Brasil Cervejaria Backer demite 52 funcionários após interdição da fábrica

14:00  13 fevereiro  2020
14:00  13 fevereiro  2020 Fonte:   em.com.br

Ministério da Justiça aponta falha em 'recall' e instaura processo contra cervejaria Backer

  Ministério da Justiça aponta falha em 'recall' e instaura processo contra cervejaria Backer Ministério da Justiça aponta falha em 'recall' e instaura processo contra cervejaria BackerA Senacon apontou problemas na campanha de recolhimento (recall) das cervejas e as próprias consequências do consumo dos produtos para justificar a instauração do processo administrativo. Em nota, a Senacon é taxativa ao afirmar que a “exposição de consumidores a cervejas impróprias gerou casos de intoxicação, e até mesmo de óbitos, por contaminação com as substâncias dietilenoglicol e monoetilenoglicol”.

Cervejaria Backer confirma interdição de fábrica de BH pelo Ministério da Agricultura. A Polícia Civil disse, neste sábado (11), que a Cervejaria Backer registrou, em 19 de dezembro de 2019, um boletim de ocorrência contra um funcionário que foi demitido por ameaça de morte.

O ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) determinou no final da tarde desta sexta-feira (10) a interdição da cervejaria Backer , fabricante da cerveja Belorizontina. Após divulgação de laudo da Polícia Civil apontando a contaminação da bebida com a substância

Entrada da cervejaria Backer © Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 08/01/2020 Entrada da cervejaria Backer

A falta de um reagente capaz de detectar a presença do dietilenoglicol, substância tóxica encontrada em produtos da cervejaria Backer, vem atrasando a realização de exames para confirmar a presença do contaminante em materiais colhidos em vítimas com suspeita de intoxicação. O Estado de Minas apurou que o material está em falta no Instituto Médico-Legal (IML) de Belo Horizonte.

A Polícia Civil confirma que o processo de aquisição do insumo “está em andamento”, e que seu uso pouco comum não justificaria a manutenção em estoque. Mais de um mês depois da abertura do inquérito, familiares de vítimas cobram celeridade nas investigações. A empresa, que está com a fábrica fechada desde 10 de janeiro e já demitiu um quinto de seus funcionários, também espera rapidez nas respostas.

Número de casos suspeitos de intoxicação por dietilenoglicol sobe para 31

  Número de casos suspeitos de intoxicação por dietilenoglicol sobe para 31 Número de casos suspeitos de intoxicação por dietilenoglicol sobe para 31

Cerveja Belorizontina, da Backer Imagem: Divulgação/ Backer . Alex Tajra. O MP (Ministério Público) de Minas Gerais moveu hoje uma ação contra a cervejaria Backer para defender os consumidores que foram intoxicados pelas Análise particular nega contaminação de água da fábrica da Backer .

Frigorífico demite funcionários após interdição . Tribuna da Massa Manhã - Maringá e região.

A diretora de marketing da cervejaria, Paula Lebbos, cobra agilidade na apuração. Com a fábrica fechada desde 10 de janeiro, a empresa demitiu 52 funcionários, um quinto de seu quadro, e estima que esse número pode ser três vezes maior, se consideradas as vagas indiretas. “É essencial ter o reagente para fazer o exame, para essas pessoas e a própria cervejaria Backer entenderem o que está acontecendo”, afirma.

A interdição da fábrica ocorreu em 10 de janeiro, por determinação do Ministério da Agricultura. O bar da empresa, Templo Cervejeiro, também está fechado. “Estamos todos muito assustados. As autoridades precisam dar respostas”, diz a representante da empresa. Uma entrevista exclusiva dela ao podcast “O caso Backer”, do Estado de Minas, vai ao ar hoje.

Caso Backer: água coletada em tanque não estava contaminada, informa cervejaria

  Caso Backer: água coletada em tanque não estava contaminada, informa cervejaria Caso Backer: água coletada em tanque não estava contaminada, informa cervejariaPara sustentar seu posicionamento, a companhia de cervejas artesanais encaminhou à imprensa dois laudos que teriam sido produzidos pelo Departamento de Química da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pela Polícia Civil.

