Esportes 'Nós vamos te amar por toda nossa vida. Adeus, Diego': imprensa Argentina repercute morte de Maradona

21:22  25 novembro  2020
21:22  25 novembro  2020 Fonte:   espn.com.br

Diego Maradona morre na Argentina aos 60 anos

  Diego Maradona morre na Argentina aos 60 anos Diego Maradona morre na Argentina aos 60 anosO ex-jogador deixa órfãos oito filhos, além de um país inteiro e uma legião de fãs espalhados por todo o planeta, apaixonados pelo gênio controverso de um dos esportistas mais talentosos e autodestrutivos a competir em alto nível na História.

você vai ver Que ninguém vai te amar como eu te amei Você pode provar milhões de beijos Mas sei que dizer adeus Não sei se vou me acostumar Olhando assim nos olhos seus Sei que vai ficar nos meus A Pra separar as nossas vidas E nessa loucura de dizer que não te quero Vou negando as

INSTAGRAM DO CABELEIREIRO: @HAIRDIEGO Sigam ele lá, vocês vão amar . Eu e Álvaro somos APENAS AMIGOS, nenhum contato físico há entre nós , e peço que respeitem nossa opinião, nossas vidas está nas mãos de Deus para que Deus faça sempre oque ELE acha melhor !

Confirmada na tarde desta quarta-feira (25), a morte de Diego Armando Maradona parou a Argentina. Principais jornais em circulação no País lamentam o falecimento de El Pibe, aos 60 anos.

Maradona, treinador do Gimnasia © Getty Images Maradona, treinador do Gimnasia

O eterno craque argentino não resistiu a uma parada cardiorrespiratória sofrida na casa da filha, no bairro Vila Nova, zona metropolitana de Buenos Aires, neste 25 de novembro. Várias ambulâncias foram ao local para tentar reanimá-lo, mas não foi possível.

Maradona comemora o título da Copa do Mundo de 1986 © Getty Images Maradona comemora o título da Copa do Mundo de 1986

Ele foi internado no começo deste mês após passar mal durante um jogo do Gimnasia. Na chegada ao hospital, Diego precisou passar por uma cirurgia de emergência para aliviar uma pressão intracraniana e permaneceu lá até receber alta em 11 de novembro.

Maradona teve relação de amor e ódio com Pelé

  Maradona teve relação de amor e ódio com Pelé Argentino e Rei do Futebol trocaram farpas por décadas até fazerem as pazes em 2016Diego Maradona teve ao longo da sua vida uma relação de amor e ódio com Pelé. Nos últimos anos, no entanto, os dois selaram a paz e até trocaram afagos em público. No centro do embate entre o argentino e o Rei do Futebol esteve principalmente a disputa em quem foi o maior jogador de todos os tempos. Apesar de para a ampla maioria dos fãs do futebol de todo o mundo não haver dúvidas de que não existiu ninguém maior do que Pelé, na Argentina muitos colocam Maradona como o melhor jogador da história.

A informação foi confirmada, no dia 4 de janeiro, por sua companheira, Julia Johns, ao The Hollywood Reporter. George, que ficou conhecido por sua atuação em séries como Seinfeld, Bosch, Arquivo-X, Grey's Anatomy e True Blood morreu em decorrência de um aneurisma cerebral.

nosso sonho for verdade Vou viver a vida a te sonhar Quero ver brotar felicidade, saudade, vontade É o nosso jeito de amar Quero ver brotar felicidade, saudade, vontade É o nosso jeito de amar Pra livrar você desse deserto Faço meu desejo, desabar Quando percorri o mundo incerto Você veio me

Messi x Maradona © ESPN Deportes Messi x Maradona

Em seu perfil no Twitter, o jornal esportivo Ole, principal em circulação na Argentina, deu o tom de como o meio do futebol amava o ex-jogador.

Nós vamos te amar por toda a nossa vida. Adeus, Diego

No texto em que noticia a morte de Maradona, o Olé aponta que 'Diego nos deixou e com ele levou o futebol. Porque nada será igual. Nunca mais.'

O que era apenas mais uma manhã, se tornou a manhã mais singular da história do futebol argentino. Campeão mundial pela Seleção na Copa do Mundo do México 86, ele nos representou não só dentro de campo, mas também fora dele, onde sempre foi autêntico, com seus pontos fortes e fracos, mas sempre sendo Maradona

Morreu nesta quarta-feira, aos 60 anos, a maior personalidade do esporte da Argentina e um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos, Diego Armando Maradona Franco. © Fornecido por ESPN

Morreu nesta quarta-feira, aos 60 anos, a maior personalidade do esporte da Argentina e um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos, Diego Armando Maradona Franco.

De Menem a Fidel Castro: a vida política 'agitada' de Diego Maradona

  De Menem a Fidel Castro: a vida política 'agitada' de Diego Maradona De Menem a Fidel Castro: a vida política 'agitada' de Diego MaradonaDurante sua vida, o ex-jogador e técnico apoiou personalidades de campos ideológicos distintos.

Este é o exemplo da vida Para quem não quer compreender Nós devemos ser o que somos Ter aquilo que bem merecer Seu Amor Ainda É Tudo Muito prazer em revê-la Você está bonita Muito elegante, mais jovem

Maradona fue homenajeado por Gimnasia en la previa al partido contra Patronato por el estreno de la Copa de la Liga Profesional (Foto Baires). El lugar fue elegido especialmente por Diego para lanzar su campaña donde se llevaron adelante varias obras solidarias.

Maradona liderou a Argentina na conquista da Copa do Mundo de 1986, no México, sobre a Alemanha Ocidental. Disputou também as Copas de 1982, na Espanha; 1990, na Itália; e 1994, nos EUA, onde foi flagrado no antidoping pelo uso de efedrina, um estimulante.

