Brasil Na reta final, CPI expõe dramas das vítimas da pandemia

02:21  19 outubro  2021
02:21  19 outubro  2021 Fonte:   estadao.com.br

'Já temos 11 crimes de Bolsonaro e vários agravantes', diz Renan sobre relatório final da CPI

  'Já temos 11 crimes de Bolsonaro e vários agravantes', diz Renan sobre relatório final da CPI BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirma que seu texto final terá três personagens centrais: o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e seu braço-direito, o coronel Élcio Franco. Em relação ao chefe do Executivo, a quem chama "mercador da morte", afirma que está clara e comprovada a sua participação em crimes e que por isso não há dúvidas de que será responsabilizado. "Nós já temos a especificação de 11 crimes e vários agravantes", afirma em entrevista à Folha. A previsão é de leitura do relatório no dia 19 de outubro.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

BRASÍLIA - No dia em que o bate-boca político deu lugar à vida real na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, depoimentos de quem perdeu parentes pela doença provocaram emoção na sala de sessões do Senado onde durante seis meses opositores do governo e aliados do presidente Jair Bolsonaro se engalfinharam. Por três horas e meia, nesta segunda-feira, 18, senadores ouviram relatos dramáticos de homens e mulheres que viveram uma guerra, mas foram derrotados pelo coronavírus.

Os depoimentos demonstraram a dor da impotência diante da doença que já tirou mais de 600 mil vidas no País. Em comum, todos apontaram a responsabilidade do governo Bolsonaro pela falta de vacinas, que levou o Brasil a uma situação de descontrole no combate à pandemia.

Veja como vai funcionar a CPI da Prevent Senior na Câmara Municipal de SP; depoimentos começam hoje

  Veja como vai funcionar a CPI da Prevent Senior na Câmara Municipal de SP; depoimentos começam hoje As denúncias contra a empresa, como a suspeita de subnotificação de casos de morte e infectados por covid-19, foram trazidas à tona na reta final da CPI da Covid no Senado , que deve aprovar seu relatório na semana que vem. As duas comissões têm os mesmos poderes de investigação.Nesta quinta-feira, 14, está prevista a primeira sessão com depoimentos à comissão.

Giovanna Gomes Mendes da Silva, estudante de 19 anos, perdeu o pai e a mãe em apenas duas semanas e teve de virar chefe de família, cuidando da irmã oito anos mais nova que ela. "Eu, meus pais e minha irmã éramos muito unidos. Quando meus pais faleceram, a gente perdeu as pessoas que a gente mais amava. A gente não perdeu só os pais, a gente perdeu uma vida. Uma vida de alegria”, disse ela, com a voz embargada.

Ao ouvir Giovanna contar que pediu a guarda da irmã, após a morte dos pais, o intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), que fazia a tradução daquele depoimento, chorou e foi substituído por um colega.

O taxista Márcio Antônio do Nascimento Silva, que perdeu um filho para o coronavírus, afirmou ter sentido “no coração" ao ouvir o presidente Jair Bolsonaro perguntar “E daí? Quer que eu faça o quê?”, em abril do ano passado, quando as mortes por covid haviam ultrapassado a marca de 5 mil.

CPI concentrou holofotes, deixou Pacheco em segundo plano e foi pedra no sapato de Bolsonaro

  CPI concentrou holofotes, deixou Pacheco em segundo plano e foi pedra no sapato de Bolsonaro BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Durante quase seis meses de trabalhos, a CPI da Covid atraiu para si a atenção do Congresso, com sessões midiáticas, bate-bocas e revelações a respeito do enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Também foi questionada por cometer supostos excessos na convocação de depoentes, de exagerar nos pedidos de quebra de sigilos e insistir em teses contra o governo com poucas provas. Apesar das críticas, a comissão tornou-se, em Brasília, o principal contraponto e a pedra no sapato do presidente Jair Bolsonaro, ao combater e explicitar suas práticas negacionistas.

