Meio Ambiente Áreas de biomas brasileiros diminuíram 8,34% de 2000 a 2018, aponta IBGE

20:06  24 setembro  2020
20:06  24 setembro  2020 Fonte:   poder360.com.br

Fome volta a crescer no Brasil e atinge 10,3 milhões

  Fome volta a crescer no Brasil e atinge 10,3 milhões Subiu 3 milhões em 5 anos

Garimpo clandestino na Amazônia, no Estado do Pará; área de biomas brasileiros diminuiu, segundo o IBGE © Sergio Lima/Poder360 Garimpo clandestino na Amazônia, no Estado do Pará; área de biomas brasileiros diminuiu, segundo o IBGE

Todos os biomas brasileiros (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica e Pampa) tiveram saldo negativo em números absolutos (489.877 km²) das áreas naturais, de 2000 a 2018, o que representa menos 8,34%, mas a perda foi diminuindo de magnitude ao longo desses anos.

A maior desaceleração ocorreu no bioma Mata Atlântica, que saiu de uma perda de 8.793 km², de 2000 a 2010, para menos 577 km², de 2016 a 2018. Apesar disso, o bioma, que tem a ocupação mais antiga e intensa, conserva apenas 16,6% de suas áreas naturais. Esse é o menor percentual em comparação a outros biomas.

Os seis fatores que tornam incêndios no Pantanal difíceis de serem controlados

  Os seis fatores que tornam incêndios no Pantanal difíceis de serem controlados Bioma vive pior período de queimadas das últimas décadas; especialistas apontam que a chuva é a única forma de melhorar a situação.Pesquisadores apontam que a demora do poder público para intervir no bioma em chamas fez com que as queimadas se propagassem rapidamente na região. Além disso, algumas características do Pantanal dificultam o combate ao fogo.

Os dados fazem parte da edição inaugural das Contas de Ecossistemas: Extensão por Biomas (2000-2018), divulgada nesta 4ª feira (23.set.2020) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O levantamento apresenta os resultados, em termos gerais, do estado de conservação dos ecossistemas no ambiente terrestre brasileiro. Eis a íntegra (36 MB).

Os biomas Amazônia e Cerrado concentraram os maiores quantitativos absolutos de redução de áreas naturais. A maior perda foi do bioma Amazônia (269,8 mil km²), seguido pelo Cerrado (152,7 mil km²).

As menores quedas de áreas naturais, tanto em termos absolutos (2.109 km²) quanto percentuais (1,6%), foram no Pantanal. Já a maior perda percentual ocorreu no bioma Pampa, onde 16,8% de sua área natural, de 2000 a 2018, foram convertidos em usos antrópicos –quando há a ação do ser humano em atividades sociais, econômicas e culturais sobre o meio ambiente.

Chuva preta e dia escuro: as dificuldades que as queimadas no Pantanal e na Amazônia podem levar a outras regiões

  Chuva preta e dia escuro: as dificuldades que as queimadas no Pantanal e na Amazônia podem levar a outras regiões Consequências causadas por incêndios de grandes proporções em biomas brasileiros devem ser sentidas em diferentes cidades.A fumaça e as partículas liberadas pelos incêndios são levadas pelo vento a outras regiões. Como consequência, segundo especialistas, o céu desses locais pode adquirir cores incomuns e há riscos de chuva com coloração preta.

A pesquisa indicou que de 2000 a 2018, a Amazônia perdeu quase 8% de sua cobertura florestal, que foi substituída, principalmente, por áreas de pastagem com manejo, que passaram de 248,8 mil km², em 2000, para 426,4 mil km² da Amazônia, em 2018.

A pesquisadora da Diretoria de Geociências do IBGE, Maria Luíza da Fonseca, informou que os biomas Pampa e Pantanal apresentaram o indicador de intensidade de mudança com proporções bastante superiores aos demais do território nacional.

“No Pantanal temos 75,3% das alterações realizadas, consideradas desde alterações intensas, que têm o indicador 3, o mais elevado. O mesmo acontece com o Bioma Pampa, com cerca de 60% de alterações bastante intensas. O indicador de valor 3 retrata uma conversão de uso que era natural e passou diretamente ao antrópico intenso. No Pampa, sobretudo na área agrícola, e no Pantanal prevaleceu a pastagem por manejo”, afirmou.

