Meio Ambiente Novo método estabelece áreas mais adequadas para o manejo do mico-leão-preto

10:05  14 dezembro  2020
10:05  14 dezembro  2020 Fonte:   ecycle.com.br

Pará completa 15 anos como líder em queimadas e desmatamento

  Pará completa 15 anos como líder em queimadas e desmatamento Estado responde por mais de 46% do desmatamento e 41% dos focos de calor na Amazônia em 2020. Estão no Pará os municípios e unidades de conservação mais queimadas e as terras indígenas mais desmatadas. © Lucas Landau/Greenpeace Queimada no entorno da BR-163, no município de Novo Progresso (PA), em agosto de 2020 O Pará completou 15 anos consecutivos como o estado que lidera o desmatamento na Amazônia, de acordo com o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes). O estado também ocupa o topo do ranking em toda a série histórica de queimadas desde 2002.

Por meio de modelagens, pesquisadores determinaram locais com paisagem e clima mais apropriados para espécie ameaçada de extinção endêmica do Estado de São Paulo

Mico-leão-preto © Fornecido por eCycle Mico-leão-preto Imagem editada e redimensionada de Alan Hill, está disponível no Wikimedia e licenciada sob CC by 2.0

O mico-leão-preto (Leontopithecus chrysopygus) já habitou boa parte das florestas do Estado de São Paulo, mas atualmente ocupa apenas alguns fragmentos da Mata Atlântica remanescente. Nos últimos anos, após vários estudos sobre a espécie endêmica do Estado, o Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) translocou alguns grupos para áreas onde o animal havia desaparecido. Novas iniciativas nesse sentido têm agora mais um reforço.

Pesquisa: dengue tende a avançar para áreas frias ainda livres da doença

  Pesquisa: dengue tende a avançar para áreas frias ainda livres da doença Estudo sustenta que Aedes aegypti não se estabelece em locais de vegetação preservada e indica que elevação das temperaturas provocará expansão da viroseÉ nessas alterações de clima que os vetores de arboviroses, principalmente a dengue, têm pegado carona. O estudo “Invasão de cidades tropicais montanhosas pelo Aedes aegypti e Aedes albopictus depende de invernos quentes contínuos e biótopos urbanos adequados” teve como base o comportamento do mosquito nas cidades de Ouro Preto e Mariana, na Região Central do estado.

Um grupo de pesquisadores do IPÊ, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) cruzou uma série de dados climáticos e de cobertura vegetal (paisagem) para determinar os locais mais adequados para a vida dos animais, o que pode dar suporte a novas translocações – quando um grupo é retirado de um local onde há uma população saudável e transferido para uma área em que deixou de existir.

O estudo, apoiado pela FAPESP, foi publicado no American Journal of Primatology.

“Usamos dados climáticos e da paisagem para tentar prever quais áreas, dentro da distribuição original do mico-leão-preto, são adequadas para a sobrevivência da espécie. Os modelos mais usados hoje normalmente usam apenas dados climáticos. A novidade do trabalho foi juntar esses dados aos da paisagem. A abordagem permite identificarmos as áreas teoricamente mais adequadas e comparar com aquelas em que realmente os animais se encontram”, explica Laurence Culot, professora do Instituto de Biociências (IB) da Unesp, em Rio Claro, e coordenadora do estudo.

Como a yoga pode ajudar surfistas a aliviar dores crônicas

  Como a yoga pode ajudar surfistas a aliviar dores crônicas Dores crônicas costumam ser um grande contratempo na vida de surfistas que convivem com essa realidade, pelo constante incômodo e sofrimento. Nós, surfistas, estamos vulneráveis a elas, sendo as mais comuns, as dores nas costas, quadril e pernas. Essas dores são reflexo das várias horas que passamos sentados em frente a uma tela, seja no trabalho somadas às […] The post Como a yoga pode ajudar surfistas a aliviar dores crônicas appeared first on HARDCORE.

A pesquisadora lidera o projeto “O efeito da fragmentação sobre as funções ecológicas dos primatas”, financiado pela FAPESP. O estudo tem como primeira autora Gabriela Cabral Rezende, que realizou o trabalho como parte de seu doutorado no IB-Unesp, com bolsa da FAPESP.

Originalmente habitando uma longa faixa longitudinal entre as regiões sudoeste e central do Estado, o mico-leão-preto é hoje considerado em perigo de extinção. O modelo criado pelos pesquisadores mostrou que, atualmente, uma área de apenas 2.096 quilômetros quadrados (km2) é adequada para a vida da espécie, sendo que os animais estão presentes em apenas 40% dela. Originalmente, esse território se estendia por 92.239 km2. O mico-leão-preto, portanto, ocupa hoje menos de 1% da sua área original de distribuição.

“Esses números são bastante alarmantes, mas ao mesmo tempo nos dão uma perspectiva de que existem áreas adequadas onde a espécie não está presente atualmente. Com base nessas informações, traçamos estratégias mais direcionadas”, afirma Rezende.

Uberlândia negocia compra 400 mil doses de vacina contra COVID-19

  Uberlândia negocia compra 400 mil doses de vacina contra COVID-19 Assim como Belo Horizonte, município negocia com o Instituto Butantan. Além disso, está em contato com representante da vacina produzida na Rússia

Restauração florestal

Para determinar as áreas mais adequadas para a espécie, os pesquisadores utilizaram uma metodologia que cruzou dados dos locais onde há populações dos animais hoje, com dados climáticos e da paisagem atual da área originalmente ocupada pela espécie. O modelo apontou mais áreas adequadas do ponto de vista climático do que da paisagem, como nas regiões do Pontal do Paranapanema, no sudoeste do Estado, e do Alto Paranapanema, no sudeste.

