Ciência e Tecnologia: Poeira espacial impulsionou a vida na Terra e poderia ajudar na crise climática - - PressFrom - Brasil

Ciência e Tecnologia Poeira espacial impulsionou a vida na Terra e poderia ajudar na crise climática

16:15  23 setembro  2019
16:15  23 setembro  2019 Fonte:   canaltech.com.br

Fumaça de incêndios na África fertiliza Floresta Amazônica e oceanos

Fumaça de incêndios na África fertiliza Floresta Amazônica e oceanos Pesquisa mostra que o fósforo presente na fumaça é até mais importante do que o contido na poeira que sai do Saara para fertilizar a Amazônia

Choque de asteroides© Don Davis, Southwest Research Institute Choque de asteroides

Muitos são os fatores que ajudaram a Terra a desenvolver todo o seu complexo conjunto de condições que permitiram o surgimento da vida, e os cientistas ainda estão aprendendo sobre eles. Uma nova pesquisa aponta que uma poeira espacial criada 468 milhões de anos atrás é um desses fatores. Mais especificamente, o fator para que a vida já existente fosse capaz de evoluir e criar diversidade.

Naquela época, uma colisão cataclísmica de asteroides ocorreu além da órbita de Marte, e isso pode ter ajudado a desencadear uma era glacial com uma explosão de biodiversidade de vida na Terra. Embora ideias semelhantes já tenham sido rebatidas anteriormente por outros cientistas, um novo estudo publicado na última quarta-feira (18) na Science Advances, por uma equipe liderada por Birger Schmitz, traz novas evidências.

Mudança climática cria dilema sobre o uso da terra

Mudança climática cria dilema sobre o uso da terra Será que teremos que escolher um dia entre florestas, terras agrícolas e cultivo para produzir biocombustíveis? A luta contra o aquecimento global pode causar uma mudança radical no uso da terra, com o risco de uma maior competição pelo seu uso. Especialistas que falavam até pouco tempo atrás de possíveis cenários que beneficiam todos os usos da terra preferem hoje se referir a "compromissos" a serem tomados no contexto da mudança climática. O assunto do uso das terras está no centro do encontro do Grupo Intergovernamental de especialistas da ONU sobre a Mudança Climática (IPCC) que é realizado até terça-feira em Genebra.

Os autores do estudo demonstram como a poeira de asteroide pode causar o resfriamento do clima global, e sugerem que esse tipo de material espacial pode até mesmo ser uma possível solução para reverter a mudança climática causada pelo homem.

O gatilho da biodiversidade

  Poeira espacial impulsionou a vida na Terra e poderia ajudar na crise climática

Há cerca de 466 milhões de anos, a Terra passava pelo período de biodiversidade ordoviciano (do inglês Event Biodiversification Grande Ordoviciano, ou GOBE). Foi uma época de resfriamento global, quando o número de famílias de invertebrados marinhos triplicou, e animais complexos como braquiópodes, gastrópodes e bivalves dominaram os oceanos. Mas a causa desse evento ainda é motivo de debate na comunidade científica.

A resposta poderia estar na vizinhança de outro planeta. O violento impacto de um asteroide de 160 quilômetros de largura relativamente perto de Marte polvilhou a atmosfera da Terra com detritos. Esse asteroide é conhecido como “L chondrite parent body” (LCPB), porque acredita-se que todos os pequenos asteroides classificados como “L chondrite”, o tipo mais comum que vemos hoje em direção à Terra, são fragmentos desse corpo gigantesco que colidiu milhões de anos atrás. Quase um terço dos meteoritos que caem até hoje na Terra são do tipo L chondrite, de acordo com o estudo.

Acompanhe a primeira caminhada espacial feminina da história

  Acompanhe a primeira caminhada espacial feminina da história Acompanhe a primeira caminhada espacial feminina da históriaDuas astronautas, Christina Kock e Jessica Meir, realizam um feito histórico: uma caminhada espacial 100% feminina, na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). A Nasa, agência espacial norte-americana, exibe a missão nesta sexta-feira (18). As astronautas vão substituir um controlador de energia da bateria da ISS.

Essa colisão cósmica pode ter filtrado a luz solar, causando um resfriamento global e a queda do nível do mar à medida que o gelo se formava nos polos. Essa mudança pode ter estimulado a adaptação dos seres vivos na época, criando possibilidades e iniciando o GOBE. Segundo Schmitz, esse fenômeno pode até ser responsável por outras eras glaciais ao longo da história da Terra.

Cientistas já contestaram antes a ideia de que a nuvem de poeira do asteroide e o GOBE estejam relacionados. Um estudo de 2017 da Nature Communications sugeriu que o aumento da biodiversidade já estava em andamento quando a primeira poeira chegou à Terra. Schmitz e seus colegas, no entanto, começaram a procurar registros calcários dessa chuva de detritos para estabelecer uma linha do tempo muito mais precisa.