“Eu escutei lá no meu coração: 'E daí que seu filho morreu?'. Isso me gerou muita raiva, muito ódio. Isso me fez muito mal", desabafou Márcio Antônio. “Eu daria a minha vida para o meu filho ter chance de ter se vacinado. Não tinha perspectiva de vacina ainda. Sabe, não tinha ainda máscara”, completou o taxista, que também viu a irmã morrer de covid.

A exemplo de Márcio Antônio, a enfermeira Mayra Pires Lima, do Amazonas, perdeu a irmã para a doença. À CPI, Mayra lembrou o drama vivido com a escassez de equipamentos durante a crise de oxigênio em Manaus, em janeiro deste ano. "Eu tinha um grande sonho de ajudar as grandes calamidades, conhecer outros países que precisam de ajuda e talvez atender pacientes em situações de guerra", afirmou. “Hoje eu falo que eu vivi uma guerra, porque atendi pacientes muitas vezes sem proteção nenhuma, assim como os meus colegas da maternidade".

Leia os principais trechos dos depoimentos:

Giovanna Gomes Mendes da Silva: “Foi uma diferença de 14 dias do meu pai e da minha mãe. Quando meus pais faleceram, a gente não perdeu só os pais, a gente perdeu uma vida. Uma vida de alegria. Eu, meus pais e minha irmã, nós éramos muito unidos, quem conhece sabe. Onde a gente estava, nós estávamos juntos. Então, quando meus pais faleceram, a gente perdeu as coisas que a gente mais amava. Eu precisava da minha irmã e ela precisava de mim. Eu me apoiei nela, e ela se apoiou em mim"

Os 9 crimes de Bolsonaro segundo relatório da CPI - e a manobra governista para tentar blindá-lo

  Os 9 crimes de Bolsonaro segundo relatório da CPI - e a manobra governista para tentar blindá-lo Senador Marcos Rogério tentou manobra para impedir que documento sugerisse indiciamento de Bolsonaro. Porém, pedido foi negado.A manobra, porém, foi rechaçada pelo presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). "O presidente cometeu muitos crimes e vai pagar por eles", disse Aziz.

A estudante Giovanna Gomes Mendes da Silva conta sua história à CPI da Covid. © Edilson Rodrigues/Agência Senado A estudante Giovanna Gomes Mendes da Silva conta sua história à CPI da Covid.

Márcio Antônio do Nascimento Silva: “O que que eu daria, meu Deus, na minha vida? O que eu daria na minha vida? Eu daria a minha vida para o meu filho ter chance de ter se vacinado. Não tinha perspectiva de vacina ainda. Sabe, não tinha ainda máscara. Aí é outra reclamação que eu faço, porque, até hoje, eu não recebi do Ministério da Saúde uma informação correta. Sabe? Eu tive que ter minhas informações através da imprensa, através de pessoas. Meu Deus, o que é isso? O Ministério da Saúde... Eu não sei... Sabe, não me deram informação. Eles tinham que me dizer: "Você tem que usar máscara, você tem que se vacinar". Não é esse o protocolo? Não é isso que a ciência manda? Por que eles não falam? Entendeu?

Agora, outro caso também muito assim... É que dói muito, dói muito! Sabe, eu tenho que falar. Não dá para ver um Ministro da Saúde... Desculpe, Excelência! Mas não dá para vê-lo dando risinho de deboche. Não dá para ver deboche, porque nós perdemos! Eu perdi um filho, não só o filho. Minha irmã morreu no mesmo dia em que sua mãe... Minha irmã morreu no mesmo dia da mãe dela, no dia 26 de abril de 2021. Um ano depois do meu filho, ela não tinha se vacinado ainda, tendo vacina. E aí a gente descobre que as vacinas não chegaram”

Crimes apontados pela CPI desafiam Augusto Aras e testam barreiras políticas que blindam Governo

  Crimes apontados pela CPI desafiam Augusto Aras e testam barreiras políticas que blindam Governo Imputação de nove crimes atribuídos ao presidente ficará nas mãos do procurador, um aliado de Bolsonaro, que pode ser indicado ao STF.Sessenta e seis pessoas e duas empresas foram alvo de pedido de indiciamento no relatório da CPI da Pandemia por diversos tipos de crimes praticados no Brasil durante a maior crise sanitária do século. O documento de mais de 1.000 páginas ainda precisa ser aprovado pelos senadores, mas sua leitura reacendeu o debate sobre quais poderão ser os efeitos práticos deste trabalho no caminho para responsabilizar as autoridades, em especial as do Executivo, pela gestão da pandemia.

