Meio Ambiente Árvores de florestas estão crescendo mais rapidamente, mas vivem menos

15:41  29 outubro  2020
15:41  29 outubro  2020 Fonte:   revistaplaneta.com.br

Atacante é desfalque nas próximas rodadas e Cuca ‘procura’ substituto

  Atacante é desfalque nas próximas rodadas e Cuca ‘procura’ substituto O comandante santista já avalia como formará o Peixe nas próximas rodadas; jovem deve ficar de fora em até três jogos, dois pelo Brasileiro e um pela Copa do BrasilEm outra ponta, o comandante santista sabe que terá um desfalque importante nos próximos jogos. Depois da partida diante do Defensa y Justicia, Kaio Jorge irá se apresentar à seleção brasileira sub-20 e desfalcará o Peixe por pelo menos três partidas. O garoto vem crescendo de rendimento e se tornando uma peça importante para o time do Alvinegro Praiano.

A aceleração do crescimento das árvores registrada nos últimos anos vem sendo acompanhada de uma redução da vida útil dessas plantas. No futuro, isso pode parcialmente neutralizar ganhos obtidos com o sequestro de dióxido de carbono (CO2). Essa relação entre crescimento e expectativa de vida das árvores vale para florestas do mundo todo, incluindo as tropicais, como a Amazônica, até as temperadas e árticas.

  Árvores de florestas estão crescendo mais rapidamente, mas vivem menos © Relação entre crescimento e expectativa de vida das árvores observada pelos cientistas vale para flo...

Com isso, resultados esperados para modelos e projeções de captação de CO2 estruturados com base no sistema atual podem estar superestimando a capacidade de absorção dos gases de efeito estufa pelas florestas no futuro. Ou seja, plantar árvores é importante para ajudar a reduzir a concentração desses gases na atmosfera, mas não o suficiente – ainda é essencial a redução da emissão do carbono.

Enchentes, secas destroem lavouras e puxam inflação de alimentos

  Enchentes, secas destroem lavouras e puxam inflação de alimentos O clima imprevisível devasta colheitas ao redor do mundo e impulsiona os preços. Em plantações de trigo nos Estados Unidos e na Rússia, é a seca que causa estragos. Campos de soja no Brasil também estão secos, tendo recebido um pouco mais do que chuvas ocasionais. No Vietnã, Malásia e Indonésia, o problema é exatamente o oposto. Chuvas torrenciais causam inundações em plantações de arroz e de palmeiras para produção de óleo.

Esses são os principais pontos de discussão da pesquisa “Forest carbon sink neutralized by pervasive growth-lifespan trade-offs”, publicada na revista “Nature Communications”, por um grupo de pesquisadores internacionais. Entre eles estão o professor do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) Gregório Ceccantini e o pesquisador Giuliano Locosselli. Ambos têm o apoio da Fapesp.

LEIA TAMBÉM: Brasil perdeu ‘dois estados de São Paulo’ de floresta entre 2000 e 2018

  • Manejo florestal torna ipê mais raro em região da Amazônia
  • Amazônia: desmatamento é maior do que capacidade de recuperação da floresta
Relação inversa

“Há uma relação inversa entre a taxa de crescimento das árvores e a longevidade. Mostramos de maneira consistente que isso está presente independentemente da espécie e do local onde se encontram. Se as árvores crescem mais rapidamente, também assimilam o carbono mais rapidamente. O problema é que vão viver menos, e o carbono ficará menos tempo estocado”, explica Locosselli à Agência Fapesp.

Pesquisadores descobrem quase 2 bilhões de árvores solitárias no Saara

  Pesquisadores descobrem quase 2 bilhões de árvores solitárias no Saara Pesquisadores descobrem quase 2 bilhões de árvores solitárias no SaaraPorém, um novo estudo divulgado pela revista científica Nature mostrou que na região também existem árvores. E não são poucas: foram contabilizadas, pelo menos, 1,8 bilhão.