Cerveja Belorizontina, da Backer Imagem: Divulgação/ Backer . Alex Tajra. O MP (Ministério Público) de Minas Gerais moveu hoje uma ação contra a cervejaria Backer para defender os consumidores que foram intoxicados pelas bebidas fabricadas pela empresa.

Visualizar Rótulo. BACKER D2. A Cervejaria Backer reitera que está colaborando de forma integral com todas as investigações e se coloca à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos.

De janeiro para cá, exames encontraram dietilenoglicol no sangue de quatro pessoas, uma delas Paschoal Demartini Filho, de 55. Ele morreu em 7 de janeiro, em Juiz de Fora, na Zona da Mata. A filha dele, que é farmacêutica, falou sobre o caso do pai e do marido, que permanece internado, ao podcast “O caso Backer”. Os demais pacientes examinados sobreviveram.

“Um desses óbitos está entre os quatro casos em que foi confirmada a presença da substância dietilenoglicol no sangue. Trata-se de um homem, que esteve internado em hospital de Juiz de Fora e faleceu em 7/1”, informou boletim da SES sobre a intoxicação por dietilenoglicol. A confirmação da substância em Paschoal ocorreu em 13 de janeiro.  

Reagente em falta afeta investigações

Ontem pela manhã, o EM questionou a Polícia Civil sobre o tipo de reagente usado no exame para confirmar a presença do dietilenoglicol e quando foi a última licitação para a compra do item. A resposta se limitou a informar que a questão não estava “no bojo das investigações”. O dietilenoglicol e o monoetilenoglicol, fluidos usados para resfriar tanques de cerveja e que não podem ter contato com a bebida, foram encontrados em cervejas, equipamentos e na água da Backer.

Caso Backer: Ministério da Agricultura confirma detecção de substância tóxica em tanque de água

  Caso Backer: Ministério da Agricultura confirma detecção de substância tóxica em tanque de água Caso Backer: Ministério da Agricultura confirma detecção de substância tóxica em tanque de águaEm nota, o Mapa informou que a detecção ocorreu nas análises realizadas nas amostras de água residual do trocador de placas e do tanque de água fria. As amostras foram colhidas no dia 10 de janeiro deste ano pelo Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal/Mapa.

O nascimento da primeira cerveja . Inspirados pela coragem e persistência, os irmãos Lebbos decidiram que o sonho que tinham em comum iria se tornar realidade. Assim, aos pés da Serra do Curral e pelas mãos dos irmãos Lebbos nasceu a Backer , a primeira cervejaria artesanal de Minas.

3 crianças Risco geológico leva à interdição da Escola Municipal Carlos Góis em BH Carro bate em O boletim de ocorrência indica que havia histórico de divergências entre os dois funcionários da Na quinta-feira, 10, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, fechou a fábrica da Backer

Parentes de vítima chegam ao IML, em BH: Polícia Civil informa que uso do reagente é pouco comum e que a compra está em andamento  © Gladyston rodrigues/EM/DA Press - 15/1/20 Parentes de vítima chegam ao IML, em BH: Polícia Civil informa que uso do reagente é pouco comum e que a compra está em andamento

Questionada sobre a ausência do reagente, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública explicou que “as forças de Segurança de Minas Gerais têm orçamentos independentes da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública e autonomia na distribuição de recursos. Para apuração de compra envolvendo o IML, orientamos que apurem junto à Polícia Civil”.

Depois disso, a Polícia Civil mudou o posicionamento e informou que “parte das análises laboratoriais já foi concluída e os laudos já foram liberados. Outra parte está em andamento, necessitando de finalização de compra de reagentes específicos”. Segundo a nota, os reagentes não são de uso comum nas necropsias, “não se justificando manutenção em estoque”. A corporação ressaltou que as investigações estão “bem adiantadas”.

