Brasil Cidade de SP passa a usar só a Pfizer na dose de reforço para idosos

17:21  15 setembro  2021
17:21  15 setembro  2021 Fonte:   estadao.com.br

Aplicação da dose de reforço em SP tem hesitação sobre Coronavac e encontro de gerações

  Aplicação da dose de reforço em SP tem hesitação sobre Coronavac e encontro de gerações Estado começou a aplicar nesta segunda-feira a dose de reforço em idosos maiores de 90 anos, enquanto adolescentes com 12 anos ou mais começaram a receber a primeira doseA hesitação dos idosos era justificada pelo receio de que a Coronavac pudesse não oferecer proteção tão ampla quanto doses de outros fabricantes. O Ministério da Saúde pediu aos Estados que o reforço da imunização dos idosos seja feito com a vacina da Pfizer e, na falta dela, com AstraZeneca ou Janssen. Especialistas dizem que a dose de reforço com a Coronavac é segura, mas criticam a decisão do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), diante das evidências científicas de que a eficácia é menor.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

SÃO PAULO - A capital paulista passa a aplicar exclusivamente a vacina contra a covid-19 da Pfizer como dose de reforço em idosos a partir desta quarta-feira, 15. O imunizante é o recomendado pelo Ministério da Saúde para a injeção extra, mas não vinha sendo aplicado pela Prefeitura neste grupo. O uso de produtos de diferentes farmacêuticas é seguro e defendido por especialistas para aumentar a proteção nos grupos mais vulneráveis, em que a proteção garantida pela vacina diminui com o tempo.

Em São Paulo, as doses de reforço aplicadas até agora são da Coronavac, o que segue a orientação do governo paulista. O ministério, porém, excluiu a vacina do Instituto Butantan da lista de opções para a terceira dose em idosos e imunossuprimidos, diante de evidências científicas de que a Coronavac não era a melhor opção para o reforço vacinal. A imunização de reforço começou no dia 6 de setembro na cidade de São Paulo.

Calendário da terceira dose contra Covid fica em descompasso nos estados

  Calendário da terceira dose contra Covid fica em descompasso nos estados PORTO ALEGRE, RS, SALVADOR, BA, E CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Nos planos do governo federal, a aplicação da terceira dose de vacina contra a Covid começou apenas nesta quarta-feira (15). Na prática, porém, muitos estados passaram a oferecer o reforço semanas antes, mesmo que diversos governadores reclamem da falta de imunizantes. Com isso, a movimentação em algumas capitais foi apenas normal. Em outras, como Porto Alegre, a ocasião foi mais marcante. No posto de vacinação instalado no Shopping João Pessoa, na capital gaúcha, algumas pessoas se diziam ansiosas por terem se vacinado com a Coronavac no ciclo regular e recearem a perda de proteção com o imunizante.

Vacinação de idosos contra covid-19 no sistema drive-thru do estádio do Morumbi.  © Tiago Queiroz/Estadão Vacinação de idosos contra covid-19 no sistema drive-thru do estádio do Morumbi.

Conforme o cronograma de vacinação, idosos acima de 85 anos que tenham sido vacinados com a segunda dose ou dose única há mais de seis meses estão elegíveis para receber o reforço na capital. Na semana passada, foi imunizado o público com mais de 90 anos. A proteção adicional contra o coronavírus foi acelerada em um cenário de preocupação com a variante Delta, mais transmissível, que já é predominante na cidade.

Nesta quarta, é prevista a chegada de 340 mil doses da vacina da Pfizer à cidade de São Paulo. O lote terá de ser suficiente para abastecer as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) que passam a destinar o imunizante a três grupos distintos:

  • Idosos elegíveis para dose de reforço
  • Primeira dose para adolescentes
  • Segunda dose para pessoas que tomaram Pfizer
  • Segunda dose para pessoas que tomaram AstraZeneca

O Estado de São Paulo ainda enfrenta desabastecimento da segunda dose vacina AstraZeneca. Para evitar atrasos na imunização, os postoss de saúde têm utilizado a Pfizer como a segunda aplicação - o que também é defendido pelos especialistas. A Prefeitura não cita risco de faltar vacina da Pfizer no município, apesar da alta demanda pelo imunizante.

Depois da AstraZeneca, vacina da Pfizer some dos postos de saúde de SP .
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de vacinas da AstraZeneca contra o novo coronavírus sumirem para segunda dose nos postos da cidade de São Paulo, desde esta quinta-feira (9), os moradores da capital paulista agora estão tendo dificuldades de encontrar o imunizante da Pfizer para o reforço na vacinação. Segundo o site "De Olho na Fila", serviço desenvolvido pela Prefeitura de São Paulo para mostrar a situação dos postos e se há vacina para segunda dose, por volta das 12h30 desta sexta-feira (10), a Pfizer estava em falta em 85% dos postos --dos 536 locais abertos para vacinação, 454 não tinham o imunizante.

usr: 1
Isto é interessante!