Brasil Temer diz não ter falado com Bolsonaro sobre eventual prisão de Carlos

17:51  01 outubro  2021
17:51  01 outubro  2021 Fonte:   poder360.com.br

Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz "tratamento precoce"

  Na ONU, Bolsonaro defende ineficaz Em discurso, presidente critica passaporte de vacinação, reclama que outros países não usam coquetel de drogas ineficazes que ele promove e mente que Brasil estava "à beira do socialismo" antes do seu governo.O presidente Jair Bolsonaro usou nesta terça-feira (21/09) seu discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas para defender o desacreditado "tratamento precoce" promovido pelo seu governo, que consiste num coquetel de drogas ineficazes contra a covid-19, e para atacar o passaporte sanitário.

O ex-presidente Michel Temer (MDB) afirmou não ter conversado com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre eventual pedido do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes para prisão do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

A história do suposto aviso de Temer foi divulgada no Twitter pelo deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) na 4ª e 5ª feiras (29 e 30.set). Leia a sequência de postagens abaixo.

Mentira absoluta”, disse Temer à coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo. “Não houve uma única palavra sobre qualquer filho do presidente, absolutamente nada”, continua o ex-presidente. Temer classifica a narrativa como “um exagero brutal, uma coisa triste, falsa, desagradável”.

Analistas criticam discurso de Bolsonaro na ONU voltado para público interno

  Analistas criticam discurso de Bolsonaro na ONU voltado para público interno Defesa do ‘tratamento precoce’ e da vacina não obrigatória é sinal de que prioridade é a base do presidente, avaliam especialistasQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

Segundo Temer, o encontro entre ele e Bolsonaro –que culminou na divulgação de uma “declaração à nação” pelo chefe do Executivo –tinha como objetivo apenas “a distensão que todos queriam”.

No texto, Bolsonaro diz que nunca teve “nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes” e que os ataques feitos a Alexandre de Moraes no 7 de Setembro “decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”.

Segundo Paulo Pimenta, o presidente teria sido informado por Temer de que Moraes estaria preparando pedido de prisão de Carlos. O chefe do Executivo teria, então, ligado ao magistrado.

O Machão aos prantos ligou para Alexandre de Moraes, implorando, pedindo perdão, e prometendo ‘nunca mais’ ofender o STF ou seus Ministros. Quem assistiu relata a patética e vergonhosa cena”, escreveu Pimenta na rede social.

Com investigação contra Flávio travada, MP fecha cerco sobre Carlos Bolsonaro: entenda

  Com investigação contra Flávio travada, MP fecha cerco sobre Carlos Bolsonaro: entenda Em decisão que determinou quebra de sigilo, vereador é citado como chefe de organização criminosaAmbos são suspeitos de ter enriquecido a partir do desvio de salários de funcionários fantasmas (que não trabalham de fato) em seus gabinetes legislativos, esquema conhecido popularmente como "rachadinha".

Bolsonaro também se comprometeu que Carluxo iria se ‘comportar’ e parar com os ataques contra a corte. De lá para cá, não ouvimos mais um pio do 02.

Eis a sequência publicada nessa 4ª feira (29.set.2021):

Eis a sequência publicada nessa 5ª feira (30.set.2021):

O deputado voltou ao assunto nesta 6ª feira (1º.out). Pediu que a jornalista da Folha de S. Paulo fizesse uma série de perguntas a Temer.

Por quê ele ligou para Bolsonaro? Partiu dele a iniciativa? Alguém ligou para ele pedindo que ligasse para Bolsonaro? Quem foi? Qual o argumento usado para sensibilizar Bolsonaro a publicar uma carta pedindo perdão depois de tudo que ele disse?”, escreveu no Twitter.

Leia outras postagens de Paulo Pimenta nesta 6ª feira (1º.out):

'Eu era um policial corrupto que vendia drogas' .
Wayne Jenkins liderou uma força-tarefa corrupta que foi presa por uma longa lista de crimes. Agora, em uma entrevista exclusiva para a BBC, ele explica os motivos e detalhes de como o grupo agia nos Estados Unidos."Estou no meu 'estúdio de rádio' pandêmico - também conhecido como o armário do meu apartamento - cercado por cabides segurando camisas de botão e vestidos. Estou olhando para o meu celular no escuro. Ele está apoiado em uma mala em cima de um tubo de plástico, e estou segurando meu gravador e microfone.

usr: 1
Isto é interessante!