Brasil ‘A agenda de Bolsonaro não é a agenda de bolsonaristas’, diz cientista política

12:16  23 outubro  2021
12:16  23 outubro  2021 Fonte:   estadao.com.br

Congressistas dos EUA pedem que Biden retire oferta para que Brasil seja parceiro da Otan

  Congressistas dos EUA pedem que Biden retire oferta para que Brasil seja parceiro da Otan Em carta, parlamentares do partido do presidente americano criticam governo 'militarizado' do Brasil e exortam mudança de rumo na relação dos EUA com a gestão de Jair Bolsonaro.O status como aliado militar preferencial dado ao Brasil facilita a compra de tecnologia militar e armamentos dos EUA, garante a participação das Forças Armadas brasileiras em treinamentos promovidos pelo Pentágono, além de outros benefícios militares.

Instituição que ganhou ainda mais força no governo Bolsonaro , as Forças Armadas só não têm índice superior a 50% de aprovação entre a esquerda (44%), quem avalia negativamente o governo (46%) e mulheres (50%). Entre os apoiadores de Bolsonaro , a avaliação favorável chega aos 80%. À exceção das instituições de polícia, eleitores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva têm avaliação mais positiva sobre todas as outras instituições do que bolsonaristas e eleitores da terceira via, de acordo com o levantamento.

A nova política teria sido reforçada no governo Dilma Rousseff. "Quem realmente repetiu a agenda desenvolvimentista de maneira ampla e profunda foi a Dilma. Aí tivemos um desastre. "Abrir uma exceção durante a pandemia é correto, mas quando a situação está mais controlada e o mundo volta a crescer, estender esse prazo significa que não há compromisso fiscal", afirmou. O sucesso da agenda de reformas, segundo a economista, depende prioritariamente do empenho pessoal de Bolsonaro em defender o pacote de propostas para reequilibrar as finanças públicas.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

RIO – Tanto os eleitores de Jair Bolsonaro em 2018 que permanecem fiéis ao líder como aqueles que já desistiram de segui-lo têm pouco consenso entre si em relação ao que acreditam. O combate à chamada ideologia de gênero e o repúdio à corrupção reúnem mais apoios no grupo que levou o ex-capitão ao Planalto, mas são exceções, diz a cientista política Carolina de Paula, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ).

Em entrevista ao Estadão, ela explica que, na pesquisa qualitativa “Bolsonarismo no Brasil”, pontos do ideário bolsonarista não foram consensuais e às vezes ficaram minoritários ou foram repudiados pelos seguidores do presidente. Foi o caso do apoio ao retorno da ditadura, mencionado por poucos pesquisados. E da postura de Bolsonaro sobre a pandemia, que espantou apoiadores.

Divergências adiam relatório final da CPI da Pandemia para que ela não acabe ‘em pizza’

  Divergências adiam relatório final da CPI da Pandemia para que ela não acabe ‘em pizza’ Senadores opositores não concordaram com alguns termos de indiciamentos. Presidente e outras 59 pessoas eram apontadas como responsáveis por delitos no combate ao coronavírusA informação sobre o adiamento foi confirmada ao EL PAÍS pela assessoria de imprensa do relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), e pelo senador Humberto Costa (PT-PE), um dos membros dela. Em princípio, o relatório seria lido na terça-feira, dia 19, e votado no dia seguinte. Parte dos senadores desse grupo, apelidado de G7, demonstrou descontentamento com trechos do relatório que estavam sendo divulgados pela imprensa nos últimos dois dias.

Com efeito, todos estão na trincheira contrária à de Bolsonaro em disputas políticas . Doria quer ser candidato à Presidência em 2022, e Pacheco é estimulado pelo cacique Gilberto Kassab (PSD) a entrar na disputa pelo seu partido. O policial também apoiou a pauta do voto impresso, derrotada na Câmara, mas transformada em desculpa prévia de Bolsonaro para tumultuar o processo eleitoral O movimento é acompanhado com discrição pelo governo Doria. A relação do tucano com a PM já teve altos e baixos, e é aberto o intuito bolsonarista de buscar manifestações de apoio na corporação.

À Folha de S.Paulo, ex-presidenciável diz que plano de governo bolsonarista não passa no teste da desigualdade, pois possui baixa capacidade de sustentação. Mesmo após a derrota presidencial, Haddad afirma que PT tem força política para ajudar na formação da nova frente de oposição. São Paulo – O ex-candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, explica em sua primeira entrevista concedida após o final do segundo turno, que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) carrega a agenda econômica de Michel Temer, mas de maneira mais radicalizada.

