Brasil: Mensagens relacionam suspeito de matar Marielle com ex-chefe de polícia - PressFrom - Brasil

BrasilMensagens relacionam suspeito de matar Marielle com ex-chefe de polícia

03:06  16 março  2019
03:06  16 março  2019 Fonte:   veja.abril.com.br

‘É fundamental saber quem mandou matar’, diz Freixo

‘É fundamental saber quem mandou matar’, diz Freixo ‘É fundamental saber quem mandou matar’, diz Freixo

veja.abril. com .br. Investigadores apuram se há uma rede de proteção dos executores da vereadora do PSOL.

Saiba que eu me sinto privilegiado por ser subordinado de alguém tão bom e sensível, que não se vale da hierarquia para humilhar ou ser arrogante com os outros profissionais. Que hoje seja um dia de muita alegria, com muito amor envolvido e boas companhias. Parabéns meu amigo e chefe querido!

Mensagens relacionam suspeito de matar Marielle com ex-chefe de polícia © Lucas Landau Ronnie Lessa, suspeito do assassinato da ativista e vereadora Marielle Franco, é escoltado por um policial quando ele deixa o departamento de homicídios para prestar depoimento na Justiça do Rio de Janeiro – 14/03/2019

O sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa, preso suspeito por ter executado a vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e seu motorista, quase fugiu e sumiu do mapa. Ele foi detido na madrugada do dia 12 de março saindo, à sorrelfa, de seu condomínio onde mora, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Carregava o passaporte, três celulares, 60.000 reais em espécie e uma máquina de contar dinheiro. Mesmo com a ação policial antecipada, para evitar vazamentos, Lessa quase conseguiu escapar da cadeia. Ele já sabia que seria alvo de uma operação. Agora, a Polícia Federal investiga como o suposto assassino ficou sabendo que seria detido – e se alguém da Polícia Civil está envolvido nesse caso.

No Facebook, suspeito de morte de Marielle criticava direitos humanos

No Facebook, suspeito de morte de Marielle criticava direitos humanos No Facebook, suspeito de morte de Marielle criticava direitos humanos

Junto com os pedidos de prisão e de busca e apreensão, o MP do Rio pediu a suspensão da remuneração da Polícia Militar do Estado e do porte de arma de fogo de Lessa.

O jornalista Joaquim de Carvalho comenta as últimas notícias. Polícia prende dois suspeitos de matar Marielle - Продолжительность: 3:03 Band Jornalismo 2 574 просмотра.

Mensagens de WhatsApp encontradas no celular de Lessa estão sendo utilizadas como uma importante pista. O material revela uma relação do suposto executor de Marielle com o delegado Allan Turnowski, responsável por chefiar as delegacias da capital carioca. “Dr. Allan manda um abraço”, diz uma das mensagens, enviadas pelo inspetor Vinícius Lima, amigo de infância de Lessa. Em outro momento, o policial diz que “dr. Allan” perguntou por Lessa. Em um terceiro contato, Vinícius Lima diz que tem uma “proposta boa de trabalho” para Lessa. À VEJA, o inspetor confirmou que trocava mensagens com o amigo, mas diz que não sabia do envolvimento do ex-policial com a contravenção. Disse, ainda, que não se recorda da “proposta” que fez para o sargento reformado da PM.

Louvado na Alerj; expulso da PM: quem são os acusados de matar Marielle

Louvado na Alerj; expulso da PM: quem são os acusados de matar Marielle Louvado na Alerj; expulso da PM: quem são os acusados de matar Marielle

A operação que prendeu os suspeitos da morte de Marielle . Policiais da Divisão de Homicídios e promotores do Ministério Público do Rio de Janeiro Ronnie Lessa, segundo a denúncia, é o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson; ele estava no banco de trás do Cobalt que

Além dos dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, há Eles foram apontados pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) como participantes De acordo com os advogados, o delegado deverá colher os depoimentos amanhã (13).

“Doutor Allan” voltou para a cúpula da Polícia Civil neste ano, indicado pelo governador Wilson Witzel. O delegado ficou quase oito anos longe da corporação. Ex-chefe do órgão, ele deixou o cargo após ter sido indiciado por vazar informações relacionadas à Operação Guilhotina, deflagrada em 2011 – e que teve o ex-PM Élcio Queiroz, motorista do carro usado por Lessa para fazer os disparos, como um de seus alvos. As acusações contra ele, no entanto, foram arquivadas. No total, 30 policiais civis e militares foram denunciados por ligações com milicianos e traficantes.

Procurado, Turnowski afirmou não ter qualquer relação pessoal com o suposto executor, e que, por ter sido chefe da corporação, conhece muitos policiais. “Operacionalmente, ele (Lessa) sempre foi reconhecido como um cara muito bom”, afirmou.

Lessa entrou para a Polícia Militar do Rio na década de 1990 até se tornar adido da Polícia Civil, onde trabalhou em delegacias especializadas em repressão a roubo de cargas e a armas e explosivos. Foi nesse período que o suposto executor de Marielle desenvolveu diversos contatos na corporação. Procurado, o advogado de Lessa, Fernando Santana, não retornou aos contatos da reportagem.

Filha de suspeito preso no caso Marielle teria namorado filho de Bolsonaro

Filha de suspeito preso no caso Marielle teria namorado filho de Bolsonaro Filha de suspeito preso no caso Marielle teria namorado filho de Bolsonaro

De acordo com as investigações, Ronnie Lessa é o autor dos disparos e Élcio Queiroz é suspeito de dirigir o veículo. Quem são os acusados de matar Marielle Franco? Primo do ex -goleiro Bruno revela onde está o corpo de Eliza Samúdio - Продолжительность: 7:53 Domingo Espetacular 4 351

Suspeito de matar Marielle morava em condomínio de Bolsonaro. " Eu conheci a Marielle depois de que ela foi assassinada, não conhecia ela apesar de ela ser vereadora lá com o meu filho no Rio de Janeiro." Chefe de ex -braço sírio da Al-Qaeda convoca defesa de Idlib.

Vídeo: Deputados ligam som com latidos em ato pró-Marielle

Polícia apura sumiço de 600 kg de droga trocados por cal e madeira.
Polícia apura sumiço de 600 kg de droga trocados por cal e madeira A Corregedoria de Polícia Civil investiga o sumiço de 593 quilos de maconha do 90º DP, do Parque Novo Mundo, na zona norte da capital paulista. A Secretaria de Segurança Pública afirmou em nota que, durante incineração de duas toneladas da droga, ocorrida na última quinta-feira (14), foi constatado que 593 quilos de maconha, aprendidos em 2013, não correspondiam à substância registrada.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 3
Isto é interessante!