Ídolo dos argentinos, dos torcedores de Boca Juniors e Napoli e de amantes de futebol em geral, Maradona despertou adoração a ponto de ter uma igreja fundada em seu nome em seu país.

A Igreja Maradoniana La Mano de Dios, em Rosário, tem entre seus mandamentos "declarar amor incondicional a Diego e ao futebol".

D10s (Deus, em Espanhol, grafado com numerais que formam um 10), aliás, era um de seus muitos apelidos.

Seu talento exuberante fez surgir por todo mundo gerações de garotos batizados como Diego em sua homenagem, que hoje têm entre 30 e 40 anos.

O Diez sempre negou que estivesse dopado nos EUA e acusou o brasileiro João Havelange, então presidente da Fifa, de ter liderado um complô para impedir que a Argentina conquistasse o Mundial disputado na América do Norte, eliminando-o da disputa.

Maradona tinha tatuagens de Che e Fidel e se disse “soldado” de Lula e Dilma

  Maradona tinha tatuagens de Che e Fidel e se disse “soldado” de Lula e Dilma Ídolo era identificado com a esquerda. Manifestou apoio a líderes brasileiros. Fidel morreu nesta data em 2016Ele chegou a fazer tatuagens com os rostos do líder cubano Fidel Castro e do guerrilheiro revolucionário Che Guevara. Nos últimos anos, Maradona fez manifestações de apoio aos ex-presidentes brasileiros Lula e Dilma Rousseff, do PT, e ao atual mandatário russo Vladimir Putin.

Eduardo Costa e Bruno (Bruno e Marrone) - Vida Pelo Avesso (DVD #40Tena). Trio Parada Dura - Último Adeus (Ao Vivo) ft.

Para o duelo contra o Palmeiras, na próxima sexta-feira (15), no Allianz Parque, Renato deverá ter de volta Vanderlei, Kannemann, Jean Pyerre e Diego Souza, que não viajaram ao Ceará. A expectativa fica também para as possíveis presenças de Pedro Geromel e Maicon.

Maradona levou o Napoli à conquista de seus únicos dois títulos italianos (1986-87 e 1989-90) e à Copa da Uefa (1988-89). Conquistou também copas nacionais com o Barcelona e um Campeonato Metropolitano com o Boca Juniors (1981), sua grande paixão.

Como técnico, classificou a Argentina à Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, avançando até as quartas de final do torneio posteriormente.

Teve programas de rádio televisão, foi amigo de governantes de esquerda, como Fidel Castro e Hugo Chávez, e militou politicamente contra a influência dos Estados Unidos na América Latina. Trazia uma tatuagem com o rosto do revolucionário argentino Ernesto Che Guevara no peito.

Ao longo de sua vida, lutou contra vícios, em especial a cocaína, que lhe causou suspensões esportivas, e o álcool, que lhe abreviou os anos de vida. Também enfrentou problemas cardíacos e obesidade, decorrentes de sua vida desregrada e boêmia.

Teve problemas com o fisco na Itália e na Argentina, atirou com armas de pressão contra jornalistas e protagonizou diversas situações controversas e condenáveis.

Casagrande, 'chocado', revela revolta e chora ao falar de Maradona: 'É a minha morte também'

  Casagrande, 'chocado', revela revolta e chora ao falar de Maradona: 'É a minha morte também' Casagrande, 'chocado', revela revolta e chora ao falar de Maradona: 'É a minha morte também'"Não tenho vergonha de dizer que sou igual àqueles caídos na Cracolândia [local na região central de São Paulo onde muitos dependentes químicos convivem], que são humilhados, parte da decoração terrível de São Paulo. Eu tenho sobrevivido, mas sou um dependente químico. E a morte de Maradona é a minha morte também", disse o ex-atleta no programa Redação SporTV, do canal SporTV.

Tais como “batizar” com sonífero a água que ofereceu aos atletas do Brasil durante o confronto pelas oitavas de final da Copa de 1990.

Ou murmurar “hijos de puta” durante a execução do hino italiano na semifinal do mesmo Mundial, ao enfrentar a Azzurra.

Mas nada parecia abalar a adoração pública pelo ídolo. Talvez, até ao contrário, tenha feito dele uma figura ainda mais amável.

Falível, embora dotado de um dom extraordinário, Diego “de la gente” chorava e sofria como todos. Mas era capaz de germinar sorrisos e trazer alegrias como quase ninguém.

Ao mesmo tempo, era um homem “de família”, completamente apaixonado por sua mãe, Dalma Franco, a quem chamava de La Tota, e Diego Maradona, seu pai, que lhe deram sete irmãos.

A canção La mano de Dios, do cantor argentino "Potro" Rodrigo, de 2000, tornou-se uma espécie de hino extraoficial do craque. Um de seus versos diz que Maradona imaginava que, jogando, talvez pudesse ajudar a sua família.

Com seu futebol, como diz outra estrofe da letra, Maradona conseguiu não apenas isso, mas também logrou "semear a alegria em seu povo e regar o solo de seu país de glórias."

"Olé, olé, olé, olé, Diego!", canta seu refrão.

Para sempre.

Buenos Aires não dormiu: velório de Maradona é comparado ao de Perón ou Gardel .
Uma multidão passou a noite em vigília e festa na Praça de Maio à espera do melhor lugar para entrar no Palácio do Governo argentino para se despedir o ídolo. Antes, durante a madrugada desta quinta-feira (26), o corpo do ex-jogador atravessou a cidade enquanto as pessoas aplaudiam a caravana pelo caminho, assim como quando Maradona voltou campeão em 1986 ou vice, em 1990. Todos os estádios do país acenderam as luzes e as pessoas foram às janelas a aplaudir.

usr: 7
Isto é interessante!