Brasil Com incerteza sobre safra brasileira, preços do café disparam ao redor do mundo

14:05  10 outubro  2021
14:05  10 outubro  2021 Fonte:   poder360.com.br

De chips a navios, escassez faz inflação persistir

  De chips a navios, escassez faz inflação persistir De chips a navios, escassez faz inflação persistirLONDRES (Reuters) - Disparada dos preços do gás, falta de trabalhadores, escassez de navios --as pressões sobre os preços em todo o mundo podem estar aumentando mais rápido do que o previsto, desafiando a visão de que a inflação será transitória.

Extremos climáticos no Brasil, alta nos insumos importados e a falta de contêineres no transporte marítimo global já são os principais responsáveis pela disparada nos preços do café nos próximos meses.

Dados da ICO (Organização Internacional do Café, na sigla em inglês) mostram que o valor cobrado pelo café em todo o mundo cresce desde outubro de 2020 –mas, no Brasil, poucos produtores estão se beneficiando com isso.

Apesar da alta nos preços, o consumo global aumentou: no ano passado, a população mundial comprou 167,2 milhões de sacas –uma alta de 1,9% em relação a 201, segundo a OIC. Para os produtores que veem os preços dispararem –assim como o custo dos insumos e do frete –, o jeito é buscar por alternativas.

Seca freia negócios e muda paisagem no campo

  Seca freia negócios e muda paisagem no campo SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O açude que a família Savatim construiu há 50 anos está totalmente seco pela primeira vez. "Tomamos um susto. A gente já via a água baixando desde o ano passado. Quando chegou abril, fomos levar o gado até lá e já não tinha mais água" conta o estudante Lucas, 20. A família, que é dona de uma pequena propriedade em Tanabi, um pequeno município do noroeste paulista, a cerca de 480 km da capital, vive da produção de queijos. "Os peixes morreram, e agora temos de usar um poço da propriedade para dar água aos animais.

É um reflexo da incerteza: ainda não se sabe quais serão os prejuízos da colheita, prevista para começar em 2022, e da disponibilidade de recursos para a exportação do grão. No cenário interno, a alta demanda e baixa oferta farão com que os supermercados brasileiros aumentem os preços nas prateleiras em até 40%.

A consequência na redução produtiva dos cafezais brasileiros é a alta dos preços pelo mundo. Se no ano passado torrefadores dos EUA compravam um quilo dos grãos por US$ 1,90, em julho os preços subiram para US$ 2,49 a cada 450 gramas, disseram cafeicultores para o jornal New York Times.

O aumento pode acabar com pequenos coffee shops dos EUA, o país que mais compra café do Brasil –ou 19% de toda a produção anual. Atrás está a Alemanha, com 17%. Enquanto grandes companhias, como Starbucks e Nestlé, garantiram seus estoques por até 18 meses de antecedência, pequenas empresas serão obrigadas a aumentar os preços –com o risco iminente de perder espaço para a concorrência.

Podcast de restaurante fala sobre comida com celebridades

  Podcast de restaurante fala sobre comida com celebridades Londres – Michael Caine frequenta o River Cafe há décadas, jantando com a família, geralmente às quartas ou quintas-feiras, sempre à mesa 4, o lugar mais cobiçado desse consagrado restaurante italiano em Hammersmith. Assim, quando Ruth Rogers, a proprietária americana do River Cafe, criou um novo podcast no qual conversa com convidados famosos sobre o que a comida significa para eles, ela naturalmente procurou Caine. Para Rogers, que é conhecida por todos como Ruthie, ele seria um prato reconfortante para uma podcaster de primeira viagem.

Na Turquia, torrefadores agora buscam novos fornecedores de café na Colômbia, Índia e países africanos para substituir os contêineres de grãos que encareceram no Brasil, registrou a Bloomberg. Mas a dificuldade é geral: a colheita da Colômbia, o maior produtor do café-arábica, também recuou em julho e agosto, segundo a Federação Nacional dos Cafeicultores.

A expectativa da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) é que os grãos, que ainda estão em processo de floração, somem uma produção de 46.878,7 mil sacas – redução de 25,7% em relação à safra passada. Só o grão arábica deve ter a menor colheita em 12 anos. Eis o relatório do monitoramento divulgado em setembro (2 MB).

