Brasil Dólar sobe, risco-país desce e PIB anda de lado em 1.000 dias de Bolsonaro

13:41  26 setembro  2021
13:41  26 setembro  2021 Fonte:   poder360.com.br

Comida, gasolina, conta de luz: por que está tudo tão caro no Brasil?

  Comida, gasolina, conta de luz: por que está tudo tão caro no Brasil? Inflação surpreendeu mais uma vez em agosto e veio acima do esperado. Entenda os diferentes fatores que têm se combinado e tirado poder de compra dos brasileiros.Em agosto, mais uma vez, a inflação oficial do país veio acima do esperado. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, medido pelo IBGE, acelerou para 9,68% no acumulado em 12 meses, levando a uma onda de revisões entre os economistas.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chega ao milésimo dia de governo neste domingo (26.set.2021). Alguns dos principais indicadores econômicos estão hoje piores do que estavam quando Bolsonaro assumiu a Presidência –sob a influência direta da pandemia. O Poder360 comparou os últimos dados disponíveis na atual gestão e os números do fim do mandato do ex-presidente Michel Temer, do MDB.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia) em cerimônia no Palácio do Planalto; maioria dos indicadores piorou nos primeiros 1.000 dias de governo © Sérgio Lima/Poder360 O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia) em cerimônia no Palácio do Planalto; maioria dos indicadores piorou nos primeiros 1.000 dias de governo

Se, por um lado, o Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), seguiu os índices globais e subiu com Bolsonaro no comando, por outro, indicadores que deveriam permanecer mais baixos dispararam.

Discurso na ONU 'vai ser em braile', diz Bolsonaro em NY

  Discurso na ONU 'vai ser em braile', diz Bolsonaro em NY Na sua primeira participação na ONU, há dois anos, Bolsonaro fincou os pés nas bases do bolsonarismo em seu primeiro discurso de abertura na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) "vai ser em braile", sem explicar o que quis dizer com a referência ao sistema de leitura tátil para cegos ou pessoas com baixa visão. O presidente fez a declaração a jornalistas nesta manhã, após o tomar o café da manhã no hotel onde está hospedado em Nova York. Foi a única manifestação pública do presidente desde que desembarcou nos Estados Unidos, na tarde de ontem.

É o caso da inflação. Em dezembro de 2018, no fim do governo Temer, o IPCA (Índice Nacional de Preços do Consumidor Amplo) marcava 3,75% no acumulado de 12 meses. Em setembro de 2021, no governo Bolsonaro, a taxa acelerou e alcançou 9,68%.

O dólar também seguiu o ritmo crescente. Em 31 de dezembro de 2018, a moeda estava cotada a R$ 3,88. Já no fechamento do mercado em 24 de setembro de 2021, na última 6ª feira, a moeda bateu R$ 5,34.

Eis o comparativo de como está a economia depois de 1.000 dias de governo Bolsonaro em relação aos últimos dias do governo Michel Temer:

  Dólar sobe, risco-país desce e PIB anda de lado em 1.000 dias de Bolsonaro © Fornecido por Poder360

O ex-secretário do Tesouro Carlos Kawall e o especialista em contas públicas da Tendências Consultoria Fabio Klein analisaram, em entrevista, a evolução dos indicadores caso a caso. Leia os destaques do que eles disseram:

Preços do petróleo recuam 2% com aversão ao risco e fortalecimento do dólar

  Preços do petróleo recuam 2% com aversão ao risco e fortalecimento do dólar Preços do petróleo recuam 2% com aversão ao risco e fortalecimento do dólarNOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram 2% nesta segunda-feira, com os investidores ficando mais avessos ao risco, o que prejudicou os mercados de ações e impulsionou o dólar americano, tornando a commodity mais cara para detentores de outras moedas.

PIB

Kawall “Neste ano, a gente provavelmente volta ao PIB prévio da pandemia. O PIB hoje é inferior ao que tínhamos no pré-pandemia. É um crescimento acumulado muito baixo. A comparação fica prejudicada pela pandemia. A gente não tem uma boa régua para comparar desempenhos econômicos prévios da pandemia com os da pandemia”;

Klein Desde o Temer, a economia tem característica de ser menos puxada pelo setor público e muito mais pelo setor privado. E 2020 foi marcado pela crise da pandemia (…) mesmo assim, o Brasil foi o que teve a menor queda, e parte disso tem a ver com a política de combate à pandemia, tanto fiscal quanto creditícia”.

