Brasil Bolsonaro diz estar próximo de se filiar ao PP ou ao PL para disputar a reeleição

19:52  27 outubro  2021
19:52  27 outubro  2021 Fonte:   estadao.com.br

"É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança"

  Após 70 anos de ação política, Chico Whitaker diz não poder ignorar o que ocorre no Brasil sob Bolsonaro, cuja "missão é destruir". A esperança do ativista é que o presidente seja afastado por crimes na pandemia. © Mateus Bonomi/AA/picture alliance A um mês de completar 90 anos, o ativista político Francisco Whitaker, precursor da luta que permitiu a apresentação de projetos de lei por meio de iniciativa popular – como a Lei da Ficha Limpa, que teve 1,6 milhão de assinaturas –, procura desesperadamente por uma porta aberta para que se possa retirar Jair Bolsonaro da presidência do Brasil.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

BRASÍLIA - Sem ainda ter um partido para disputar a reeleição em 2022, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 27, manter conversas com PP e PL para definir sua filiação. As duas siglas fazem parte da sua base de apoio e o presidente avalia qual o poder de influência terá sobre cada uma antes de bater o martelo. Na mesa de negociações está o controle de diretórios regionais e a escolha de candidatos ao Senado.

“Hoje em dia está mais para PP ou PL, me dou muito bem com os dois partidos”, afirmou o chefe do Executivo em entrevista à Jovem Pan News. “Mas a escolha é igual a casamento. Às vezes, até escolhendo a gente tem problema. Imagina se fizer de atropelo”, completou, admitindo estar “atrasado” para decidir sobre uma sigla. Bolsonaro está sem partido há quase dois anos, quando deixou o PSL.

Senadores veem disputas acirradas e reeleição sob risco

  Senadores veem disputas acirradas e reeleição sob risco Senadores veem disputas acirradas e reeleição sob riscoPara 2022, o xadrez eleitoral que começa a se desenhar aponta para cenários adversos para a maior parte dos 27 senadores que estão em fim de mandato. Aparecem em situação de risco de reeleição nomes como Davi Alcolumbre, Simone Tebet, Kátia Abreu, Fernando Collor e Omar Aziz, esse último presidente da CPI da Covid.

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de apresentacao de cartas credenciais de novos embaixadores. © Gabriela Biló/Estadão O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de apresentacao de cartas credenciais de novos embaixadores.

Na segunda-feira, o presidente do PL, o ex-deputado Valdemar Costa Neto, preso no escândalo do mensalão, publicou um vídeo com um convite oficial de filiação ao presidente. Como mostrou a Coluna do Estadão, a sigla ofereceu diretórios estaduais para controle de Bolsonaro, que, no entanto, também é cortejado pelo PP, o partido do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e do presidente da Câmara, Arthur Lira (AL), aliado de primeira hora do governo.

“Tenho interesse em indicar metade dos candidatos ao Senado, pessoas perfeitamente alinhadas conosco”, afirmou o presidente à rádio. A ideia do presidente é, em uma eventual reeleição, ampliar a bancada aliada na Casa, que hoje oferece resistência às pautas do Palácio do Planalto.

Costa Neto reitera convite para Bolsonaro se filiar ao PL

  Costa Neto reitera convite para Bolsonaro se filiar ao PL Costa Neto reitera convite para Bolsonaro se filiar ao PLSÃO PAULO (Reuters) - O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, divulgou vídeo nesta segunda-feira em que reitera o convite feito ao presidente Jair Bolsonaro para que se filie ao partido para disputar a reeleição no pleito do ano que vem.

'Ele dorme pensando no PL e acordo pensando no PP', diz Flávio

A indefinição de Bolsonaro também tem atrasado mudanças de aliados, que pretendem acompanhá-lo na nova sigla, seja ela qual for. O filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), é um deles. "Ele dorme pensando no PL e acorda pensando no PP (Progressistas)", disse o senador ao Estadão.

O "Zero Um" avalia que em ambos há prós e contras à filiação de Bolsonaro. Para Flávio, o alinhamento de dirigentes regionais do Progressistas com o PT, como ocorre na Bahia, em Pernambuco e na Paraíba, é um fator que pode pesar na escolha. Por outro lado, o fato de o presidente já ter sido filiado à sigla pode facilitar a sua volta.