O taxista Marcio Antônio relata sua história à CPI da Covid. © Edilson Rodrigues/Agência Senado O taxista Marcio Antônio relata sua história à CPI da Covid.

Mayra Pires Lima: “A minha irmã deixou quatro crianças, entre elas um casal de gêmeos, que fizeram, no dia 8 de outubro, um ano. Só em Manaus nós temos mais de 80 órfãos da covid. Só na minha família são quatro. O que está se fazendo pelos órfãos das vítimas?”

A enfermeira Mayra Pires Lima conta sua história à CPI da Covid. © Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado A enfermeira Mayra Pires Lima conta sua história à CPI da Covid.

Katia Shirlene Castilho dos Santos: "Não são só números. São pessoas, são vidas, são sonhos, são histórias que foram encerradas por negligências, por tantas negligências e nós queremos justiça. O sangue dessas mais de 600 mil vítimas escorre nas mãos de cada um que subestimou esse vírus. A vacina é a única solução para vencermos". (Ela perdeu pai e mãe. Acompanhou a mãe em sua internação na Prevent Senior, em São Paulo, e o tratamento recebido pelo kit covid).

Kátia Shirlene Castilho dos Santos conta a sua história da CPI da Covid.  © Edilson Rodrigues/Agência Senado Kátia Shirlene Castilho dos Santos conta a sua história da CPI da Covid.

Rosane Maria dos Santos Brandão: "Eu costumo dizer que ele (marido) foi assassinado. Os primeiros sintomas, o Bola teve no dia 11 de abril; foi hospitalizado no dia 16, e esse foi o último dia em que eu vi o meu companheiro de 21 anos de vida juntos. Ele morreu no dia 26 de abril (de 2021)".

CPI da Covid pede indiciamento de 81; veja quem é quem e seus possíveis crimes

  CPI da Covid pede indiciamento de 81; veja quem é quem e seus possíveis crimes CPI da Covid pede indiciamento de 81; veja quem é quem e seus possíveis crimesEntre os crimes considerados estão crime de epidemia, infração de medida sanitária, charlatanismo e crimes de responsabilidade.

Rosane Maria dos Santos Brandão viu o marido falecer por causa da covid-19. © Edilson Rodrigues/Agência Senado Rosane Maria dos Santos Brandão viu o marido falecer por causa da covid-19.

Arquivaldo Leão Leite: "Nós fomos, em vários momentos, hostilizados por setores da sociedade que eram levados pela liderança presidencial". (Ele perdeu dois primos, um tio e um irmão para o coronavírus. Afirmou ter sido hostilizado por seguir medidas de isolamento social).

O jornalista Arquivaldo Leão Leite conta sua história à CPI da Covid. © Edilson Rodrigues/Agência Senado O jornalista Arquivaldo Leão Leite conta sua história à CPI da Covid.

CPI troca elogios com Aras, mobiliza Congresso e mantém força-tarefa para responsabilizar Bolsonaro .
CPI troca elogios com Aras, mobiliza Congresso e mantém força-tarefa para responsabilizar Bolsonaro , também manterão contato com juristas que colaboraram para a elaboração do relatório, em particular prestando auxílio em outras frentes, como na proposição de denúncia contra o presidente no Tribunal Penal Internacional.Um projeto de resolução que cria formalmente a chamada Frente Parlamentar Observatório da Pandemia de Covid-19, mecanismo previsto no regimento do Senado, foi proposto pelo vice-presidente da CPI.

usr: 5
Isto é interessante!