“Acho que o conservadorismo (no Brasil) é muito menor do que a gente imaginava”, diz Carolina de Paula. “No sentido de que o conservadorismo conseguiu penetrar, faz parte da cultura brasileira, mas é muito menor.”

Para detectar os valores dos eleitores de Bolsonaro – os fiéis e os arrependidos – os pesquisadores montaram 24 grupos focais mistos de homens e mulheres. Os participantes se reuniram online, em média por uma hora e quinze minutos. Ficavam nas cidades de São Paulo, Rio, Recife, Goiânia, Belém e Curitiba. A amostra seguiu o perfil bolsonarista indicado por pesquisas quantitativas. Foram usados dois filtros: religião (evangélico ou não evangélico) e arrependimento de voto.

O estudo foi feito pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (Lemep) do IESP-UERJ. Teve apoio do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE). Também são autores do trabalho os pesquisadores João Feres Júnior, Walfrido Jorge Warde Júnior e Rafael Valim.

Relatório da CPI expõe "estratégia macabra" de Bolsonaro na pandemia

  Relatório da CPI expõe Documento descreve que ações criminosas e omissões do governo federal contribuíram decisivamente para o desastre que tirou mais de 600 mil vidas, e que autoridades "assentiram com a morte de brasileiros" na pandemia.Após quase seis meses de trabalho, a CPI da Pandemia foi palco nesta quarta-feira (20/10) da leitura do relatório final produzido pelo senador Renan Calheiros.

Nesta sexta, Bolsonaro reiterou seu apoio a Guedes e disse que a mudança nos gastos com o Auxílio Brasil se deu de maneira responsável. O valor da ajuda proposto pelo governo é de 400 reais a serem pagos a partir de 2022, ano em que o presidente concorrerá à reeleição. Ao comentar a debandada no Ministério ocorrida no dia anterior, Guedes disse que os subordinados "mais jovens" pediram demissão porque que não aceitaram ceder nas negociações. O ministro pregou a necessidade de haver equilíbrio entre os interesses das alas política e econômica.

Muitos confundem isso com mera agenda negativa, mas não é . Antes, é um modus operandi eficaz para eventualmente governar à margem das instituições e , sobretudo, arregimentar apoios forçados e assim conquistar maioria. O antipetismo, o antiativismo, o antiesquerdismo, tudo entra aí. Assentam-se sobre questões essenciais, como o radicalismo à direita nos valores, liberalismo na economia, antipetismo empedernido e raivoso, e o resto é só o resto. Como diz Christian Lynch, é precipitado fazer vaticínios de morte precoce com tão pouco tempo. Mas se a regra vale para o governo e a ideia

Abaixo, os principais trechos da entrevista com Carolina de Paula.

Como os problemas do governo Bolsonaro impactam os bolsonaristas?

A pesquisa não tinha foco eleitoral, tinha foco em valores, mas a gente sabe que o voto econômico é importante. Então, a economia com certeza vai ter um peso muito grande nas eleições. A pesquisa mostra que ela repercute mesmo entre os mais fiéis. Vários temas que a gente discute não colam. Mas a questão econômica pega, atinge esse eleitor. Com certeza, o ponto central do Bolsonaro vai ser a agenda econômica.

Quer dizer, a questão econômica consegue ultrapassar essa blindagem que o Bolsonaro teria junto a essas pessoas?

Sim. Eles percebem que há uma crise, um problema. Então, eles identificam a crise, identificam o problema, a realidade dessas pessoas, os parentes perdendo emprego. Mas identificam que é muito decorrência da ação dos governadores e prefeitos, que fecharam a cidade, o Estado. Então, existe também isso. O Bolsonaro seria isento, nesse sentido, porque queria manter a economia, queria manter aberto. Esse eleitor que a gente entrevistou, esse mais fiel, reproduz muitas das narrativas que o Bolsonaro tentou emplacar, e conseguiu emplacar com sucesso, para esse público muito específico. A gente vê esse público, ele é significativo, mas é pequeno para dar sustentação eleitoral para o Bolsonaro.

Facebook tira do ar live de Bolsonaro com fake news sobre relação da vacina da Covid com a Aids

  Facebook tira do ar live de Bolsonaro com fake news sobre relação da vacina da Covid com a Aids Neste domingo (24), o Facebook tirou do ar uma live de Jair Bolsonaro (sem partido), realizada na última quinta-feira (21). No vídeo, Bolsonaro compartilhou uma mentira a respeito de uma suposta relação entre a vacina contra a Covid e a Aids. ++ Felipe Neto rebate notícia falsa de apoiadores do Bolsonaro: “Não caia em fakenews” […]++ Felipe Neto rebate notícia falsa de apoiadores do Bolsonaro: “Não caia em fakenews”

Ao divulgar um vídeo que convoca manifestações contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro deu mais um passo para enfraquecer as instituições do País e a relação do governo com o legislativo, segundo avaliação do cientista político e Ele classificou o episódio como "mais um passo" do presidente em um processo de fomento de incerteza política e avalia que, ao reiteradamente adotar comportamentos como esse, Bolsonaro dificulta o avanço da agenda de reformas do Planalto. "Estamos praticamente em março e o que já foi votado?