"(O Progressistas é) um partido com um pouquinho mais de capilaridade. É o partido que meu pai se candidatou pela primeira vez, começou pelo PDC, depois fundiu e formou o PPB (nome que o partido adotava até 2003)", afirmou Flávio.

William Bonner desmente Bolsonaro sobre associação entre vacina e Aids: "Falsa e absurda"

  William Bonner desmente Bolsonaro sobre associação entre vacina e Aids: Durante o “Jornal Nacional” desta última segunda-feira (25), William Bonner desmentiu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mais uma vez. O apresentador citou como “falsa e absurda” a associação do presidente da vacina contra a Covid-19 e a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS). ++ Facebook tira do ar live de Bolsonaro com fake news sobre relação […]++ Facebook tira do ar live de Bolsonaro com fake news sobre relação da vacina com a Aids

Já o PL é o partido da ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, e faz parte da base do governo no Congresso. O Progressistas também é da base, além de Ciro e Lira, tem como filiado o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PR).

"O que ele entender que for melhor para ele, para o futuro político, eu estou junto. Os dois partidos são maravilhosos, são partidos que têm capilaridade e têm pessoas no comando que têm palavra", afirmou Flávio. "A decisão está demorando por causa disso, é tão difícil escolher entre dois partidos que tratariam tão bem ele", completou.

Oitava troca

Jair Bolsonaro está sem legenda desde o final de 2019, quando se desfiliou do PSL após uma disputa com o comando da sigla por influência financeira e política. Está será sua oitava troca de partido desde que iniciou a carreira política, ainda na década de 1980.

A exemplo do pai, Flávio admitiu que há um atraso para a definição. "Já está atrasado, as conversas estão acontecendo para formação dos palanques dos Estados", afirmou.

Independentemente da filiação de Bolsonaro, o senador afirmou que o presidente quer ter na coligação os dois partidos e também o Republicanos e o PTB. "A ideia é essa e outros também que tenham ali uma identidade maior com o nosso projeto do que com o projeto do PT".

'PT ignora machismo dependendo do agressor’, diz Tabata sobre candidatura de Zé de Abreu

  'PT ignora machismo dependendo do agressor’, diz Tabata sobre candidatura de Zé de Abreu Deputada garante apoio a Lula em segundo turno contra Bolsonaro, mas defende construção de terceira via com centro-direita no primeiro: 'A gente consegue como país construir um projeto que vá até a centro-direita? Não é ideal para quem é de esquerda, mas é necessário para sair da eleição derrotando Bolsonaro e o bolsonarismo'No fim do dia, antes de descer ao plenário para as votações da noite, ela separa uma brecha na agenda para receber por quarenta minutos uma jovem estudante da Universidade de Brasília, aspirante à política, em seu gabinete — um espaço apertado com mobiliário em madeira antiquado e ar condicionado que mal funciona, típico do anexo IV da Câmara, cujo principal atrativo é a vista par

O chefe do Poder Executivo já chegou a negociar uma filiação com pelo menos nove partidos, mas nenhuma das tentativas obteve sucesso até agora.

A última negociação foi com o Patriota, partido ao qual Flávio se filiou para preparar o terreno para a entrada do pai. Apesar disso, a sigla viveu uma guerra interna porque se dividiu sobre entregar o comando de diretórios para o grupo de Bolsonaro. Por causa disso, Adilson Barroso, o principal patrocinador da filiação do presidente, acabou destituído da presidência da legenda.

CPI da Covid

Um dia depois de a CPI da Covid aprovar relatório que pede o indiciamento de Bolsonaro, outras 77 pessoas e duas empresas (Precisa Medicamentos e VTCLog), o presidente chamou o parecer proposto pela relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), de “palhaçada”.

Com 1.288 páginas, o documento que foi aprovado por 7 votos a favor e 4 contra, pede o indiciamento do presidente por nove crimes.

Questionado sobre o que espera do encaminhamento que o Ministério Público Federal dará ao parecer final, Bolsonaro sugeriu que o relator da comissão teria usado sua atuação na CPI para promover vingança contra o chefe do Executivo. “Antes de falar em MP, quem tem um pouco de juízo sabe que foi uma palhaçada aquilo lá. Foi a CPI do Renan”, disse nesta manhã.