IBGE lança painel com dados de covid-19 por município

  IBGE lança painel com dados de covid-19 por município Os dados estão separados em três categorias: população vulnerável, capacidade de resposta do sistema de saúde e acompanhamento da pandemia. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou hoje (21) o Painel Covid-19 Síntese por Município. Com a plataforma, que está disponível na internet, é possível acessar mapas interativos, selecionar uma localidade de interesse e visualizar, em um único ambiente, 24 indicadores para o planejamento de ações de apoio contra a pandemia para todos os 5.570 municípios do país.

A Mata Atlântica (7,96%) e Caatinga (7,44%) tiveram as menores transformações do espaço brasileiro e os maiores decréscimos nas supressões de áreas naturais.

“Dentro de um cenário nacional, podemos ver que tanto a Mata Atlântica quanto a Caatinga foram as que, no último biênio analisado (2016/2018), tiveram o maior decréscimo. Elas mostram, ao longo de toda a série histórica (2000/2018), a maior desaceleração dessas perdas”, disse, acrescentando que essas áreas naturais dizem respeito às vegetações florestal e campestre, às áreas úmidas e descobertas, consideradas vegetação nativa sem interferência antrópica.

“A perda de áreas naturais ocorre de formas diversas. Nem essa pesquisa e nem o monitoramento trata das causas desses fenômenos. Ou seja, se foram por meio de ação antrópica ou por causa dos próprios fenômenos da natureza. As pesquisas do IBGE ainda não trazem esse detalhamento de causas”, afirmou.

Áreas naturais florestais

Maria Luíza destacou que o mapa de concentração das áreas naturais florestais contínuas, referente a 2018, mostra a maior parte no Bioma Amazônia e 1 avanço de maneira clara do arco do desmatamento, que em 2000 era mais restrito ao limite do Bioma Cerrado e hoje apresenta uma interiorização por meio das estradas e dos cursos de rios.

Os mapas que mostram o impacto do aquecimento global no futuro das crianças de hoje

  Os mapas que mostram o impacto do aquecimento global no futuro das crianças de hoje O clima global pode mudar drasticamente até 2100, com aumentos recordes de temperatura nos Estados Unidos, Índia e no sul da Ásia, segundo mapas divulgados pelo Fórum Econômico Mundial.O clima global pode mudar drasticamente até 2100, segundo mapas divulgados durante a Cúpula de Impacto e Desenvolvimento Sustentável do Fórum Econômico Mundial.

Em contraposição, o 2º bioma mais florestal é o da Mata Atlântica onde, atualmente, se vê poucos remanescentes de vegetação, com alta fragmentação ao longo do litoral.

Formações campestres

O Cerrado tem o maior grau de interferência antrópica nas formações campestres florestais, sobretudo no Centro-Sul, onde avançam as atividades agropecuárias. Ainda em 2018, o Pantanal era o mais preservado, com pontual interferência antrópica na borda leste do bioma.

“É claro que ele também sofre influência do Bioma Cerrado no limite, porque a Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai, que abastece o Pantanal, não respeita o limite dos biomas, então, a produção de água e sedimentos do Cerrado chega também ao Pantanal”, afirmou.

A pesquisadora disse que o impacto das queimadas que têm ocorrido no Pantanal só será verificado no próximo ano de referência (2020) do Projeto de Monitoramento de Cobertura do Uso da Terra, que fará parte da edição seguinte, prevista para ser divulgada em 2022.

“A supressão de áreas naturais que ocorrer no Pantanal, de acordo com esse fenômeno que estamos vendo agora, provavelmente será detectada no próximo ano referência”, disse.

No Pampa, as formações campestres seguem o padrão de ocupação nos planaltos, área propícia à expansão da atividade agrícola, e na Caatinga há a antropização nas depressões orientais sertanejas que fazem limite com a Mata Atlântica.

Com informações da Agência Brasil.

Organizações ambientais unem esforços pela restauração florestal .
Objetivo da parceria é unir esforços para restaurar áreas de floresta na Amazônia e Mata Atlântica até 2030 Imagem editada e redimensionada de Frederico Pereira, está disponível no Flickr e licenciada sob CC-BY 2.0 Algumas das principais organizações ambientais no Brasil unem esforços para restaurar áreas de floresta na Amazônia e Mata Atlântica até 2030. A estratégia visa garantir o fornecimento de serviços ambientais, a captura de CO2 da atmosfera, fortalecer economias locais e promover o bem-estar humano.

usr: 1
Isto é interessante!