“Estas áreas deveriam ser priorizadas para restauração florestal, a fim de conectar os remanescentes de floresta onde a espécie está presente, favorecendo inclusive outros animais”, diz Culot.

Áreas adequadas tanto do ponto de vista climático quanto da paisagem, por sua vez, são as maiores candidatas para receberem iniciativas de translocação, uma vez que os grupos que forem ali introduzidos terão muito mais chances de compor populações saudáveis ecológica e geneticamente. Tanto a sudoeste quanto a sudeste do Estado, algumas áreas se enquadraram nesse critério, indicando essas regiões como de maior prioridade para a conservação da espécie.

Temporada de cruzeiros: navegar é possível (e seguro)?

  Temporada de cruzeiros: navegar é possível (e seguro)? A temporada de cruzeiros marítimos no Brasil espera definição, mas há opções em embarcações menores ou para ir com seu clã“Continuamos a trabalhar de forma construtiva com as autoridades para que possamos oferecer uma opção de férias segura e responsável para os brasileiros, após este momento desafiador para todos.

Os pesquisadores chamam a atenção, ainda, para a necessidade de se pensar locais que seriam adequados para os micos no cenário de mudanças climáticas, previsto para as próximas décadas. Um estudo de outro grupo já apontou que uma área ao sul de onde atualmente habita uma população, na Serra de Paranapiacaba, sofrerá mudanças que a tornarão mais adequada climaticamente à ocorrência da espécie nos próximos 30 a 60 anos.

Por se tratar de um grande maciço de floresta, o local foi indicado pelo estudo atual como altamente adequado em termos de paisagem. Portanto, a área apresenta grande potencial de abrigar populações de micos no futuro e garantir sua viabilidade.

O mico-leão-preto é conhecido por ter uma certa plasticidade, podendo adaptar-se a mudanças no clima e na paisagem, embora não se saiba com precisão o quanto isso afeta sua fisiologia. A espécie pode ter dietas mais baseadas em frutas ou em pequenos vertebrados, dependendo da disponibilidade. Pode, ainda, mover-se por cerca de 180 metros no chão, entre um fragmento de floresta e outro, embora com isso os indivíduos corram mais risco de serem atropelados, predados ou atacados por animais domésticos. A espécie tem ainda um importante papel na regeneração florestal, dispersando sementes que passam intactas pelo trato digestivo.

Para Andrew Solomon, nunca mais teremos a sensação de invencibilidade de antes do vírus

  Para Andrew Solomon, nunca mais teremos a sensação de invencibilidade de antes do vírus Referência mundial em depressão, ele diz que a pndemia nos fez perder o senso de estabilidade e a noção de segurança, e ninguém sairá ilesoNinguém sairá ileso desta pandemia. Nem mesmo aqueles que conseguiram tirar algo de bom deste período de isolamento, que reviram suas prioridades, não pegaram o vírus, não perderam ninguém – nem o emprego. O dano está aí, esse trauma deverá ser elaborado individualmente e coletivamente, e talvez leve uma geração para voltarmos a nos sentir seguros.

Para as pesquisadoras, num cenário em que os recursos para a conservação de espécies são cada vez mais escassos, a priorização de áreas e o direcionamento de estratégias ganham ainda mais relevância, por tornar as ações mais custo-efetivas.

“Esse trabalho mostra como os modelos teóricos podem ser usados de forma prática para subsidiar o planejamento de políticas e ações de conservação, aumentando as chances de sucesso de tais medidas. Apesar de seu direcionamento a uma espécie específica, a abordagem representa uma ferramenta poderosa que pode ser utilizada no estabelecimento de prioridades de conservação para outras espécies.”

O artigo Integrating climate and landscape models to prioritize areas and conservation strategies for an endangered arboreal primate, de Gabriela Cabral Rezende, Thadeu Sobral-Souza e Laurence Culot, pode ser lido em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/ajp.23202.

Fontes: André Julião em Agência FAPESP

Veja também:

  • Animais em extinção no Brasil e no mundo
  • Adote um boto e ajude a evitar a extinção do maior golfinho de água doce do mundo
  • Extinção atual das espécies é a maior desde o fim da era dos dinossauros, segundo visões científicas
  • 30 propagandas ambientais para refletir sobre o trato com os animais
  • Palmeira da qual se extrai o palmito juçara pode estar próxima de ser extinta na natureza

Polícia e Vaticano investigam acusação de assédio e abuso sexual contra arcebispo de Belém .
Quatro ex-integrantes do Seminário São Pio X formalizaram denúncia ao Ministério Público em agosto deste ano acusando Dom Alberto Taveira Corrêa de usar suposta terapia para curar homossexualismo como pretexto para tocar seus corpos nus e promover abusos como testes à ‘tentação’ do sexoOs fatos narrados aos promotores, que pediram à Polícia Civil a abertura de um inquérito que corre sob segredo de Justiça, teriam acontecido há pelo menos seis anos atrás, em 2014 – e também em anos anteriores —, enquanto os jovens estudavam para tornarem-se padres ou estavam em processo de desligamento do seminário. Todos tinham entre 15 e 20 anos de idade quando os fatos narrados por eles teriam acontecido.

usr: 1
Isto é interessante!