Bolsonaro oscila entre partidos do centrão, mas avança sobre filiação ao PP

  Bolsonaro oscila entre partidos do centrão, mas avança sobre filiação ao PP BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avançou nas conversas para sua filiação ao PP em reunião no Palácio do Planalto, na segunda-feira (25), com o ministro Ciro Nogueira e seu filho senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também acompanhou a encontro, que foi fora da agenda das autoridades, apesar de não estar participando ativamente das negociações. Após a reunião, interlocutores disseram à reportagem que a probabilidade de filiação ao PP é grande.

O argumento de Bolsonaro é de que o senador teria agido contra o chefe do Executivo movido por vingança, por conta do apoio dado pelo Palácio do Planalto, em 2019, durante a eleição para a presidência do Senado, quando Renan e o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) estavam entre os nomes que disputavam o cargo. Na ocasião, o amapaense recebeu 42 dos 77 votos.

Em outro momento, ao ser perguntado sobre se pretende adotar um tom mais moderado nas redes sociais, após ter conteúdo da live da última quinta-feira, 21, excluído pelo Facebook, Instagram e Youtube (onde ficará bloqueado por sete dias), por divulgar fake news que relaciona a vacina contra a covid-19 com a aids, Bolsonaro manteve o argumento de que “não inventou” a informação e seguiu atribuindo a responsabilidade à revista Exame.

O vídeo da live foi removido pelas redes sociais por violar diretrizes de desinformação médica sobre a covid-19. O episódio refletiu da última sessão da CPI da Covid, que incluiu no relatório final o pedido para que Bolsonaro seja afastado de todas as redes sociais.

“A revista Exame faz uma conotação de que quem toma vacina está mais propenso, ao ter contato com o HIV, a se contaminar”, disse Bolsonaro. E seguiu: “Eu não invento nada. Botaram na minha conta. Daí foi para a CPI do Renan, aquele santuário à honestidade, aquele monumento à honestidade, que pede para o Supremo me bloquear de todas as páginas. Olha, não fui eu que falei aquilo. Agora, falar qualquer coisa sobre vacina virou um crime que derruba página, te bloqueia. Você não pode desconfiar da vacina nem da urna eletrônica. Não pode falar nada”, reclamou.

Segundo Bolsonaro, ele é defensor de que “quem quer tomar, toma”.

Auxílio Brasil

Após grande estresse no mercado financeiro com o acordo do governo para mudar o teto de gastos e financiar o pagamento de R$ 400 do Auxílio Brasil em 2022, ano eleitoral, o presidente Bolsonaro disse que recebeu sugestões para elevar o valor do programa.

“Muita gente diz para eu passar para R$ 600 que estou garantido na reeleição”, disse o chefe do Executivo. No entanto, Bolsonaro declarou que não pensa em política neste momento e sabe dos impactos econômicos de subir ainda mais o piso do Auxílio Brasil. “Imagina se eu falo em R$ 600 do Bolsa Família, o que acontece com a bolsa e com o dólar?”, questionou. “Bagunça na economia não interessa para ninguém”, acrescentou.

Bolsonaro voltou a defender o lançamento do Auxílio Brasil neste momento de crise. “Temos que atender os mais pobres, Paulo Guedes tem coração”, disse. Contudo, como mostrou o Broadcast/Estadão, o governo ignorou sugestões de financiamento do programa para alterar o teto de gastos, considerado a âncora fiscal do País.

Inquérito Bolsonaro-Moro pode levar a afastamento do presidente; entenda .
SÃO PAULO, SP, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal interrogou o presidente Jair Bolsonaro na noite desta quarta-feira (3) no Palácio do Planalto sobre a acusação de interferência política dele na corporação. Nesta semana venceria o prazo de 30 dias estipulado pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do caso no STF (Supremo Tribunal Federal), para que fosse colhido o depoimento do presidente. Bolsonaro é suspeito de interferir na cúpula da corporação para proteger parentes e aliados, suspeita levantada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

usr: 1
Isto é interessante!