Na fase de crescimento, as árvores precisam de uma grande quantidade de CO2 para se desenvolver. Por isso, tal processo de aceleração tem levado a uma grande absorção de carbono. Tanto que estudos realizados recentemente mostram que cerca de um terço das emissões de gases estufa resultantes da ação do homem nos últimos 50 anos foi absorvido por ecossistemas terrestres, graças a uma combinação de novas árvores e a expansão de florestas secundárias.

A pesquisa publicada na “Nature Communications”, no entanto, coloca em discussão o grau em que as florestas continuarão a absorver o excesso de CO2 no futuro. E problematiza, dizendo que essa captação “depende não apenas da resposta do crescimento das árvores às mudanças no clima e na composição atmosférica, mas também às alterações nas taxas de mortalidade que, em última instância, liberam carbono de volta para a atmosfera”.

Protejam a natureza ou enfrentem pandemias mais graves do que a Covid-19, alertam cientistas

  Protejam a natureza ou enfrentem pandemias mais graves do que a Covid-19, alertam cientistas Protejam a natureza ou enfrentem pandemias mais graves do que a Covid-19, alertam cientistasLONDRES (Reuters) - Pandemias vão surgir com mais frequência, se espalhar mais rapidamente, provocar mais gastos e matar mais pessoas do que a Covid-19 se não houver uma ação ousada para interromper a destruição da natureza que ajuda os vírus a saltar da vida selvagem para os humanos, de acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira.

Incerteza importante

“Este feedback negativo sobre o armazenamento de carbono via aumento da mortalidade irá compensar – pelo menos em certa medida – os efeitos benéficos do aumento do crescimento no armazenamento total de CO2 das florestas. Nosso conhecimento atual e incompleto da universalidade e das causas do feedback dificulta sua representação nos Modelos do Sistema Terrestre e, portanto, é uma importante incerteza nas previsões da futura absorção de carbono da floresta em resposta à mudança global”, ressalta, na pesquisa, o grupo do qual Ceccantini e Locosselli são integrantes.

Segundo Locosselli, a maior parte dos modelos climáticos e de dinâmica de biomassa nas florestas tem levado em consideração a taxa de crescimento, mas não a relação negativa com a longevidade. Os motivos para a aceleração desse crescimento ainda não são totalmente claros, mas entre os que podem contribuir estão a temperatura, o CO2 na atmosfera e até mesmo o uso de fertilizantes em diferentes locais, que aumenta a concentração de nitrogênio no ambiente.

Nuvem de gafanhotos: o que é e como se forma

  Nuvem de gafanhotos: o que é e como se forma A nuvem de gafanhotos é um fenômeno que pode estar relacionado às mudanças climáticas Imagem de Andres Siimon em Unsplash A nuvem de gafanhotos é uma das pragas agrícolas mais conhecidas e recorrentes em toda a história da humanidade. Ela consiste no agrupamento excessivo da forma adulta de gafanhotos, e se forma quando uma quantidade anormal desses indivíduos se movem juntos. Essas nuvens podem chegar a conter centenas de milhões de gafanhotos, o que ameaça consideravelmente plantações agrícolas e pastagens. Os fatores que levam a formação da nuvem de gafanhotos ainda não são claros, sendo objeto de estudo de muitos biólogos e entomologistas.

Mudanças climáticas

Relatório divulgado em 2019 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) apontou que as emissões globais de gases de efeito estufa precisam ser reduzidas em pelo menos 7,6% ao ano, até 2030, para o planeta atingir a meta estabelecida no Acordo de Paris de limitar a alta da temperatura média em 1,5°C.

Se a temperatura ultrapassar esse limite, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) já alertou que entre os impactos que podem ser registrados no planeta estão, por exemplo, o aumento da intensidade de ondas de calor e a frequência de tempestades.

Na última década, as emissões de gases de efeito estufa cresceram 1,5% ao ano, em grande parte provocadas por fontes fósseis de energia e por mudanças no uso da terra, como o desmatamento.

Os países do G20 respondem por cerca de 75% de todas essas emissões, sendo China e Estados Unidos os campeões. O Brasil aparece em 14º lugar no ranking feito pelo Atlas Global de Carbono, com emissões significativas associadas ao desmatamento. No Acordo de Paris, o Brasil se comprometeu a reduzir suas emissões em 37% até 2025 e em 43% até 2030 em relação ao índice de 2005.

