Brasil Moraes mantém prisão de Jefferson e ordena retorno ao presídio

04:58  14 outubro  2021
04:58  14 outubro  2021 Fonte:   poder360.com.br

Operação cumpre 328 mandados contra o tráfico de drogas em Minas

  Operação cumpre 328 mandados contra o tráfico de drogas em Minas Promotoria informa que crimes eram articulados de dentro de unidades prisionais mineiras por 13 organizações criminosas . A operação também tem como objetivo frear a entrada de smartphones nas penitenciárias.A Justiça expediu 328 mandados no âmbito da operação: 156 de prisão e 172 de busca e apreensão, segundo o MP.

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), manteve nesta 4ª feira (13.out.2021) a prisão preventiva do ex-deputado Roberto Jefferson. O magistrado também ordenou que o político volte ao presídio Bangu 8, no Rio de Janeiro, depois de receber alta hospitalar.

Jefferson foi preso em 13 de agosto por suposta participação em uma organização criminosa que atuaria para desestabilizar a democracia e divulgar mentiras sobre ministros do Supremo. De início, foi encaminhado a Bangu. Em 4 de setembro, no entanto, Moraes autorizou o político a deixar a prisão para fazer tratamento médico no Hospital Samaritano Barra.

STF marca para 15 de outubro julgamento sobre prisão de Roberto Jefferson

  STF marca para 15 de outubro julgamento sobre prisão de Roberto Jefferson Caso será analisado no plenário virtual até 22 de outubro; ex-deputado foi preso por ordem de Alexandre de MoraesO político é investigado por suposta participação em uma organização criminosa digital que teria o objetivo de atacar integrantes do Supremo e a democracia. O relator do pedido de soltura é o ministro Edson Fachin.

De acordo com o ministro, a prisão deve ser mantida para a garantia da ordem pública e o devido prosseguimento do processo. Eis a íntegra da decisão do ministro (108 KB).

“Diante das informações de que o quadro de saúde de Roberto Jefferson evoluiu de modo a permitir sua alta médico-hospitalar, conforme consignado pelo Hospital Samaritano Barra – local indicado pelo próprio custodiado para o seu tratamento -, é certo que o retorno ao cárcere, neste momento processual, é a medida que se impõe, desde que, efetivamente, a alta hospitalar seja concedida pela equipe médica”, disse.

O Samaritano informou à PF que Jefferson tem condições de ter alta desde a semana passada. O hospital também reclamou dos custos com vigilância desde que o político foi transferido ao local.

Alexandre de Moraes prorroga inquéritos ligados a Bolsonaro

  Alexandre de Moraes prorroga inquéritos ligados a Bolsonaro Investigações sobre milícias digitais e suposta interferência do presidente na Polícia Federal serão estendidas por mais 90 dias. Segundo STF, um dos motivos é porque há "diligências em andamento".O juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes prorrogou nesta segunda-feira (11/10) por mais 90 dias os inquéritos que investigam milícias digitais ligadas a Jair Bolsonaro e a suposta interferência do presidente na Polícia Federal (PF).

​​“O hospital vem custeando, há quase 35 dias, um posto de vigilância privada, 24 horas por dia, em frente ao quarto do sr. Roberto Jefferson; ocorre que, lamentavelmente, o hospital não tem mais condições de suportar o ônus financeiro e humano decorrente dessa vigilância”, diz o documento.

O hospital também disse não ter “poder de polícia, seja porque não detém condições de garantir a devida segurança ao paciente/custodiado, bem como aos colaboradores e demais pacientes do hospital”. A PF encaminhou o documento ao ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), responsável por decretar a prisão preventiva de Jefferson.

PRISÃO

Moraes determinou a prisão de Jefferson atendendo a um pedido feito pela PF. Dias depois, a PGR enviou a Moraes uma denúncia contra o ex-deputado por supostamente ter impedido o livre exercício dos Poderes, incitado crimes contra a segurança nacional e homofobia.

Suposto coiote fatura com aumento de imigração de brasileiros aos EUA

  Suposto coiote fatura com aumento de imigração de brasileiros aos EUA Suposto coiote fatura com aumento de imigração de brasileiros aos EUABELO HORIZONTE (Reuters) - Números recordes de brasileiros foram presos na fronteira sul dos Estados Unidos este ano, como parte de uma crise imigratória dos EUA. A polícia acredita que uma disputa sobre a guarda de uma criança a levou a um dos contrabandistas que transportam os imigrantes para o norte.

A subprocuradora Lindôra Araújo, que assina a denúncia, diz que Jefferson “incentivou o povo brasileiro a invadir a sede do Senado Federal e a praticar vias de fato em desfavor dos senadores, especificamente dos que integram a CPI da Pandemia, com o intuito de tentar impedir o livre exercício do Poder Legislativo”.

Ela também menciona entrevista dada pelo político ao Jornal da Cidade Online. Nela, Jefferson diz que manifestantes vão “botar fogo no Tribunal Superior Eleitoral, explodir aquele troço”.

“Ao fazê-lo, incentivou o povo brasileiro a destruir, com emprego de substância explosiva, o prédio do Tribunal Superior Eleitoral, patrimônio da União”, afirmou a subprocuradora. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é presidido pelo ministro Roberto Barroso e se vê em uma disputa com o presidente Jair Bolsonaro sobre o voto impresso auditável.

A denúncia foi feita em inquérito aberto no STF para apurar a existência de suposta organização criminosa que atuaria para atacar instituições democráticas. O relator é o ministro Alexandre de Moraes.

​​Ao começar a nova apuração, Moraes disse ter “fortes indícios da existência de uma organização criminosa voltada a promover diversas condutas para desestabilizar e, por que não, destruir os Poderes Legislativo e Judiciário a partir de uma insana lógica de prevalência absoluta de um único poder nas decisões do Estado”.

A investigação da PF mira núcleos de produção, publicação e financiamento de conteúdo “contra a democracia” semelhantes “àqueles identificados” no inquérito das fake news, que também está sob a relatoria de Moraes.

Moraes cita vínculo com invasor do Capitólio ao mandar prender bolsonarista Allan dos Santos .
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), citou um trecho de representação da Polícia Federal que aponta vínculo entre Allan dos Santos e um invasor do Capitólio para embasar a ordem de prisão do blogueiro bolsonarista. A PF afirmou que Santos se mudou para os Estados Unidos recentemente e aderiu à tese de que houve fraude nas eleições dos Estados Unidos de 2020, quando Donald Trump, aliado do presidente Jair Bolsonaro, perdeu a disputa pela reeleição. A detenção foi determinada a pedido da corporação. A PGR (Procuradoria-Geral da República), por sua vez, foi contrária à medida.

usr: 4
Isto é interessante!