Na exportação, também há queda. Só nos primeiros 12 dias úteis de setembro, a exportação média do café brasileiro chegou a 158 mil sacas/dia –valor 13,2% menor na comparação com os primeiros 21 dias de setembro de 2020.

IBGE reduz mais uma vez projeção para a safra de grãos, mas prevê recorde na colheita de soja

  IBGE reduz mais uma vez projeção para a safra de grãos, mas prevê recorde na colheita de soja Sob efeito da estiagem, a produção do País este ano deve somar 250,9 toneladas, 1,3% a menos que o total colhido em 2020RIO - Os efeitos da estiagem sobre as lavouras ainda reduzem as estimativas para a safra brasileira de grãos deste ano. A produção deve totalizar 250,9 milhões de toneladas, um recuo de 1,3%, o equivalente a 3,2 milhões de toneladas a menos que o colhido em 2020, segundo os dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de setembro, divulgado nesta quinta-feira, 7, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Até serem colhidos e enviados para o exterior, as bolsas de Londres e Nova York –importantes termômetros dos preços do commodity –impulsionam o valor dos grãos usados para a bebida.

O desafio do clima

Períodos de geadas e calor extremo nas regiões sul e sudeste estão tirando o sono da grande maioria dos cafeicultores brasileiros. A safra de 2022 já deve ser menor que a anterior pela característica da planta, que alterna entre grandes e curtas produções, mas as disfunções climáticas de 2021 dão motivo para aumentar a apreensão.

A planta do café é sensível a mudanças bruscas de temperatura –seu clima ideal é entre 18ºC e 23ºC. Além da alta nos termômetros, o déficit hídrico em Minas Gerais, que produz 53% do café brasileiro, deve prejudicar a plantação de até 174 mil hectares da cultura, segundo a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural).

Como o grão ainda está em floração, é difícil precisar a proporção de cafezais afetada. Em seu relatório (137 KB) de setembro, a Abic (Associação Brasileira da Indústria do Café) estimou uma safra 37% inferior que a do ano passado.

Europa: falta de gás e alta dos preços da energia podem impulsionar renováveis no bloco

  Europa: falta de gás e alta dos preços da energia podem impulsionar renováveis no bloco A disparada dos preços do gás e da energia na Europa poderão impulsionar o bloco a acelerar a transição energética verde para diminuir a dependência das importações, principalmente da Rússia. Os países europeus buscam uma coordenação para responder à diminuição do fornecimento do produto, em um contexto de aumento da demanda mundial pela retomada econômica da pandemia. Puxada pela demanda chinesa, o preço do gás se multiplicou por oito em seis meses na Europa e impacta no valor da energia elétrica. A Rússia, tradicional fornecedora, tem exportado a conta-gotas o gás para os europeus.

“A queda na produção para a próxima safra é uma certeza, só não sabemos ao certo o quanto será afetado”, disse Celírio Inácio, diretor-executivo da Abic. “Agora estamos monitorando a florada. Estamos com boas expectativas, já choveu bastante, mas ainda é cedo para ter certeza de que será uma boa produção”.

O desafio do frete marítimo

Ao fechar vários de seus portos no início da pandemia, a China afetou o embarque de milhões de produtos ao redor do mundo. A mudança nos fluxos de exportação e importação à época deixou impactos na cadeia que perduram até hoje.

Com a alta demanda de contêineres nos portos da UE (União Europeia) e Ásia, os principais meios de armazenamento do transporte marítimo do mundo não estão circulando –ou, se estão, tornaram-se muito mais caros.

Com a centralização de contêineres do outro lado do mundo, os exportadores brasileiros já viram um aumento significativo nos preços. Segundo o índice composto da empresa de consultoria britânica Drewry Shipping, enviar mercadorias em contêineres custa, em média, US$ 10,1 mil (cerca de R$ 56 mil) a cada 12 metros. O valor subiu 289% em 1 ano.

Os impasses logísticos no transporte marítimo impediram que o Brasil exportasse até 3,5 milhões de sacas de 60 kg de café entre maio e agosto de 2021, segundo o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil). É o equivalente a US$ 500 milhões deixando de entrar no país.

