Meio Ambiente Planta aquática e arbusto amazônico revelam potencial para a produção de bioenergia

16:40  28 fevereiro  2021
16:40  28 fevereiro  2021 Fonte:   ecycle.com.br

"Projeto Bolsonaro presidente foi construção de generais"

  Para antropólogo que pesquisa o meio militar há 30 anos, livro de memórias do general Villas Bôas explicita politização do Exército iniciada durante o governo Lula e endosso do Alto Comando à candidatura de Bolsonaro. © Valter Campanato/Agência Brasil Bolsonaro e Villas Bôas na solenidade de passagem de Comando do Exército para o general Edson Leal Pujol, em 2019 Quase três anos após um tuíte direcionado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na véspera do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o general Eduardo Villas Bôas revelou que o posicionamento foi redigido em conjunto com o Alto Comando do Exércit

Lentilha d’água e mata-pasto podem se tornar alternativas à cana-de-açúcar na geração de etanol de segunda geração e bioeletricidade

senna reticulata © Fornecido por eCycle senna reticulata Imagem editada e redimensionada de Dick Culbert, disponível no Wikimedia e licenciada sob CC-BY 2.0

Duas plantas comumente encontradas na região Norte do Brasil – a lentilha d´água e o mata-pasto – têm alto potencial para serem usadas como matéria-prima para a produção de bioenergia, indicam estudos feitos por pesquisadores do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol – um dos INCTs apoiados pela FAPESP e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no Estado de São Paulo.

Congestionamento de portos no Brasil dá fôlego ao rali do açúcar

  Congestionamento de portos no Brasil dá fôlego ao rali do açúcar O mercado global de açúcar tem outro motivo para ganhos. Os atrasos dos embarques que atualmente afetam as exportações de soja do Brasil também devem atingir o açúcar. A fila de navios que aguardam nos portos do maior produtor mundial de açúcar e soja é tão grande que provavelmente haverá gargalos em maio, quando o açúcar normalmente começa a ser escoado em alguns dos mesmos terminais. O efeito dominó chega em um momento de oferta global de açúcar já apertada, pois muitos dos maiores produtores mundiais enfrentam contratempos.

Testes em laboratório revelaram que a produção de açúcares simples pela lentilha d’água após a biomassa da planta ser submetida a um processo chamado de sacarificação foi maior do que a da cana-de-açúcar, a principal matéria-prima do etanol de segunda geração hoje. Já o mata-pasto cresce muito rápido e pode ser uma opção viável para produção de bioeletricidade na região amazônica a partir da queima da biomassa da planta, sem causar desmatamento, avaliam os pesquisadores.

Os resultados dos estudos foram publicados no periódico Bioenergy Research.

“O mata-pasto e a lentilha d’água poderiam complementar ou ser alternativas à cana-de-açúcar para produção de bioenergia”, diz à Agência FAPESP Marcos Silveira Buckeridge, diretor do INCT do Bioetanol e coordenador dos projetos.

Brasil tem quase 30 fábricas de vacina para gado e só 2 para humanos

  Brasil tem quase 30 fábricas de vacina para gado e só 2 para humanos Para o Instituto Butantan, retomada do investimento na produção nacional evitaria tamanha dependência de importações numa pandemia. Mas há quem argumente que é mais barato e vantajoso para o Brasil importar insumos e vacinas da China e da Índia do que tentar garantir a autossuficiência.Enquanto na década de 1980, o Brasil tinha pelo menos cinco institutos capazes de produzir vacinas, atualmente, há apenas dois em operação: Bio-Manguinhos, da Fiocruz, e o Instituto Butantan.

Os pesquisadores avaliaram a composição e o potencial de sacarificação da biomassa das duas plantas para produção de bioenergia. Os resultados das análises de cinco espécies de lentilhas d’água – Spirodela polyrhiza, Landoltia punctata, Lemna gibba, Wolffiella caudata e Wolffia borealis – revelaram que três monossacarídeos – glicose, galactose e xilose – constituem 51,4% da parede celular planta.

Os resultados também indicaram que a biomassa da lentilha d´água apresenta baixa resistência à hidrólise ou sacarificação. Nesse processo, a biomassa lignocelulósica é colocada em contato com um coquetel enzimático com o objetivo de transformar os açúcares complexos presentes na parede celular da planta em açúcares simples, que podem ser fermentados pelas leveduras para a obtenção de etanol de segunda geração.

“A lentilha d’água apresentou baixa resistência à hidrólise, provavelmente porque quase não tem lignina”, avalia Buckeridge. A lignina é uma macromolécula que, associada à hemicelulose e à celulose na parede celular, tem a função de conferir rigidez, impermeabilidade e resistência a ataques biológicos e mecânicos aos tecidos vegetais.

