Brasil: Na zona leste de SP, ex-diarista cria objetos 3D para auxiliar pessoas com deficiência - PressFrom - Brasil

Brasil Na zona leste de SP, ex-diarista cria objetos 3D para auxiliar pessoas com deficiência

02:40  21 setembro  2019
02:40  21 setembro  2019 Fonte:   agenciamural.org.br

Pássaros que viajaram com 'mochilas' estão de volta a São Paulo

Pássaros que viajaram com 'mochilas' estão de volta a São Paulo Quatro bem-te-vis rajados estão com equipamentos que permitem saber para onde voaram e ficaram durante a migração

Amélia usa os seus projetos para facilitar o dia a dia Amélia usa os seus projetos para facilitar o dia a dia

Há cinco anos, Amélia Souza Pereira, 43, perdeu o movimento do braço esquerdo e o emprego de diarista, após sofrer um acidente doméstico. A situação afetou a autoestima dela, que encontrou em uma oficina um modo de combater a depressão.

Moradora do Jardim Romano, bairro do distrito de São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo, ela aprendeu a fazer objetos com impressoras 3D e utiliza esse tipo de instrumento para dar mais autonomia para pessoas com deficiência física. A ideia é apoiar atividades do dia a dia como cortar legumes ou fazer um bolo.

Até aqui foram várias criações. Como exemplo, ela fez um suporte de remédios que fica acoplado na cama e facilita o acesso para o paciente para que ele não tenha de se levantar.

Incêndio sob Viaduto Grande São Paulo fecha avenida na Zona Leste

Incêndio sob Viaduto Grande São Paulo fecha avenida na Zona Leste Avenida Luiz Ignácio Anhaia Melo foi bloqueada no sentido Ipiranga, no início da madrugada deste sábado, 14; uma mulher precisou ser socorrida após inalar fumaça . De acordo com o Corpo de Bombeiros, ela foi levada ao pronto-socorro de Vila Alpina. 01h00 Incêndio em lixo debaixo de viaduto, Av Prof Luiz Ignácio Anhaia Melo, 100 (ref: Viaduto São Paulo) – VL Prudente - , uma vítima (fem/ adulto) por inalação de fumaça socorrida ao PS VL Alpina, 3 viatura/ atendimento; aguardo informações do local.

Outros objetos ajudam na cozinha. Para quem precisa cortar um alimento com apenas uma mão, ela criou uma espécie de tábua que deixa os alimentos fixos. Também criou uma ferramenta que fixa o prego, sem a necessidade de segurá-lo.

Os objetos são criados após analisar a necessidade de cada pessoa e ver o que é adaptável para cada casa. Ela não cobra por essas ferramentas e o trabalho tem sido divulgado no boca a boca.

“Muitas pessoas me questionam o  porquê de eu não cobrar, mas nem tudo se trata de dinheiro, o que mais vale pra mim é o sorriso no rosto dessas pessoas”, explica Amélia.  “A minha renda hoje é do benefício assistencial, um salário mínimo, porém alguns amigos me ajudam financeiramente também”.

ACIDENTE

Amélia era uma mulher alegre, independente, ativa e vaidosa, porém, após o acidente doméstico, ela teve uma monoplegia — paralisia que acomete um só membro ou grupo muscular. No caso dela, foi a perda do movimento do braço. “Não tinha motivos para me arrumar ou sair de casa, saía apenas para ir ao hospital”, conta Amélia. “Sem condições financeiras e sem rumo do que faria da minha vida, caí na depressão.”

Ao vivo: Mauricio de Sousa é homenageado em comissão no Senado

Ao vivo: Mauricio de Sousa é homenageado em comissão no Senado Sessão marcada para as 14h30

Para se tratar, ela foi aconselhada pela psicóloga a buscar uma atividade para distração. “Um amigo me falou sobre um laboratório público, que produz materiais 3D, fiquei curiosa e decidi participar das aulas, era próximo da minha casa”, lembra Amélia.

No começo foi difícil assistir às aulas, pois duvidava da própria capacidade e se sentia estranha por estar em uma sala cheia  de adolescentes.

Entre as criações está um suporte para fixar os alimentos e possibilitar o corte com apenas uma mão, entre outras© Danielle Lobato/Agência Mural Entre as criações está um suporte para fixar os alimentos e possibilitar o corte com apenas uma mão, entre outras

A princípio, a ex-diarista desejava criar uma mão mecânica, mas lembrou que as terminações nervosas do braço não existiam mais, algo que não a ajudaria. Isso porque o rompimento da artéria carótida foi rompida quando sofreu o acidente.