Os resultados da pesquisa mostraram que os detritos de L chondrite após o impacto causaram um aumento de mil vezes da poeira espacial caindo na Terra, com duração de pelo menos dois milhões de anos. A equipe também forneceu evidências de que "quantidades extraordinárias de micrometeoritos L chondrite" chegaram centenas de milhares de anos antes do que o estudo de 2017 sugeriu. A conclusão o time é que queda prolongada de detritos da colisão coincide com a explosão da diversidade da vida encontrada no registro fóssil. Ou seja, a poeira do asteroide poderia, sim, ter sido um dos principais impulsionadores da biodiversidade.

Poeira lunar pode representar perigo aos futuros exploradores espaciais

  Poeira lunar pode representar perigo aos futuros exploradores espaciais Poeira lunar pode representar perigo aos futuros exploradores espaciaisJohn Cain, especialista britânico sobre riscos da exploração lunar e consultor independente de saúde de astronautas, levanta a questão. Ele foi o primeiro cientista a definir a nova disciplina científica chamada de "higiene astronáutica", que é um ramo da medicina ocupacional para controlar os riscos que astronautas enfrentam no espaço.

Além de esfriar o clima, essa poeira pode ter jogado nos oceanos componentes extraterrestres importantes para o repentino aumento da biodiversidade. "Este tipo de poeira extraterrestre é muito rico em ferro", disse Schmitz. "Quando a poeira passa pela atmosfera, ela diminui por causa do atrito, e partículas minúsculas ricas em ferro, na escala nanométrica, são liberadas e depositadas na superfície do oceano."

Soluções espaciais para problemas terrestres

  Poeira espacial impulsionou a vida na Terra e poderia ajudar na crise climática

Segundo Schmitz, essa descoberta pode ajudar, de alguma forma, a combater a crise climática com a geoengenharia. "Seria extremamente importante descobrir se a redução do [dióxido de carbono] por causa da fertilização do ferro e do aumento da biodiversidade ou da sombra criada pela poeira, é o parâmetro mais importante que levou ao resfriamento", disse. "Esse conhecimento pode ser crucial se precisarmos mitigar um aquecimento global catastrófico pela geoengenharia (isso se os políticos falharem em reduzir as emissões [de dióxido de carbono])".

A equipe encerrou o estudo citando um cenário especulativo de geoengenharia. Um asteroide seria “atracado” gravitacionalmente a um milhão de quilômetros do nosso planeta, na direção do Sol. A Terra seria salpicada com poeira dessa rocha espacial, o que poderia "criar um efeito de resfriamento prolongado", disseram os autores do estudo.

Hubble mostra “rosto fantasmagórico” no céu

  Hubble mostra “rosto fantasmagórico” no céu Hubble mostra “rosto fantasmagórico” no céuEmbora colisões de galáxias sejam comuns – especialmente no universo primitivo –, a maioria delas não tem impactos frontais, como a colisão que provavelmente criou este sistema Arp-Madore a 704 milhões de anos-luz da Terra. Esse encontro violento propicia ao sistema uma estrutura de anel de retenção, mas apenas por um curto período de tempo. O acidente puxou e esticou os discos de gás, poeira e estrelas das galáxias para fora, formando o anel de intensa formação estelar que molda os recursos do “nariz” e da “face” do sistema.

Claro, tudo isso não passa de especulação, e qualquer medida nesse sentido exigiria muita pesquisa adicional, debates técnicos e novas tecnologias.

Fonte: Vice

Trending no Canaltech:

  • Fatos desconhecidos sobre o Google Maps que você nunca desconfiou
  • Facebook suspende milhares de apps em investigação pós-Cambridge Analytica
  • Amazon Prime é importante. Alibaba é ainda mais!
  • Vaza lista de smartphones Samsung que receberão Android 10
  • Fleabag | 5 motivos para assistir à comédia de Phoebe Waller-Bridge

Clima: 11 mil cientistas alertam para "sofrimento incalculável" .
Crise climática já chegou e ameaça ecossistemas naturais e o destino da humanidade, alertam especialistas Para marcar os 40 anos da primeira conferência mundial sobre o clima, realizada em Genebra em 1979, mais de 11 mil cientistas de 153 países alertaram para o "sofrimento incalculável" que as alterações climáticas irão provocar, a menos que haja grandes transformações na sociedade. “Declaramos clara e inequivocamente que o planeta enfrenta uma emergência climática”, dizem os cientistas na revista BioScience, em artigo publicado nessa terça-feira (5). “Para garantir um futuro sustentável, precisamos mudar a forma como vivemos”.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 1
Isto é interessante!