Brasil Procuradoria investigará presidente do Equador por fraude tributária após Pandora Papers

04:51  22 outubro  2021
04:51  22 outubro  2021 Fonte:   folha.uol.com.br

Oposição pretende usar 'Pandora Papers' para destituir Lasso, diz ministra do Equador

  Oposição pretende usar 'Pandora Papers' para destituir Lasso, diz ministra do Equador A ministra de Governo do Equador, Alexandra Vela, disse nesta terça-feira (12) que a oposição no Congresso que investigará as citações envolvendo o presidente Guillermo Lasso nos "Pandora Papers", pretende lavá-lo a um julgamento político. A Comissão de Garantias Constitucionais do Legislativo, "tem como objetivo chegar a um julgamento político contra presidente da república", disse Vela à emissora Teleamazonas. A ministra acrescentou que isso pode levar a "uma crise política" no país. Um julgamento político, segundo a legislação equatoriana, resultar na destituição de um funcionário.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Procuradoria-Geral do Equador anunciou nesta quinta-feira (21) a abertura de uma investigação preliminar por fraude tributária contra o presidente Guillermo Lasso, após o líder da oposição, Yaku Perez, apresentar acusações ligadas à apuração jornalística Pandora Papers.

A série de reportagens publicada pelo ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos) revelou operações em paraísos fiscais de ao menos 35 líderes mundiais, Lasso entre eles.

O presidente, ex-banqueiro de direita que assumiu o comando do país em maio deste ano, controlou 14 sociedades offshore, a maioria com sede no Panamá, segundo os Pandora Papers. Offshore é um termo em inglês usado para definir uma empresa aberta em outros países, normalmente locais onde as regras tributárias são menos rígidas e não é necessário declarar o dono, a origem e o destino do dinheiro.

Oposição pede impeachment de presidente do Chile por offshore

  Oposição pede impeachment de presidente do Chile por offshore Oposição pede impeachment de presidente do Chile por offshore Nos documentos, o mandatário aparece como dono de duas empresas offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal no Caribe. O deputado Tomás Hirsch afirmou que o chefe de Estado usou “o cargo para negócios pessoais”.

Por isso, o ex-candidato presidencial e líder indígena pediu uma investigação das finanças do atual mandatário. Perez instou investigadores a buscarem contas em nome de Lasso e seus parentes mais próximos desde 2013, quando ele era candidato à Presidência. Segundo a Procuradoria-Geral, a apuração foi aberta em 18 de outubro.

O gabinete presidencial ainda não se pronunciou, mas Lasso já havia questionado os Pandora Papers, descrevendo como "informação antiga e fora de contexto". Ele acrescentou ainda que deixou o comando das empresas mencionadas em 2017, quando concorreu à Presidência novamente.

Isso ocorreu depois que o então presidente Rafael Correa (2007-2017) aprovou uma lei, em 2017, que proibia que candidatos presidenciais tivessem empresas em paraísos fiscais.

Sebastián Piñera, o rico empresário superado por um Chile turbulento

  Sebastián Piñera, o rico empresário superado por um Chile turbulento O presidente de Chile, Sebastián Piñera, um hábil empresário e bilionário, chegou a uma encruzilhada na reta final de seu segundo governo, marcado por uma convulsão social, uma crise econômica e sanitária, e, agora, envolto em incertezas por um processo de impeachment. O caso levou o Ministério Público a abrir uma investigação criminal contra o chefe de Estado e a oposição a apresentar nesta quarta-feira (13) uma acusação constitucional contra ele, o primeiro passo de um processo de impeachment.No poder desde março de 2018, o presidente garantiu que a acusação apresentada pela oposição de centro-esquerda, que controla a Câmara dos Deputados, não tinha "nenhum fundamento".

A Assembleia Nacional, que vive momento de embate com o presidente, também investiga as empresas mencionadas nos Pandora Papers. Lasso foi intimado por uma comissão nesta quarta (20) para apresentar explicações. Ele, no entanto, não compareceu à sessão e disse que não atenderá a outro pedido para se apresentar nesta sexta (22).

A tensão com o Legislativo se deve, em parte, ao fato de a Assembleia rejeitar debater reformas apresentadas pelo Executivo que atingem as áreas trabalhista e tributária, além de mudanças nas leis de herança e de comunicações.

Lasso atribui articulações contra ele na Casa a um "triunvirato de conspiradores": o ex-presidente Rafael Correa, seu principal rival; o influente político da democracia cristã Jaime Nebot, que chegou a apoiá-lo; o líder indígena Leonidas Iza, protagonista das revoltas de 2019.

Além disso, o presidente enfrenta uma onda de violência, com rebeliões em presídios, e ações do narcotráfico. Lasso usou essas duas justificativas nesta semana para decretar estado de exceção por 60 dias, com o Exército nas ruas com mandado para atuar na segurança pública.

Oposição chilena pede impeachment de Sebastián Piñera

  Oposição chilena pede impeachment de Sebastián Piñera Presidente do país teve nome citado nos Pandora Papers e foi acusado de conflito de interesses na venda de uma mineradora. Processo deve passar pela Câmara, que é dominada pela oposição. © Sebastian Beltran Gaete/Agencia UNO/dpa/picture alliance Sebastián Piñera está no seu segundo mandato como presidente do Chile.

PANDORA PAPERS

A investigação do ICIJ envolveu 600 jornalistas de dezenas de veículos --como a revista piauí, no Brasil, e os jornais The Guardian e The Washington Post-- e é baseada em 11,9 milhões de documentos de 14 empresas de serviços financeiros por todo o mundo.

O Ministério Público chileno também abriu investigação contra o presidente do país, Sebastián Piñera, por um possível conflito de interesses na venda de uma mineradora que pertencia à família do atual chefe do Executivo.

O negócio envolvendo a firma Dominga foi fechado em 2010, ano em que Piñera também ocupava a Presidência do Chile. Segundo a investigação jornalística, o comprador, amigo próximo do político, exigiu que não fosse criada uma área ambiental na zona de operação da empresa, o que atrapalharia a exploração de minério na região.

Ainda conforme a apuração, a transação movimentou US$ 152 milhões (R$ 838 milhões) e foi dividida em três parcelas, sendo que a última apenas seria liberada caso não fosse estabelecida a área de proteção, requerida por ativistas.

Piñera será investigado pela prática de possível suborno e crimes fiscais, o que pode resultar, caso o presidente seja condenado, em cinco anos de prisão.

Procuradoria do Equador abre investigação prévia contra Lasso por Pandora Papers .
Procuradoria do Equador abre investigação prévia contra Lasso por Pandora Papers“Em 18 de outubro, a Procuradoria Geral do Estado abriu uma investigação prévia por suposta defraudação tributária contra o Presidente da República”, destacou a entidade em um chat de imprensa no WhatsApp.

usr: 2
Isto é interessante!