Diante das barreiras enfrentadas no cotidiano Amélia criou, em 2015, o  primeiro protótipo 3D: um suporte batizado por ela de “a boleira”.

Quando queria testar receitas novas na cozinha, ela sempre encontrava algum obstáculo. Na hora de fazer um bolo, por exemplo, Amélia tinha de virar a tigela de massa, com apenas uma mão, sobre a assadeira e esperar até que caísse.

O protótipo foi um recurso criado para apoiar a tigela enquanto tira a massa com a colher. “Não imaginava que o projeto iria tão longe até receber a informação de que ele seria apresentado em uma feira tecnológica na China”, diz Amélia. O trabalho foi  exposto em Shenzhen.

Para criar o primeiro projeto, a ex-diarista teve que fazer um curso de quatro horas de design na Fab Lab Livre SP — laboratório público de fabricação digital criado pela prefeitura de São Paulo. É lá que Amélia ainda faz os trabalhos voluntários.

Na hora da criação é preciso ter feito um esboço no papel com todas as medidas e descrição dos materiais que serão utilizados. Desta maneira, é possível desenhar a proposta na plataforma digital de 3D e depois enviar à impressora.

Suporte acoplado na cama ajuda a deixar medicamento próximo de quem não pode se levantar© Acervo Pessoal Suporte acoplado na cama ajuda a deixar medicamento próximo de quem não pode se levantar

Mas é preciso ser detalhista: é necessário pensar na aerodinâmica, se vai aguentar o peso, se vai ter atrito, além de encaixar as peças tridimensionais. “Na boleira eu passei duas horas somente desenhando o projeto e mais de dez horas encaixando as peças,” afirma.

A mais nova criação é um segurador de panela feito especialmente para a amiga que fazia coxinhas para vender e perdeu o movimento do braço esquerdo após um AVC (acidente vascular cerebral).

“Para mexer a massa de trigo com apenas uma mão é impossível, pois além do peso é preciso segurar o cabo da panela”, diz Amélia. As patentes são abertas e podem ser usados por quem quiser, basta entrar em contato com ela pelas redes sociais ou informar o seu nome na Fab Lab.

APOIO

A aposentada Maria de Fátima Farias, 61, foi uma das beneficiadas da tecnologia assistiva (termo usado para esse tipo de dispositivo de apoio). Após sofrer um AVC, ficou com hemiplegia paralisia lateral total ou parcial do corpo.

“Sempre esquecia de tomar os remédios. Com o suporte de remédios acoplado na cama, eu não precisava mais levantar, o que me deu autonomia”, afirma Maria, que se mudou recentemente para a Paraíba e ainda utiliza o mecanismo.

VEJA TAMBÉM:

No Itaim Paulista, jovem com doença rara toca 13 instrumentos musicais

Giro da Quebrada: centro de pesquisa resgata a história de Guaianases

Foi a filha de Maria, a professora Raquel Vicente de Matos, 43, quem soube do talento da ex-diarista, que conheceu no EJA (Educação de Jovens e Adultos), na escola Dário Monteiro de Brito, na Vila Itaim, na zona leste.

“Amélia era a minha aluna e eu via a sua dedicação e autonomia mesmo após tudo o que sofreu”, lembra Raquel. “Quando contei sobre o diagnóstico da minha mãe, ela se prontificou a ajudar. Um dos acessórios mais importantes foi o silicone acoplado a mão, porque a minha mãe faz movimentos repetitivos involuntários e com isso a unha a machucava com esse suporte. Isso não acontece mais.”

A criação dos protótipos animou Amélia a querer estudar mais. Depois do EJA, ela  passou no vestibular para cursar direito na Unip (Universidade Paulista), em 2018.

Amélia também foi palestrante das duas últimas edições do Campus Party. Atualmente, planeja lançar um livro, porém, ainda está em busca de novas parcerias para o trabalho voluntário.

Hoje, a maior dificuldade que encontra é a falta de vale transporte especial para pessoas que tem deficiência física ou intelectual. Segundo a SPtrans, ela não tem direito ao benefício. A voluntária já encaminhou os exames da monoplegia, mas ainda não conseguiu o auxílio.


Vídeo: Leandro Karnal: 'Fundo eleitoral é uma pouca vergonha' (TV Cultura)

Receba notícias pelo
Messenger
Leia notícias pelo celular com
nosso app
Assine nossa
newsletter

Ao vivo: Mauricio de Sousa é homenageado em comissão no Senado.
Sessão marcada para as 14h30

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 11
Isto é interessante!