Ministério da Agricultura contraria Bolsonaro e não vê risco de falta de alimentos

  Ministério da Agricultura contraria Bolsonaro e não vê risco de falta de alimentos BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Agricultura monitora potenciais riscos à produção agrícola brasileira, mas não vê cenário de desabastecimento no ano que vem, contrariando uma previsão apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A pasta reconhece como problema enfrentado pelos agricultores a escalada do preço dos fertilizantes, amplamente usados no plantio brasileiro. A elevação dos valores tem como fatores a alta do dólar e um choque de oferta da China, maior fabricante de nitrogenados do mundo, que tem sofrido com altos preços de energia.

Entre julho e agosto, o volume de café exportado pelo Brasil caiu para 5,54 milhões de sacas, redução de 18,7%. O principal motivo: questões logísticas.

O transporte de commodities ocorre sobretudo por contêineres, aponta Débora de Paula Costa, presidente institucional da Domani Consultoria Internacional, vinculada à UnB (Universidade de Brasília).

“Pensar outras formas de armazenar commodities, além dos navios, é desafiador. O transporte aéreo é muitíssimo mais caro”, afirmou. Para enviar 300 sacas de 30 kg por avião, custaria US$ 1,30 o quilo. De navio, o preço médio é US$ 0,15 o quilo –uma diferença de 767%.

Diferente de outras commodities agrícolas, o café é exportado em contêineres e não em grandes navios graneleiros. O mesmo ocorre com o açúcar, cujo preço da saca de 50 quilos está em R$ 135,21 –até o,58% maior que o de 2020.

O desafio dos insumos mais caros

Outro desafio que colabora para expandir os preços do café é a alta no preço dos insumos, como adubos e pesticidas. Como grande parte desses materiais vem da China e de Belarus, a alta nos custos dos fretes marítimos também está impedindo que cheguem plenamente ao país.

“Os preços dos insumos estão absurdamente altos, assim como os da lavoura, da energia… Os problemas políticos também colaboram com a insegurança, já que o reflexo é o aumento dos preços dos commodities nas bolsas de valores, como Londres e Nova York”, disse Inácio.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, convocou a indústria brasileira de insumos agropecuários para tratar sobre a falta de defensivos e fertilizantes no país na 5ª feira (7.out). Ela disse que o governo brasileiro quer intensificar as tratativas com parceiros comerciais para evitar riscos de desabastecimento nesses produtos em 2022.

O que há por vir

Como tudo que é raro é caro, muitos produtores já começaram a estocar os grãos nas cooperativas. “Estão esperando uma decisão do mercado para colocar mais café à disposição”, afirmou o diretor da Abic.

“A expectativa era de aumento [no preço] de até 40% nos últimos 2 meses, mas os atacados e distribuidores perceberam e estocaram. Então existe um manuseio diante do preço médio que havia antes, o que faz com que não seja repassado de uma só vez ao consumidor”.

Os 5 maiores compradores da agroindústria cafeeira de Cláudio Coutinho, de Sobradinho, no Distrito Federal, fecharam durante a pandemia, antes mesmo dos preços do café saltarem no mundo. Para dar conta da produção, a empresa, que antes só vendia para pessoas jurídicas, abriu canais de venda direta. “Por causa disso, temos uma perspectiva mais positiva”, disse Coutinho.

Preços se mantêm em alta nos EUA e inflação marca 5,4% em 12 meses .
Os americanos enfrentaram em setembro um aumento importante dos preços, que traz de volta a preocupação com a inflação em um momento em que o mundo sofre com problemas de abastecimento. Após se moderar por dois meses, a inflação voltou a subir 0,4% em setembro com relação a agosto, quando tinha registrado uma queda a 0,3%, segundo o índice de preços do consumo, CPI, publicado nesta quarta-feira (13) pelo Departamento do Trabalho. Mais da metadeApós se moderar por dois meses, a inflação voltou a subir 0,4% em setembro com relação a agosto, quando tinha registrado uma queda a 0,3%, segundo o índice de preços do consumo, CPI, publicado nesta quarta-feira (13) pelo Departamento do Trabalho.

usr: 5
Isto é interessante!