Meio Ambiente Em 18 anos,Amazônia perdeu área maior que estado de SP, diz IBGE

02:11  25 setembro  2020
02:11  25 setembro  2020 Fonte:   ansabrasil.com.br

"Governo Bolsonaro pratica nacionalismo seletivo na Amazônia"

  Para antropóloga, clima de conspiração e ataques a ambientalistas propagados por militares no governo são parte de "projeto de privatização das florestas". Presidente, afirma ela, confunde política com guerra. © Reuters/U. Marcelino Atenta ao desmonte de órgãos de fiscalização ambiental e aos ataques por parte do governo federal direcionados à pesquisa e entidades que defendem uma exploração sustentável da Amazônia, a antropóloga e socióloga Andréa Zhouri vê semelhanças entre o momento atual e o período da ditadura militar.

A Amazônia perdeu uma área equivalente a 270 mil km² entre os anos 2000 e 2018. No período, a maior floresta tropical do planeta viu desaparecer 8% de sua cobertura, substituída, principalmente, por áreas de pastagem. Para efeito de comparação, o tamanho da perda territorial da Amazônia

O Brasil perdeu 500 mil quilômetros quadrados (M2) de sua área natural em 18 anos , o equivalente a duas vezes o tamanho do Estado de São Paulo, apontou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ). A maior perda em números absolutos ocorreu na Amazônia , que acumulou mais

(ANSA) - O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (24) que a Amazônia perdeu uma área equivalente a 270 mil km² entre os anos 200 e 2018, um espaço maior do todo o estado de São Paulo (248 mil km²) para efeito de comparação.

Os dados fazem parte das "Contas de Ecossistemas: Uso da Terra nos Biomas Brasileiros" (2000-2018) e revelam que a maior floresta tropical do mundo viu reduzir 8% de sua cobertura. A amostra, no entanto, exclui os grandes incêndios registrados na floresta amazônica no ano passado e no Pantanal este ano, já durante o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Saiba mais sobre os biomas brasileiros

  Saiba mais sobre os biomas brasileiros Os biomas brasileiros correspondem ao conjunto de ecossistemas que existem no país, cada um com suas características físicas, químicas e biológicas Imagem de Simi Luft no Pixabay O Brasil é formado por seis biomas de características distintas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal. Cada um desses ambientes abriga diferentes tipos de vegetação e de fauna. Como a vegetação é um dos componentes mais importantes da biota, seu estado de conservação e de continuidade definem a existência ou não de habitats para as espécies, a manutenção de serviços ambientais e o fornecimento de bens essenciais à sobrevivência de populações humanas.

Em 18 anos , a Amazônia perdeu 269,8 mil km² de florestas —o equivalente a seis vezes a área estado do Rio de Janeiro ou mais do que a área do Reino No período analisado, a proporção de terras da Amazônia usadas para pasto cresceu 71%, passando de 248,8 mil km², em 2000, para 426

Em 18 anos , Brasil perde quase 2 estados de SP em vegetação nativa. Amazônia (270 mil km²) e Cerrado (153 mil km²) tiveram as maiores áreas devastadas, diz IBGE . Pedras extraídas em Rondônia são vendidas em lojas de SP e no exterior, aponta investigação.

Segundo o estudo, durante o período analisado, a diminuição na vegetação foi a maior entre as coberturas naturais dos biomas brasileiros.

O IBGE também informa que as áreas de pastagem registraram um aumento de 71% - passando de 248,8 mil km², em 2000, para 426,4 mil km², em 2018.

A maior desaceleração ocorreu no Bioma Mata Atlântica que saiu de uma perda de 8.793 km², entre 2000 e 2010, para menos 577 km², entre 2016 e 2018. Apesar disso, a Mata Atlântica, onde há a ocupação mais antiga e intensa, conserva apenas 16,6% de suas áreas naturais. Esse é o menor percentual entre os biomas.

Os biomas Amazônia e Cerrado concentraram os maiores quantitativos absolutos de redução de áreas naturais. A maior perda foi do bioma Amazônia (269,8 mil km²), seguido pelo Cerrado (152,7 mil km²).

As menores quedas de áreas naturais, tanto em termos absolutos (2.109 km²) quanto percentuais (1,6%), foram no Pantanal. Já a maior perda percentual ocorreu no Bioma Pampa, onde 16,8% de sua área natural, de 2000 a 2018, foram convertidos em usos antrópicos - quando há a ação do ser humano em atividades sociais, econômicas e culturais sobre o meio ambiente. (ANSA - Com informações da Agência Brasil) (ANSA).

Ney Franco revela desafio feito ao elenco do Cruzeiro e faz contas para o acesso: 'Temos que nos posicionar como a grande equipe da Série B' .
Técnico espera que jogo contra a Ponte Preta, nesta quarta-feira, no Mineirão, marque o início de uma arrancada do Cruzeiro na Série B rumo ao acessoPara tentar reerguer a Raposa em seu momento mais difícil em quase cem anos de história, Ney Franco alerta que todos no clube têm de esquecer o desastroso ano de 2019, ainda usado como desculpa para tropeços, e se concentrar numa campanha de recuperação. "O Cruzeiro não pode ficar olhando no retrovisor. O que passou, passou. A gente tem que dar um passo à frente, nós temos que nos posicionar como a grande equipe da Série B".

usr: 1
Isto é interessante!