Esportes O modelo de clube-empresa pode ser prejudicial no Brasil; entenda!

20:36  30 junho  2020
20:36  30 junho  2020 Fonte:   gazetaesportiva.com

Diretor do IBOPE avalia Botafogo S/A: 'Modelo mais inteligente'

  Diretor do IBOPE avalia Botafogo S/A: 'Modelo mais inteligente' LANCE! na jogada: José Colagrossi, diretor-executivo do IBOPE Repucom, avalia que modelo de clube-empresa proposto pelo Alvinegro é o melhor possível- Tem o modelo europeu: um cara que chega, assina um cheque e compra um clube. Não acredito que isso não vai acontecer no Brasil, pelo menos não nos clubes principais. O modelo que está no Congresso Nacional, que ainda não passou, eles têm outras preocupações no momento, é o que busca a transformação do clube associativo em uma gestão empresarial. que é o que é o Botafogo S/A quer - analisou.

Com a pandemia do novo coronavírus e a paralisação das competições no Brasil, a delicada situação financeira que grande parte dos clubes atravessa ficou escancarada e ganhou holofotes. O panorama geral de endividamento levantou o debate do modelo de clube-empresa ser adotado por aqui.

No ano passado, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto que libera os clubes se tornarem empresas, algo parecido com o que ocorre na Europa. Hoje, qualquer clube pode ser uma companhia. Há a possibilidade de nascer empresa, a exemplo do Red Bull Brasil, como deixar de ser uma associação e virar uma empresa, como Red Bull Bragantino e Botafogo-SP.

Vice do Atlético explica processo envolvendo Cicinho e detona ex-jogador: 'Pare de falar besteira'

  Vice do Atlético explica processo envolvendo Cicinho e detona ex-jogador: 'Pare de falar besteira' Ex-lateral do Galo disse que não tem boas recordações do clube e que torce para que o time não se dê bemAnos depois, o Atlético começou a negociar com o banco Axial e conseguiu desconto na ação, que já chegava a R$ 18 milhões. Como Cicinho não se posicionou, o clube precisou acioná-lo na Justiça. A dívida total atingiu cerca de R$ 9 milhões. Cicinho pagou R$ 2,9 milhões ao Galo e R$ 250 mil de honorários.

Atualmente, em sua maioria, os clubes são entidades sem fins lucrativos e se tornariam sociedades limitadas ou até mesmo anônimas.

  O modelo de clube-empresa pode ser prejudicial no Brasil; entenda! © Fornecido por Gazeta Esportiva

A equipe do Corinthians de futsal é uma das potências no esporte nacional (Foto: Agência Corinthians)

Outro ponto importante é o abandono dos proprietários. Os donos podem simplesmente perder o interesse em investir no clube, focando-se com os ganhos em venda de jogadores e publicidade. Há o risco da marca ser explorada financeiramente e largada no âmbito esportivo. Este tema implica também na chance de falência.

Uma associação, modelo vigente em quase todo Brasil, pode sofrer insolvência civil- o clube ter mais obrigações do que rendimentos para cobrir tais pagamentos, bastante similar à falência. Como há uma rotatividade de mandatários, regida pelo sistema presidencial, o fato de não haver responsáveis pelo ativo dificulta essa ação. Na realidade, é improvável a insolvência de um clube de futebol em decorrência das oportunidades que envolvem o capital- compra e venda de jogadores, bilheteria, publicidade. Mesmo que em estado crítico, os clubes se mantém.

Novas regras da UE miram Google e outras gigantes da tecnologia

  Novas regras da UE miram Google e outras gigantes da tecnologia Novas regras da UE miram Google e outras gigantes da tecnologiaBRUXELAS (Reuters) - A União Europeia, irritada com o fracasso em reduzir o domínio de mercado do Google, apesar de ter aplicado mais de 8 bilhões de dólares em multas, está planejando novas regras para equilibrar as condições de concorrência.

Já no modelo empresarial, a situação se reverte. Uma empresa pode falir. A falência no futebol implicar em ter de reiniciar todas as competições estaduais e nacionais da última divisão.

Diante desse cenário, quem iria assumir um clube brasileiro na atual crise?

Não vai chegar um xeique no Brasil com um 1 bilhão de reais. Pode ter certeza. Não acredito em mágica, de que um investidor chegue no Brasil, em um clube que deve mais de R$ 700 milhões, como o Corinthians, com esse dinheiro para curar as dívidas, mais 500 milhões para folha salarial. Acreditar que o clube-empresa vai ser a solução de tudo é um pouco de ilusão”, comentou César.

“O real está em baixa, então colocar 300 milhões de euros não é inconcebível. Mas, pensando friamente, com esse valor se compra outros clubes da Europa, e lá, num país que não seja das grandes ligas, se consegue chegar em uma Liga Europa, se consolidar nacionalmente”, completou.

A discussão de clube-empresa ou associação é bastante complexa e deve ser levada com muito cuidado. Independente do modelo, a gestão deve ser profissional e responsável, somente assim qualquer instituição sobrevive à longo prazo.

Parceria entre Flamengo e BS2 chega ao último dia; confira como será o novo ciclo .
Contrato entre clube e banco foi descontinuado; substituto, BRB será apresentado oficialmente nesta quarta, mesmo dia da estreia como patrocinador master num jogoTido à época como detentora do "maior contrato de patrocínio do futebol nacional no modelo fixo + variável", o acordo foi iniciado em abril de 2019 e iria até dezembro deste ano, prevendo mais duas parcelas de R$ 5 milhões a serem depositadas este ano. Um aporte de mais R$ 10 milhões anuais para estampar o banco em outras modalidades do Flamengo, antes encaminhado, não ocorrerá mais, naturalmente.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 0
Isto é interessante!