Cotoneaster franchetii: uma super planta que absorve a poluição do ar

  Cotoneaster franchetii: uma super planta que absorve a poluição do ar Cotoneaster franchetii é um arbusto capaz de absorver a poluição que um carro produz em uma viagem de 800 quilômetros Foto de Ellie Burgin no Pexels Cotoneaster franchetii é uma espécie de planta Cotoneaster da família Rosaceae. Ela é um arbusto perene a semi-perene, isso significa que seu ciclo de vida pode ser longo, vivendo mais de dois anos. Geralmente, o vegetal cresce até um pouco mais de três metros, com galhos arqueados e eretos. A Cotoneaster franchetii possui folhas peludas que ficam amarelas com estrias avermelhadas no outono. No início do verão, a planta floresce, apresentando pequenas flores rosas e brancas de cinco pétalas.

Já os resultados das análises do mata-pasto (espécie Senna reticulata) revelaram que quase 50% da biomassa das folhas e do caule da planta é composta por pectinas, hemiceluloses e celulose. A lignina variou consideravelmente entre os órgãos da planta, estando mais presente nas raízes (35%), folhas (10%) e caule (7%).

“Ao analisarmos a biomassa inteira da planta vimos que ela tem uma quantidade enorme de amido nas folhas, muito maior do que já encontramos em outras plantas”, compara Buckeridge.

Os pesquisadores também avaliaram o efeito do aumento de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera na composição da biomassa do mata-pasto. Os resultados indicaram que, embora não tenha alterado significativamente a composição de lignina na parede celular, o CO2 elevado reduziu a proporção da macromolécula nas folhas e raízes da planta. Além disso, aumentou 31% a concentração de amido nas folhas e melhorou em 47% a sacarificação da biomassa da planta.

“O mata-pasto se desenvolve muito bem sob altas temperaturas. Por isso é uma opção interessante para geração de bioeletricidade pela queima da biomassa da planta, principalmente na região Norte do país”, afirma Buckeridge.

Após três prósperas gerações, Petrobras já não assegura mais trabalho para a família Reis

  Após três prósperas gerações, Petrobras já não assegura mais trabalho para a família Reis Cerca de 26.000 trabalhadores diretos e indiretos perderam seus empregos de 2014 até junho de 2020 Fernando é funcionário na Bacia de Campos, assim como seu pai ―seu avô trabalhou para a empresa em Belém. Vinicius seguiria o mesmo caminho, mas sentiu o revés da petroleira e está desempregadoWilson, de 58 anos, é aposentado da Petrobras há dois anos e faz parte de uma família com três gerações ligadas à estatal. Seu pai, Antônio, trabalhou por 25 anos na empresa. Um dos filhos de Wilson, Fernando, de 36 anos, é funcionário há 14 na petroleira.

A lentilha d’água, por sua vez, também cresce em todas as regiões do mundo. Além de ser uma opção para produzir etanol de segunda geração – por ser mais fácil de hidrolisar do que a cana-de-açúcar –, a planta também serve para limpar água, destaca o pesquisador.

“Outra vantagem da lentilha d’água em relação a outras culturas que têm sido estudadas para produção de bioenergia é que não precisa de terra para ser cultivada. Por isso, não concorre com a produção de alimentos”, afirma Buckeridge.

O artigo Senna reticulata: a viable option for bioenergy production in the Amazonian region (DOI: 10.1007/s12155-020-10176-x), de Adriana Grandis, Bruna C. Arenque-Musa, Marina C. M. Martins, Thais Olivar Maciel, Rachael Simister, Leonardo D. Gómez e Marcos S. Buckeridge, pode ser lido na revista Bioenergy Research em https://link.springer.com/article/10.1007/s12155-020-10176-x.

E o artigo High saccharification, low lignin, and high sustainability potential make duckweeds adequate as bioenergy feedstocks (DOI: 10.1007/s12155-020-10211-x), de Débora Pagliuso, Adriana Grandis, Eric Lam e Marcos S. Buckeridge, pode ser lido na mesma revista em https://link.springer.com/article/10.1007/s12155-020-10211-x.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Veja também:

  • Entenda o que é bioenergia
  • Cenário de pandemia pode acelerar adoção de bioenergia
  • Comercial de bicicleta elétrica é banido da TV francesa
  • Modelo computacional ajuda a entender formação de interações ecológicas
  • Exercício físico previne perda de visão relacionada à idade, mostra estudo experimental
  • Alertas de desmatamento disparam na Amazônia
  • Pesquisadores brasileiros desenvolvem sistema de desinfecção de ambientes fechados

Uso de resíduos para geração de bioenergia pode neutralizar as emissões de gases-estufa de São Paulo .
O maior aproveitamento de descartes da produção agrícola para a geração de energia e o uso de resíduos sólidos urbanos para essa mesma finalidade poderiam tornar as emissões de gases The post Uso de resíduos para geração de bioenergia pode neutralizar as emissões de gases-estufa de São Paulo appeared first on TechBreak - Tudo sobre Tecnologia.

usr: 6
Isto é interessante!