Em 35 dias de investigação, a corporação apura 34 casos relacionados ao consumo das cervejas contaminadas da Backer. Os pacientes desenvolveram um quadro chamado de síndrome nefroneural, com comprometimento, sobretudo, de funções neurológicas e renais. Seis pessoas morreram. Até agora, apenas quatro exames com a confirmação da substância tóxica no sangue dos pacientes – um dos quais morreu – foram divulgados pela força-tarefa que apura o caso, formada também pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Sobe para seis número de mortes suspeitas por contaminação em cerveja da Backer

  Sobe para seis número de mortes suspeitas por contaminação em cerveja da Backer Sobe para seis número de mortes suspeitas por contaminação em cerveja da BackerOutras quatro mortes já tinham sido anunciadas. Dos seis casos, há confirmação da presença do dietilenoglicol em um. Os outros cinco casos seguem em investigação. São quatro homens que morreram em Belo Horizonte nos dias 15 e 16 de janeiro, no último sábado, 1, e nesta segunda, 3, além de uma mulher que faleceu em 28 de dezembro, em Pompéu.

Técnicos do Ministério da Agricultura fecharam a fábrica da Backer nesta sexta-feira (10) — Foto: Lucas Ragazzi/TV Globo. A Cervejaria Backer informou que vai parar seus processos de produção na fábrica , no bairro Olhos D’água, na Região Oeste de Belo Horizonte, neste sábado (11)

A decisão pela interdição veio após ação da Polícia Civil que apura o se o consumo da cerveja Belorizontina, da Backer , tem relação com a síndrome Mas depois, a assessoria da Backer afirmou confirmou terem sido produzidas 66 mil garrafas dos lotes com amostras contaminadas. Comentários.

A respeito da conclusão das investigações, a polícia diz que “o prazo foi prorrogado e ainda não há previsão para a conclusão das investigações”. “As amostras recolhidas tanto na cervejaria quanto da empresa química que vendia o monoetilenoglicol continuam sendo analisadas pelas equipes de peritos do Instituto de Criminalística, de forma criteriosa”, diz o texto.

De acordo com a Civil, ainda não há previsão para a conclusão da maioria dos laudos. “Os que estão prontos já foram disponibilizados para os advogados da empresa, atendendo aos princípios constitucionais e modernos atinentes ao inquérito policial. A Polícia Civil de Minas Gerais não vai comentar nenhum resultado isoladamente e falará sobre os exames, em momento oportuno, para não atrapalhar os trabalhos”, pontua.

A falta de respostas deixa as famílias angustiadas. “É tudo muito lento. É preciso cobrar responsabilidade da Backer. São muitas vidas em risco, pessoas que perderam a vida. É um descaso muito grande”, afirma Taciana Maciel, de 42 anos, esposa de Ney Eduardo Vieira Martins, de 65. Ontem, completaram-se 60 dias que o marido dela está fazendo hemodiálise. Apreciador de cerveja artesanal, ele consumiu a Belorizontina em novembro, numa festa de família. A Vigilância Sanitária recolheu exames de Ney, mas a família ainda não sabe o resultado.

Ainda não foi aprovada também a exumação do corpo de uma mulher que morreu em 28 de dezembro do ano passado, cujo pedido está em análise pela Justiça. “Estamos apreensivos e inquietos. Por orientação do delegado, a gente acredita que possa encontrar ainda a substância no organismo, que ainda possa ter alguma coisa preservada. Mas é um processo muito moroso”, afirma Christiani Assis, de 40. Ela é filha de Maria Augusta Cordeiro, que foi sepultada em Pompéu, na Região Central, em 29 de dezembro, antes de os casos virem à tona. (Colaborou Cristiane Silva)

Ministério atualiza para 55 número de lotes de cervejas da Backer infectadas .
Ministério atualiza para 55 número de lotes de cervejas da Backer infectadasDe acordo com a pasta, os lotes contaminados foram produzidos entre julho de 2019 e janeiro de 2020. As amostras contaminadas são de 12 rótulos da Backer: Belorizontina, Backer Pilsen, Backer Trigo, Brown, Backer D2, Capixaba, Capitão Senra, Corleone, Fargo 46, Layback D2, Pele Vermelha e Três Lobos Pilsen.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 127
Isto é interessante!