Brasil Grandes empresas pedem que Brasil busque protagonismo na agenda verde

15:31  27 setembro  2021
15:31  27 setembro  2021 Fonte:   poder360.com.br

A agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável não será cumprida

  A agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável não será cumprida Para representante da Unesco, o aumento da pobreza, do racismo, e uma iminente catástrofe educacional impedirão a conclusão dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU.DINHEIRO — Qual é a sua agenda à frente da Unesco Brasil?

Um grupo de 106 empresas nacionais e estrangeiras, além de 10 associações setoriais, juntaram-se para pedir que o Brasil tenha protagonismo nas negociações climáticas. Os empresários também pedem que o país assuma objetivos de proteção ambiental mais ambiciosos.

Brasil é 7º maior emissor de gases do efeito estufa © Sam Jotham Sutharson/Unsplash Brasil é 7º maior emissor de gases do efeito estufa

O documento será levado à COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021), que será realizada em Glasgow, na Escócia, em novembro. Antes disso, a carta será apresentada ao governo brasileiro.

Na carta, empresas como o Bradesco, Natura, BRF, Nestlé, Amazon, Ipiranga e Bayer, afirmam que o protagonismo brasileiro na questão climática é uma tradição e que uma mudança nesse ponto traria prejuízos ao país. “O Brasil deve manter a sua centralidade nesse diálogo, sob pena do enorme prejuízo ao setor produtivo e à sociedade brasileira”, afirma o documento, segundo o jornal O Estado de S.Paulo, que teve acesso à carta.

Mercado regulado de carbono é bom para o Brasil, defende CNI

  Mercado regulado de carbono é bom para o Brasil, defende CNI Futebol

A iniciativa é chamada de “Empresários pelo Clima” e é organizada pelo CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável). Segundo o jornal, o grupo está tentando uma reunião com os ministros Carlos França (Relações Exteriores), Paulo Guedes (Economia), Joaquim Leite (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Os empresários pedem que “objetivos climáticos ambiciosos” devem ser tomados pelo Brasil na COP26. Para os presidentes das empresas nacionais e internacionais o futuro é uma economia de baixo carbono e, nesse sentido, o Brasil “vantagens comparativas extraordinárias”.

O pedido por protagonismo e o embarque do país na “nova realidade global de economia climática” ocorre depois do Brasil ficar de fora do Fórum das Grandes Economias sobre Energia e Clima, organizado pelos Estados Unidos, em 17 de setembro. Participaram os seguintes países: Argentina, México, Bangladesh, Indonésia, Coreia do Sul, Reino Unido, o Conselho Europeu e a Comissão Europeia e a ONU (Organização das Nações Unidas).

Apesar de ser um país-chave para a questão climáticas, com a floresta Amazônica e ser o 7º território com mais emissões de gases do feito estufa, o Brasil não foi convidado. No evento anterior liderado pelos Estados Unidos, a Cúpula de Líderes pelo Clima, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi um dos palestrantes.

Escritório do Panamá opera offshores para mais de 160 políticos na AL .
Entre os clientes do Alcogal, estão Odebrecht, ex-diretor da Petrobras e ex-presidente da CBFO Alcogal criou empresas em paraísos fiscais para ao menos 160 políticos, funcionários públicos e empresários latino-americanos nos últimos anos. Na lista, estão nomes brasileiros envolvidos em escândalos de corrupção, como a Odebrecht, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) José María Marin.

usr: 8
Isto é interessante!