia. Entenda a diferença
  • Quais os sintomas do coronavírus?

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Veja vídeos explicativos sobre este e outros tema em nosso canal

Delta Plus: como ataca a nova variante que preocupa o mundo .
Delta Plus: como ataca a nova variante que preocupa o mundoA Delta plus apresentou uma mutação na proteína spike, que funciona como um gancho para se ligar às células humanas, chamada K417N. Isso a tornaria mais transmissível e com mais chances de evasão imunológica, embora não se possa afirmar que sejam mais letais, segundo Jairo Mendez-Rico, virologista da Organização Pan-Americana de Saúde, em entrevista à Efe.

usr: 1
Isto é interessante!