O presidente Jair Bolsonaro se encontrou, fora da agenda oficial, com a deputada alemã Beatrix von Storch, uma das lideranças do partido de extrema direita Alternativa para Alemanha (AfD) e neta de um ex-ministro das Finanças da Alemanha durante o regime nazista de Adolf Hitler. O encontro ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília, na última semana – quando a parlamentar também se encontrou com deputados bolsonaristas . Como não foi incluída na agenda , a reunião só se tornou pública quando Beatrix von Storch divulgou fotos com Bolsonaro nesta segunda (26) (veja acima).

A pesquisa focou valores que norteariam os bolsonaristas. Quais seriam os mais fortes?

Quando a gente fala em família, em casamento entre pessoas do mesmo sexo, isso não é consenso. Mas quando a gente fala em família, educação das crianças… Isso sim é um dos valores mais fortes. A corrupção também é uma pauta forte para esse público e que motivou muito o voto em 2018. Quando a gente fez (a pesquisa), não tinha estourado a questão da CPI (da Covid). O que a gente percebe? Para alguns, essa agenda da corrupção foi diminuindo. São aquelas pessoas que deixaram de votar no Bolsonaro e estão aí à procura de um novo nome para 2022. Esses temas são os que mais têm consenso. Por exemplo, na questão do aumento da posse e porte de armas, existe uma tendência maior de ser contra esse aumento, que é uma agenda do Bolsonaro, mas não é uma agenda do eleitor do Bolsonaro. É uma agenda de um público muito restrito.

Parte dos bolsonaristas desiludidos dá sinal de que pode votar no Lula. Por que?

Eles não encontram um nome alternativo. São, inclusive, pessoas que nunca votaram no PT e dizem que se for agora Bolsonaro e Lula, votam no Lula. Porque é aquela ideia de comparação. Eles não gostam de nenhum dos dois. Se tivesse outro nome seria o que eles gostariam. Especialmente nesse público dos arrependidos. É um público muito ligado à agenda da corrupção, que gosta da Operação Lava Jato, fica triste por ela ter acabado. A ideia é tirar o Bolsonaro.

CPI da Covid aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro e outros 79; o que acontece agora

  CPI da Covid aprova relatório que pede indiciamento de Bolsonaro e outros 79; o que acontece agora Texto foi aprovado em votação no início da noite por 7 votos a 4; entenda o que pode acontecer com presidente da República nos três tipos de crimes dos quais é acusado.O texto recomenda que o presidente Jair Bolsonaro seja investigado e, eventualmente, responsabilizado em três frentes devido à gestão do seu governo na pandemia de coronavírus: por crimes comuns, por crimes de responsabilidade e por crimes contra a humanidade.

Os arrependidos diferem muito dos bolsonaristas fiéis?

O que a gente percebe é que esses arrependidos têm um perfil mais assim de uma escolaridade um pouco mais alta, e era aquele público que estava motivado, gostava muito, do Sérgio Moro. Digamos

assim, era aquele eleitor mais lavajatista. Mas se a gente tivesse de dizer, seria este perfil de escolaridade maior, que é interessado por política e tem a agenda de corrupção muito forte.

Foi possível identificar um episódio decisivo para separar os bolsonaristas fiéis dos arrependidos?

Teve dois episódios, a coisa (saída do governo) do Moro e a covid. Covid com certeza também é definitiva para a rejeição dele (Bolsonaro) e para esse público ficar muito frustrado. A gente percebe que são pessoas que o rejeitam e não vão voltar a votar, independente do que for. E a questão da covid bateu muito. As pessoas veem como desrespeito aos mortos. Então, esse público ficou muito frustrado, muito irritado com a postura do Bolsonaro. E essa coisa mais geral, do modo dele se comportar. Eles achavam que Bolsonaro sendo eleito iria mudar o discurso, entrar na liturgia do cargo, falar de um modo mais adequado para um presidente. Então, isso incomodou desde lá de trás.

Chegou a ser mostrado aos grupos o vídeo com Bolsonaro falando “E daí” sobre a covid?

