Ciência e Tecnologia: Nasa detecta mais metano em Marte, mas não sabe de onde vem - PressFrom - Brasil

Ciência e TecnologiaNasa detecta mais metano em Marte, mas não sabe de onde vem

03:06  25 junho  2019
03:06  25 junho  2019 Fonte:   msn.com

Envie seu nome para Marte com a missão Mars 2020 da NASA

Envie seu nome para Marte com a missão Mars 2020 da NASA Envie seu nome para Marte com a missão Mars 2020 da NASA

A Nasa anunciou que seu veículo explorador Curiosity detectou novamente metano em Marte , um gás que pode ser emitido por micróbios mas também pelas A questão do metano fascina os cientistas do espaço porque sua presença pode indicar um sinal de vida. Curiosity, que se desloca sobre Marte

+ Imagem de Marte tirada pela sonda Curiosity no dia 18 de junho deste ano. (Foto: NASA /JPL-Caltech). Na semana passada, a sonda Curiosity, da Os cientistas ainda pretendem coletar mais metano de diferentes sondas para localizar as fontes do gás e aumentar a compreensão de quanto

Nasa detecta mais metano em Marte, mas não sabe de onde vem© Handout Foto do veículo robótico Curiosity da Nasa no planeta Marte, divulgada em 7 de junho de 2018

A Nasa anunciou que seu veículo explorador Curiosity detectou novamente metano em Marte, um gás que pode ser emitido por micróbios mas também pelas interações entre as rochas e a água.

Nasa detecta mais metano em Marte, mas não sabe de onde vem
App Microsoft Notícias
Baixe Agora
Publicidade para Android e iOS
Veja mais no MSN Brasil:
Golpe usa calendário no celular para obter dados (33giga)
Brilho misterioso aquece anéis de Urano (Revista Planeta)
Via Láctea colidiu fortemente com galáxia anã (Exame.com)
Twitter volta a remover contas com imagens da TV (Canaltech)

O minilaboratório químico que o Curiosity possui, denominado SAM, encontrou uma concentração de metano de 21 partes por um bilhão de unidades, disse neste domingo a agência espacial em um comunicado, o que representa um "resultado surpreendente".

Nasa prepara envio de material à Lua em 2020

Nasa prepara envio de material à Lua em 2020 Pela primeira vez desde os anos 1970, Estados Unidos vai enviar material à Lua em 2020 e 2021, anunciou a Nasa nesta sexta-feira (31). A agência espacial americana selecionou três módulos de pouso lunar, fabricados por duas empresas locais, para enviar material científico para o satélite natural da Terra, antes do retorno dos astronautas previsto para 2024 no âmbito do programa Artemisa. Os três veículos levarão à superfície lunar cerca de vinte instrumentos fornecidos pela Nasa. Está previsto que o primeiro módulo, fabricado pela Orbit Beyond, pouse no mar da Chuva (Mare Imbrium) em setembro de 2020, depois de ter sido lançado por um foguete Falcon 9 da companhia SpaceX.

"O mistério do metano de Marte continua", diz o título de um informe publicado na noite de segunda-feira pelo Laboratório de Jato Propulsão da Nasa em A descoberta do Curiosity, ainda que intrigante para os cientistas, aporta uma peça a mais para a compreensão, ainda em estado primitivo, do

“O mistério do metano de Marte continua”, diz o título de um informe publicado na noite de segunda-feira pelo Laboratório de Jato Propulsão da Nasa em Mas desta vez, o resultado voltou ao valor de base, de menos de uma parte por bilhão de unidades. A questão do metano fascina os cientistas

"Com as medições atuais, não temos como dizer se o metano é de origem biológica ou geológica, ou antigo ou moderno", afirmou Paul Mahaffy, principal pesquisador da Nasa para o SAM.

A questão do metano fascina os cientistas do espaço porque sua presença pode indicar um sinal de vida.

Curiosity, que se desloca sobre Marte desde 2012, já detectou metano várias vezes. A sonda espacial europeia Mars Express, na órbita marciana desde 2003, foi a primeira a fazer isso. Mas nunca nesse nível, aproximadamente três vezes mais alto do que se havia registrado até agora.

Continua havendo um mistério que os cientistas ainda não conseguiram resolver: a sonda europeia Trace Gas Orbiter, lançada em 2016 com instrumentos mais sofisticados, ainda não detectou nada.

As taxas de metano na atmosfera estão em alta, mas não se sabe por quê

As taxas de metano na atmosfera estão em alta, mas não se sabe por quê O metano só fica na atmosfera por cerca de uma década antes de se transformar em CO2, mas absorve muito mais calor , por isso é mais potente e preocupante ainda

A existência de metano em Marte é algo muito debatido pela ciência. A presença dessa simples molécula orgânica (CH4) pode ser um forte indicativo da presença de vida extraterrestre. Por isso, os pesquisadores são sempre cautelosos com relação a informações sobre o assunto.

A NASA divulgou esta quarta-feira o que acredita ser a primeira gravação de um sismo em Marte . Assinar o Público é participar numa comunidade que decide melhor. O PÚBLICO tem consolidado a sua Todos os meses passam pelo nosso online mais de 6,5 milhões de visitantes. Mas não é só a

"Combinar as observações realizadas na superfície e em órbita pode ajudar os cientistas a localizarem as fontes de gás no planeta e compreender quanto tempo permanece na atmosfera marciana. Isto poderia explicar porque as observações de metano da Trace Gas Orbiter e do Curiosity diferem tanto", conclui a Nasa.

Vídeo: 'Javalis Selvagens' celebram um ano de resgate em caverna (AFP)

Leia Mais

NASA encontra “super Terra” com o potencial de abrigar água líquida.
Novo planeta, se tiver uma atmosfera densa, poderia armazenar calor o suficiente para conter água liquida em sua superfície

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 4
Isto é interessante!