Taxa de desemprego

Kawall “Mercado de trabalho está bem pior do que estava no final de 2018. A característica dessa crise é que o PIB até vai voltar, no final do ano ou início do ano que vem, ao nível prévio. Mas o emprego não. A crise pega muito fortemente o setor de serviços, que é muito empregador. Vai demorar mais para se recuperar, e o setor de bens que explodiu na pandemia é menos empregador. Essa volta do PIB com uma composição diferente, e desfavorável aos serviços, é destruidora de empregos”;

Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz "tratamento precoce"

  Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz Em discurso, presidente critica passaporte de vacinação, reclama que outros países não usam coquetel de drogas ineficazes que ele promove e mente que Brasil estava "à beira do socialismo" antes do seu governo.O presidente Jair Bolsonaro usou nesta terça-feira (21/09) seu discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas para defender o desacreditado "tratamento precoce" promovido pelo seu governo, que consiste num coquetel de drogas ineficazes contra a covid-19, e para atacar o passaporte sanitário.

Klein “Não estamos conseguindo sair do patamar de 14%, tornando difícil um mercado de trabalho mais robusto. Tivemos medidas do Temer que tentaram avançar, como a reforma trabalhista, e também algumas tentativas de Bolsonaro que não vingaram, como a carteira verde e amarela. Ainda que tenham tido alguma tentativa, nada vingou. A medida mais concreta foi a desoneração da folha”.

Inflação

Kawall “O cenário é claramente pior. Em 2019, 2020 e 2021 tivemos uma inflação muito maior do que em 2016, 2017 e 2018, que foram anos de inflação na média baixa. Esse foi um destaque do governo Temer, que não teve um crescimento muito expressivo, mas por outro lado a gente passou a ter uma taxa de juros muito mais baixa, uma inflação mais baixa. Em 2021 a gente caminha para uma inflação de 8,7%, mas já acumulou no ano uma taxa inflacionária muito alta, acima dos anos anteriores. Afeta a população de baixa renda e leva o Banco Central a ter que subir os juros”;

Klein “A inflação que acontece no Brasil acontece no mundo inteiro, mas no Brasil está um pouco mais intenso. Aqui, começou a dar sinais de crescimento em meados do 2º semestre de 2020. Vinha caindo e, a partir daí, começa a subir de novo”;

Analistas criticam discurso de Bolsonaro na ONU voltado para público interno

  Analistas criticam discurso de Bolsonaro na ONU voltado para público interno Defesa do ‘tratamento precoce’ e da vacina não obrigatória é sinal de que prioridade é a base do presidente, avaliam especialistasQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

Dólar

Kawall “Você praticar juros estruturalmente mais baixo é um processo que veio do governo Temer e se consolidou até esse momento no governo Bolsonaro. Com juro estrutural mais baixo, a sua moeda tende a ser mais baixa. O lado vicioso é o dólar subir por conta do aumento do risco fiscal, e aí tem esse flerte com o populismo fiscal. No momento do ano em que o risco político foi menor, no 2º trimestre, nós tivemos um dólar recuando para baixo de 5. Então isso é o que seria de se esperar se não houvesse um risco político em elevação”

Klein “O nosso câmbio depreciou mais que o de outros pares. As características do Brasil mostram que não estamos resolvendo alguns problemas, que têm a ver com a política. Têm a ver com o fato de que — do ponto de vista do investidor estrangeiro — se a economia cresce pouco, com taxa de juros baixa e fraca, ainda com riscos estruturais e políticos, o risco-retorno do Brasil não fica tão vantajoso”.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes (à esquerda), durante posse do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (à direita), em fevereiro de 2019 © Marcos Corrêa/PR O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes (à esquerda), durante posse do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (à direita), em fevereiro de 2019

Juros

Kawall “Os juros vão ter que subir para níveis maiores do que os que o governo Temer entregou. É inevitável que essa história negativa no campo da inflação e do juro também afete a oferta de crédito”;

Italo Ferreira desce a ladeira da Laje da Jaguá

  Italo Ferreira desce a ladeira da Laje da Jaguá Em viagem por Santa Catarina, Italo Ferreira, foi conhecer de perto a famosa onda da Laje da Jaguá, em Jaguaruna. A princípio, o potiguar campeão do mundo e primeiro medalhista olímpico de surf da história, iria surfa a onda da Praia do Cardoso, no Farol de Santa Marta, porém, as condições não estavam boas. Foi […] The post Italo Ferreira desce a ladeira da Laje da Jaguá appeared first on HARDCORE.

Klein “O Banco Central vinha numa política flexível. Mas a inflação ganhou força e agora estamos correndo atrás do prejuízo. O IPCA-15 só confirmou que temos que aumentar juros mesmo. Demanda reprimida, reação da atividade econômica, mas mercado de trabalho e economia abaixo do potencial de crescimento”.