A gente mostrou um parecido, que é aquele da gripezinha. E aquele outro em que ele fala assim: “Não sei por que essa pressa, que as pessoas têm com a questão da vacina”. Ele meio que dizendo: as coisas são assim, são devagar mesmo, vacina demora muito para ser feita, não sei por que as pessoas estão com essa ansiedade. Por isso que a gente identifica que, dentro deste perfil dos arrependidos, é o que eles falam assim: “Nossa, isso foi um absurdo, uma irresponsabilidade muito grande. Agora, o que a gente vê entre os fiéis? O que eles avaliam? Que Bolsonaro estava sendo cuidadoso com as pessoas, quando ele falava que demora tempo. E as pessoas repetem, é interessante que elas repetem o mesmo discurso que ele está fazendo no vídeo. “As pesquisas mostram que as vacinas levam quatro anos, então essa vacina aí está sendo muito rápida.” As pessoas repetem muito o que ele diz. É um comportamento que ele reforça nas lives, a gente percebe a repetição da narrativa dele, no vídeo instantâneo, que a gente mostrou, e o no próprio discurso imediato delas tem essa repetição.

Bolsonaro diz estar próximo de se filiar ao PP ou ao PL para disputar a reeleição

  Bolsonaro diz estar próximo de se filiar ao PP ou ao PL para disputar a reeleição Em entrevista nesta manhã, presidente ainda criticou julgamento de chapa com Mourão no TSE, chamou relatório final da CPI de ‘palhaçada’ e disse que Renan Calheiros agiu por ‘vingança’BRASÍLIA - Sem ainda ter um partido para disputar a reeleição em 2022, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 27, manter conversas com PP e PL para definir sua filiação. As duas siglas fazem parte da sua base de apoio e o presidente avalia qual o poder de influência terá sobre cada uma antes de bater o martelo. Na mesa de negociações está o controle de diretórios regionais e a escolha de candidatos ao Senado.

Pelo que surgiu na pesquisa, dá para tentar projetar como vai ser o discurso do Bolsonaro em 2022?

Eu acredito que a questão da corrupção é uma bandeira bem arriscada para ele retomar. Quando a gente olha para as pesquisas quantitativas (é) bem diferente de 2018. Quando a gente perguntava “Qual é o principal problema do Brasil?”, em 2018 era a corrupção, estava no topo; hoje em dia não é. Está lá em terceiro, quarto lugar. Acredito que a questão do PT ainda deva voltar, porque ainda aparece nesses grupos de apoio. O PT é visto como o mal do Brasil e tudo o mais. Então, o antipetismo ainda deve reverberar nessa eleição. Mas a agenda da corrupção deve ficar mais escondida.

Isso é suficiente para repetir o quadro da eleição de 2018 no ano que vem?

A gente está vendo que não. Tanto que as pesquisas mostram que ele (Bolsonaro) vai ter dificuldade. Então ele precisa ou expandir o eleitorado dele, com esse novo programa (de transferência de renda), porque ele chegou a ter o público, conseguiu entrar naquele público do Nordeste, com renda até um salário mínimo. Ele teve um período de crescimento dentro desse eleitorado, quando teve o primeiro auxílio mais alto, com valor lá de R$ 600 a R$ 1.200. Então, ele vai precisar expandir o eleitorado dele. Esse mesmo eleitorado que ele teve em 2018, a gente viu que ele já perdeu. Esses arrependidos não voltam, pelo que a gente vê na qualitativa, a votar nele.

Como se resumem as conclusões da pesquisa?

Acho que o conservadorismo é muito menor do que a gente imaginava. No sentido de que o conservadorismo conseguiu penetrar, faz parte da cultura brasileira, a gente sabe, mas é muito menor. O Bolsonaro não trouxe essa coisa, não inventou um novo conservadorismo. E ele aproveitou muito da questão contextual. Digamos, ele conseguiu capturar o espírito de 2018, da melhor forma, quando a gente trata da motivação do voto. Ele soube trazer para ele o antipetismo. E ele era uma pessoa muito desconhecida, né? Então agora, quando os eleitores começam a passar por esse momento de crise, começam a avaliá-lo, dizendo que ele não era a pessoa ideal. E outra: a questão da corrupção volta a aparecer como um problema do Brasil mesmo. Então a gente vê esse público, por exemplo, que desistiu de apoiar o Bolsonaro, ele acredita que realmente a agenda da corrupção vai ficar para sempre aí no Brasil. É muito difícil de resolver. Então, ele dá um choque de realidade nessas pessoas que tinham uma esperança. Ele traz essa realidade que o jogo político, a corrupção, faz parte também da política. As pessoas passam a valorizar temas que estavam fora da agenda em 2018. Por exemplo, a questão da saúde, que é o tema do momento e que vai guiar a eleição, junto com a economia.

Fórum dos Leitores .
Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. PauloFake news

usr: 9
Isto é interessante!