Recorde de emissões

Estudo mais recente da Organização Meteorológica Mundial (WMO, na sigla em inglês) mostrou que as emissões globais de CO2 fóssil registraram no ano passado recorde de 36,7 gigatoneladas (Gt), 62% a mais do que em 1990, quando começaram as negociações internacionais sobre clima.

Os reais vencedores da guerra comercial entre EUA e China

  Os reais vencedores da guerra comercial entre EUA e China Importadores americanos recorrem a outros países após elevação das tarifas para itens chineses determinada pelo governo Trump. México e nações do Sudeste Asiático estão entre os que mais lucram com a disputa. © picture-alliance/ZUMA Wire/SIPA Asia/Y. Fangping Contêineres em porto da China: antes da disputa, 23% das importações dos EUA vinham do gigante asiático O negócio de Dung Trans está crescendo. "No ano passado, adicionamos um segundo andar à nossa fábrica. E agora procuramos um novo local quatro vezes maior do que o atual", diz o empresário.

Com a pandemia de covid-19, que obrigou vários países a adotar medidas de isolamento social durante meses, as emissões de CO2 devem diminuir entre 4% e 7% neste ano em comparação a 2019, segundo a WMO. Mas, mesmo em abril, quando houve o nível mais baixo entre janeiro e agosto de 2020, as emissões diárias de carbono eram equivalentes às de 2006, período em que já havia um crescimento acentuado.

Caminhos para mitigar essa alta de CO2 incluem a ampliação de políticas públicas visando ao aumento do uso de energias renováveis, meios de transporte de baixo carbono e eliminação do carvão, além da redução do desmatamento e das queimadas de florestas no mundo todo.

No ano passado, um grupo de 66 países, empresas e investidores fecharam um acordo para zerar suas emissões de gases poluentes até 2050. Também já estão sendo discutidos mecanismos para precificar o carbono, seja por meio da taxação das emissões ou da criação de sistemas de compra e venda de créditos, em que o “poluidor” paga caso a mitigação não seja feita internamente. O objetivo é tornar mais vantajosos modelos de produção que busquem a redução das emissões.

Metodologia

Para mostrar a relação da evolução e longevidade das árvores com a captação de CO2, Locosselli explica que a pesquisa teve como base a análise de anéis de crescimento localizados nos troncos das plantas. Foram avaliados registros de mais de 210 mil árvores de 110 espécies.

Se o anel de crescimento é largo, indica que a árvore cresceu rapidamente. Caso seja estreito, porém, aponta baixo crescimento. Cada um deles representa um ano de vida da planta. Fazendo a contagem de todos os anéis, é possível ter uma estimativa de idade da árvore.

“Por isso conseguimos medir a dinâmica para árvores com 500, 600 anos de idade. Foi possível extrapolar o tempo para além do que outros trabalhos já analisaram com parcelas permanentes”, afirma Locosselli, que está no programa Jovem Pesquisador da Fapesp com o estudo “Florestas funcionais: biodiversidade a favor das cidades”.

De acordo com o pesquisador, as queimadas também aceleram a mortalidade das árvores, mas esse fator não foi incluído na pesquisa. Outros estudos já mostraram que, uma vez queimadas, florestas tropicais como a Amazônica, por exemplo, retêm 25% menos carbono do que as não queimadas, mesmo após três décadas de crescimento.

São Paulo comemora dois meses sem perder no Brasileirão; veja números .
Após goleada no domingo, Tricolor chega à marca de nove jogos sem perder no torneio nacional e a quinta colocação na tabela; confira comparativo com outras competiçõesNo último revés, o técnico Fernando Diniz mandou a campo uma equipe diferente da que goleou o Rubro-Negro: Volpi; Igor Vinícius, Diego Costa, Léo, Liziero; Hernanes, Tchê Tchê; Gabriel Sara, Pablo, Paulinho Bóia; Luciano. Os gols do Galo foram marcados por Alan Franco (dois) e Jair, e o Tricolor chegou a jogar bem e ter um tento anulado pelo VAR na primeira etapa.

usr: 2
Isto é interessante!