Brasil Tradição do Brasil de abrir Assembleia-Geral da ONU começou com Oswaldo Aranha

17:40  21 setembro  2021
17:40  21 setembro  2021 Fonte:   folha.uol.com.br

Embalagens plásticas poderão ser substituídas por ‘seda de aranha vegana’

  Embalagens plásticas poderão ser substituídas por ‘seda de aranha vegana’ Na busca por materiais que possam substituir o plástico, toda ajuda é bem-vinda: até mesmo das aranhas. Nessa cruzada fundamentais para o ambientalismo e a ciência atual na busca de se construir um futuro melhor, mais verde, menos poluído e poluente – e, assim, possível, pesquisadores da Universidade de Cambridge foram buscar “dicas” na forma com que as aranhas criam a seda de suas teias, um dos materiais mais resistentes e versáteis da natureza.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nesta terça (22), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez o discurso de abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU, mantendo a tradição segundo a qual o Brasil é responsável pela fala inaugural do evento.

A deferência remonta aos primórdios da ONU, quando Oswaldo Aranha, então chefe da delegação brasileira, presidiu a Primeira Sessão Especial da Assembleia, em 1947. Na oportunidade, foi aprovada a criação do Estado de Israel, com voto favorável do Brasil.

Devido à sua atuação, Aranha foi cogitado como candidato ao prêmio Nobel da Paz, com apoio de 15 delegações de países integrantes da União Pan-americana e de entidades sionistas americanas.

ONU exigirá comprovante de vacinação para Assembleia Geral, que tem Bolsonaro entre participantes

  ONU exigirá comprovante de vacinação para Assembleia Geral, que tem Bolsonaro entre participantes Integrantes do governo afirmam que regra não se aplicará a chefes de Estado, mas presidente pode ter circulação limitada em NYWASHINGTON – A Organização das Nações Unidas comunicou aos diplomatas do mundo todo que irá exigir comprovante de vacinação contra covid-19 para liberar a entrada no plenário onde acontecerá a 76ª Assembleia Geral do organismo, na semana que vem. O presidente Jair Bolsonaro, que tem dito que só vai se vacinar após todos os brasileiros serem imunizados, planeja viajar a Nova York para o fórum. Como é tradição, o Brasil faz o discurso de abertura do debate entre chefes de Estado.

De 1938 a 1944, durante o primeiro governo de Getúlio Vargas, ele foi ministro das Relações Exteriores.

Como chanceler, promoveu uma política gradual, mas contínua, de aproximação com os EUA. Esse movimento, iniciado com a assinatura de importantes acordos comerciais, acabou levando à colaboração entre os países na área militar e, afinal, ao alinhamento brasileiro com os americanos na Segunda Guerra.

Nascido em Alegrete (RS), em 15 de fevereiro de 1894, Oswaldo Euclides de Sousa Aranha formou-se pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, em 1916.

Começou a carreira política em 1925, como intendente de Alegrete. Dois anos mais tarde, elegeu-se deputado federal pelo Partido Republicano Rio-grandense. No ano seguinte, com a posse de Getúlio Vargas no governo do Rio Grande do Sul, foi nomeado secretário estadual do Interior e Justiça.

ONU deve decidir amanhã se exigirá vacinação para Assembleia-Geral, o que poderia barrar Bolsonaro

  ONU deve decidir amanhã se exigirá vacinação para Assembleia-Geral, o que poderia barrar Bolsonaro Tradicionalmente, presidente brasileiro é o primeiro a discursar entre os líderes de Estado no mais importante evento multilateral do ano. Bolsonaro, no entanto, afirma não estar vacinado, o que pode ser impeditivoCaso decidam pela obrigatoriedade da imunização, isso poderia barrar a participação do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que oficialmente não está vacinado. Tradicionalmente, o chefe de Estado brasileiro faz o primeiro discurso entre os líderes no evento, marcado para o próximo dia 21.

Foi um dos principais articuladores da Revolução de 1930, que depôs o então presidente Washington Luís —encerrando o período conhecido como República Velha— e levou à ascensão de Getúlio Vargas ao poder. No novo governo, Oswaldo Aranha ocupou inicialmente o Ministério da Justiça.

No final de 1931, assumiu o Ministério da Fazenda, no qual renegociou a dívida externa brasileira e transferiu para o governo federal a condução da política de valorização do café, implementada por meio da compra dos estoques excedentes do produto. Foi nomeado embaixador do Brasil em Washington em 1934, posto no qual permaneceu até 1937.

Em junho de 1953, durante o segundo governo Vargas, voltou a assumir o Ministério da Fazenda. Lá, implementou um programa de recuperação da economia que ficou conhecido como "plano Aranha".

Após o suicídio de Vargas, em 1954, afastou-se da vida pública, retornando a seu escritório de advocacia. Em 1957, durante o governo de Juscelino Kubitscheck, Aranha voltou a chefiar a delegação brasileira na Assembleia Geral da ONU. Morreu em 27 de janeiro de 1960, no Rio de Janeiro.

Mianmar e Afeganistão sem voz na Assembleia Geral da ONU .
Nem Mianmar nem o Afeganistão vão subir à tribuna de palestrantes da Assembleia Geral das Nações, que nesta segunda-feira (27) conclui seus trabalhos em uma sessão que atraiu uma centena de líderes mundiais e dezenas de ministros a Nova York, apesar do risco de covid-19. No programa inicial da ONU, o debate geral seria concluído com Mianmar, Guiné e Afeganistão. O embaixador do Afeganistão Ghulam Isaczai, nomeado pelo Executivo do presidente deposto Ashraf Ghani, retirou-se no último minuto da lista de oradores. O pedido do novo governo talibã para que seu embaixador falasse na tribuna chegou tarde demais.

usr: 1
Isto é interessante!