Dívida pública

Kawall “Em 2019 houve o 1º recuo da relação dívida/PIB desde o governo Dilma, quando a gente teve a explosão da dívida. Veio a pandemia e ela sobe mais, mas no final de 2021, a expectativa é que ela vá se situar em 82% do PIB. Um nível que é 5 ou 6 pontos percentuais do PIB acima do pré-pandemia, o que é extremamente surpreendente, dado os deficits que tivemos em 2020”;

Klein “Em 2020, explodiu. Se prioridade número 1 é abaixar a curva de contágio, no Brasil, a número 2 é baixar a curva da dívida. Já era elevada, está mais ainda. Combinada com inflação, juros, câmbio, o serviço da dívida será mais pesado. Por enquanto, não estamos vendo sinais animadores em termos de reformas fiscais novas. Pelo contrário, flexibilização de regras, o que não gera segurança”.

Produção de veículos

Kawall “A gente tem uma situação muito anômala porque não tem nem oferta suficiente para atender a demanda, por conta da cadeia de suprimentos. Num 1º momento isso não é um problema. Mas será assim que essa cadeia se normalizar”;

Klein “O que estava sendo positivo para o consumo de bens duráveis, com taxa de juros baixa e crédito, agora está saindo do radar. Perspectiva para 2022 tem sido cada vez pior. Esses fatores pioram a perspectiva de crescimento”.

US Open: Lucas Silveira termina em 5º em Huntington Beach

  US Open: Lucas Silveira termina em 5º em Huntington Beach Lucas Silveria foi o melhor brasileiro na etapa de estreia do Challenger Series, o US Open of Surfing, encerrado no domingo (26) em Huntington Beach, Califórnia (EUA). Lucas foi barrado pelo japonês Kanoa Igarashi, medalha de prata nas olimpíadas de Tóquio, nas quartas de final, mas por pouco. O brasileiro surfou muito bem e chegou a […] The post US Open: Lucas Silveira termina em 5º em Huntington Beach appeared first on HARDCORE.

Saldo da balança

Kawall “Evolução é positiva. Em 2019, a gente estava com um deficit externo bastante elevado, aí vem pandemia, alta de preço de commodities e hoje estamos com deficit em conta corrente inferior a 1% do PIB. Houve um progresso, as contas externas estão muito boas”;

Klein “A balança comercial está se valendo muito da questão das commodities, do superciclo de commodities. Isso ajudou muito a balança”.

Litro da gasolina e botijão de gás

Kawall “É um preço político em quase todos os lugares do mundo, especialmente quando você tem o suprimento por empresa estatal. O grande problema é o dólar. O preço lá fora subir e descer é natural. Mas, normalmente quando os preços sobem, as moedas emergentes desvalorizam. Então há um contraponto que não está acontecendo dessa vez por conta, em grande medida, desse componente de risco. Há uma questão de alta do custo energético que é global. Está afetando muito a Europa, preço de gás natural subindo, custo de energia subido muito. Inclusive alguns governos estão subsidiando o custo da energia na Europa”.

Klein “Com a mudança de administração na Petrobras e a tentação de interferir nos preços, como na redução de PIS/Cofins, há a característica de intervenção politica e estatal numa empresa que é S.A. Se tem ação na Bolsa, esse movimento não ajuda. Está tendo problema de alta de preço. Mas tem um componente externo importante: o câmbio. E o câmbio reflete a política. Então, o tiro pode acabar saindo pela culatra. Com o governo pressionado, movimentos populistas afastam a responsabilidade fiscal”.

BOLSONARO: “ECONOMIA NÃO VAI PARAR”

Em uma de suas mais recentes declarações, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que a economia brasileira “não pode e não vai parar”. Deu a declaração em 18 de setembro, em Brasília. O chefe do Executivo acrescentou que a equipe de ministros vai “muito bem” e fez uma analogia com o futebol para descartar uma troca de “técnico”.

“Nossa economia não pode e não vai parar. [Quero] dizer a vocês, a gente faz analogia com futebol, quando um time não está indo bem, a gente pensa logo em trocar o técnico. O meu time está indo muito bem”, declarou.

Com Lula como favorito para derrotar Bolsonaro, o PT de fato quer o impeachment? .
Esquerda volta às ruas pelo ‘Fora, Bolsonaro’ neste sábado.Desconfianças de ambos os lados têm dificultado unificar as mobilizações em uma frente ampla contra o presidente, o que, na leitura de alguns analistas políticos, acaba reduzindo a capacidade desses atos de pressionar o Congresso Nacional — a decisão de iniciar um processo depende do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que hoje lidera uma ampla base de deputados da centro-direita avessa ao impeachment de Bolsonaro, já que tem sido beneficiada por cargos e verbas federais para seus redutos eleitorais.

usr: 1
Isto é interessante!